Arquivo Mensal

Novembro 2017

Querer ou poder

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Hugo Pinto

Querer não é poder. Quem pôde, quis antes de poder só depois de poder. Quem quer nunca há-de poder, porque se perde em querer.

Fernando Pessoa



E é isto o futebol. Num dia se joga miseravelmente. Noutro ganha-se por seis. Se frente ao CSKA o Benfica jogou pouco ou nada, frente ao Vitória de Setúbal jogou tudo. Ou então, saiu tudo bem. Mas ainda assim jogou notoriamente melhor do que em Moscovo. A verdade é que também fez o que quis, perante um adversário que por pouco, devia ter pago o ingresso. Se nos abstrairmos da goleada e atentarmos na eficácia, este era um jogo que o Benfica deveria ter ganho por dez. Ou por oito, como já o fez aqui há uns anos. Ainda há muita falta de pontaria (leia-se displicência). Mas viu-se garra. Vontade. Querer. Algo que, em boa verdade, ainda não se havia visto. O percurso nas competições internacionais deste ano é claro: zero pontos. Um clube como o Benfica tem de estar a jogar a este nível no início de outubro e não quase em Dezembro. Há demasiado a perder. Continuo a dizer que não nos podemos dar ao luxo de perder pontos para os rivais logo desde o início para depois fazer um campeonato “de trás para a frente”. Tem corrido bem, mas a ver vamos se este ano a coisa se compõe. Assim seja, mas continuo a recear pelo pior.

Sem querer estar a insistir constantemente no mesmo, continuo a achar que o treinador tem de “puxar pelos galões” e pôr os jogadores a fazer aquilo para que são pagos. Jogar (bom) futebol. Reconheço sem problemas a competência técnica de Rui Vitória. Mas falta o querer. E querer não é poder. Mas às tantas ajuda bastante.

Pizzi de regresso às boas exibições, com um ou outro passe à Messi. Krovinovic a mostrar serviço e que pode ser opção como organizador de jogo. Luisão a mostrar que afinal velhos são os trapos e que a experiência faz, muitas vezes, a diferença. E, nem de propósito, mais um fantástico jogo de Jonas, cheio de classe e “nota artística” com dois golos marcados. Querem saber qual a definição de ponta-de-lança? Jonas!

Zivkovic de regresso aos golos, algo que registamos com satisfação. É um jogador de fino recorte que tem de recuperar animicamente o quanto antes.

Quase a terminar, o fim da carreira por parte de Júlio César. Se sentiu que era a sua hora, fez senão bem. Fica porém a ideia de que termina de forma algo atabalhoada. Nem um último jogo? Um adeus oficial? Só um vídeo no balneário parece muito pouco para um jogador com o seu percurso.

Esperemos que esta veia goleadora se mantenha na próxima jornada.

Viva o Benfica.

Dá-me o 37!

Por: Hugo Pinto*

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Rei Leão sonhador!

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
José Costa

Desde a última crónica, o Sporting já defrontou o Famalicão em casa, em mais uma eliminatória da Taça de Portugal. E nesta competição alcançou uma vitória por 2 a zero. Aos 66 minutos, Coates fez o gosto ao pé e assinalou o primeiro golo. Mais tarde, aos 84 minutos, o goleador de serviço, Bas Dost, apontou o segundo, garantido assim a passagem à fase seguinte desta competição, onde irá defrontar, no dia 12 de dezembro, em casa, o Vilaverdense.



Nesta paragem do campeonato, as atenções estavam todas voltadas para a Liga dos Campeões, onde os Leões brilharam mais uma vez e desta feita por 3 bolas a uma, frente ao Olympiacos. Com Bas Dost a apontar o primeiro aos 40 minutos, ficando o segundo a cargo de Bruno César aos 43 minutos e como não há dois sem três, eis que o suspeito do costume, aos 66, Bas Dost marca o 3 a 0, que não foi o resultado final, porque, como acontece com alguma frequência, a equipa do Sporting adormece e acabou por sofrer um golo nos minutos finais, fixando o resultado em 3 – 1. Pode, contudo, dizer-se que este foi um excelente desempenho, estando assim garantida a participação na Liga Europa, sem deixar fugir de vista a hipótese matemática de conseguir a passagem à fase seguinte da Liga dos Campeões, precisando de ganhar ao Barcelona e contar com a ajuda dos adversários no outro desafio.

No passado fim de semana, já para o campeonato, o Sporting foi a casa do Paços de Ferreira vencer. Rodrigo Battaglia, aos 20 minutos, abriu o marcador. Num jogo bem disputado, foi Gelson, um dos melhores em campo, que aos 75 minutos apontou o segundo golo. E tal como já vem sendo hábito, nesta e noutras competições, o Sporting não podia deixar de pregar um susto aos seus adeptos, permitindo que Marco Baixinho, aos 90 minutos, apontasse o golo de honra dos Pacenses, terminando o desafio pouco depois, com um resultado de 1–2.  A formação orientada por Jorge Jesus dominou na maior parte da partida, contudo o Paços de Ferreira nunca deixou de pressionar a baliza de Rui Patrício e nunca deixou de tentar alcançar o empate até ao último minuto de jogo. Assim, deste modo, o Sporting conseguiu reduzir a distância para o líder FC do Porto, que empatou com o Aves.

Noutra modalidade que me é cara, o hóquei, no passado dia 11, em visita a casa do Juventude de Viana, o Sporting conseguiu assegurar mais uma vitória, por 2–3, mantendo-se líder invicto.

E, como não podia deixar de ser, no dia 22 de novembro, em Futsal, Sporting 3 – FP Halle-Goik 2. O Sporting entrou da melhor forma no Grupo B da Fase de Grupos de Elite da UEFA Futsal Cup. Os Leões venceram os belgas do FP Halle-Gooik, num jogo de domínio da equipa portuguesa, que acabou por complicar nos últimos instantes. O FP Halle-Gooik ainda assustou fazendo o 3-2 a 10 segundos do fim, mas o Sporting segurou a vantagem. Ainda nesta competição, no dia 23, o Sporting levou de vencida outra equipa do seu grupo, com uma vantagem um pouco mais folgada, batendo o FC National Zagreb por 3–1. O primeiro objetivo está cumprido com o apuramento para a final four da UEFA Fustal Cup.

Quanto ao Sporting dizer que o sonho alimenta a alma e a alma leonina está bem encaminhada para realizar os sonhos da família sportinguista. E o primeiro de dezembro será uma data importante para mais um passo no caminho da concretização do sonho de juntar mais alguns troféus ao vasto rol, nas muitas modalidades em que o Sporting é Rei – Rei Leão.

O nosso Gil Vicente tem andado de empate em empate, primeiro a 18 de novembro, frente ao Penafiel, resultado de 0–0, e no passado fim de semana outro empate desta vez com o Braga e aqui um empate a 1 bola. Estes resultados deixam a equipa a meio da tabela, mais longe dos lugares cimeiros. Esperemos que no próximo dia 2 de dezembro, em casa, contrarie esta série de resultados, que não sendo maus são sofríveis, e que o desempenho da equipa permita alcançar uma vitória que eleve a moral dos adeptos e do próprio conjunto gilista.

Finalmente uma referência à nossa seleção que nos dois desafios de preparação para o Mundial da Rússia alcançou dois bons resultados, uma vitória por 3-0 frente à Arábia Saudita e um empate com uma seleção sempre difícil, pelo que o resultado de 1-1 no jogo com a equipa dos Estados Unidos pode-se considerar satisfatório, tanto mais que a bola esteve maioritariamente na posse da equipa de Portugal. No entanto, só um “frango” do guarda-redes norte-americano permitiu o golo português. Tendo estas iniciativas sido por uma causa nobre – o apoio às vitimas dos incêndios foi também por isso motivo de orgulho da nação lusa.

Por: José Costa*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Que não me alterem as palavras como fizeram num certo vídeo!

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores!

Espero que ninguém manipule estas minhas palavras como fizeram com um vídeo de um jogo de futebol!



Falando do meu clube, que com imensa dificuldade venceu o Portimonense para a Taça de Portugal, nos descontos! O Porto relaxou um pouco pelo facto de marcar o golo logo aos 4 minutos mas o Portimonense não abdicou da sua identidade e sempre que podia invadia o meio campo contrário com critério e acabou por fazer 2 golos, colocando, dessa forma, o Estádio do Dragão em sentido! Revelou-se, mais tarde, a nossa qualidade, que nos permitiu vencer ainda nos 90 minutos. Quanto à Liga dos Campeões, conseguimos também um ótimo resultado em Istambul, que nos permite sonhar com os oitavos da Champions, dependendo só de nós.

Agora sim vamos à minha opinião mas em relação à Liga, aquilo que me faz mesmo vibrar! Começando pelo jogo do FCP nas Aves, foi um jogo que sabia que ia ser muito díficil, não só pelo cansaço da equipa portista do jogo de Istambul, mas também pela motivação extra dos avenses. Agora não sei se por haver “mala” ou porque vão receber jogadores emprestados em janeiro. Mas de qualquer forma, esperava que o Porto tivesse feito melhor. Era imperial ter vencido nas Aves. Talvez se marcassem a grande penalidade sobre Danilo tivéssemos vencido o jogo! Mas se ganharmos ao Benfica tudo volta à justiça e normalidade! Por falar em Benfica, vi um vídeo no seu Twitter e afinal tenho dúvidas se o lance do Danilo é mesmo penalty!

Quanto ao clássico, espero que o Porto faça a sua parte…que é vencer…e, se possível, por muitos! Que seja um “rolo compressor” durante 90 e tal minutos! Nós, adeptos, seremos a força maior!

Falando do clube da nossa terra, o Gil conseguiu um empate em Penafiel, em jogo em atraso. Não foi um mau resultado! Depois, conseguiu um empate no Braga B, que não é mau de todo, mas está na altura de regressar às vitórias!

O OCB quase vencia, na jornada 5, em Oliveira de Azeméis! Os hoquistas fizeram um grande jogo  mas, pelos vistos, o ringue inclinou quando a Oliveirense estava em desvantagem, na segunda parte! Depois, dou-lhe os parabéns pela passagem à proxima eliminatória da Taça CERS e pela vitória sobre o Paço D’Arcos.

Quanto ao Galo na Rotunda, até gosto mas não sou especialista em design!

Viva Barcelos e o FCP!
Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Teatro de Balugas apresenta hoje, em Balugães, livro “Bons Diabos”, de Paulo Alegria

Atualidade/Concelho/Cultura port

Hoje, pelas 21h30, no Auditório da Junta de Freguesia de Balugães, o Teatro de Balugas apresenta o livro “Bons Diabos”, de Paulo Alegria. De recordar que esta apresentação esteve, primeiramente, agendada para 6 de agosto último mas foi adiada.



Este livro é o resultado do encontro, de apenas um dia, do fotógrafo Paulo Alegria com o grupo Teatro de Balugas. Um conjunto de fotografias que mostram a dedicação e o envolvimento do coletivo de teatro na preparação do evento num palco improvisado pelo próprio elenco, no adro da velha igreja de São Martinho de Balugães.

Nas palavras de Raul Pereira, “observando o elenco, enquanto este deitava mãos à obra e tornava palco o adro da igreja românica de São Martinho de Balugães, as imagens extraídas trazem-nos o Vale do Neiva, essa terra antiga de onde o teatro popular nunca desapareceu e onde permanecem intactos os espaços onde ele acontecia.

A peça apresentada, que é uma adaptação para teatro de rua do Auto dos Bons Diabos, obra de Cândido Sobreiro, é um forte testemunho de que os “Balugas” constroem muito mais do que singelas encenações: é que, nas suas peças, o Alto Minho emerge inteiro, como região em que a permanente dicotomia entre aceitação e recusa foi sempre o gérmen criador da nossa identidade.

O entusiasmo instala-se peça e livro adentro, quando nos apercebemos que as novas gerações retiveram um dos mais sábios ensinamentos: que um futuro interessante e suportável só surgirá da enxertia da planta do presente no sólido fuste do passado”.

O Teatro de Balugas foi fundado em 2007, o Teatro de Balugas inspira-se na cultura popular do Minho. É teatro feito na aldeia, acreditando que este trabalho comunitário manterá viva a identidade desta, enquanto espaço de criação, numa luta contra o desaparecimento do mundo rural, da festa feita nas terras pelas gentes que contavam apaixonadamente as suas crenças, tradições e costumes, de uma certa ideia de progresso que não serve homens nem comunidades. É uma história escrita por artistas anónimos que pisam o palco de balugas ou borzeguins, botas altas com atacadores, de onde deriva o topónimo da aldeia de Balugães.

Já o autor, Paulo Alegria, nasceu em 1970, em Oliveira de Azeméis, mas vive e trabalha em Viana do Castelo. Autor do livro Romeiros, um retrato contemporâneo das pessoas que se deslocam às romarias alto-minhotas e responsável pela cinematografia do filme Alto do Minho, um trabalho documental sobre a identidade do povo da mesma região. Foi-lhe atribuída uma bolsa pela Estação Imagem, em Mora, onde desenvolveu um intenso trabalho fotográfico próximo da população do concelho alentejano, documentando o seu associativismo, que resultou no livro Cultura Magra. Recentemente, integrou uma exposição coletiva itinerante no norte de Portugal e na Galiza, promovida pela DRCN, no âmbito do programa Rota das Catedrais, com um trabalho desenvolvido na Sé Catedral de Lamego. Formou-se em Design Gráfico e passou por outras áreas do conhecimento, como a Arquitetura, a Educação Visual, a Gravura, a Serigrafia e a Fotografia.

Fonte e fotos: TB.

Óquei de Barcelos vence Paço de Arcos por 3-2

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Ontem, no Pavilhão Municipal de Barcelos, defrontaram-se Óquei Clube de Barcelos (OCB), 5º classificado, e CD Paços de Arcos, 8º classificado, em jogo a contar para a 6ª jornada do Campeonato Nacional da 1ª divisão.



O cinco inicial escolhido por Paulo Pereira, treinador do OCB, foi constituído por Ricardo Silva, Juan López, Zé Pedro, João Almeida e Hugo Costa. Os restantes jogadores disponíveis no banco foram André Almeida, Joca Guimarães, Pedro Silva, Afonso Lima e Marinho.

Já Luís Duarte, treinador dos forasteiros, escolheu Diogo Almeida, Gonçalo Nunes, Nélson Ribeiro, André Centeno e Diogo Silva para o primeiro cinco a entrar na quadra de Barcelos. No banco tinha disponíveis Matraco, Rodrigo Afonso, Bruno Frade, Daniel Homem e Tiago Losna.

O jogo foi arbitrado por Ricardo Leão e Miguel Guilherme (AP Lisboa) e chegou ao intervalo já com os da casa a vencer por 2-0, com golos de Joca Guimarães, aos 21’, e de Zé Pedro, aos 24’. Este último golo foi obtido através da marcação de um livre direto a punir o Paço de Arcos pela 10ª falta de equipa. Curiosamente, sendo a primeira equipa a atingir esse número de faltas, ainda na 1ª parte e sofrendo golo como “penalização”, os jogadores que viajaram do Sul não mais fizeram falta até ao final do jogo.

Aos 5 minutos da 2ª parte, Zé Pedro bisou, colocando o OCB com uma vantagem confortável de 3 golos contra 0. No entanto, esse “conforto” não se fez sentir, pelo menos até ao final do jogo.

Primeiro, porque quem chegou, depois, às 10 faltas de equipa foi o OCB e, aos 7 minutos da 2ª parte, na conversão do livre direto a punir os da casa, Gonçalo Nunes reduziu a desvantagem para 3-1.

Aos 15 minutos, Tiago Losna marca e deixa os visitantes a um golo do OCB e do empate. Dois minutos depois, os da casa fazem a 15ª falta mas, na conversão do correspondente livre direto, Gonçalo Nunes não fez golo. Um minuto depois, Tiago Losna é admoestado com um cartão azul, que “levou” Zé Pedro para a conversão do respetivo livre direto. No entanto, também ele não o concretizou.

Assim sendo, o resultado final manteve-se inalterado, com o OCB a levar de vencida o Paço de Arcos, por 3-2, num jogo que terminou com 17-10 em faltas para as equipas.

Com esta vitória, o OCB soma, agora, 12 pontos, mantendo-se em 5º lugar, com os mesmos pontos do Juventude de Viana e atrás de FC Porto, Sporting, Benfica e Oliveirense, respetivamente.

Na próxima jornada, a 7ª, que se disputa já no próximo sábado, dia 2 de dezembro, o OCB tem uma deslocação dificílima ao pavilhão do SL Benfica, em jogo marcado para as 17h00.

Foto: OCB.

Centro Ciclista de Barcelos e atletas seus distinguidos na Gala da Associação de Ciclismo do Minho

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

No passado dia 18 de novembro, no Auditório da Universidade do Minho (Campus de Azurém – Guimarães), realizou-se a Gala de Encerramento da Época Desportiva de 2017, da Associação de Ciclismo do Minho, e onde alguns jovens atletas do CENTRO CICLISTA DE BARCELOS/AFF/ORBEA/ONDA foram distinguidos.



Assim, para a Taça do Minho de Ciclismo de Estrada, em Juniores, Fábio Costa foi distinguido pelo 1º lugar neste escalão. Os seus companheiros João Afonso (22º), João Lopes (31º), Hugo Alves (32º), Juliano Silva (38º) e José Dias (42º) também marcaram presença na prova.

Fábio Costa

Em Cadetes Masculinos, Rui Alves ficou em 4º, seguido de João Silva em 5º. João Martins (9º), Luís Leite (19º), David Duarte (20º) e João Munhoz (27º) deixaram, igualmente, a sua marca na prova. Já Mariana Ferreira, em Cadetes Femininos, foi 8ª classificada.

Diogo Silva (4º) e Gonçalo Costa (6º) foram os representantes da equipa barcelense nos Juvenis.

Por fim, em Pupilos/Benjamins, Francisco Cardoso alcançou um ótimo 3º lugar, com Tiago Nkomesha (11º) e André Oliveira (12º) a fecharem o elenco da equipa nesta competição.

Fotos: ACM/Rui Jorge e Jorge Almeida.

Transformação do IPCA em Fundação Pública aprovada pelo Conselho Geral desta instituição

Atualidade/Concelho/Cultura/Educação port

O Conselho Geral do Instituto Politécnico do Cávado e Ave (IPCA) aprovou, por maioria, no passado dia 24 de novembro, a proposta de transformação do IPCA em Fundação Pública, nos termos do artigo 129.º do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior.



Maria José Fernandes, Presidente do IPCA, considera que “este é um passo fundamental no crescimento e consolidação do IPCA e para a concretização da missão e da visão institucional”. Entre as várias vantagens do regime fundacional, a Presidente destaca a maior autonomia de gestão dos recursos humanos e financeiros, baseada em princípios de responsabilização e transparência. Nas suas palavras, a Presidente do IPCA realça que “esta mudança será feita preservando sempre os valores humanos e salvaguardando os interesses das pessoas que aqui trabalham e estudam, e sempre em benefício de uma Instituição mais forte e mais sólida”.

O Presidente do Conselho Geral, António Marques, enaltece “a forma cordial com que os membros do Conselho Geral trataram uma matéria tão sensível e relevante para a vida da Instituição” e destaca ainda “o sentido institucional e a capacidade visionária em todo o processo de transformação do IPCA em fundação pública”.

O primeiro passo para formalização deste processo aconteceu há mais de 1 ano e meio atrás quando, a 29 de abril de 2016, o Presidente do IPCA à data, Professor João Carvalho, apresentou ao Conselho Geral, uma proposta com vista a iniciar o processo de transformação do IPCA em fundação pública de direito privado, tendo caracterizado as principais implicações dessa transformação institucional.

Posteriormente, a 27 de fevereiro de 2017, foi aprovada a proposta de transformação do IPCA em fundação pública, tendo ficado deliberado pelo Conselho Geral que a mesma estaria em discussão pública entre os dias 06 de março e 30 de junho de 2017. Durante este período de discussão e debate público foram realizadas sessões de informação e esclarecimento com a comunidade académica, contando com a presença de organizações sindicais, responsáveis de Universidades em regime fundacional e dirigentes do IPCA. Foram, ainda, ouvidos os órgãos do IPCA, designadamente o conselho de gestão e os conselhos técnico-científicos das Escolas.

Após a aprovação da proposta na passada sexta-feira, o dossier completo será agora enviado ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior para se iniciar o processo de negociação das condições nos termos da lei.



O processo termina com a publicação em Diário da República do decreto-lei que institui o IPCA como fundação pública com regime de direito privado, após a aprovação pelo Governo.

O IPCA é a primeira instituição pública politécnica a iniciar o processo de passagem para o regime fundacional, seguindo outras instituições de ensino superior universitário – Universidade de Aveiro, Universidade do Porto, ISCTE; Universidade do Minho e Universidade Nova de Lisboa – que se transformaram em Fundações Públicas.

Fonte e foto: IPCA.

ATAHCA com inscrições abertas para cursos de Técnico/a Comercial e Técnico/a Auxiliar de Saúde

Atualidade/Concelho/Cultura/Educação port

Encontra-se a decorrer, e até dia 5 de dezembro, o período de inscrições para os cursos de Técnico/a Comercial e Técnico/a Auxiliar de Saúde, promovidos pela ATAHCA – Associação de Desenvolvimento das Terras Altas do Homem, Cávado e Ave.



Esta Associação é uma entidade que promove o desenvolvimento rural integrado e que tem desenvolvido esforços ao nível da formação profissional para qualificar cidadãos em várias áreas de formação.

Os referidos cursos destinam-se a jovens com idades compreendidas entre os 18 e os 25 anos, que ainda não tenham concluído o 12.º ano de escolaridade.

São cursos de dupla certificação, ou seja, escolar mais profissional, com possibilidade de progressão dos estudos no ensino superior.

A frequência dos cursos confere o direito a bolsa de formação mensal; subsídio de transporte; subsídio de alimentação; bolsa para material de estudo; e acolhimento de dependentes (quando aplicável).

Para mais informações, contactar através dos números 253321130, 911193442 ou e-mail formacao@atahca.pt.

Fonte e imagem: ATAHCA.

Iluminação de Natal e estátua do Galo inauguradas hoje pelo Presidente da Câmara Municipal de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura/Política port

Hoje, pelas 18h30, o Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, inaugura a estátua alusiva ao Galo de Barcelos, instalada na rotunda da antiga fonte cibernética.



A foto que se segue é uma de muitas, da referida estátua, que “circulam” pelas redes sociais e cujo autor desconhecemos.

Esse momento também marcará a ligação da iluminação de Natal na cidade de Barcelos.

RECOVERY IPSS promove recolha de alimentos para ajudar famílias barcelenses nesta quadra natalícia

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

Sábado, dia 2 de dezembro, entre as 9h00 e as 20h30, a barcelense RECOVERY IPSS, presidida por Miguel Durães, promove uma recolha de alimentos no hipermercado E.LECLERC de Barcelos.



Segundo a instituição de apoio ao cidadão na área da saúde mental e candidata ao Prémio Manuel António da Mota 2017, o intuito desta recolha é o de apoiar agregados familiares do concelho de Barcelos nesta quadra natalícia, de família e numa altura em que as necessidades das pessoas se refletem ainda mais nas suas vidas.

Este apoio não é destinado a outras instituições mas a utilizadores carenciados da RECOVERY IPSS e a alguns agregados barcelenses, previamente selecionados.

Aliás, neste momento a referida associação ainda não tem o número certo de famílias que poderá ajudar porque isso dependerá, logicamente, da quantidade de alimentos recolhidos. Por tal, ganha ainda maior relevância a ajuda e contribuição de todos.

Esta é uma iniciativa que a RECOVERY IPSS realiza desde 2013, numa ideia que surgiu para colmatar as necessidades financeiras dos seus utilizadores e que, depois, se alargou a mais algumas famílias do concelho de Barcelos.

Imagem: RECOVERY IPSS.

1 2 3 12
Ir Para Cima