Tag archive

Ensino

Concurso de inovação convida jovens do ensino secundário e técnico-profissional a apresentarem as melhores ideias de negócio

Outubro 20, 2018 em Atualidade, Concelho, Educação, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Mais de 150.000€ em prémios

O Concurso de Ideias e Planos de Negócio – Arrisca C, a assinalar a sua 10ª edição, disponibiliza mais de 150 mil euros para os projetos mais inovadores. O concurso está dividido em duas categorias, que visam premiar, por um lado, as melhores Ideias de Negócio ainda em fase de conceção e sem plano de negócio desenvolvido, por outro, os melhores Planos de Negócio que apresentem projeto para a constituição de uma empresa.



Na sua 1ª edição, em 2008, começou por ser um concurso destinado a estudantes e recém-diplomados do Ensino Superior, e é hoje um dos mais ambiciosos concursos na área do empreendedorismo e inovação nacional. Aberto desde 2013 ao ensino secundário e técnico-profissional, esta é uma iniciativa que convida os jovens nesta etapa do ensino a apresentarem as melhores ideias de negócio.

As inscrições estão a decorrer até dia 4 de novembro em www.arrisca-c.pt.

Com vista a potenciar e apoiar as políticas de apoio e formação ao empreendedorismo jovem, é na categoria das melhores Ideias de Negócio que o Arrisca C lança, em 2013, o Prémio Ensino Secundário, dirigido a jovens estudantes do Ensino Secundário e Técnico-Profissional. Desde então, entre as dezenas de candidaturas, já foram premiados cinco projetos inovadores nesta categoria, nas áreas de design de produto e engenharia, segurança, saúde, alimentação e ecologia.

«Nas edições anteriores verificou-se que os estudantes do ensino secundário e técnico-profissional apresentaram ideias altamente inovadoras, com grande potencial ao nível de aplicabilidade comercial e criação de futuros negócios. Isso foi uma motivação para continuarmos a dinamizar este prémio, de forma a estimular junto dos estudantes mais jovens o aparecimento de ideias empreendedoras e competitivas e possibilitar-lhes ferramentas para a sua concretização», explica Jorge Figueira, responsável pela Divisão de Inovação e Transferências do Saber da Universidade de Coimbra, líder do consórcio INOV C 2020 que financia o Arrisca C.

Com a experiência e o sucesso das edições anteriores, o Arrisca C tem-se revelado um projeto ambicioso. Ao fim de 10 anos, com cerca de 820.000€ em prémios distribuídos, mais de 700 projetos candidatos, envolvendo mais de 2.000 promotores e mais de 25 empresas criadas, esta iniciativa aumentou a fasquia e transformou esta última edição num marco na propagação de ideias e projetos inovadores.



Jovens do ensino secundário e técnico-profissional destacam-se no Arrisca C

Atribuído desde 2013, o Prémio Ensino Secundário do Concurso de Ideias e Planos de Negócio – Arrisca C tem vindo a distinguir os projetos mais inovadores, em áreas como o design de produto e engenharia, segurança, saúde, alimentação e ecologia.

O projeto EUCALYGRAPE LEATHER foi o vencedor da última edição, em 2017, com uma proposta de curtimenta da pele economicamente viável e ambientalmente sustentável. A proposta tinha por base a produção de um couro antialergénico a partir de subprodutos vegetais, como o bagaço de uva e extratos de eucalipto, o que permitiria substituir a utilização de químicos nocivos à saúde humana.

Em 2016, o Prémio Ensino Secundário foi atribuído a dois projetos vencedores. Um deles foi o URGÊNCIAS SOS, que propõe a colocação de um dispositivo de alerta (chip) no pulso dos utentes das urgências, possibilitando uma triagem mais rigorosa, com a medição da pressão arterial e temperatura corporal destes doentes. Foi também premiado o projeto 3D CAKE, uma impressora capaz de imprimir objetos 3D, em vários materiais, para decoração de bolos sem intervenção humana.

O Prémio Ensino Secundário foi atribuído, na edição de 2014, ao projeto STILL HERE. Este projeto tem como objetivo prevenir a possibilidade de os bebés serem deixados dentro de viaturas, através de um sistema que conecta, através de tecnologia wireless, uma pulseira, usada pelo condutor, a um dispositivo de segurança colocado na cadeira da criança. O sistema poderá, posteriormente, ser utilizado para doentes com Alzheimer.

A primeira edição do Prémio Ensino Secundário do Arrisca C, em 2013, distinguiu o projeto FRAPÉ COM PAINEL ROTATIVO FOTOVOLTAICO PORTÁTIL, que propunha o desenvolvimento de um protótipo de frapé com refrigeração autossustentável através do aproveitamento da luz solar, facilitando o arrefecimento de garrafas sem gasto de energia.

Imagem: DR.

Município de Barcelos oferece cadernos de atividades aos alunos do concelho

Setembro 6, 2018 em Atualidade, Concelho, Educação, Política port barcelosnahorabarcelosnahora

A Câmara Municipal de Barcelos vai oferecer os livros de fichas obrigatórios – Português, Matemática e Estudo do Meio – aos alunos do 1º ciclo do Ensino Básico das escolas de Barcelos e alunos residentes no concelho.



O apoio é concedido a todas as crianças, independentemente do escalão da Segurança Social em que se encontram. Para ter acesso a este apoio, os pais/encarregados de educação devem adquirir as fichas (de preferência em livrarias do concelho), solicitando fatura com a discriminação dos livros e respetivos preços, em nome do aluno, bem como a indicação da escola que o aluno vai frequentar.

Posteriormente, devem entregar a fatura original no Balcão Único da Câmara Municipal de Barcelos, acompanhado do respetivo documento de identificação e número de IBAN.

A data limite para apresentação da fatura é o dia 30 de novembro.

A Câmara Municipal de Barcelos já ofereceu gratuitamente os manuais escolares aos alunos do 1º ciclo antes mesmo do Ministério da Educação ter assumido este apoio e agora passa também a oferecer os cadernos de atividades.

Livros gratuitos até ao 7º ano

No mesmo âmbito, recorde-se que o Município vai implementar, pelo segundo ano consecutivo, o Banco de Livros Escolares que, no ano letivo 2018/2019, vai permitir o empréstimo de manuais escolares aos alunos que ingressam agora no 3º ciclo do Ensino Básico, mais precisamente no 7º ano, em parceria com os Agrupamentos de Escolas do concelho.

A medida implica um investimento municipal a rondar os 70 mil euros, que vão ser destinados à aquisição de cerca de 5000 manuais escolares de disciplinas nucleares como português, matemática, história e geografia, inglês e ciências naturais.

Esta medida, em complemento com a do Ministério da Educação, vai permitir a cobertura de livros gratuitos até ao 7.º ano.

O Banco de Livros é uma iniciativa do Município de Barcelos que disponibiliza gratuitamente manuais escolares, a título de empréstimo. Cada Agrupamento de Escolas ficará responsável pela constituição e gestão do seu Banco de Livros Escolares, com normas e procedimentos definidos por regulamento próprio, coordenando assim os empréstimos de manuais, sem custos para as famílias.

Os encarregados de educação que pretendam ter acesso aos manuais escolares deverão oficializar o pedido junto do seu Agrupamento, sendo que, quem beneficia dos livros durante um ano letivo deve garantir uma prudente utilização dos manuais para que voltem a ser emprestados no ano letivo seguinte.

Para qualquer esclarecimento de dúvidas sobre o Banco de Livros Escolares pode enviar e-mail para educacao@cm-barcelos.pt.

Fonte e foto: CMB.

SOPRO disponibiliza para todos o Banco de Manuais e Material Escolar

Agosto 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No Banco de Manuais Escolares, qualquer pessoa pode fazer a troca de manuais escolares de forma gratuita, independentemente de ter escalão escolar ou não, ou de receber qualquer subsídio.



Está disponível a todos, do 5º ao 12º ano. Para que o Banco de Manuais Escolares possa funcionar é importante que as pessoas doem os seus manuais escolares. Os manuais que estiverem de acordo com as regras das Escolas, serão disponibilizados para troca. Os manuais que sejam relativamente recentes e que já não possam ser utilizados em Portugal, serão enviados para a Beira, em Moçambique, para a Escola João XXIII e Centro Assistencial de La Salle.

Os manuais mais antigos que não possam ser utlizados serão enviados para a reciclagem e os fundos angariados serão para comprar material para incluir no kit de material escolar.

As famílias carenciadas podem candidatar-se ao kit de material escolar do Banco de Material Escolar. Para isso, devem levar a cópia de todos os documentos, como despesas mensais, renda de casa e outros documentos que possam ser importantes para o processo. Em setembro, após a aprovação do processo, o aluno receberá um kit com diverso material escolar de acordo com o ano em que se encontra.

Em caso de dúvida, pode contatar a SOPRO pelos números 253 837 259 ou 965 659 916.

Imagem: SOPRO.

Município de Barcelos mantém Banco de Livros Escolares para famílias necessitadas

Agosto 9, 2018 em Atualidade, Concelho, Educação, Política port barcelosnahorabarcelosnahora

A Câmara Municipal de Barcelos vai implementar, pelo segundo ano consecutivo, o Banco de Livros Escolares que, no ano letivo 2018/2019, permitirá o empréstimo de manuais escolares aos alunos que ingressam agora no 3º ciclo do Ensino Básico, mais precisamente no 7º ano, em parceria com os Agrupamentos de Escolas do concelho.



A medida implica um investimento municipal a rondar os 70 mil euros, que vão ser destinados à aquisição de cerca de 5000 manuais escolares de disciplinas nucleares como português, matemática, história e geografia, inglês e ciências naturais.

Esta medida, em complemento com a do Ministério da Educação, vai possibilitar a cobertura de livros gratuitos até ao 7º ano a alunos que se encontrem no escalão B e C da Segurança Social. Recorde-se que a Câmara Municipal de Barcelos já ofereceu os manuais escolares aos alunos do 1º ciclo antes mesmo do Ministério da Educação ter assumido este apoio e agora passa, também, a oferecer os cadernos de atividades a estes alunos, desde que se encontrem nos escalões B e C.

O Banco de Livros é uma iniciativa do Município de Barcelos que disponibiliza gratuitamente manuais escolares, a título de empréstimo. Cada Agrupamento de Escolas ficará responsável pela constituição e gestão do seu Banco de Livros Escolares, com normas e procedimentos definidos por regulamento próprio, coordenando, dessa forma, os empréstimos de manuais, sem custos para as famílias.

Os encarregados de educação que pretendam ter acesso aos manuais escolares deverão oficializar o pedido junto do seu Agrupamento, sendo que, quem beneficia dos livros durante um ano letivo, deve garantir uma prudente utilização dos manuais para que voltem a ser emprestados no ano letivo seguinte.

A promoção da reutilização dos manuais escolares, a diminuição dos custos de aquisição de livros por parte das famílias e o incentivar de boas práticas de proteção e educação ambiental junto das gerações mais novas são os principais objetivos do Banco de Livros Escolares.

Para qualquer esclarecimento de dúvidas sobre o Banco de Livros Escolares, pode enviar e-mail para educacao@cm-barcelos.pt.

Fonte: CMB.

Imagens: DR e CMB.

Município de Barcelos participa em projeto europeu do Programa Erasmus

Julho 24, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O Município de Barcelos, enquanto coordenador do projeto “A School for Tomorrow’s: Dropout Prevention, Intervention and Retrieval Through Art Education”, no âmbito do Programa Erasmus, apresenta os primeiros resultados do projeto depois de dois anos de intervenção, que tem como parceiros o Agrupamento de Escolas de Barcelos e a Associação Intercultural Amigos da Mobilidade e, em termos internacionais, a Itália e a Polónia.



O objetivo central deste projeto passa por refletir, discutir e partilhar boas práticas educativas acerca do combate ao abandono e insucesso escolar, a partir de uma abordagem diferenciada de intervenção através da arte.

O resultado final tem como objetivo permitir aos alunos, que caracterizados em termos escolares como alunos de insucesso, se expressarem livremente através das artes, refletirem sobre as suas dificuldades, experimentarem o sucesso e trabalharem emoções positivas com impacto na autoimagem e autoestima. Estas competências podem ser transferidas para a realização escolar, esperando-se, assim, um impacto muito positivo ao nível do sucesso académico.

Já o produto final deste projeto materializa-se em dois guias. O primeiro, faz um ponto de situação do abandono escolar em cada um dos países e as respetivas políticas educativas de combate a este fenómeno; o segundo, refere-se à partilha de projetos e boas práticas existentes em cada um dos países, de intervenção escolar no fenómeno do abandono e insucesso através de práticas educativas que privilegiam a expressão artística.

Este projeto piloto consistiu numa abordagem estruturada, no qual os alunos foram expostos a diferentes atividades de expressão artística em espaços culturais do município ou outros, permitindo trabalhar diferentes áreas como a pintura, o desenho, a expressão dramática, a relação com o património local, a escrita criativa, entre outros. Todo esse trabalho culminou com a apresentação pública num espetáculo, denominado “Do Avesso”, que se realizou no passado dia 24 de junho.

Fonte e foto: CMB.

Banco de Material Escolar da SOPRO está aberto a doações

Julho 14, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

O Banco de Material Escolar (BME) da SOPRO já iniciou a preparação do novo ano letivo (2018/2019).



O BME tem como principal objetivo apoiar o acesso à escolaridade. Assim, o projeto está orientado para a recolha de manuais e materiais escolares e encaminhamento dos mesmos para crianças, jovens e famílias devidamente sinalizadas. Este apoio pretende abranger as famílias mais desfavorecidas e, também, prevenir situações de abandono escolar, visto muitas dessas famílias terem dificuldade em manter as crianças devido às suas enormes carências.

Para o desenvolvimento deste projeto, a SOPRO precisa da colaboração de todos. Para isso, basta doar manuais em vigor e/ou material escolar (novo ou usado) ao Banco de Material Escolar.

para mais e melhores informações, pode contactar a Coordenadora do Projeto, Joana Miranda, através do contacto telefónico 96 565 9916 ou do e-mail geral@sopro.org.pt. Pode, igualmente, consultar as páginas da SOPRO na Internet e na rede social Facebook (basta clicar nos links para aceder automaticamente): https://www.facebook.com/soproongd/ e http://www.sopro.org.pt/.

Imagem: SOPRO.

Já se conhece o calendário escolar para 2018/2019

Junho 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Educação, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Foi publicado a 19 de junho, ao final do dia, o Despacho Nº 6020-A/2018, que designa o calendário escolar para o próximo ano letivo (2018/2019), assim como o calendário de provas e exames dos ensinos básico e secundário.



Assim, entre 12 e 17 de setembro iniciam as atividades letivas do 1º Período, que termina a 14 de dezembro (interrupção de Natal). O 2º Período inicia a 3 de janeiro de 2019 e termina a 5 de abril (interrupção de Páscoa). O dia 23 de abril marca o reinício das atividades letivas, com o 3º Período, que termina a 5 de junho para os alunos do 9º, 11º e 12º anos; a 14 de junho para os alunos do 5º, 6º, 7º, 8º e 10º anos; e a 21 de junho para os do pré-escolar e 1º Ciclo do Ensino Básico. A interrupção “de Carnaval” será entre 4 e 6 de março de 2019.

Na imagem que se segue, retirada do Despacho, pode observar estas informações:

Foto: DR.

Juventude Socialista de Barcelos divulga propostas a estudantes

Março 26, 2018 em Atualidade, Concelho, Educação, Política port barcelosnahorabarcelosnahora

Na passada sexta-feira, dia 23 de março, a Juventude Socialista (JS) esteve com centenas de estudantes no sentido de divulgar as propostas desta juventude partidária para o ensino e para os estudantes.



Esta iniciativa realizou-se no âmbito da atividade Action Week – “Dá Voz Ao Conhecimento”, promovida pela estrutura nacional da JS.

Foi uma semana de atividades, que terminou no dia 24 de março com a comemoração do Dia Nacional do Estudante.

Fotos: JS-B.

Os contextos de aprendizagem (Parte I)

Novembro 26, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Dr.ª Maria José Amaral Neco

Atualmente, fala-se muito da sociedade da informação ou do conhecimento, como preferirmos chamar-lhe. No entanto, é impreterível questionarmo-nos acerca de como podemos garantir a aquisição de novas competências quando a escola deixou de ser o único espaço de transmissão do saber.



É do conhecimento geral que os métodos tradicionais de ensino são considerados, atualmente, ultrapassados, o processo de ensino aprendizagem vai para além da memorização da informação. Hoje, incentiva-se e estimula-se o desenvolvimento do pensamento crítico-reflexivo e de competências no acesso à informação. Há, de certo modo, uma preocupação por parte dos profissionais educativos/informativos em formar/preparar o cidadão para a aprendizagem ao longo da vida.

Nesta perspetiva do ensino urge-me falar de um dos espaços que considero privilegiado para a promoção de uma educação mais informal e que oferece diferentes fontes de informação que ajudam a garantir a equidade na educação, sem restrições sociais, culturais e económicas. Esse espaço é a Biblioteca em geral e a Biblioteca Escolar em particular.

Durante muitos anos, a Biblioteca foi considerada um lugar de conhecimento e de acesso restrito; apenas os mais letrados e com status social mais elevado tinham acesso à informação. Muito se devia ao analfabetismo e ao receio pela ascensão à sabedoria, fruto dos regimes políticos mais autoritários e rígidos.

Há muito tempo que a Biblioteca deixou de ser considerada apenas um espaço de armazenamento de livros, um lugar onde eram guardadas as informações registadas pelo homem, para passar a ser reconhecida como um espaço de interação e interdisciplinaridade com os seus reais e potenciais utilizadores.

No ambiente educacional, a Biblioteca é vista como um recurso básico no processo educativo, promovendo e desenvolvendo a literacia informacional, dotando e preparando o futuro cidadão de competências fundamentais na interpretação dessa mesma informação.

Por: Dr.ª Maria José Amaral Neco*

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Novo Paradigma Educacional – Novas Tecnologias (Parte III)

Outubro 22, 2017 em Atualidade, Concelho, Educação, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Dr.ª Maria José Amaral Neco

Como analisámos em edições anteriores, a Internet é, sem sombra de dúvidas, um meio facilitador aos métodos de ensino. Esta permite uma maior flexibilidade e acessibilidade ao contexto educativo. A plataforma Moodle, que muitos já conhecem, é bastante utilizada no contexto do ensino a distância, permitindo uma maior interação com o professor e os participantes de uma determinada unidade curricular, e tudo em tempo real.



A elaboração de materiais de apoio ao aluno, como manuais impressos que se tornam obsoletos, são assim substituídos pelo suporte digital, podendo estar sempre atualizados e disponíveis.

Este novo método pedagógico suscita algumas questões, nomeadamente, no que respeita à nova metodologia de ensino/aprendizagem. Posso afirmar que, agir pedagogicamente nesta metodologia de ensino exige trabalhar motivações, aspirações, desejos e necessidades dos alunos que se confrontam com novos modelos de aprendizagem em ambientes que não lhes são totalmente familiares. O tempo foi passando, a progressão na unidade curricular afigurou-se natural e à minha volta o número de não-esclarecidos foi diminuindo, fruto de muitos “nós no estômago!”

O consenso aparentemente foi estabelecido, mesmo que natural e inerente à condição de ser social e humano, o processo educativo é suscetível de ser melhorado e potenciado com a ajuda de profissionais conscientes, capazes e dotados tecnicamente, assumindo o papel de facilitadores/animadores/gestores, em suma o papel de Educadores.

Neste contexto, o professor aparece com o papel de facilitador da aprendizagem, é importante por isso, que saiba orientar e responsabilizar os seus alunos para os métodos a serem utilizados nas aulas não presenciais; esta metodologia proporciona uma política de participação, em que todos os atores intervenientes participam ativamente nas práticas pedagógicas, o aluno deixa de ter aparentemente uma postura passiva, passando a ter uma postura pró-ativa.

Toda esta dinâmica pedagógica motiva o desenvolvimento do trabalho colaborativo, interativo e construtivo por parte dos grupos. No entanto, posso partilhar com o leitor, que na minha experiência pessoal, assisti a resistências na partilha de conhecimento entre os diferentes grupos. Este fenómeno reflete bem a cultura educativa que está enraizada no nosso percurso escolar e, quando confrontados com novos ambientes de aprendizagem, ainda que inconscientemente, reagimos de forma individualista e não colaborativa na partilha do conhecimento.

Por: Dr.ª Maria José Amaral Neco*

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima