Abre mão

Outubro 31, 2019 Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião
Joana Martins

Com o passar dos anos,

Aprendemos,

Que temos de deixar ir…

Escolhemos os que amamos

E não queremos vê-los partir.

A palavra gratidão

Ganha grande sentido

Quando não abrimos mão,

Da recordação

Que nos fala ao ouvido.

Quando perdemos alguém

Que era tão importante

Sentimo-nos aquém

E a dor é dilacerante.

Impera o silêncio

Faltam-nos as palavras

E sentimos um vazio

Que descrevo em metáforas.

A vida é uma flor

E na sua delicadeza

Deixa amor

Fraqueza

Dor

Mas também uma certeza

Por onde passas

Alguns não vão dar valor

Mas os que te amam,

Sim!!!

Abre mão

E deixa um rasto de ti…

Do que ficou gravado

Do que te fez sentir amado

Abre mão

Abre o coração

E agarra-te com um sorriso

A esses…

Que não abrem a mão de ti!

E aos que partem

Que levam uma parte de nós

Não é um adeus

É um até já…❤

.

Este poema é dedicado a todos que, tal como eu, viram partir alguém especial antes de nós.

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima