Arquivo Mensal

Março 2018 - page 18

Escrever a letra C!

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores!

Como dizia José Afonso “venham mais cinco”!



Foram esses os golos trazidos do Algarve e que mantêm a distância de 5 pontos sobre os nossos rivais! Assim o Porto habitua-nos mal!…Contra o Sporting, 1-0 chega! Não me importo, também, que seja aos 97 ou 98 minutos!

Não seria melhor “inbestigar” mais uma goleada do FCP??! É que certas “cartilhas” acham estranho tantos golos do meu clube! Só não percebo porque não houve nenhuma “inbestigação” nos últimos 4 anos!…

Voltando a falar do “clássico”, vai ser, na minha opinião, o jogo mais difícil da época e uma vitória do Porto era escrever a letra C da palavra Campeão! Mas no futebol tudo é possível! Só espero que além do Gelson, o Bas Dost fique também em Lisboa! Iremos ao Dragão gritar e apoiar o nosso clube, com a toda a força da nossa alma!

Espero, também, que o Marítimo pontue nesta jornada! Se ganharmos ao Sporting, de certeza que a PJ e a GNR vão ao Estádio do Dragão a mando de alguém! (Risos)

Para fechar, aproveito para desejar boa sorte à nova equipa técnica do Gil Vicente e que a Liga faça regressar o “Gilinho” já na próxima época!

Até à próxima!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Rotary Club de Barcelos homenageia barcelense Hugo Sousa

Atualidade/Concelho/Cultura port

No passado dia 27 de fevereiro, o Rotary Clube de Barcelos homenageou o médico e investigador barcelense Hugo Sousa, atribuindo-lhe a distinção de “Profissional do Ano Rotário 2017-2018”.



Sendo que os fundamentos do Rotary estão imbuídos da importância dos Serviços Profissionais, como se pode comprovar na sua definição, como sendo “uma organização de líderes de negócios e profissionais que prestam serviços humanitários, fomentam elevado padrão de ética em todas as profissões e ajudam a estabelecer a paz e a boa vontade no mundo” ou até quando se considera o seu Segundo Objetivo: “O reconhecimento do mérito de toda a ocupação útil e a difusão das normas de ética profissional”, os Clubes Rotários homenageiam, nas suas comunidades, os profissionais cujo percurso mais se destaca nas diferentes áreas de atividade.

Assim, e dentro desse âmbito, o Rotary Club de Barcelos decidiu homenagear o barcelense Hugo Sousa, atribuindo-lhe, como referido, a distinção de “Profissional do Ano Rotário 2017-2018”.

Hugo Sousa tem 36 anos e é natural de Alvelos. Este médico e investigador barcelense foi distinguido, em 2017, com o Prémio de Diagnóstico Clínico em Virologia, atribuído pela Sociedade Euripeia de Virologia Clínica, tornando-se no primeiro português a receber o “Abbott Diagnostic Award”. Aliás, na altura, este jornal noticiou esse feito e, inclusivamente, publicou uma entrevista ao premiado.

Licenciado em Microbiologia pela Escola Superior de Biotecnologia da Universidade Católica do Porto, Mestre em Oncologia pelo Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (Porto), Doutor em Ciências Biomédicas pelo mesmo Instituto e Licenciado com Mestrado Integrado em Medicina pela Faculdade de Medicina do Porto, o investigador barcelense exerce, atualmente, atividade como Médico no Hospital de Santa Maria Maior (Barcelos) e, ao mesmo tempo, como Técnico Superior de Saúde no Serviço de Virologia do Instituto Português de Oncologia (IPO) do Porto, assim como é Investigado no Grupo de Oncologia Molecular e Patologia Viral CI-IPOP, igualmente no mesmo Instituto portuense.

Agora, foi alvo desta homenagem por parte do Rotary Club de Barcelos.

Fonte e fotos: RCB.

Mais de 800 alunos do 1º Ciclo falam de “Água com Amor” em iniciativa da Águas de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura port

A Águas de Barcelos desafiou e mais de oito centenas de alunos do 3º e 4º ano, do Ensino Básico, assinalaram o Dia de São Valentim com um poema recheado de sentido.



A concurso estão poemas de alunos dos vários agrupamentos escolares do concelho, que se encontram agora em análise por um júri composto por Ana Nunes, Bernardete Costa e Vítor Pinho. Os critérios prendem-se com a originalidade, a criatividade, a coerência e a pertinência ao tema. Com ideias e vocabulários compatíveis à sua categoria, os poemas devem conter as palavras ‘Águas’ e ‘Barcelos’.

Após a análise, os melhores poemas serão, depois, expostos em data a definir. Serão ainda atribuídos o primeiro e o segundo prémios, sendo que o aluno vencedor receberá um tablet de oferta e o segundo classificado receberá um MP4. À escola vencedora (do aluno vencedor) será oferecido um vídeo projetor. Todos os participantes receberão diplomas de participação.

De acordo com a Águas de Barcelos “o Concurso de Poesia sob o tema «Falar de Água com Amor» tem como objetivo fomentar, junto dos mais jovens o gosto pela escrita e pela leitura”.

O Júri é composto por Bernardete Costa, que nasceu em Esposende, em 1949, mas foi registada em Barcelos, onde residiu grande parte da sua vida. Em 1975, iniciou a carreira como docente no então ensino primário. Em 1984, mudou-se para Vila Nova de Famalicão, onde se estreou na escrita jornalística e literária. O seu gosto pela escrita levou-a a publicar algumas obras literárias. Assim, em 2000, editou o primeiro livro de poemas “A Guardadora de Ausências”, com prefácio de Urbano Tavares Rodrigues. A boa receção da obra por parte da crítica, entusiasmou-a a continuar a escrever, especialmente poesia. Em 2001, publicou o segundo livro, “Lugares do Tempo” (prémio literário da Câmara Municipal de Barcelos), em 2002, “Insubmissão dos Afetos” e, em 2004, “Cerejas aos Molhos”, poesia dedicada à infância, todos com a chancela da extinta Campo das Letras. Igualmente dedicado à infância, publicou, em 2009, o livro de contos “O Doce Canto da Sereia e Outras Histórias”. Publicou, depois, pela mão da Atelier de Letras o livro de Poemas para a juventude “Transpiração”, com a apresentação do jovem escritor, valter hugo mãe. De novo para a infância, pela editora Atelier de Letras, em 2012, “A casa sol e o telhado poema”. Em 2013, agora pela mão da jovem editora Blossom Birds, apresenta novamente poesia em “Cânticos de Sedução”. Mais recentemente, em 2015, apresentou, de novo pela Atelier de Letras, o livro de poesia infanto/juvenil “A luz dos Animais e das Coisas”. Além destas obras, tem artigos dispersos em antologias várias e publica textos inéditos no seu blog: http://bernardetecosta.blogs.sapo.pt. Bernardete Costa retornou às origens e vive, atualmente, na avenida virada ao Rio Cávado, em Esposende.

Ana C. Nunes nasceu na “terra do galo” em 1983. Escreve ficção especulativa desde os catorze anos, altura em que achou por bem entrar num duelo literário (e completamente unilateral) com a sua grande rival desse tempo (e agora sua grande amiga). Muitas colaborações se seguiram entre as duas, culminando na publicação integral do romance gráfico “Que Sorte a Minha”, no Jornal Barcelos Popular (2006 a 2007). Desde muito cedo, Ana C. Nunes divide as suas atenções entre a banda desenhada e a escrita, por vezes criando romances ilustrados ou colaborando com excelentes artistas. No campo da escrita criativa, aventura-se, grande parte das vezes, pela ficção especulativa. Publicou contos em antologias nacionais e internacionais, destacando-se a sua participação em “Lisboa no Ano 2000” (Saída de Emergência, 2013, coordenada por João Barreiros), “Por Mundos Divergentes” (Editorial Divergência, 2014) e o conto “Anormal” (Editora Draco, 2016). Em 2010, ganhou o terceiro prémio da 4ª Mostra de BD de Odemira, com a banda desenhada “Um dia alguém lhe disse…”. O seu primeiro romance, “Angel Gabriel – Pacto de Sague”, foi publicado em 2013 e desde então tem publicado vários contos e antologias, alguns dos quais chegaram aos Tops da Amazon e do iTunes. Ana C. Nunes adora ler, passear, e estar com os amigos. Vive em Barcelos, na companhia da família e dos seus dois cães mimalhos: Mini e Stinky.



Por fim, Victor Pinho é Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, possui o curso de especialização em Ciências Documentais pela mesma Universidade e é Chefe do Gabinete de Bibliotecas do Município de Barcelos. Este Técnico Superior da Câmara Municipal de Barcelos, que dirige a Biblioteca Municipal há 33 anos, tem proferido diversas conferências sobre Leitura Pública e História Local. É, ainda, membro da Comissão de Toponímia e é responsável pelo programa cultural da Feira do Livro.

Autor de diversos trabalhos de História Local, a maior parte dos quais publicados na “Barcelos Revista” e nos semanários “A Voz do Minho” e “Jornal de Barcelos”, onde tem vindo a publicar “Os Presidentes do Município de Barcelos”, desde o liberalismo até à atualidade. É, igualmente, o Coordenador Científico dos Fascículos que este mesmo jornal está a publicar sob o tema “Concelho de Barcelos – Freguesias”. É autor do livro “Dicionário de Barcelenses”, publicado em 2017, e que foi Prémio Literário do Município de Barcelos, 2009, na modalidade de investigação. É coautor do livro “D. José Domenech: defensor do trabalho e prestante cidadão”, publicado em 1999, em que divulga a vida e obra deste industrial espanhol de serração de madeiras e que contribuiu para a fixação, em Barcelos, de muitos cidadãos espanhóis. No prelo, está o livro “Teatro Gil Vicente: um século de histórias”, que retrata a história cultural e social de Barcelos, antes e depois da fundação daquela casa de espetáculos. É membro do Rotary Club de Barcelos, do qual foi presidente em 1998/1999 e presidente da Assembleia Geral da Tertúlia Barcelense, da qual foi presidente em 2000/2001. Foi Presidente do Definitório (Conselho Fiscal) da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, de 2009 a 2014, da provedoria do Engº Mário Azevedo e do Dr. António Pedras, Presidente da Direção do IPIR – Instituto Português de Imprensa Regional, de 2002 a 2008 e Vice-Provedor da Real Irmandade do Senhor Bom Jesus da Cruz de Barcelos, de dezembro de 2003 a março de 2007, da provedoria do Dr. Vale Ferreira.

Fonte e imagem

1 16 17 18
Ir Para Cima