Capítulo 12 – Leguminosas: conheça este grupo de alimentos (Parte 1)

Junho 6, 2018 Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Mundo, Opinião
Sara Barbosa

As leguminosas pertencem ao reino das plantas, família das Fabaceae. Existem dois subgrupos de leguminosas: as leguminosas secas ou grãos, que se desenvolvem em vagens, e as oleaginosas, como o amendoim e a soja, que se caracterizam pelo seu teor de gordura significativamente superior às restantes leguminosas.



As leguminosas grãos podem ser consumidas frescas (ervilhas, favas) ou secas (feijão, lentilhas, grão-de-bico). E, boa notícia, o tão característico petisco português, o tremoço, também é uma leguminosa e, tal como os restantes alimentos deste grupo, está repleto de benefícios para a saúde. No entanto, o feijão-verde ou a ervilha de quebrar não pertencem a este grupo de alimentos, porque estão incluídos no grupo dos hortícolas.

A Roda dos Alimentos recomenda a ingestão de 1 a 2 porções de leguminosas por dia. Uma porção de leguminosas corresponde a: uma colher de sopa de leguminosas secas cruas (25 g), três colheres de sopa de leguminosas frescas cruas (80 g) e a três colheres de sopa de leguminosas secas/frescas cozinhadas (80 g).

Uma vantagem no consumo de leguminosas é que a sua produção é amiga do ambiente, uma vez que emite menos equivalentes de dióxido de carbono (CO2) (1 kg de leguminosas emite cerca de 19 vezes menos equivalentes de CO2 do que 1kg de carne), fixa azoto atmosférico, diminuindo a sua concentração na atmosfera e necessita de menor utilização da água.

As leguminosas, como já referi, possuem elevados benefícios para a saúde dos consumidores e, como tal, são alimentos a incluir na alimentação diária. Contudo, devem ser conjugadas com alimentos do grupo dos cereais e derivados de forma a obter proteína completa e idêntica às fontes de alto valor biológico (carne, pescado, laticínios e ovos).

Se gostou de conhecer este grupo de alimentos, não perca a continuação deste capítulo onde irei salientar as características e os benefícios destes alimentos.

 

Fonte: Associação Portuguesa dos Nutricionistas

Por: Sara Barbosa*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Pin It on Pinterest

Shares
Share This

Partilha esta Notícia

Partilha com os teus amigos

Ir Para Cima