A poesia não tem de rimar

Janeiro 27, 2018 Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião
Joana Martins

 

Sabes menina

Tenho saudades de ti

Do teu sorriso

Do teu olhar

Escrevo sem medo

O que tenho vontade

Rimo, não rimo?

A poesia não tem de rimar.

Que rime a vida

Com a luz que trazes

Que rime com alegria

Que vire o barco

Mas tu não vires.

Segura-te!

A tempestade vai passar

O sorriso vai voltar

O teu olhar vai brilhar

Que rime a vida

Porque a poesia não tem de rimar

Mas eu rimo

Quando quero

E espero

Que a poesia volte a viver

A rima que já rimei!

Por: Joana Martins*.


(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima