Arquivo Mensal

Julho 2019 - page 3

Jogos do Rio encerram com grande enchente

Atualidade/Concelho/Cultura/Desporto/Mundo port

Chegou ao fim mais uma edição dos Jogos do Rio. A iniciativa dos Amigos da Montanha (AM) voltou a caraterizar-se pelo dinamismo, pelos jogos, pelas brincadeiras, pelo fair-play e pela boa-disposição.



Ao longo de quatro sábados, os olhares estiveram virados para o Areal de Barcelinhos. A preocupação com o Rio Cávado e as questões ambientais estiveram, mais uma vez, no foco das atenções desta iniciativa que acontece há 21 anos.

No último sábado, o Areal de Barcelinhos voltou a ganhar um colorido muito especial. Assistiu-se àquela que foi a maior enchente desta edição dos Jogos do Rio. As altas temperaturas aliaram-se, em definitivo, a esta iniciativa e foram centenas as pessoas que não quiseram perder a oportunidade para participar num evento que acontece de forma totalmente gratuita.

“De realçar, uma vez mais, o trabalho de parceria com outras associações, grupos e entidades ao longo dos anos que possibilitam um programa amplo e diversificado de atividades nos quatro sábados dos Jogos do Rio”, salientam os AM em nota.

Neste último sábado, houve a atuação de dois dos grupos que vão marcar presença no Festival Internacional de Folclore do Rio, organizado, no próximo sábado, pelo Grupo Folclórico de Barcelinhos. Se os Jogos do Rio são desporto, ambiente e lazer, são também sinal de cultura e isso esteve bem evidente com as atuações de grupos oriundos dos EUA e da China.

Terminado o momento cultural, houve espaço para uma demonstração de karaté pelo Clube de Karaté de Barcelos (CKAB) e para uma maratona de spin bike, pelo Máximo Gym.

Entretanto, no Cávado, as motas de água da Associação Moto Galos agitavam as águas, com dezenas de passeios. Já durante a manhã, duas dezenas de utentes da APACI e APAC tinham tido oportunidade de experimentar esta modalidade, para além dos passeios de canoa e de uma atividade de orientação.

Nos Jogos do Rio, que têm como conceitos principais o fair-play, a ética, a determinação e a inclusão, esta foi, também, uma manhã diferente e uma experiência única. “Os Amigos da Montanha procuram proporcionar diversas atividades de inclusão através do desporto e esta foi mais um exemplo”, salientam.

O slide a atravessar o Cávado, a parede de escalada, os passeios de canoas, os insufláveis e piscinas completaram o leque de atividades à disposição de todos no areal.

Sábado, aconteceram também os últimos jogos dos torneios de futebol, voleibol, atletismo, orientação, canoagem e escalada. Nos torneios masculinos, o primeiro lugar da classificação geral foi entregue ao Fórum Jovem. Já no sector feminino, “Os Académicos” voltaram a subir ao mais alto lugar do pódio. Em infantis, a equipa de Roriz levou a melhor.

A AD Carreira (infantis), as Chiquinhas (femininos) e o Lijó Life (masculinos) venceram o Prémio Fair-play e Lucas Machado (Roriz), Sara Teixeira (“Os Andorinhas”) e Diogo Machado (Juventude da Pousa) arrecadaram o galardão de Menino do Rio. Estes são dois dos troféus muito acarinhados pela total identificação do espírito dos Jogos do Rio.

No final, o diretor dos Jogos do Rio, “Lim” Costa, destacou os valores que pautaram esta iniciativa: “Só podemos estar contentes pelo convívio, o fair-play e o respeito mútuo entre as equipas. Na animação, estivemos ao rubro. Mais uma vez, demonstrámos que sabemos cuidar do rio e queremos cada vez mais pessoas a frequentar o rio. Queremos transformar este areal numa praia fluvial. Penso que estamos a caminhar para isso”. Já o presidente da Junta de Freguesia de Barcelinhos, Rui Peixoto, agradeceu aos Amigos da Montanha pelo dinamismo que proporcionam na freguesia. “Barcelinhos sente-se orgulhosa pela forma como os Amigos da Montanha promovem esta dinâmica”. Por fim, o vereador do Desporto da Câmara Municipal de Barcelos, Francisco Rocha, também elogiou a organização dos Jogos do Rio. “Obrigado por trazerem pessoas ao rio e por limparem o Areal. Sem os Amigos da Montanha, isto não seria possível. Obrigado por trazerem ao Areal milhares de pessoas ao longo deste quatro sábados”.

A encerrar mais esta edição dos Jogos do Rio houve aula de zumba pela professora Luciana Silva e festa da espuma.

Classificação geral:

Infantis: Roriz (1º), AD Carreira (2º) e Gil Vicente (3º).
Femininos: “Os Académicos” (1º), Laranjinhas (2º), Moças da Vila (3º), Andorinhas (4º), Chiquinhas (5º), Meninas do rio (6º) e Profitecla (7º).

Masculinos: Fórum Jovem (1º), Juventude da Pousa (2º), E.Leclerc (3º), Lobo Têxtil (4º), No Name Team (5º), Capitão Esteves (6º), Fairplay (7º), Blur (8º), Profitecla (9º), Lijó Life (10º), Bolas de ouro (11º) e Brinca na areia (12º).

Prémio Menino do Rio: Lucas Machado (Roriz), Sara Teixeira (Andorinhas) e Diogo Machado (Juventude da Pousa).

Prémio Fairplay: AD Carreira (infantis), Chiquinhas (femininos) e Lijó Life (masculinos).

Prémios em modalidades:

Atletismo: Gil Vicente (infantis), Moças da Vila (femininos) e No Name Team (masculinos).

Escalada: AD Carreira (infantis).

Voleibol: Os Académicos (femininos) e Fórum Jovem (masculinos).

Canoagem: Roriz (infantis), Os Académicos (femininos) e Juventude da Pousa (masculinos).

Futebol: Roriz (infantis), Os Académicos (femininos) e Juventude da Pousa (masculinos).

Orientação: AD Carreira (infantis), Os Académicos (femininos) e E.Leclerc (masculinos).

Fonte e fotos: AM.

Albergue Cidade de Barcelos celebra 8º aniversário com atividades ao longo da semana

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

Entre 20 e 25 de julho a Associação ACB – Albergue Cidade de Barcelos encontra-se a comemorar o seu 8º aniversário, com um rol de atividades ao longo destes dias, promovidas pela associação, de participação livre e gratuita (sem necessidade de inscrição), vocacionadas para a promoção de Barcelos no Caminho Português de Santiago e do Caminho de Santiago para os barcelenses. Estas comemorações têm o apoio do Município de Barcelos e da Xunta de Galicia.



Assim, no passado dia 20 de julho realizou-se o “Barcelos Hospitaleiro”. Esta foi a 4ª edição de um evento informal de partilha de experiências entre todos os que, diariamente, promovem a hospitalidade no Caminho Português de Santiago.

No dia seguinte, houve visita guiada, com tema “Barcelos na ótica do Caminho de Santiago”, orientada pelo Posto de Turismo de Barcelos.

Hoje, pelas 19h00, há Eucaristia de Santiago e Bênção do Peregrino, na Igreja de Santo António (Barcelos). Esta é uma atividade promovida em parceria com a Bênção do Peregrino da Igreja de Santo António e com a Associação SobramSonhos – Amigos e Voluntários do Caminho de Santiago.

Ainda hoje, pelas 21h00, no Posto de Turismo de Barcelos, inaugura a exposição “De Mar a Mar – o Caminho de Santiago em 3D”, da Xunta de Galicia. Esta exposição é composta por 20 fotografias do Caminho Português de Santiago na Galiza, sendo imagens de alta resolução em formato anáglifo 3D. O Caminho de Santiago é apresentado como uma rota universal, espiritual, histórica e monumental, Primeiro Itinerário Cultural Europeu, cuja meta é o túmulo do Apóstolo Santiago Maior, em Santiago de Compostela.

Esta exposição estará patente de 25 de julho a 20 de agosto de 2019.

A Associação ACB – Albergue Cidade de Barcelos é uma associação privada, sem fins lucrativos, nem financiamento público, que foi fundada em julho de 2011, tendo como finalidades “promover a hospitalidade, principalmente proporcionando condições de acolhimento no Albergue Cidade de Barcelos (contra donativo livre e voluntário) de curta duração de Peregrinos que percorrem o Caminho Português de Santiago e/ou qualquer outro itinerário de Peregrinação (nomeadamente o Caminho de Fátima)” e “organizar atividades de proteção, valorização, divulgação e promoção de Barcelos no Caminho Português de Santiago e do Caminho de Santiago para os barcelenses”.

Depois da apresentação pública do projeto, a 24 de julho de 2011, foi a 3 de julho de 2012 que o Albergue Cidade de Barcelos acolheu os primeiros Peregrinos (o Albergue Cidade de Barcelos foi ampliado em julho de 2016). Desde essa data, o Albergue Cidade de Barcelos promove, diariamente, sem interrupções, a Hospitalidade, a cidade de Barcelos e a Lenda do Galo (365 dias por ano / 24 horas por dia). Até à presente data, o Albergue Cidade de Barcelos acolheu mais de 20000 peregrinos de 70 nacionalidades, dos 10 meses aos 89 anos de idade, sem distinguir raça, etnia, género, idade, profissão e/ou credo. Paralelamente, promove diversas atividades, tanto de informação e preparação de Peregrinos (barcelenses) como de defesa de Barcelos no Caminho Português de Santiago e do Caminho de Santiago em Barcelos.

Fotos: ACB.

Exposição “De Mar a Mar – o Caminho de Santiago em 3D” no Posto de Turismo de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

Inaugura hoje, pelas 21h00, no Posto de Turismo de Barcelos, a exposição “De Mar a Mar – o Caminho de Santiago em 3D”, da Xunta de Galicia. Esta exposição é composta por 20 fotografias do Caminho Português de Santiago na Galiza, sendo imagens de alta resolução em formato anáglifo 3D.



O Caminho de Santiago é apresentado como uma rota universal, espiritual, histórica e monumental, Primeiro Itinerário Cultural Europeu, cuja meta é o túmulo do Apóstolo Santiago Maior, em Santiago de Compostela.

Esta exposição estará patente de 25 de julho a 20 de agosto de 2019 e está integrada no programa de comemorações do 8º aniversário da Associação ACB – Albergue Cidade de Barcelos.

Imagem: DR.

Lucas Braga, da ACR Roriz, em 5º no Campeonato Nacional de BTT-XCO

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

No passado domingo, decorreu, em Souto Santa Maria – Guimarães, o Campeonato Nacional de BTT-XCO. Uma prova cronometrada realizada em circuito fechado com uma extensão de 4,6Km, onde o número de voltas define a distância a percorrer para as diferentes categorias.



Por entre as equipas participantes esteve a ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT, que se fez representar por 4 atletas (Um Júnior, dois Cadetes e um Master 40).

O Júnior Lucas Braga realizou 5 voltas (23Km) em 01h03m02s, valendo-lhe, assim, o 5º posto no Campeonato Nacional, a 5 minutos do vencedor, Diogo Neves (BTT LOULÉ | ELEVIS).

Num total de 4 voltas (18,4Km), os Cadetes Diogo Carreiras e Pedro Pinto acabaram a prova na 28ª e 48ª posição, respetivamente.

O experiente José Ribeiro finalizou na 21ª posição, no escalão de Master40, realizando 5 voltas, totalizando, dessa forma, 23Km em 01h13m24s.

Foto: DR.

Tradição homofóbica em Barcelos ainda é o que era

MP e Bárbara lutam pelos direitos das pessoas Lésbicas, Gays, Bissexuais, Trans e Intersexo 

Nuno Dantas

Portugal continua a ser um país homofóbico. A denúncia é feita pela ILGA Portugal, num relatório apresentado no mês passado, segundo o qual o país precisa de outra lei antidiscriminação, recolha de dados oficiais, outro sistema de registo de denúncias e formação para os funcionários públicos.



Apesar de reconhecer que a realidade dos direitos das pessoas LGBTI (Lésbicas, Gay, Bissexuais, Trans e Intersexo) melhorou em Portugal, a associação aproveitou o Dia Internacional contra a Homofobia e a Transfobia – assinalado a 17 de maio – para divulgar o segundo relatório de acompanhamento à recomendação do Conselho da Europa para a adoção de medidas de combate à discriminação em razão da orientação sexual ou da identidade de género.

A recomendação é já de 2010, mas, passados estes anos, a ILGA (Intervenção Lésbica, Gay, Bissexual, Trans e Intersexo) lembra que as sugestões feitas na altura continuam a ser as mesmas de agora, já que, neste período, não foram acatadas.

Em Barcelos, a realidade não é muito diferente e agrava-se quando comparada com as grandes cidades, como Porto ou Lisboa. A orientação sexual continua a ser um tabu e alvo de críticas e de comportamentos discriminatórios. Por isso, o medo de assumir a homossexualidade ainda impera. No entanto, há quem não se esconda e há quem “dê o peito às balas” pela comunidade LGBTI. É o caso de MP e Bárbara, como gostam de ser conhecidas, um casal homossexual que há muito se assumiu como tal e que luta diariamente contra o preconceito. A marcha do orgulho LGBT+ de Barcelos, realizada no passado dia 13 de julho, foi um passo importante, mas ainda insuficiente para quebrar barreiras.

MP e Bárbara

MP tem 26 anos e é natural de Barcelos. Tinha apenas 11 anos quando percebeu que gostava de pessoas do mesmo sexo. “Para mim, foi uma coisa natural e achava isso uma coisa extremamente normal até me dizerem o contrário”, começa por contar a barcelense. Cedo se assumiu como homossexual, mas a família não aceitou bem. “A única pessoa que me apoiou foi a minha tia, que é como uma mãe para mim”, revela.

Bárbara é mais nova. Tem 24 anos e é natural do Porto. Conheceram-se via Facebook, já que na altura procuravam formar uma banda de música – MP toca bateria e Bárbara canta e toca guitarra. Nunca contou aos pais que gostava de mulheres, porque sabia que a reação não ia ser a melhor. “Os meus pais só descobriram que eu era homossexual quando eu já estava com a MP. Nunca lhes disse, sempre escondi isso, porque sabia a mentalidade que eles tinham. Eu era menor de idade e tinha medo que os meus pais me pusessem fora da porta”, conta a portuense. E, de facto, os pais não aceitaram a sua relação com MP, ao ponto de quererem que ela se tratasse. “Os meus pais apanharam-nos juntas no shopping e confrontaram-nos. O meu pai queria internar-me porque não achava normal. Nós aproveitamos que eles iam sair e fomos a minha casa, metemos as minhas roupas à pressa num saco, metemo-nos num comboio e só paramos em Barcelos, na casa da tia dela”, salienta Bárbara. “Só ela nos apoiou”, completa a namorada.

Vivem juntas quase há quatro anos. Quando moravam no Porto, não evitavam o contacto na rua porque se sentiam mais à vontade para o fazer. O mesmo não acontece por cá. “Nós aqui evitamos ter muito contacto físico na rua. Principalmente porque sei que está muito difícil arranjar emprego. Eu estive uns anos fora de Barcelos e, quando regressei, senti que não evoluiu nada, que é uma cidade estagnada. É uma cidade preconceituosa para com tudo o que é diferente”, afirma MP, enquanto Bárbara completa: “Para mim, vir do Porto para aqui foi um choque. Ela falava-me de Barcelos e das pessoas de cá. Eu achava que era exagero, que não era possível as pessoas serem assim tão conservadoras, mas, quando para cá vim, percebi que eram mesmo”.

Apesar de se sentirem melhor numa cidade como o Porto, também lá foram vítimas de comentários homofóbicos, de insultos e até ameaças físicas. “Uma vez, estava a despedir-me da Bárbara, ela ia trabalhar, e demos um beijo. De repente, vejo um homem a vir na minha direção aos berros. ‘Suas porcas, estão a ver esta mão? Levam uma chapada!’, disse ele aos gritos. Estava tanta gente a ver e ninguém fez nada. As pessoas conformam-se e têm medo de se meter, têm medo de dizer que o que ele estava a fazer não era certo”, analisa MP.

Homofobia na escola

Já foram assediadas, já foram maltratadas, mas nunca apresentaram queixa. “O que vamos fazer? Vamos começar a gritar? Nós é que somos vistas como as ‘loucas’, alguém vai acreditar em nós?”, questiona a barcelense.

Essa é, aliás, umas das conclusões do relatório da ILGA. Uma das responsáveis pela associação, Marta Ramos, em declarações à agência Lusa, referiu que as denúncias às autoridades continuam a ser residuais, comparativamente às que a própria ILGA recebe, explicando que as pessoas “muitas vezes não denunciam por questões que lhes escapam a si próprias, porque esse é o status quo em termos de perceção social”.

Já um estudo nacional sobre ambiente escolar, realizado no ano passado e que reuniu respostas de 663 jovens entre os 14 e os 20 anos de idade, revela que cerca de um terço dos jovens LGBTI sentem insegurança na escola por causa da sua orientação sexual, e 27,9% por causa da sua “expressão de género”. MP sofreu bullying e apenas teve o apoio de algumas amigas: “Na escola, não há a abordagem desses temas, as pessoas parecem ter receio falar nesses temas”.

O mesmo estudo mostra que a maioria dos inquiridos (61,1%) afirma ouvir comentários homofóbicos na escola “de forma regular ou frequente” e que, nas situações em que estavam presentes professores ou funcionários da escola, em mais de metade dos casos os profissionais não intervieram. Já no caso de comentários negativos sobre a “expressão de género” dos estudantes, um em cada três alunos diz que os comentários partiram dos próprios professores ou funcionários.

Expressão de género

É MP quem sente mais na pele o preconceito e a discriminação. “Ela não segue os padrões do que as pessoas aqui acham que é uma mulher”, diz Bárbara. “Uma mulher é muito mais do que o que temos por fora. Uma mulher é a forma como nos sentimos por dentro. Não é o que temos aqui em baixo que define o que é o homem ou a mulher”, continua MP. “Todos nós temos um lado masculino e feminino. A minha expressão de género é mais masculina, mas nem tinha que me identificar com nada, há pessoas que se considerem neutras. Isso não é importante, o mais importante é nós aceitarmo-nos uns aos outros, apoiarmo-nos e vivermos com respeito”, refere antes de concluir: “O importante é sermos felizes. Será que essas pessoas que seguem os padrões são realmente felizes? Elas sabem o que é o amor? Eu acho que não, porque se soubessem o que é o amor, elas não nos iam discriminar”.

Novo projeto

MP & Bárbara. É assim que se apresentam no Facebook (https://www.facebook.com/MP.and.Barbara/) onde, na fotografia de capa, têm uma frase simples, mas que diz muito: “A única coisa capaz de nos transformar é o amor”. Têm também um canal no Youtube (https://www.youtube.com/user/MPandBarbara), onde, recentemente, criaram um novo projeto chamado “Não me calas”. “Consiste em passar para o público a discriminação que sentimos enquanto comunidade LGBT, através de frases que já nos foram ditas. O primeiro vídeo foi sobre a homofobia na família, onde mostramos algumas frases que nos foram ditas por familiares. Vamos fazer isto sobre muitos outros temas”, conclui MP.

Por: Nuno Dantas. * (Jornalista)

Fotos: Nuno Dantas.

(* A redação do artigo é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Clube Cávado Patinagem Artística conquista vários pódios no Torneio de Verão

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Nos fins de semana de 13,14 e 20, 21 de julho, realizou-se o Torneio de Verão de Patinagem Artística, organizado pela Associação de Patinagem do Minho e que decorreu entre Riba d’Ave e Fermentões, concelho de Guimarães.



Um dos clubes participantes foi o barcelense Clube Cávado Patinagem Artística (CCPA), que arrecadou vários pódios em ambas as disciplinas e nos vários escalões, tendo levado às provas 22 atletas.

Assim, em Patinagem Livre, Gonçalo Remelhe foi 2º (Cadetes), Andreia Almeida foi 3ª (Juniores) e Andreia Fonseca conquistou o 1º lugar em Seniores.

Já em Solo Dance, Carolina Apolinário foi 1ª (Infantis A) e Margarida Matos também foi 1ª (Infantis B).

Maria Leonor Almeida foi 2ª em Iniciados B.

Nesta mesma disciplina, Lara Silva foi 3ª (Cadetes A), Beatriz Coutinho foi 1ª (Cadetes B), Matilde Araújo foi 2ª (Cadetes B) e Débora Ferreira, também em Cadetes B, foi 3ª.

Em Juvenis, Inês Ferreira foi 3ª.

Em Juniores, Andreia Almeida foi 1ª, Liliana Rodrigues 2ª e Jéssica Belchior 3ª.

Andreia Fonseca conquistou novo 1º lugar, em Seniores.

Quer em patinagem livre, quer em solo dance, é de destacar ainda os resultados dos restantes atletas, que, apesar de não conseguirem lugar nos pódios, obtiveram posições ou classificações positivas, ficando entre os 10 primeiros lugares dos rankings.

Fotos: CCPA.

Mega aula solidária em prol da StreetDogs

Atualidade/Concelho/Desporto port

No próximo dia 26 de julho, a STREETDOGS organiza uma Mega Aula Solidária, com 2 horas de exercício non-stop, com início pelas 18h30, no Parque Radical de Arcozelo.



Entre as 18h30 e as 19h00 haverá aquecimento. Depois, segue-se uma hora de Spin Bike e Jump e meia hora de zumba.

A organização convida os participantes a levarem o seu “patudo” e a tirarem uma selfie com ele. Haverá prémios para os vencedores com mais “likes”. De igual forma, haverá uma demonstração prática de treino comportamental.

Este é um evento que conta com o apoio do MÁXIMO GYM e do ISLAND DOGS – Centro de Treino Canino.

Imagem: DR.

Escolas da ACR Roriz em 2º lugar no Prémio Cidade de Barcelos 2019

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Equipa de Roriz conquistou vários pódios

No passado domingo, 21 de julho, a ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT esteve presente, com as suas equipas de Escolas e Cadetes, na 34ª edição do Prémio Cidade Barcelos, uma organização do Centro Ciclista de Barcelos e da Associação Ciclismo do Minho, sendo de destacar alguns triunfos individuais e um 2º lugar na Classificação Coletiva entre as Escolas.



No escalão de Juvenis, o destaque vai para João Martins, que saiu vitorioso da prova em linha, onde foram percorridos 15Km. No pódio, juntaram-se ainda os seus colegas Gabriel Baptista 2º, Bruno Lopes 5º e Paulo Fernandes 9º. Neste escalão, ainda participaram Guilherme Vilas Boas 11º, Diogo Miranda 19º, Henrique Lopes 23º, Dinis Saleiro 27º, Rodrigo Rodrigues 36º e Afonso Coelho 41º.

No escalão de Infantis, Leandro Martins subiu ao pódio com um brilhante 7º lugar.

Já no de Iniciados, Dinis Carreiras foi 5º, José Gomes 8º, Rui Lopes 9º, Hugo Nunes 11º, Rodrigo Quinta 12º, Tiago Marques 13º, Rodrigo Fernandes 14º e Tomás Santos 26º.

Em Iniciados Femininos, Adelaide Palmeira subiu ao pódio com um 3º lugar.

No escalão de Benjamins, Afonso Pereira fez 3º e Samuel Gomes 6º.

Em Benjamins Femininos, Matilde Fernandes subiu ao posto mais alto do pódio com a conquista do 1º lugar, seguida de Daniela Fernandes, que fez 2º.

Sérgio Saleiro conquista 4º lugar em Cadetes

Em Cadetes, Sérgio Saleiro esteve na disputa pela vitória final, tendo terminado na 4ª posição, com o mesmo tempo que o primeiro classificado, Thiago Couto, da equipa FORTUNNA | MAIA FORMAÇÃO.

O seu irmão gémeo, Diogo Saleiro fez 23º, Guilherme Rodrigues 37º e Vítor Faria 43º. João Serre e Pedro Pinto não conseguiram concluir a prova, que tinha uma extensão de 25Km.

Fotos: ACM/Marcelo Lopes.

Casa do Povo de Alvito apresenta Horta Intergeracional e Mini Zoo em Open Day

Atualidade/Concelho/Cultura port

A Casa do Povo de Alvito vai levar a cabo mais uma iniciativa no âmbito das comemorações dos seus 75 anos, o Open Day, que se vai realizar, no próximo domingo, dia 28 de julho, a partir das 14h45.



Será apresentada a Horta Intergeracional e o Mini Zoo, um projeto original, que permite um contacto permanente dos utentes com a natureza.

O programa prevê, pelas 14h45, o espetáculo musical dos idosos “A Lenda do Galo”. Depois, pelas 16h00, dá-se a apresentação da horta e do mini zoo, seguidos da apresentação do hino institucional pelos colaboradores. Pelas 17h00, há porco no espeto com animação musical e o cantar dos parabéns.

A iniciativa está aberta à comunidade.

Imagem: CPA.

Pedro Rocha, aluno do IPCA, vence concurso “Free Your Mind” na área de Design de Calçado

Chama-se Pedro Rocha, passou para o 2º ano do Curso Técnico Superior Profissional de Design de Calçado do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA) e venceu o 1º prémio do concurso “Free Your Mind”, organizado pela empresa de solas VAPESOL.



Foi a partir do trabalho académico da unidade curricular de projeto que Pedro Rocha criou a coleção (e modelo de sapatilha vencedora) Funky Tokyo. A coleção representa uma abordagem nostálgica com um toque futurista e modernizado da intemporal tendência “Legado Reconstruído”. “A sapatilha, apresenta influências do street style nipónico, é uma reflexão das luzes e cultura de rua japonesa associadas à estética do videojogos dos anos 80, procurando unir o saber fazer manual, como as cordas e elásticos apresentadas, com a estética tecnológica da cultura japonesa”, refere o criador que como “já tinha o projeto realizado” resolveu participar.

O prémio atribuído pela Academia VAPESOL (criada recentemente) ao vencedor, Pedro Rocha, foi um prémio pecuniário de mil euros e uma viagem a Milão com estadia e um convite para a feira LINEAPELLE (que terá lugar nos dias 2, 3 e 4 de outubro próximo). Vai ter, ainda, o modelo vencedor exposto na referida Feira, no stand da VAPESOL.

Para o criador esta distinção “é super importante na nossa área. Fiquei mesmo contente e para o currículo é sempre uma referência”. Pedro Rocha vem de uma licenciatura em Desenho de Moda e já participou com uma coleção sua no Portugal Fashion.

Neste momento, encontra-se a estagiar em Espanha, ao abrigo do programa Erasmus + do IPCA e já tem planos para o futuro:” Quero continuar pela área da moda e o valor deste prémio já servirá para o próximo projeto de calçado”.

“Porque o amanhã constrói-se desde já!”, foi o mote para esta iniciativa da VAPESOL, empresa de solas sediada em Felgueiras.

Fonte e fotos: IPCA.

Ir Para Cima