Águas de Barcelos patrocina concurso internacional que envolve Eco Campo Escutista de Barcelos

Outubro 23, 2017 Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Mundo

A Águas de Barcelos é o patrocinador oficial do concurso internacional de Arquitetura para a construção dos abrigos e observatórios de aves (In-Shelter SB-LAB + Students Award 2017), a instalar no futuro Eco Campo Escutista de Barcelos. Segue-se o link (basta clicar) para a página do anúncio deste patrocínio: http://sb-lab.greenlines-institute.org/en/topics/aguas-de-barcelos-is-the-main-sponsor-of-the-sb-lab-students-2017-award.



A iniciativa é promovida pelo Green Lines – Instituto para o Desenvolvimento Sustentável, que está a coordenar, através de protocolo com o Corpo Nacional de Escutas (CNE), a conceção do futuro Eco Campo.

Os vencedores serão conhecidos durante o Congresso Internacional “SB‐LAB 2017 – International Conference on Advances on Sustainable Cities and Buildings Development”, que decorrerá na Universidade Lusíada do Porto, de 15 a 17 de novembro.

Desafio: reduzir o impacto ambiental dos materiais a utilizar

O concurso, aberto a estudantes de Arquitetura de todo o mundo, convida os participantes a apresentarem soluções que reduzam o impacto ambiental dos materiais a utilizar numa perspetiva de ciclo de vida; reduzam os parâmetros de avaliação ambiental como a massa, energia e carbono incorporados; idealizem soluções construtivas que possibilitem desconstruir os abrigos maximizando a reutilização de componentes e materiais, tendo em conta a durabilidade e a minimização dos custos operacionais dos abrigos, garantindo as condições de conforto no verão e no inverno, com o menor impacto ambiental possível e aproximando as soluções ao conceito de Net Zero Energy Buildings, integrando‐as na rede energética com base em fontes renováveis a desenvolver para o Eco Campo.

Criar um eco campo autossuficiente é o principal objetivo

O Eco Campo, localizado na freguesia de Aldreu, pretende ser, à semelhança de outros campos escutistas, a base para um conjunto variado de atividades, desde as mais tradicionais até atividades complementares como o pedestrianismo e a observação da fauna e flora. O que distingue este projeto-piloto é a sua componente ambiental e de inclusão social e cultural, propondo‐se que seja um espaço autossuficiente, através da utilização de fontes renováveis de energia, tratamento natural de águas residuais, utilizando materiais e sistemas de construção de baixo impacto ambiental e, inclusive, providenciando a acessibilidade a utilizadores de mobilidade condicionada ou portadores de outro tipo de deficiência, muitas vezes excluídos deste tipo de equipamentos. Para além das zonas de acampamento, zonas de lazer e de serviços, prevê‐se a instalação de um conjunto de abrigos de montanha que serão, também, utilizados para atividades de observação da fauna, nomeadamente bird‐watching. Estes abrigos servirão de complemento às zonas de acampamento, proporcionando um maior conforto aos grupos visitantes na estação do inverno. Os abrigos serão as peças onde a Arquitetura terá maior visibilidade na paisagem natural, devendo por isso ser alvo de um cuidado acrescido.

Fonte: AdB.

Imagens: GL.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima