Não havia necessidade

Março 9, 2017 Atualidade, Concelho, Desporto, Opinião
sportinguista
José Queirós

Bruno de Carvalho venceu de forma esmagadora e democrática as eleições aos órgãos sociais do Sporting. É verdade que havia, principalmente entre os rivais, quem não quisesse que tal acontecesse. Para isso, nos mais variados órgãos de comunicação social, o presidente do Sporting, e também o seu treinador, foram “vítimas” de ataques combinados do pior que há! Dia após dia, penso mesmo que não houve um único dia que tal não aconteceu! Já de madrugada, no seu discurso aos sócios, Bruno de Carvalho utilizou um termo –“bardamerda para quem não é do Sporting” – que terá chocado o mundo do futebol! Como nós vivemos na maior das purezas, somos todos inocentes e impolutos, toda a gente, alguns sportinguistas incluídos, ficaram chocados e não faltam opiniões nos mais diversos órgãos de comunicação, Facebook incluído, a atacar o presidente do Sporting! Toda a gente se esqueceu do que outros presidentes que são o ícone da boa educação disseram! O presidente do Benfica foi condenado em tribunal por insultar do pior a classe dos jornalistas! O presidente do Porto, quando esteve internado no Hospital da Luz, disse que passou pela morgue e viu lá os benfiquistas, ”aí melhorei e vim embora”! Isto, na minha opinião, é bem pior do que a expressão utilizada por Bruno de Carvalho, que a proferiu num contexto em que se viu atacado até saber o resultado das eleições. É certo que a expressão usada poderia ter sido outra bem mais soft mas querendo dizer exatamente a mesma coisa, como por exemplo: estou-me marimbando para todos aqueles que não são do Sporting. É que, perante um sufrágio de quase 90% dos sportinguistas, também podemos entender que quando o presidente é enxovalhado, estão a enxovalhar toda a família sportinguista! Apesar de tudo, entendo que a dita frase era evitável, ou seja, não havia necessidade!

No dia a seguir às eleições, o Sporting apresentou duas caras frente ao Vitória. Muito melhor na primeira parte, muito mal na segunda parte. Daí entender que o resultado é justo, embora, mais uma vez, o árbitro Jorge Sousa tenha perdoado uma expulsão de um jogador do Vitória, com uma entrada “assassina” sobre Bruno César.

Os rivais venceram mas nota-se que o Porto ”respira mais saúde”, que pode ser determinante para o resto da temporada.

Finalmente, o Gil Vicente poderia, e deveria, ter ganho ao modesto Leixões, mas mesmo assim somou mais um ponto rumo à tranquilidade.

Saudações leoninas.

Por: José Queirós.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima