Tag archive

Concurso

Manuel José Ribeiro vence Concurso de Fotografia Ambiental

Agosto 15, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Manuel José Ribeiro, com o trabalho “Luz ao fundo do rio” [Ndr: na foto de destaque], foi o vencedor do Concurso de Fotografia “Património Ambiental de Barcelos”, promovido pela Câmara Municipal de Barcelos.



O Vereador do Ambiente, José Beleza, entregou os prémios, esta terça-feira, dia 14 de agosto, nos Paços do Concelho, felicitando os vencedores e elogiando a qualidade dos trabalhos apresentados.

José Beleza e Manuel José Ribeiro

Vítor Oliveira arrecadou o segundo prémio com a fotografia intitulada “Preparando o voo de uma vida”. O terceiro lugar foi atribuído a Rui Filipe Duarte, que apresentou o trabalho “O Despertar”.

O Concurso de Fotografia “Património Ambiental de Barcelos” contou com 12 concorrentes, tendo cada um apresentado duas fotografias.



Os trabalhos dos concorrentes estiveram expostos ao público, entre 4 e 24 de junho, no âmbito da Semana do Ambiente, na Sala Gótica dos Paços do Concelho.

A temática do concurso foi o ambiente, onde se encaixavam diversos subtemas como o património natural e a biodiversidade do concelho de Barcelos, desde a sua fauna e flora, paisagens únicas, lugares desconhecidos, até qualquer elemento relacionado com energias, preferencialmente renováveis.

O concurso destinava-se a todos os munícipes de Barcelos, com exceção de profissionais de fotografia e design e de funcionários da autarquia.

José Beleza, Manuel José Ribeiro e Vítor Oliveira

A iniciativa teve como objetivo “consciencializar e sensibilizar a população para a defesa e valorização do património natural do concelho e promover o ambiente”, referiu o Município.

Fotos: CMB.

Já se conhecem os vencedores do concurso de poesia “Falar de Água com Amor”, promovido pela Águas de Barcelos

Março 27, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

Após a análise de cerca de oito centenas de poemas de alunos do 3º e 4º ano do Ensino Básico do concelho, o Júri do concurso de poesia «Falar de Água com Amor», promovido pela Águas de Barcelos, já selecionou os trabalhos vencedores.



O poema «Falar de Água com Amor», de autoria de João Lemos, da EB1 Negreiros, é o grande vencedor. O segundo lugar foi atribuído a Eva Simões, da EB1 Barqueiros. A entrega de prémios será brevemente agendada e os melhores poemas por escola serão expostos em data e local a informar brevemente.

A forte adesão no 1.º ano de implementação do projeto trouxe a concurso poemas de alunos de todos os agrupamentos escolares do concelho e contou com o envolvimento de 32 escolas. A decisão do júri não foi fácil, pois em avaliação estiveram trabalhos de grande qualidade literária e reveladores do grande empenho das escolas e alunos na participação deste projeto. Eis o poema vencedor:

«Falar de Água com Amor»

 

Da água nasceu a vida

temos de nos lembrar

por isso fazemos tudo

para a preservar!

 

A cidade de Barcelos

ao pé do rio foi construída

se maltratarmos a água

Barcelos perderá vida!

 

Rio Cávado corre puro

gosto de te ver transparente!

Ver-te limpo e respeitado

Deixa-me muito contente!

 

A poluição é uma ferida

que magoa todo o planeta!

Desde a água dos nossos rios

a uma bela borboleta!

 

Nós dependemos da água

e dela o nosso futuro

Por isso temos de lutar

por um ambiente mais puro!

 

Temos de nos envolver todos

dos amigos aos nossos pais.

Se não defendermos a água

Poderá ser tarde de mais!

 

Quando acordares de manhã

olha bem ao teu redor.

Cada coisa que nasceu da água

ela oferece com amor!

João Lemos

EB1 Negreiros

 

O Concurso de Poesia sob o tema «Falar de Água com Amor» tinha como objetivo “fomentar, junto dos mais jovens o gosto pela escrita e pela leitura, desafiando os alunos dos agrupamentos escolares do concelho a assinalarem o Dia de São Valentim com um poema recheado de sentido”.

O júri analisou os trabalhos com base na originalidade, criatividade, coerência e pertinência ao tema. Com ideias e vocabulários compatíveis à sua categoria, os poemas deveriam conter as palavras ‘Água’ e ‘Barcelos’



Por falar em júri, este foi composto por Bernardete Costa, que nasceu em Esposende, em 1949, mas foi registada em Barcelos, onde residiu grande parte da sua vida. Em 1975, iniciou a carreira como docente no então ensino primário. Em 1984, mudou-se para Vila Nova de Famalicão, onde se estreou na escrita jornalística e literária. O seu gosto pela escrita levou-a a publicar algumas obras literárias. Assim, em 2000, editou o primeiro livro de poemas “A Guardadora de Ausências”, com prefácio de Urbano Tavares Rodrigues. A boa receção da obra por parte da crítica, entusiasmou-a a continuar a escrever, especialmente poesia. Em 2001, publicou o segundo livro, “Lugares do Tempo” (prémio literário da Câmara Municipal de Barcelos), em 2002, “Insubmissão dos Afetos” e, em 2004, “Cerejas aos Molhos”, poesia dedicada à infância, todos com a chancela da extinta Campo das Letras. Igualmente dedicado à infância, publicou, em 2009, o livro de contos “O Doce Canto da Sereia e Outras Histórias”. Publicou, depois, pela mão da Atelier de Letras o livro de Poemas para a juventude “Transpiração”, com a apresentação do jovem escritor, valter hugo mãe. De novo para a infância, pela editora Atelier de Letras, em 2012, “A casa sol e o telhado poema”. Em 2013, agora pela mão da jovem editora Blossom Birds, apresenta novamente poesia em “Cânticos de Sedução”. Mais recentemente, em 2015, apresentou, de novo pela Atelier de Letras, o livro de poesia infanto/juvenil “A luz dos Animais e das Coisas”. Além destas obras, tem artigos dispersos em antologias várias e publica textos inéditos no seu blog: http://bernardetecosta.blogs.sapo.pt. Bernardete Costa retornou às origens e vive, atualmente, na avenida virada ao Rio Cávado, em Esposende.

Por Ana C. Nunes, que nasceu na “terra do galo” em 1983. Escreve ficção especulativa desde os catorze anos, altura em que achou por bem entrar num duelo literário (e completamente unilateral) com a sua grande rival desse tempo (e agora sua grande amiga). Muitas colaborações se seguiram entre as duas, culminando na publicação integral do romance gráfico “Que Sorte a Minha”, no Jornal Barcelos Popular (2006 a 2007). Desde muito cedo, Ana C. Nunes divide as suas atenções entre a banda desenhada e a escrita, por vezes criando romances ilustrados ou colaborando com excelentes artistas. No campo da escrita criativa, aventura-se, grande parte das vezes, pela ficção especulativa. Publicou contos em antologias nacionais e internacionais, destacando-se a sua participação em “Lisboa no Ano 2000” (Saída de Emergência, 2013, coordenada por João Barreiros), “Por Mundos Divergentes” (Editorial Divergência, 2014) e o conto “Anormal” (Editora Draco, 2016). Em 2010, ganhou o terceiro prémio da 4ª Mostra de BD de Odemira, com a banda desenhada “Um dia alguém lhe disse…”. O seu primeiro romance, “Angel Gabriel – Pacto de Sague”, foi publicado em 2013 e desde então tem publicado vários contos e antologias, alguns dos quais chegaram aos Tops da Amazon e do iTunes. Ana C. Nunes adora ler, passear, e estar com os amigos. Vive em Barcelos, na companhia da família e dos seus dois cães mimalhos: Mini e Stinky.

E por Victor Pinho, que é Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, possui o curso de especialização em Ciências Documentais pela mesma Universidade e é Chefe do Gabinete de Bibliotecas do Município de Barcelos. Este Técnico Superior da Câmara Municipal de Barcelos, que dirige a Biblioteca Municipal há 33 anos, tem proferido diversas conferências sobre Leitura Pública e História Local. É, ainda, membro da Comissão de Toponímia e é responsável pelo programa cultural da Feira do Livro.

 

Autor de diversos trabalhos de História Local, a maior parte dos quais publicados na “Barcelos Revista” e nos semanários “A Voz do Minho” e “Jornal de Barcelos”, onde tem vindo a publicar “Os Presidentes do Município de Barcelos”, desde o liberalismo até à atualidade. É, igualmente, o Coordenador Científico dos Fascículos que este mesmo jornal está a publicar sob o tema “Concelho de Barcelos – Freguesias”. É autor do livro “Dicionário de Barcelenses”, publicado em 2017, e que foi Prémio Literário do Município de Barcelos, 2009, na modalidade de investigação. É coautor do livro “D. José Domenech: defensor do trabalho e prestante cidadão”, publicado em 1999, em que divulga a vida e obra deste industrial espanhol de serração de madeiras e que contribuiu para a fixação, em Barcelos, de muitos cidadãos espanhóis. No prelo, está o livro “Teatro Gil Vicente: um século de histórias”, que retrata a história cultural e social de Barcelos, antes e depois da fundação daquela casa de espetáculos. É membro do Rotary Club de Barcelos, do qual foi presidente em 1998/1999 e presidente da Assembleia Geral da Tertúlia Barcelense, da qual foi presidente em 2000/2001. Foi Presidente do Definitório (Conselho Fiscal) da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, de 2009 a 2014, da provedoria do Engº Mário Azevedo e do Dr. António Pedras, Presidente da Direção do IPIR – Instituto Português de Imprensa Regional, de 2002 a 2008 e Vice-Provedor da Real Irmandade do Senhor Bom Jesus da Cruz de Barcelos, de dezembro de 2003 a março de 2007, da provedoria do Dr. Vale Ferreira.

Fonte e imagem: AdB.

Mais de 800 alunos do 1º Ciclo falam de “Água com Amor” em iniciativa da Águas de Barcelos

Março 1, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura port barcelosnahorabarcelosnahora

A Águas de Barcelos desafiou e mais de oito centenas de alunos do 3º e 4º ano, do Ensino Básico, assinalaram o Dia de São Valentim com um poema recheado de sentido.



A concurso estão poemas de alunos dos vários agrupamentos escolares do concelho, que se encontram agora em análise por um júri composto por Ana Nunes, Bernardete Costa e Vítor Pinho. Os critérios prendem-se com a originalidade, a criatividade, a coerência e a pertinência ao tema. Com ideias e vocabulários compatíveis à sua categoria, os poemas devem conter as palavras ‘Águas’ e ‘Barcelos’.

Após a análise, os melhores poemas serão, depois, expostos em data a definir. Serão ainda atribuídos o primeiro e o segundo prémios, sendo que o aluno vencedor receberá um tablet de oferta e o segundo classificado receberá um MP4. À escola vencedora (do aluno vencedor) será oferecido um vídeo projetor. Todos os participantes receberão diplomas de participação.

De acordo com a Águas de Barcelos “o Concurso de Poesia sob o tema «Falar de Água com Amor» tem como objetivo fomentar, junto dos mais jovens o gosto pela escrita e pela leitura”.

O Júri é composto por Bernardete Costa, que nasceu em Esposende, em 1949, mas foi registada em Barcelos, onde residiu grande parte da sua vida. Em 1975, iniciou a carreira como docente no então ensino primário. Em 1984, mudou-se para Vila Nova de Famalicão, onde se estreou na escrita jornalística e literária. O seu gosto pela escrita levou-a a publicar algumas obras literárias. Assim, em 2000, editou o primeiro livro de poemas “A Guardadora de Ausências”, com prefácio de Urbano Tavares Rodrigues. A boa receção da obra por parte da crítica, entusiasmou-a a continuar a escrever, especialmente poesia. Em 2001, publicou o segundo livro, “Lugares do Tempo” (prémio literário da Câmara Municipal de Barcelos), em 2002, “Insubmissão dos Afetos” e, em 2004, “Cerejas aos Molhos”, poesia dedicada à infância, todos com a chancela da extinta Campo das Letras. Igualmente dedicado à infância, publicou, em 2009, o livro de contos “O Doce Canto da Sereia e Outras Histórias”. Publicou, depois, pela mão da Atelier de Letras o livro de Poemas para a juventude “Transpiração”, com a apresentação do jovem escritor, valter hugo mãe. De novo para a infância, pela editora Atelier de Letras, em 2012, “A casa sol e o telhado poema”. Em 2013, agora pela mão da jovem editora Blossom Birds, apresenta novamente poesia em “Cânticos de Sedução”. Mais recentemente, em 2015, apresentou, de novo pela Atelier de Letras, o livro de poesia infanto/juvenil “A luz dos Animais e das Coisas”. Além destas obras, tem artigos dispersos em antologias várias e publica textos inéditos no seu blog: http://bernardetecosta.blogs.sapo.pt. Bernardete Costa retornou às origens e vive, atualmente, na avenida virada ao Rio Cávado, em Esposende.

Ana C. Nunes nasceu na “terra do galo” em 1983. Escreve ficção especulativa desde os catorze anos, altura em que achou por bem entrar num duelo literário (e completamente unilateral) com a sua grande rival desse tempo (e agora sua grande amiga). Muitas colaborações se seguiram entre as duas, culminando na publicação integral do romance gráfico “Que Sorte a Minha”, no Jornal Barcelos Popular (2006 a 2007). Desde muito cedo, Ana C. Nunes divide as suas atenções entre a banda desenhada e a escrita, por vezes criando romances ilustrados ou colaborando com excelentes artistas. No campo da escrita criativa, aventura-se, grande parte das vezes, pela ficção especulativa. Publicou contos em antologias nacionais e internacionais, destacando-se a sua participação em “Lisboa no Ano 2000” (Saída de Emergência, 2013, coordenada por João Barreiros), “Por Mundos Divergentes” (Editorial Divergência, 2014) e o conto “Anormal” (Editora Draco, 2016). Em 2010, ganhou o terceiro prémio da 4ª Mostra de BD de Odemira, com a banda desenhada “Um dia alguém lhe disse…”. O seu primeiro romance, “Angel Gabriel – Pacto de Sague”, foi publicado em 2013 e desde então tem publicado vários contos e antologias, alguns dos quais chegaram aos Tops da Amazon e do iTunes. Ana C. Nunes adora ler, passear, e estar com os amigos. Vive em Barcelos, na companhia da família e dos seus dois cães mimalhos: Mini e Stinky.



Por fim, Victor Pinho é Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, possui o curso de especialização em Ciências Documentais pela mesma Universidade e é Chefe do Gabinete de Bibliotecas do Município de Barcelos. Este Técnico Superior da Câmara Municipal de Barcelos, que dirige a Biblioteca Municipal há 33 anos, tem proferido diversas conferências sobre Leitura Pública e História Local. É, ainda, membro da Comissão de Toponímia e é responsável pelo programa cultural da Feira do Livro.

Autor de diversos trabalhos de História Local, a maior parte dos quais publicados na “Barcelos Revista” e nos semanários “A Voz do Minho” e “Jornal de Barcelos”, onde tem vindo a publicar “Os Presidentes do Município de Barcelos”, desde o liberalismo até à atualidade. É, igualmente, o Coordenador Científico dos Fascículos que este mesmo jornal está a publicar sob o tema “Concelho de Barcelos – Freguesias”. É autor do livro “Dicionário de Barcelenses”, publicado em 2017, e que foi Prémio Literário do Município de Barcelos, 2009, na modalidade de investigação. É coautor do livro “D. José Domenech: defensor do trabalho e prestante cidadão”, publicado em 1999, em que divulga a vida e obra deste industrial espanhol de serração de madeiras e que contribuiu para a fixação, em Barcelos, de muitos cidadãos espanhóis. No prelo, está o livro “Teatro Gil Vicente: um século de histórias”, que retrata a história cultural e social de Barcelos, antes e depois da fundação daquela casa de espetáculos. É membro do Rotary Club de Barcelos, do qual foi presidente em 1998/1999 e presidente da Assembleia Geral da Tertúlia Barcelense, da qual foi presidente em 2000/2001. Foi Presidente do Definitório (Conselho Fiscal) da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, de 2009 a 2014, da provedoria do Engº Mário Azevedo e do Dr. António Pedras, Presidente da Direção do IPIR – Instituto Português de Imprensa Regional, de 2002 a 2008 e Vice-Provedor da Real Irmandade do Senhor Bom Jesus da Cruz de Barcelos, de dezembro de 2003 a março de 2007, da provedoria do Dr. Vale Ferreira.

Fonte e imagem

“Sete Prazeres da Gastronomia” encerram com doçaria tradicional de Natal

Dezembro 5, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura port barcelosnahorabarcelosnahora

Terminou em grande o programa gastronómico “7 Prazeres da Gastronomia”, que decorreu durante o ano de 2017, por iniciativa do Município de Barcelos. A última ação do programa, o concurso “Barcelos Doce”, realizou-se nos dias 2 e 3 de dezembro, no Posto de Turismo, e com dez pastelarias aderentes.



Este concurso, cuja realização é já habitual nesta época do ano, tem como objetivo principal, de acordo com o Município, “a criação de um conceito de excelência na área da doçaria, potenciando as vendas e a promoção de compras no concelho”. Na época natalícia, são reis da doçaria tradicional o Bolo-Rei, o Pão de Ló e o Tronco de Natal, mas de muitos outros doces viveu também o concurso, que primou pela inovação e pela criatividade.

O júri, constituído pelos chefes José Vinagre e Alexandre Costa e pela formadora em pastelaria, Helena Dias, procurou, nas receitas, os fatores de identidade e de tradição que distinguem estes produtos no contexto gastronómico e doceiro da região.

Os premiados do Concurso Barcelos Doce 2017 foram os seguintes:

Categoria Bolo-Rei:

1º Lugar – Mercado do Pão

2º Lugar – Doce Consolação

3º Lugar – Padaria Pacheco

Categoria Pão de Ló:

1º Lugar – Doce Consolação

2º Lugar – Pastelaria Minnelli

3º Lugar – Pastelaria S. Bento

Categoria Tronco de Natal:

1º Lugar – Doce da Bá

2º Lugar – Rosa Cintilante

3º Lugar – Doce Consolação

Prémio Melhor Doce Tradicional:

Pão de Ló – Doce Consolação

Prémio Doce Inovador:

Tronco de Natal – Rosa Cintilante



Programa gastronómico tem grande adesão ao longo de todo o ano

O programa “7 Prazeres da Gastronomia”, que termina agora com o Concurso Barcelos Doce, contribuiu para a promoção e divulgação do melhor da gastronomia local e mobilizou os agentes gastronómicos do concelho.

Foram cerca de duas mil pessoas que passaram pelos restaurantes aderentes, em cada um dos fins de semana temáticos. Só no Fim de Semana do Galo Assado, em outubro, foram servidos mais de 400 galos nas mesas dos restaurantes barcelenses, o que torna esta iguaria num sucesso na gastronomia local.

O programa gastronómico engloba, ainda, o Fim de Semana da Lampreia, a Semana Gastronómica do Galo, o Fim de Semana do Bacalhau, o Fim de Semana dos Petiscos Tradicionais, o Concurso Galo Assado e o Fim de Semana do Pica no Chão.

Fonte e imagem: CMB.

Concurso “Natal Ecológico” já tem as inscrições abertas

Outubro 1, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

Até dia 30 de novembro de 2017 encontram-se abertas as inscrições, limitadas a 20 participantes, para a participação no concurso “Natal Ecológico” de 2017.



Segundo a organização, por forma “a alertar a população para a excessiva produção de resíduos e incentivar a criatividade através da reutilização de materiais, o Município de Barcelos através do Pelouro do Ambiente promove o concurso ‘NATAL ECOLÓGICO’, onde os participantes terão que desenvolver um trabalho (que poderá ser uma maquete, uma escultura, um presépio etc), de tema livre, sobre a quadra natalícia, recorrendo apenas a material reutilizado/reciclado”.

Este concurso destina-se a Jardins de Infância, Escolas do 1º, 2º, 3º Ciclo, IPSS’s e Ensino Especial do concelho de Barcelos.

Os três primeiros classificados receberão um prémio, no valor de €300, €200 e €100, respetivamente, e aos restantes participantes será entregue um prémio de participação no valor de €50.

As inscrições deverão ser realizadas através do e-mail: gambiente@cm-barcelos.pt (os interessados deverão solicitar as NORMAS DE PARTICIPAÇÃO E A FICHA DE INSCRIÇÃO).

Já a entrega dos trabalhos será até ao dia 7 de dezembro de 2017.

Depois, no período de 11 de dezembro de 2017 a 8 de janeiro de 2018, estará patente ao público a exposição dos trabalhos realizados, em local ainda a designar.

Fonte e imagem: AB.

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima