Arquivo Mensal

Agosto 2018

No bom caminho

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Ricardo Moreira

Bem-haja, caros leitores do BnH!

Jogou-se à terceira jornada o derby SL Benfica 1 – 1 Sporting Clube de Portugal. Nunca é mau não perder, principalmente na casa do rival; principalmente quando ainda estamos numa fase instável, a tentar recuperar a autoconfiança perdida. Sinceramente, não gostei do jogo, demasiado lento e previsível. Esperava mais, bem mais, mas talvez por ser início de época, ficou muito aquém de um bom derby.



Na realidade, o mais importante, neste momento, é que temos três jogos, dois dos quais disputados fora, com duas vitórias e um empate (na Luz). Seis golos marcados, três sofridos. 7 pontos em 3 jogos, liderança partilhada, contrariando todos os profetas da desgraça, que tinham vaticinado o pior para este nosso arranque de campeonato, já sem a dupla Bruno de Carvalho – Jorge Jesus. O caminho faz-se caminhando. E estamos no bom caminho, para ultrapassar esta fase muito complicada. Continuamos sem derrotas, o que é um bom prenúncio para realizarmos uma época bem positiva, como eu, apesar de todas as contrariedades, realmente acho ser possível, e assim espero.

Agora segue-se o Feirense, em Alvalade, a 1 de setembro.

Nós acreditamos em vocês!

Desporto é Vida! Vive o Desporto com “Respect” e “Fair-Play“!

Por: Ricardo Moreira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Nada fazia prever

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores do BnH!

É com alguma tristeza que aqui escrevo esta semana e as razões são óbvias!



Nada fazia prever o que aconteceu no Dragão, no passado sábado, mas o futebol é imprevisível. O Dragão estava “à rolha”, em pleno mês de agosto, com muita gente de férias e emigrantes a disfrutar daquilo que todos pensávamos, uma vitória normal do FCP.

Percebeu-se, logo de início, que o ritmo do jogo não iria ser intenso! Devagar, devagarinho, o FCP estava a comandar o jogo e o VSC não criava situação de perigo nenhuma. Brahimi “abriu o livro” no primeiro golo, que fez levantar o estádio, e André Pereira, num belo gesto de cabeça e em posição “ilegal”, fizeram os golos ainda na primeira parte…e quase todos pensavam que o jogo estava resolvido. Era preferível que o segundo golo do Porto tivesse sido anulado pois a equipa talvez não teria relaxado tão cedo.

O início de segunda parte deu logo sinais de que algo não iria correr bem. As substituições de Brahimi, logo a abrir; Aboubakar a sair fatigado; e Corona lesionado, tiraram ao FCP toda a criatividade e dinâmica que tínhamos e as suas substituições pouco ou nada trouxeram. Sérgio Oliveira foi um “anjinho” no lance do penalty a favor do VSC; golo que alimentou as esperanças dos vimaranenses. Depois, inexplicavelmente, sofremos 2 golos num curto espaço de tempo, onde a incompetência defensiva e a falta de agressividade foi mais do que evidente. Aliás, o terceiro golo nasce de um lançamento de linha lateral!

Eu estava no estádio e estava incrédulo! Estávamos, no fundo, a reviver o jogo frente ao Belenenses, onde estávamos a ganhar 2-0 e nos deixámos empatar a 10 minutos do fim. Sinceramente, sempre pensei que iríamos, no mínimo, empatar, mas Douglas disse “presente” e fez duas defesas milagrosas, a remates de Herrera e Marega. Como foi possível não aproveitarmos o resultado do derby e, para agravar, não fazer qualquer ponto?!

Não sei que consequências irá isto trazer. Qual será a resposta da equipa e se a SAD se vai manter “impávida e serena” no que diz respeito a entradas e saídas.

Sei que, da minha parte, o meu apoio é constante, pois sou portista nas vitórias, empates e derrotas.

Aproveito para dar os parabéns ao Gil Vicente, pois conseguiu nova vitória, frente ao Taipas, e em 3 jogos, leva 3 vitórias, 8 golos marcados e 0 sofridos.

Para terminar, diz o ditado: “Onde há fumo há fogo”, certo?? Foi por isso que o tribunal considerou que o Benfica é arguido no caso “e-toupeira”??…

Desejo-vos um bom fim de semana e apresento-vos o novo reforço grego do SLB: chama-se “Buskasàsad”!

Desculpem qualquer coisinha!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

 

Vamos a contas: 43 – 6 = ?

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Hugo Pinto

É curioso o resultado deste cálculo, que passo a explicar. O aditivo, 43, refere-se ao número de milhões que o nosso SLB ganhou com o apuramento para a fase de grupos da Liga dos Campeões. O subtrativo, 6, é o número de adeptos que andam com sabor “a pouco”, dadas as exibições encarnadas. Curiosamente, a diferença, 37, é o número do título nacional que deixámos escapar, tal como a hipótese de nos sagrarmos pentacampeões pela primeira vez na nossa história.



Vamos a factos. No derby do sábado passado, tal como eu previ/alertei na crónica anterior, o nosso querido SLB pôs-se a jeito e perdeu uma oportunidade rara de se distanciar na frente relativamente aos seus adversários diretos. O empate com o Sporting, com este Sporting, em casa, é um resultado fraquíssimo. Poderíamos perfeitamente ter ganho. A jogar em casa, deveríamos ter ganho. O Sporting teve um final de época passada surreal. A pré-época foi um corrupio de jogadores a chegar e a sair. O treinador, José Peseiro, convenhamos…não é nada de especial. Este Sporting está longe de ser um adversário difícil. E mesmo assim, foi uma aflição. E vamos sempre ter à mesma conclusão: joga-se pouco! Até defendemos mais ou menos, salvo algumas desconcentrações que, volta e meia, nos saem caras (veja-se o 1-0 em Salónica). Mas a atacar, então, é miserável de se ver. Muita corrida pelas alas e depois fica-se a ver para onde se vai cruzar…Normalmente, não está ninguém, ou se está, chegou tarde; ou se está a tempo e horas, falta a confiança na hora de faturar. Não entendo porque é que se fazem estágios e jogos de preparação para depois andar, já com o campeonato a decorrer, a ver se joga o Pizzi ou o Rafa, o Ferreyra ou o Seferovic…enfim. É de um amadorismo que não me passa. Custa a engolir. A Verdade, nua e crua, é que o SLB não tem treinador à altura.

Com o PAOK Salónica, mais do mesmo. Repare-se: nos dois jogos começámos a perder. Sei que dirão que foi uma goleada. Mas isso não significa que tenha sido um bom jogo. Em meu entender, significa apenas que faltou maturidade ao PAOK e depois perderam a cabeça. Muitas faltas. Muito nervo à flor da pele. E o Benfica ia aproveitando para fazer golos. Mas imaginem, por um momento, que o guarda-redes do PAOK não tinha cometido aquele erro tremendo…bastava que sofrêssemos novamente e voltava a tremedeira. Nem é bom pensar. Teria sido todo um outro jogo.

Pelo lado positivo, grande exibição de Jardel, em excelente forma. Imperial na defesa, conseguiu ainda “cavar” um penalty. Muito bem, esteve também Odisseas Vlachodimos. Sempre seguro, inspira bastante confiança à defesa. Gostei. Gostei ainda de ver Pelkas, do lado do PAOK. De cada vez que tocava na bola eu só pensava: “o Benfica podia ir buscar este…”. Perde a cabeça com facilidade, mas é talvez fruto de alguma imaturidade. Ainda assim, talvez fizesse bem um bocadinho de sangue “quente” ao plantel mais zen da europa, ali para os lados da Luz.

Pelo menos, parece que LFV aprendeu uma lição e deixou de vender tudo e todos só porque valem muitos milhões. Ter cometido os mesmos erros do ano passado e vender o Rúben Dias ter-lhe-ia custado ainda mais caro. Há que cuidar da tesouraria, mas os mais “antigos” sabem qual é o resultado de jogar com Kings, Paredões e Michael Thomas…

O grupo da Liga dos Campeões não é “de morte”, mas também não é “pera doce”. A começar pelo megalodonte de Munique, e passando pelo sempre difícil Ajax de Amsterdão e pelo aguerrido AEK de Atenas. A jogar assim, vamos a ver quantos pontos fazemos este ano.

Que me desculpem os benfiquistas por esta “habitual” nota de negrume clubista, mas não consigo assistir a este Benfica sem sentir repulsa. Adoro o Benfica. Adoro futebol. Mas este Benfica jogo pouco. Muito pouco. Ver jogos do Benfica, de há três anos para cá, é de um tédio imperdoável.

Abraço encarnado.

Por: Hugo Pinto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Sofia Gomes sonha chegar à Seleção com a ajuda do Basquete de Barcelos

Atualidade/Concelho/Desporto port

Continuamos na senda de destacar jovens basquetebolistas que tiveram um bom trajeto e realizaram um bom trabalho, quer no Basquete Clube de Barcelos (BCB), quer nos restantes aspetos da sua vida.



Hoje falamos-lhe de uma menina, jogadora dos Sub-10 do BCB, de seu nome Sofia Gomes. Esta jovem atleta destacou-se pelo seu desenvolvimento e aprendizagem na modalidade.

No início da época de 2017/2018, foi experimentar o basquetebol e, apesar do cansaço dos primeiros treinos, o gosto pela modalidade falou mais alto. Sofia Gomes salienta que “se sente feliz a jogar basquetebol”, sendo que o seu grande sonho é ser chamada, um dia, ao estágio de uma seleção, algo que poderá concretizar com a ajuda do Basquete de Barcelos.

Foto: BCB.

Taça Continental de hóquei em patins disputa-se em Barcelos

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

O Óquei Clube de Barcelos informou que a final four da Taça Continental deste ano disputa-se no Pavilhão Municipal de Barcelos, nos dias 29 e 30 de setembro.



A “Catedral” recebe os jogos:

FC Barcelona (vencedor da Liga Europeia) vs. Óquei de Barcelos (finalista vencido da Taça CERS); e

FC Porto (finalista vencido da Liga Europeia) vs. Lleida (vencedor da Taça CERS).

Os vencedores destes dois encontros disputarão o troféu.

Será, portanto, mais uma final four que colocará frente a frente representantes de Portugal e Espanha, esperando-se que, desta vez, as equipas nacionais levem a melhor.

Foto: DR (alterada).

 

Manos Lisboa destacam-se na formação do Basquete de Barcelos

Atualidade/Concelho/Desporto port

Na sequência da divulgação de jovens atletas que se destacaram na sua formação ao longo da última época, o Basquete Clube de Barcelos (BCB) revela os jovens Francisco e Alexandra Lisboa.



Com apelido de grande “peso” e notoriedade nesta modalidade, ou não fosse o mesmo do grande internacional português Carlos Lisboa, estes dois irmãos nutrem, juntos, uma paixão pelo basquetebol, sempre com presença assídua nos treinos.

Para além deste “grande” pormenor, são amigos dos restantes atletas, educados e têm um desempenho de excelência na escola.

O BCB salienta, em nota, que “é um orgulho poder contar com estes dois jovens como seus atletas”.

Foto: BCB (alterada).

Noite de folclore em Gilmonde

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

Integrado no programa de festas da Senhora d’ Ajuda, em Gilmonde, realiza-se o I Encontro de Folclore Nª Sr.ª d’Ajuda, organizado pela Comissão de Festas.



O Encontro terá lugar no largo do Centro Social, no dia 1 de setembro, com início marcada para as 21h30.

A abrilhantar este evento folclórico estará o Rancho Folclórico Santa Maria de Gilmonde, o Grupo Etnográfico de Danças e Cantares da ADRC Gilmonde, o Rancho Folclórico da Associação de Ancede (Baião), a Rusga de S. Vicente – Grupo Etnográfico do Baixo Minho (Braga) e o Grupo Folclórico de Palmeira de Faro (Esposende).

Imagem: CFNSA.

Recolha de sangue e medula óssea em Moure

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

A Barcelos Solidário – Benemérita Associação Humanitária dos Dadores de Sangue do Concelho de Barcelos, realiza, no próximo dia 2 de setembro (domingo), uma recolha de sangue e de medula óssea.



Essa recolha terá lugar na Escola Básica de Moure, entre as 9h00 e as 12h30, com o apoio da Junta de Freguesia de Moure, Paróquia, EB 1 de Moure e Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

Imagem: BS.

Barcelense Susana Costa, da Casa do Povo de Alvito, com nova presença no Eurominichamp’s em França

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Schiltigheim, em França, foi o “quartel-general” de mais um Eurominichamp’s de ténis de mesa, competição que contou com a jovem barcelense Susana Costa, mesatenista da Casa do Povo de Alvito.



Esta competição foi organizada pela Associação Francesa de Ténis de Mesa, dirigida por Claude Bergeret e com os jogos a serem disputados no Gymnase des Malteries, sendo destinada a jovens nascidos após 2006.

Aos 10 anos de idade, Susana Costa, Campeã Nacional de Iniciadas e Campeã Nacional de Pares Mistos Iniciados, natural de Galegos Santa Maria, participou na 14.ª edição deste Eurominichamp’s, que decorreu naquela localidade francesa entre 24 e 26 de agosto. Esta edição acolheu, ao longo de três dias, 333 jogadores de 32 países e, pela primeira vez, para além dos países europeus, participaram também o Japão e os Estados Unidos, passando a competição para uma dimensão planetária.

Susana Costa integrou a comitiva portuguesa, constituída por Matilde Pinto, Rafael Kong, Mariana Santa Comba, Tiago Abiodun, Inês Fernandes, Mariana Costa, Pedro Gonçalves, Susana Costa, Júlia Leal, Letícia Charamba e Tiago Olhero.

No primeiro dia, realizaram-se as qualificações por grupos, com 3 fases distintas, definindo quem continuava na competição principal ou quem, por outro lado, passava para o “Torneio de Consolação” (os 4ºs classificados da 1ª fase, juntamente com os atletas eliminados das 2 fases seguintes).

Nesse dia de competição, realizado a 24 agosto, (Qualificação por grupos), e logo na 1.ª fase de qualificação, a atleta barcelense ficou num grupo fortíssimo de 4 jogadoras, do qual fez parte a jogadora romena que viria a ganhar o Eurominichamp’s 2018, na categoria feminina 2007 – Bianca Mei-Rosu.

Nesta fase, Susana Costa apenas conseguiu 1 vitória, frente à jogadora da Eslováquia, classificando-se na 4.ª posição do grupo, após o desempate por “goal-average“, (quociente entre os pontos marcados e os pontos sofridos), com as jogadoras da Normandia e da Eslováquia.

Ao pormenor, os jogos da atleta de Galegos Santa Maria:

Nina Nemethova (Eslováquia) x Susana Costa (Portugal): 2-3 (6/11; 11/9; 11/13; 11/7; 8/11)

Noémie Vanden (Normandia) x Susana Costa (Portugal): 3-1 (11/7; 3/11; 11/1; 11/7)

Bianca Mei-Rosu (Roménia) x Susana Costa (Portugal): 3-0 (11/3; 11/5; 11/1)

1ª Bianca Mei-Rosu (Roménia)

2.ª Noémie Vanden (Normandia)

3.ª Nina Nemethova (Eslováquia)

4.ª Susana Costa (Portugal)

Esta classificação condicionou a manutenção na competição principal, sendo remetida para o “Torneio de Consolação”, que se iniciaria no dia seguinte.

No segundo dia de competição (26 agosto), e já a disputar o “Torneio de Consolação”, Susana Costa ficou num grupo de 5 jogadoras, tendo apenas conseguido alcançar 1 vitória, frente à jogadora inglesa por 3-2.

De novo, conheça os resultados e jogos desta jovem jogadora:

Maja Belaj (Eslovénia) x Susana Costa (Portugal): 3-1 (13/11; 11/8; 8/11; 11/9)

Louanne Madelin (Normandia) x Susana Costa (Portugal): 3-1 (11/6; 11/5; 11/7)

Juliette Hartmann (Ile de France) x Susana Costa (Portugal): 3-1 (11/5; 8/11; 12/10; 11/5)

Bethany Ellis (Inglaterra) x Susana Costa (Portugal): 2-3 (8/11; 11/6; 8/11; 11/9; 7/11)

1ª Louanne Madelin (Normandia)

2.ª Juliette Hartmann (Ile de France)

3.ª Maja Belaj (Eslovénia)

4.ª Susana Costa (Portugal)

5.ª Bethany Ellis (Inglaterra)

Atendendo a que apenas as duas primeiras classificadas passavam para a fase seguinte do Torneio de Consolação, Susana Costa viu, por aqui, terminada a sua participação na 14ª edição do Eurominichamp’s.

Em suma, com 7 jogos realizados e 27 sets disputados ao longo destes dois dias, a mesatenista barcelense melhorou a sua participação relativamente à edição anterior e classificou-se na 41ª posição, num total de 84 jogadoras participantes no escalão 2007.



Consciente do longo caminho que ainda falta percorrer, e sabendo que encontrou pela frente adversárias um ano mais velhas e com níveis de desenvolvimento físico muito diferenciados, a mesatenista da Casa do Povo de Alvito regressa a casa com vontade de continuar a trabalhar para preparar a 15ª edição do Eurominichamp’s.

A participação de Susana Costa no Eurominichamp’s 2018 contou com o “apoio e colaboração da Junta de Freguesia de Galegos Santa Maria, da Câmara Municipal de Barcelos, da Butterfly Portugal, bem como do apoio e carinho de todos os familiares e amigos, a quem respeitosamente agradece”, refere, em nota, a treinadora Sandra Esteves, da Casa do Povo de Alvito.

Fotos: DR.

ACR Roriz com balanço positivo na Volta a Portugal Júnior

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Entre 23 e 26 de agosto realizou-se a 13ª Volta a Portugal de Juniores, organizada pela Federação Portuguesa de Ciclismo e composta por 3 etapas (uma delas subdividida em 2 setores) e um prólogo, com os jovens ciclistas a passarem por terras da Beira Interior.



A equipa barcelense ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT, composta por Rafael Torres, Flávio Fernandes, Hélder Gonçalves, João Carvalho, João Rocha, Manuel Barbosa e Pedro Silva, foi uma das 24 equipas que marcaram presença nesta competição.

O prólogo por equipas, de 7,3km, ligou Tortosendo à Covilhã, foi vencido pela BAIRRADA, tendo a equipa de Roriz alcançado o 4º lugar.

A primeira, e mais longa, etapa ligou Belmonte ao Fundão, numa distância de 116,9km, foi conquistada por Yeisson Casallas (BATHCO), com Rafael Torres (11º) a ser o melhor classificado da ACR Roriz.

Depois veio a etapa (2ª) divida em dois setores. O primeiro foi um Contrarrelógio Individual, no Sabugal, na distância de 15,9km, cujo vencedor foi Guilherme Mota (ALCOBAÇA C.C. | CRÉDITO AGRÍCOLA), com Pedro Silva, em 5º, a ser o melhor classificado rorizense. João Carvalho foi 34°, Rafael Torres 58°, Hélder Gonçalves 61°, João Rocha 76°, Manuel Barbosa 82° e Flávio Fernandes 83°. Com este resultado, Pedro Silva aproximava-se da liderança da classificação da Juventude, a escassos 4s.

O segundo setor, já etapa em linha, ligou Sabugal a Almeida, numa distância de 59,2km. O vencedor desta tirada foi Pedro Silva, da ACR Roriz, que conseguiu, assim, a sua primeira vitória nesta Volta, num sprint “explosivo”. Com a bonificação da vitória, este atleta viria a assumir a classificação da Juventude e a respetiva Camisola Branca, que infelizmente não conseguiu “segurar” até ao final da prova.

A prova entrou, então, na última etapa, a segunda mais longa, que ligou Penamacor a Manteigas, numa distância de 113,5km. A etapa foi ganha por João Macedo (SICASAL | LIBERTY SEGUROS | BOMBARRALENSE), com João Carvalho (9º) a ser o melhor posicionado rorizense. Rafael Torres, João Carvalho e Hélder Gonçalves estiveram muito ativos e participaram na principal fuga do dia, que viria a ser alcançada aos poucos pelo pelotão. Já a chegar a Manteigas, um ataque de Pedro Silva leva-o para a frente da corrida, mas a subida ao Poço do Inferno revelou-se um obstáculo difícil de ultrapassar. Nessa subida, destacou-se João Carvalho, que viria a terminar em Manteigas na 9ª posição, resultando no 10° lugar da Geral Individual (3° na Juventude). Nas contas da etapa, Rafael Torres foi 16°, Hélder Gonçalves 22° e Pedro Silva 23°.

No final, em jeito de balanço, a ACR Roriz trouxe desta prova uma vitória, no segundo setor da 2ª etapa; um top-10 na Classificação Geral Individual (João Carvalho, em 10º), com 3º da Classificação da Juventude; um 3º ligar na classificação dos Pontos, em igualdade com os dois primeiros; um 4º lugar no Contrarrelógio por Equipas; um 5º lugar no Contrarrelógio Individual e, finalmente, o 5º lugar na Classificação Geral Final coletiva.

Na Classificação Geral Individual, João Carvalho foi 10°, Rafael Torres foi 19°, Pedro Silva 21° e Hélder Gonçalves 26°. João Rocha, Flávio Fernandes e Manuel Barbosa não concluíram dentro do fecho na primeira passagem pela meta.

Em nota, a ACR Roriz deixou “um enorme obrigado a todos que tornam isto possível e a todos que nos apoiaram ao longo destes 4 dias de prova”.

A equipa de Roriz terminou, assim, um ciclo de competições por etapas, tendo marcado presença em 7 ao longo do ano, que iniciou da melhor forma no Algarve, com a Volta a Loulé; a participação no Tour de Gironde (INT), em Bordéus – França; Ruta del Albarinho, na Galiza – Espanha; Volta ao Minho; Vuelta a Valladolid Junior, em Espanha; Vuelta Ciclista Junior “Ribera del Duero”, em Burgos – Espanha, entre outras.

Fotos: ACRR.

1 2 3 12

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima