Os barcelenses na Volta, por Hélder Braga (II)

Agosto 17, 2017 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo

Viseu acolheu, na passada terça-feira, a etapa final da 72ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta, onde se realizou um contrarrelógio individual, com 20 km de extensão, que pouco ou nada veio acrescentar à classificação final dos três barcelenses em prova.



De facto, todas as atenções estiveram na etapa anterior, dita “rainha”, que ligava as cidades de Lousã à Guarda, numa extensão de 184 km, e que destronou o, até então “Rei da Montanha”, João Matias (LA METALUSA BLACKJACK). Na verdade, o João Matias teve uma estreia de sonho nos 90 anos da Volta a Portugal, ao vestir a Camisola Azul, símbolo do líder dos trepadores, durante 6 dias seguidos. Foi na terceira etapa que o João assumiu a liderança desta classificação, num dia que ficou marcado pela queda do seu “Chefe de Fila”, Edgar Pinto, já nos quilómetros finais em Bragança. Com este desfecho, a camisola da Montanha passou a ser um dos objetivos para a LA METALUSA BLACKJACK, dando” liberdade” ao João para continuar a conquistar os pontos necessários, na verdade com bastante mestria, para, dia após dia, alegrar os barcelenses ao apresentar-se no pódio final.

O final deste “sonho” acabaria por chegar na 9ª etapa durante a subida à Torre, onde a fortíssima formação da W52-FC PORTO, através do Amaro Antunes, Ricardo Mestre e do Camisola Amarela, Raúl Alarcón, dizimou praticamente todo pelotão, sentenciando, assim, as aspirações do João. Ao vencer as 4 contagens de montanha que faltavam, o Amaro Antunes conquistou, dessa forma, a respetiva camisola Azul.

Fica o brilhantismo e a maturidade com que o João se apresentou ao longo dos 11 dias de competição, dignificando a sua equipa, os seus amigos, seguidores e todos os barcelenses.

Também em destaque, mas com menos “liberdade” nas suas equipas, estiveram o Domingos Gonçalves (RP-BOAVISTA) e o Hélder Ferreira (LOULETANO-HOSPITAL DE LOULÉ).

O Ciclismo, apesar de ser um desporto individual, pois todos os ciclistas são classificados individualmente, tem pouco de individual. Na realidade, nestas competições, o coletivo tem um papel primordial na execução de tarefas e de estratégias com vista ao resultado final de um ou outro atleta. É neste contexto que falo do Domingos (31º classificado) e do Hélder (59º classificado), pois ao analisarmos as suas classificações finais, podemos ser induzidos em erro quanto ao verdadeiro “valor” de cada atleta. De facto, ambos estiveram presentes, com bastante veemência, no “trabalho de equipa”, sacrificando-se em prol dos seus líderes.

Na minha opinião, tivemos o Hélder Ferreira ao seu melhor nível, como já nos habitou no passado, principalmente na etapa da Senhora da Graça, etapa esta onde ficava bem à organização ter-lhe atribuído o ”prémio da combatividade”, depois de ter estado na fuga do dia, colaborado e ser o último atleta a ser alcançado pelo fortíssimo “TGV” da equipa W52-FC PORTO, já nos 3 km finais do Monte Farinha. No final, todo trabalho e sacrifício do Hélder foi recompensado com a conquista da Camisola Verde (classificação dos Pontos) pelo líder da sua equipa, o espanhol Vicente de Mateos.

Quanto ao Domingos Gonçalves, teve uma entrada quase perfeita nesta volta, ao ser segundo classificado, a escassos dois segundos do gaulês Damian Gaudin (ARMÉE DE TERRE), no prólogo inaugural de Lisboa. A partir desse momento, esteve muito ativo no pelotão e na estratégia da equipa, aparecendo em alguns momentos cruciais da Volta junto dos principais atletas do pelotão nacional. Na minha opinião, um dos atletas em melhor forma ao longo do ano, com vários resultados de destaque obtidos, entre os quais o título de Campeão Nacional de Contrarrelógio Individual, o que nos fazia sonhar para a etapa final de Viseu…

Em jeito de síntese, é com muito gosto e orgulho que vejo estes três jovens barcelenses, que deram as suas primeiras pedaladas na Escola de Ciclismo da ACR RORIZ, a dar espetáculo e a abrilhantar esta Volta a Portugal, “Volta do Povo” ou “Grandíssima”, como lhe prefiram chamar, que é apenas e só, um dos maiores eventos desportivos do país, mas que tem perdido competitividade nos últimos anos, ao não conseguir atrair as principais formações dos escalões superiores do ciclismo internacional.

Por: Hélder Braga.

Fotos: DR.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima