O que acham deste Gil Vicente de Vítor Oliveira?

Setembro 18, 2019 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião
Lucy Santos

Olá a todos os leitores do BnH!

No fim de semana passado, foi a vez do Gil Vicente ir à Luz tentar trazer de lá pontos. Mas não foi isso que aconteceu.



Durante a semana, a claque do Gil Vicente fixou na sua página de Internet, os preços para a deslocação, que incluía viagem e bilhete. Reservei o meu. Daqui de Barcelos, para apoiar o Gil Vicente, saía um autocarro e vários carros, tendo, também, alguns adeptos em Lisboa que torciam pelo nosso clube. Foi uma viagem cansativa, mas satisfatória, porque quem corre por gosto, não cansa. Ao longo da viagem, e nas áreas de serviço, fomos encontrando autocarros vindos de Barcelos, mas nenhum deles ia com camisolas gilistas.

Dá que pensar…Sair da nossa cidade, com uma camisola de outro clube e deslocar-se quase 400km para apoiar outro clube que não é o nosso, mas que joga com o nosso. Confuso? Para mim, é ainda mais…tentar entender estas mentalidades.

Uma viagem tranquila, pacífica, chegada ao estádio também muito tranquila e lá estava eu a torcer pelo clube da minha cidade. O apito inicial deu-se e recebo a seguinte mensagem de um amigo de Barcelos: vens para cá com o saco cheio (…). Adiante!

Vítor Oliveira fez algumas alterações na equipa devido à lesão de Lourency e o facto de Alex Pinto não poder jogar, visto que estava emprestado pelo SL Benfica. Para os seus lugares, entraram Fernando Fonseca e Nogueira, dando, também, alguns minutos a Baraye.

Ainda a partida ia no início, quando Nogueira teve a infelicidade de cometer grande penalidade sobre Pizzi, que ele tentou logo cobrar. Denis, o nosso guarda-redes defendeu (e bem) o penalti, adivinhando o lado para o qual o jogador do Benfica ia chutar e evitou males maiores. Fizemos uma primeira parte bem conseguida, com oportunidades, mas quase no intervalo, Nogueira, ao desviar a bola, acertou dentro da baliza, fazendo, assim, o 1-0 para o Benfica, num autogolo.

Foi a pior altura para sofrer um golo, visto que a equipa adversária viria bem mais tranquila para a segunda parte e em vantagem.

Decorriam os primeiros dez minutos da segunda parte, quando Kraev, numa jogada individual, atirou um pouco ao lado da baliza do Benfica. Tivemos alguns momentos que podíamos ter marcado, mas não aconteceu. Um canto batido por Pizzi deu origem ao segundo golo, que viria a ditar o resultado final. Até ao fim, a nossa equipa lutou e não baixou os braços, tendo mesmo marcado um golo por Sandro Lima, mas que depois seria anulado por fora de jogo.

Neste jogo, há a destacar pequenas faltas, que foram convertidas em cartões amarelos a alguns jogadores do Gil Vicente, o que viria a condicioná-los e a prender um bocado os jogadores. Posso, também, destacar, Nogueira: o seu primeiro jogo como titular, ainda para mais contra um grande adversário, e houve alguns pontos negativos do jogador que viriam a ser fatais para o Gil Vicente, mas que serão situações pontuais que aconteceram.

Na viagem de regresso, estava triste pela derrota, mas mais importante que tudo, o Gil Vicente foi a jogo sem medo, criou oportunidades, fez tremer o Benfica, mas não chegou. Mas chegou para os adeptos virem de lá com a sensação de que o Gil Vicente…ainda vai dar muito que falar!

Não podemos dizer que o Gil Vicente está mal, porque estamos na quinta jornada com 5 pontos, mas já jogámos com o FC Porto (vitória por 2-1), com o Braga (1-1) e com o Benfica (2-0).

Domingo, espero por vocês, na nossa Fortaleza, para defrontar o Boavista, às 15:30.

E vocês, o que acham deste Gil Vicente de Vítor Oliveira?

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Momento tão Penoso

Bem-haja, caros leitores do BnH! Continuamos à procura de um rumo. De
Ir Para Cima