É Já”mor”

Agosto 22, 2019 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião
Hugo Pinto

Que consolo é ver o nosso Glorioso jogar! Mesmo quando não estamos a ganhar por dois ou três, podemos sempre assistir a um futebol que entusiasma, que empolga, que apaixona. Ver o Benfica? É já”mor”…



Na última jornada, na qual defrontámos o Belenenses SAD, no… Jamor (se o trocadilho é baratucho, estar a explicá-lo é ainda pior, mas adiante…), tivemos a oportunidade de assistir a um belíssimo espetáculo de futebol. Que o nosso Benfica joga maravilhosamente, começa a ser um hábito. Mas tivemos um adversário que ajudou bastante ao espetáculo, no melhor dos sentidos. Quase sempre se sentiu a superioridade do Benfica. Porém, o Belenenses SAD nunca foi equipa de se encolher, defendendo bem e como pôde, e ainda procurando jogadas ofensivas capazes de surpreender. E quase o conseguiram, num ou outro lance, em que os centrais (sobretudo o Rúben Dias) facilitaram um pouco, talvez por excesso de confiança. Não fosse a virilidade dos seus vintes e poucos e seria um caso sério. Mas para já, ainda há pernas e velocidade para ganharem vantagem em lances em que partem em busca do prejuízo.

De mais a mais, todo o coletivo encarnado esteve muito bem, mais uma vez, com especial destaque para o Rafa, que acabaria por ser o homem do jogo. Logo desde o início, revelou uma enorme vontade de marcar, com lances ofensivos cheios de veneno e um ou outro pormenor de elevada categoria como aquele toque, meio de calcanhar, meio de lado, que daria um golo de belíssimo efeito. E aqui, nota de destaque para o guarda-redes “Burquino-Marfinense”, Hervé Koffi, que fez uma exibição fantástica! Não fosse ele e o Benfica teria feito mais cinco tentos.

E aproveito para deixar uma nota final de reflexão. Este tipo de jogadores, como Koffi, merecem uma oportunidade nos “grandes”. Quer o Porto, quer o Benfica…e mesmo o Sporting, bem precisavam de um guarda-redes deste calibre, a morder os calcanhares aos titulares. Mesmo que tivessem de o pagar bem pago, até pelo facto de obrigarem o Belenenses SAD a procurar outro guarda-redes, nesta fase, mas sempre se distribuía alguma riqueza e se atenuavam diferenças orçamentais entre os clubes. Parecendo que não, todos saíam a ganhar, pelo facto de a Liga se tornar mais competitiva. E dou um exemplo para cada caso. Como prova de que se reforçar no mercado interno pode ser bastante profícuo, veja-se o onze titular de Mourinho no FCP de 02/03 e 03/04. A desvantagem de uma Liga pouco competitiva, tem o seu melhor exemplo na Liga escocesa, que apesar da proximidade da Premier League, disputa um campeonato com apenas dois candidatos crónicos, que obriga o próprio campeão a disputar fases pré-eliminatórias da Liga dos Campeões.

Uma nota final para o discurso exemplar de Bruno Lage e a sua atitude de completo Fair Play, que devem ser exemplos a seguir urgentemente. Veja-se, em oposição (gostemos ou não), a atitude de “portismo-dos-anos-90” de Sérgio C. que não só está em absoluto desuso, como está (parece-me) a fazê-lo perder o respeito do próprio plantel. Mas isso é problema deles…Que o resolvam.

Viva o Benfica.

Venha o trinta e oito.

E pluribus unum.

Por: Hugo Pinto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima