Arquivo de Categorias

Mundo - page 301

Ténis de Mesa da Casa do Povo de Alvito vence Dragões Valboenses

Fevereiro 21, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No passado fim de semana, a equipa de Ténis de Mesa da Casa do Povo de Alvito recebeu e levou de vencida a equipa dos Dragões Valboenses, a contar para o Campeonato Nacional de Equipas da 2ª divisão.



O resultado final fixou-se num 4-1, que deixa a equipa de Alvito numa confortável 5ª posição.

Fonte e foto: CPA-TM.

BTT “invade” Barcelos a 4 de março

Fevereiro 20, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 4 de março, Barcelos recebe a XII edição do Trilho dos Moinhos, uma prova de BTT organizada pelos Amigos da Montanha, como apoio da Câmara Municipal de Barcelos.



A cerca de duas semanas do evento, são perto de 1 000 os inscritos na prova. As inscrições ainda podem ser realizadas em www.amigosdamontanha.com (Basta clicar no link para aceder automaticamente).

Os participantes recebem, como ofertas, um par de peúgas de BTT e um saco porta calçado, para além de uma bifana e bebida no final da atividade.

Como habitualmente existe, ainda, uma caminhada gratuita para os acompanhantes.

Fazendo jus ao nome, o “Ledechem Trilho dos Moinhos” apresenta um percurso à descoberta do maior número e dos mais bonitos moinhos ainda existentes no concelho e que outrora foram meio de subsistência das gentes locais, continuando recheados de história de um povo.

E, não olhando ao cronómetro de prova, são muitos os atletas que todos os anos aproveitam para parar nestes locais e registar o momento. Até porque a aventura e o convívio caracterizam esta atividade durante os cerca de 45 km de excelentes trilhos, marcados pela beleza e os singletracks, sendo estas as principais razões que os atletas revelam para voltarem ao Trilho dos Moinhos.

Em cada ano é apresentado um percurso renovado, o que constitui um ponto de atratividade para quem se desloca a Barcelos para participar neste evento de BTT.

Fonte e fotos: AM.

Surpresa em Galegos (Honra) e empates nos dérbis (1ª)

Fevereiro 20, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No último fim de semana disputou-se a 19ª jornada da Divisão de Honra e a 16ª da 1ª Divisão dos campeonatos distritais de Braga.



Na série “A” da Honra, a surpresa da tarde para as equipas barcelenses envolveu, precisamente, duas equipas deste concelho: o Santa Maria FC e o Águias de Alvelos. Os primeiros, a jogar em casa e melhor posicionados na classificação, eram, à partida e teoricamente, favoritos à vitória final. No entanto, os seus conterrâneos de Alvelos não se viram rogados e conseguiram conquistar uma importante vitória, num terreno muito difícil. O resultado final ditou um 1-2 para os visitantes.

Com esta derrota, a equipa de Galegos Santa Maria caiu para a 5ª posição, com 31 pontos. Já a de Alvelos subiu ao 11º lugar, com 24. Na próxima jornada, o Santa Maria desloca-se ao Vila Chã. O Águias de Alvelos recebe, em dérbi, o Martim (2º), num jogo que se adivinha intenso e competitivo.

Por falar em Martim, este encontra-se num bom 2º lugar (a liderança do Amares é sólida e distante), com 35 pontos. Nesta jornada recebeu o Misericórdia (13º, 20 pontos) e levou-o de vencida por 2-0. Tal como referido, na próxima jornada os homens de Martim deslocam-se a Alvelos.

O FC Roriz (9º, 25 pontos) recebeu o Pedralva (14º, 18 pontos) e fez valer o favoritismo, vencendo por 1-0. Na próxima jornada a equipa rorizense tem um jogo muito difícil pela frente, recebendo o 3º classificado, Dumiense.



Dois dérbis, dois empates…surpresa e derrota forasteira na 1ª divisão

Na série “A” da 1ª divisão, jogaram-se dois dérbis barcelenses, nesta 16ª jornada. O líder da classificação (33 pontos), MARCA, recebeu o Viatodos (4º, 26 pontos) e o empate foi o resultado final, com 2-2 no marcador. Na próxima semana, a equipa de Vila Cova tem mais um jogo difícil, mais um dérbi, desta feita em casa do 3º classificado, o Pousa. Já o Viatodos recebe os vizinhos do Gondifelos (5º), num jogo que também será de cariz difícil para a equipa de Barcelos.

O outro dérbi barcelense opôs o Carreira (13º, 6 pontos) ao bem melhor posicionado Pousa (3º, 31 pontos). O resultado final ditou um 1-1, que foi mais penalizador para os homens da Pousa, pois, desta forma, viram-se ultrapassados na classificação pelo Louro, que tem os mesmos pontos mas melhor diferença de golos. Na próxima jornada, tal como referido, o Pousa recebe o líder MARCA, em mais um dérbi. Já o Carreira desloca-se ao vizinho Mouquim (10º, 21 pontos), que nesta jornada conseguiu ser uma das “surpresas”.

E foi “surpresa” porque o Mouquim, pior classificado, deslocou-se ao terreno do Ucha, bem melhor na classificação. No entanto, a equipa barcelense foi desfeiteada, em própria casa, por 0-2. Este resultado fez com que caísse no 6º lugar, com 25 pontos. Na próxima jornada, “descansa” de novo pois já realizou o jogo relativo à 17ª jornada, quando a 22 de outubro se deslocou a casa do Guisande para o derrotar por concludentes 0-3.

Por fim, o Granja (11º, 20 pontos) viajou a casa do Maximinense (9º, 21 pontos) e saiu de lá derrotado por 3-2. Este resultado fez com que fosse ultrapassado pela equipa da casa na classificação final. Na próxima jornada, o Granja recebe o Figueiredo.

Ornitologia: Palestra sobre mutações traz a Barcelos Dirk van den Abeele

Fevereiro 20, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 10 de março, entre as 10h00 e as 17h00, a Associação Ornitológica de Barcelos, em conjunto com a ORNITHO GENETICS e a BVA Portugal, leva a cabo uma palestra sobre mutações, com a preleção do especialista belga Dirk van den Abeele.



A palestra realiza-se na Sala de Atividades da União de Freguesias de Barcelos, Vila Boa e Vila Frescaínha (São Martinho e São Pedro), que apoio este evento, e tem lugares limitados, sendo necessário efetuar inscrição.

Para mais informações, utilizar o contacto telefónico que consta na imagem de destaque, ou o e-mail geral@ornitofilia.pt ou pode consultar a página (basta clicar no link) http://www.aobarcelos.pt/ .

Imagem: AOB.

Ana Sofia Quinta apresenta guia e agenda sobre a gravidez e o bebé na Biblioteca Municipal de Barcelos

Fevereiro 20, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo sábado, dia 24 de fevereiro, pelas 16h00, a Biblioteca Municipal de Barcelos recebe a apresentação de um guia e agenda sobre a gravidez e o bebé, com entrada livre. O guia e agenda intitula-se “A Gravidez e o Bebé”, de Ana Sofia Quinta, e a apresentação estará a cargo de Sofia Pedrosa.



Ana Sofia Quinta iniciou a sua vida académica na Escola Superior de Saúde do Vale do Ave, licenciando-se em Análises Clínicas e de Saúde Pública. Exerceu a atividade de Analista Clínica e encetou o Mestrado Integrado em Ciências Farmacêuticas na Faculdade de Farmácia da Universidade do Porto, tornando-se farmacêutica em abril de 2017.

No Estágio Curricular em Farmácia Comunitária, teve a oportunidade de contactar com diversas gestantes, assistindo às suas dúvidas e receios, quer na fase de gravidez, quer nos primeiros dias de vida do seu bebé. Daí surgiu um grande interesse em desenvolver uma agenda e também guia para as mães.

Este Guia e Agenda foi criado a pensar na gravidez e no 1º ano de vida do bebé, informando, alertando e orientando, para que as mães possam ter uma gravidez plena, desfrutando de cada instante do crescimento do seu “bebé” na sua barriga, encarando os seus receios da melhor forma possível e preparando-as o melhor possível para esta fase da sua vida.

Fonte e imagem: CMB.

Let the Jam Roll em concerto na Biblioteca Municipal de Barcelos

Fevereiro 19, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 24 de fevereiro, às 21h30, no auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos, realiza-se o concerto dos Let the Jam Roll, integrado no festival CA Noroeste ao Vivo, numa colaboração do Crédito Agrícola do Noroeste com a Câmara Municipal de Barcelos, sendo o concerto de entrada gratuita.



Os Let the Jam Roll são naturais de Guimarães. Os seus membros são adeptos de uma sonoridade declaradamente orientada para espetáculos ao vivo, primando pela animação e versatilidade dos temas, aliados a uma mensagem moderna e de forte componente social, permitindo, assim, uma maior comunicabilidade com o público. A banda tem uma vasta influência musical que vai desde o jazz, clássico, blues, funk, rock até aos ritmos afro-cubanos.

O “CA Noroeste ao Vivo” é um projeto da responsabilidade do Crédito Agrícola do Noroeste e apresenta oito concertos, em oito localidades, com o objetivo de fomentar a cultura musical na região onde a instituição bancária está inserida.

Fonte e imagem: CMB.

Jovens barcelenses embarcam em aventura pela Ásia apenas com a “mochila às costas”

Fevereiro 18, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Ana e João Manuel são dois jovens barcelenses que decidiram partir numa aventura pelo continente asiático, aventura essa que iniciaram em finais de novembro último.



Ela, Ana Mano, formada em Turismo e com Mestrado em Gestão na área de Marketing, em Aveiro. Ele, João Manuel, também estudou Turismo mas em Coimbra. Como somos todos diferentes, nem que apenas um pouco, ele é “mais sonhador e confiante, ela mais prudente e terra-a-terra”, conforme nos contam no seu blog de viagens “Mais pra Lá”. Aí, também ficamos a saber que Ana é mais apologista da organização e do planeamento. Já João é mais de valorizar o momento e do “deixar acontecer”.

Muita gente sonha em partir à aventura por esse mundo fora. Muitos há que até fazem planos na sua cabeça e formulam desejos de Ano Novo. Mas, depois…bem,…depois não avançam, ou por receio, ou por falta de tempo e dinheiro. Enfim, são mais as “desculpas” para não o fazerem do que para o contrário. Mas Ana e João fizeram! Aventuraram-se de mochila às costas, um bilhete de ida e muita vontade de explorar esse imenso continente que é a Ásia.

Pelo meio da viagem e dos afazeres a que se propõem, Ana e João acederam a responder, por escrito, a algumas questões que o Barcelos na Hora lhes colocou, para ficarmos a conhecer melhor este seu projeto comum, esta sua aventura por terras asiáticas.

BnH: Quando iniciaram esta aventura?

Ana e João: Saímos de Portugal no dia 29 de novembro de 2017, mas já levávamos connosco um ano e meio de preparação. Desde trabalhar para juntar dinheiro a toda a pesquisa necessária, tudo fez já parte da viagem.

BnH: Ambos estudaram Turismo fora de Barcelos. Essa parte do vosso trajeto de vida influiu na vossa decisão de embarcarem nesta viagem?

J: Penso que não. Se tivesse seguido outra área de estudos, a curiosidade de conhecer outras partes do mundo teria vindo ao de cima da mesma forma. No entanto, o ter estudado Turismo acabou por ajudar a entender as várias formas de o fazer e a traçar o estilo de viagem que eu realmente gostava de realizar.

A: Também acho que não. Aliás, creio que será precisamente ao contrário. O gosto por viajar é que me fez querer estudar Turismo. A vontade de conhecer o mundo vem muito mais lá de trás.

BnH: Sempre gostaram de viajar e “andar por aí”?

A: Desde pequenina dizia que queria ser turista e conhecer o estrangeiro, mesmo ainda não tendo noção da dimensão do mundo e do que isto significava. Talvez porque na altura não tinha essa oportunidade. Só mais tarde, aos poucos e com as minhas poupanças, fui começando a fazer umas pequenas viagens primeiro pela Europa, até que a vontade de conhecer se expandiu aos outros continentes.

J: Eu era muito mais de “andar por aí” do que propriamente de viajar. Passeava aqui e ali com os amigos e já tinha feito pequenas viagens com os meus pais nas férias deles. Mas viajar mesmo, para longe e por minha conta, só quando comecei a conseguir suportar eu as despesas que isso implicava (que até não são muitas). A vontade de ir já existia mas o gosto desenvolveu-se com as primeiras viagens.

BnH: Quais os objetivos deste vosso projeto pessoal, deste vosso “sonho”?

Ambos: O objetivo é obviamente conhecer novos sítios. Mas isso tem muito que se lhe diga quando se viaja de mochila às costas. Conhecer esses novos sítios passa por conhecer novas formas de viver, novas formas de estar, de fazer, de sentir… É conhecer novas pessoas. Ter novas experiências, melhores e piores. Conhecermo-nos melhor a nós mesmos. Questionar e aceitar. Crescer. Deixar também um pouco de nós por onde passamos.

Pode parecer muita coisa, mas tudo isto são partes essenciais do que parece tão óbvio, o objetivo de conhecer novos sítios.

BnH: Este era um sonho pessoal que já tinham ou surgiu após se “cruzarem” em 2007?

J: Em 2007, eu tinha 15 anos, andava preocupado com outras coisas naturais dessa idade. A vontade de ir ‘Mais pra Lá’ surgiu algures nos tempos de faculdade quando o que via todos os dias começou a não ser suficiente e quando outras indagações pessoais começaram a ganhar mais importância. O viajar pareceu ser uma boa resposta que trouxe as respostas a essas mesmas indagações.

A: Este sonho surgiu para mim algures entre as pequenas viagens que fiz e as experiências Erasmus que tive. Surgiu a partir dos viajantes mais experientes que fui conhecendo e que foram partilhando comigo as suas aventuras e rotas. Foi-se assim alimentando o meu sonho de percorrer o sudeste asiático…até que o medo de ir sozinha e o medo de largar tudo foram ultrapassados pela curiosidade que crescia em conjunto com a forma de estar do João que dizia “Bora lá!”.

BnH: Conseguem dizer-nos, para já, quais os momentos que vos marcaram mais?

Ambos: Esta é difícil. Como experiências mais marcantes talvez as aulas de inglês que demos às crianças durante o voluntariado na Tailândia mas também a semana que passámos na ilha de Ko Ta Kiev, no Camboja. Como momento singular podemos dizer que foi um pôr do sol numa pequena ilha no rio Mekong, em Kratie, no Camboja. Numa praia completamente deserta, onde só estávamos nós, uma água de coco e um pôr do sol lindo de cores quentes.

J: Acrescento também o momento em que comprámos a mota que nos está a levar desde o Sul até ao Norte do Vietname. Era uma coisa que ambicionava fazer já há algum tempo! 😛

BnH: Por fim, que caminhos desse imenso Continente ainda pretendem percorrer? Quando pensam voltar a “terras do Galo”?

Ambos: Até agora contamos já com a Tailândia, o Camboja e o Vietname. O próximo destino é o Laos, de onde seguiremos para o Mynamar, a Malásia, Singapura, a Indonésia, talvez o Brunei e ainda Timor-Leste. Este é o plano, mas privilegiamos a espontaneidade. Pode haver mudanças. Não temos data de regresso. Dependerá, para além do orçamento, de quando sentirmos que é tempo de voltar.

Foram estas as respostas dos nossos aventureiros barcelenses, que para além de “turistarem”, também ajudam as comunidades por onde passam, conforme pode constatar nas respostas que ambos nos deram mas, igualmente, no “diário” que vão registando no referido blog que criaram.

Aliás, caso pretenda visitar essa página, basta clicar no link que se segue e poderá aceder automaticamente: https://maisprala.weebly.com/ ou sempre pode visitar a página no Facebook: https://www.facebook.com/maisprala/ .



Resta-nos, primeiro, agradecer à Ana e ao João pelo tempo que dispensaram para nos responder às questões e pelas fotos que surgem nesta reportagem, que são de sua autoria. Segundo, resta-nos desejar a ambos a continuação de uma ótima aventura, a realização dos sonhos e projetos a que se propõem e, principalmente, um retorno “são e salvo” a terras barcelenses. Muito obrigado, Ana e João!

Fotos: “Mais pra Lá” / Ana Mano e João Manuel.

Recolha de sangue e medula óssea em Abade de Neiva

Fevereiro 18, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 19 de fevereiro, segunda-feira, em Abade de Neiva, entre as 15h00 e as 19h30, realiza-se uma recolha de sangue e medula óssea.



A referida recolha será levada a cabo no Centro Paroquial de Abade de Neiva, promovida pela Barcelos Solidário – Benemérita Associação Humanitária dos Dadores de Sangue do Concelho de Barcelos e com o apoio da Junta de Freguesia de Oliveira, da Paróquia da Freguesia, do Grupo de Jovens de Abade de Neiva e do Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

Fonte e imagem: BS.

O que é o crime de Branqueamento de Capitais?

Fevereiro 18, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora
Regina Penedo

Muito se tem ouvido nos meios de comunicação social “X, está indiciado pelo crime de branqueamento de capitais; X, acusado de X crimes de branqueamento de capitais; X, condenado por branqueamento de capitais”. Mas o que é o crime de branqueamento de capitais?



O branqueamento de capitais consiste no procedimento através do qual o produto de operações criminosas ilícitas é investido em atividades aparentemente lícitas, e que visam a dissimulação da origem dessas operações ou do proprietário real dos fundos, dos proventos resultantes de atividades ilícitas, em capitais reutilizáveis nos termos da lei, conferindo-lhe uma aparência de legalidade.

Resumidamente, o branqueamento de capitais é a atividade pela qual se procura dissimular a origem criminosa de bens ou produtos, procurando conferir-lhes uma aparência legal, isto é, o que os agentes criminosos tentam é esconder ou dissimular a origem dos capitais obtidos de forma ilícita, para que aparente que resultam de atividades lícitas.

O processo de branqueamento distingue três fases distintas:

  1. A primeira fase – colocação – consiste na colocação de bens e rendimentos nos circuitos financeiros ou noutros;
  2. A segunda fase – circulação – consiste na realização de múltiplas e repetidas transações, com o propósito de as distanciar da sua origem criminosa, para deste modo dissimular a origem da sua proveniência e propriedade; e
  3. A terceira fase – integração – consiste na reintrodução dos bens e rendimentos, depois de reciclados, nos circuitos económicos legítimos (por exemplo, através da aquisição de bens e serviços, compra de imóveis, compra de metais preciosos, entre outros).

O branqueamento de capitais constitui um crime contra o património e está previsto no artigo 368º – A do Código Penal, sendo que o bem jurídico protegido é a boa aplicação da justiça, na sua vertente da perseguição e confisco pelos tribunais dos proventos das atividades criminosas e ainda a estabilidade e a sanidade dos circuitos económicos, financeiros e políticos.

Para estarmos perante um crime de branqueamento de capitais é necessário que se verifique um qualquer facto ilícito típico de lenocínio, abuso sexual de crianças ou de menores dependentes, extorsão, tráfico de estupefacientes e substâncias psicotrópicas, tráfico de armas, tráfico de órgãos ou tecidos humanos, tráfico de espécies protegidas, fraude fiscal, tráfico de influências, corrupção e demais infrações referidas no n.º 1 do artigo 1º da Lei n.º 36/94, de 29 de Setembro, e no artigo 324º do Código da Propriedade Industrial, e dos factos ilícitos típicos puníveis com pena de prisão de duração mínima superior a seis meses ou de duração máxima superior a cinco anos, assim como os bens que com eles se obtenham.

Não é essencial a consumação do facto ilícito típico, bastando a prática de atos preparatórios, desde que da mesma se verifiquem vantagens e se proceda a sua dissimulação.

O crime de branqueamento de capitais é um crime de perigo, na medida em que pode não existir lesão efetiva do bem jurídico protegido, bastando a existência do perigo dessa lesão. E é um crime de perigo abstrato, visto que não se exige, caso a caso, a verificação do perigo real para o bem jurídico protegido.

Destarte, “quem converter, transferir, auxiliar ou facilitar alguma operação de conversão ou transferência de vantagens, obtidas por si ou por terceiro, directa ou indirectamente, com o fim de dissimular a sua origem ilícita, ou de evitar que o autor ou participante dessas infracções seja criminalmente perseguido ou submetido a uma reacção criminal, é punido com pena de prisão de dois a doze anos” – artigo 368º-A, n.º 2 do Código Penal -.

Por: Regina Penedo*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Óquei de Barcelos derrota Juventude de Viana, por 2-5, na primeira mão dos quartos de final da Taça CERS

Fevereiro 17, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Esta noite realizou-se, no Pavilhão Municipal de Monserrate – Viana do Castelo, o jogo Juventude de Viana – Óquei Clube de Barcelos, a contar para os quartos de final da Taça CERS, com a equipa barcelense a levar de vencida a sua congénere vianense.



Arbitrado pela dupla Matteo Galoppi e Franco Ferrari, Renato Garrido, técnico da Juventude, iniciou a partida optando por Jorge Correia, Francisco Silva, Tó Silva, Nuno Santos e Nélson Pereira. No banco, de início, ficaram Telmo Fernandes, Gustavo Lima, João Ramalho, Emanuel García e Paulo Matos.

Já Paulo Pereira, técnico do Óquei, escolheu para o cinco inicial Ricardo Silva, Zé Pedro, João Almeida, Hugo Costa e Rúben Sousa. No banco, de início, deixou Joca Guimarães, Afonso Lima, Marinho e André Almeida.

A primeira parte teve apenas um golo, que surgiu para o OCB, por Rúben Sousa, aos 8 minutos do jogo. Após o intervalo, o jogo foi bem mais interessante e frutífero em termos de golos.

No mesmo minuto – o 6º – da segunda parte, Hugo Costa bisou e ampliou a vantagem barcelense para 3 golos. Apenas 4 minutos depois, o OCB chegou à sua 10ª falta mas o argentino Emanuel García não conseguiu concretizar o respetivo livre direto, mas logo se seguida, reduziu para a equipa vianense.

Aos 14 minutos, Nuno Santos foi admoestado com um cartão azul. Na conversão do correspondente livre direto, o capitão “óquista” Zé Pedro não falhou e apontou o 1-4. No minuto seguinte, o veterano Tó Silva tornou a marcar para os da casa, recolocando a Juventude a uma diferença de dois golos. Dois minutos depois, Emanuel García é admoestado com cartão azul mas desta feita, Zé Pedro não consegue concretizar.

Tó Silva, aos 20 minutos, teve a oportunidade de reduzir de novo a vantagem mas não conseguiu desfeitear Ricardo Silva na marcação de penalti. Quatro minutos volvidos, a Juventude chega à 10ª falta e Nélson Pereira é admoestado com um azul, com o jogo parado. Mais uma vez chamado a converter o livre direto, Zé Pedro tornou a falhar. A menos de um minuto do final do jogo, João Almeida fechou o contador, colocando o resultado final em 2-5, para o Óquei Clube de Barcelos.

Esta é uma boa vantagem para o OCB, que traz para Barcelos 3 golos de diferença para gerir, perante o seu público, onde estará certamente a sua claque KAOS BARCELENSE, que hoje marcou uma forte presença em Monserrate.



A segunda mão joga-se a 10 de março, no Pavilhão Municipal.

Fotos: André Miranda.

Ir Para Cima