Tag archive

Espanha

Augusto Costa, dos Amigos da Montanha, vence em Valência

Novembro 21, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O atleta dos Amigos da Montanha (AM), Augusto Costa, participou, no último sábado, na Maratona de Valência. Numa maratona muito rápida, o atleta dos AM conseguiu a vitória no escalão de M45.



Augusto Costa trouxe para Portugal a melhor marca no seu escalão, com o tempo de 2h25’25’’, naquela que é uma das melhores maratonas da Europa.

Fonte e fotos: AM.

Barcelense Joaquim Sousa “conquista” Barcelona

Novembro 6, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No fim de semana passado, entre 4 e 5 de novembro, o barcelense Joaquim Sousa deslocou-se a Barcelona para competir na “Barcelona City Race”, a 7ª e penúltima etapa do circuito “City Race Eurotour”, provas de Orientação.



O atleta de Galegos Santa Maria, a competir pelo Clube de Orientação do Centro, venceu esta etapa e subiu ao 3º lugar do circuito europeu, no escalão de VET1, ficando assim o título ao seu alcance, caso consiga pontuar na próxima etapa, já no próximo fim de semana, 11 e 12 de novembro, em Bilbau, na região basca de Espanha.

A Barcelona City Race foi uma de duas etapas deste fim de semana do “Troféu Internacional Ciutat de Barcelona”, evento onde Joaquim Sousa fez o pleno, ao ter vencido, também, a etapa de sábado.

Fonte e fotos: JS.

Herói ou anti-herói?

Novembro 5, 2017 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Política port barcelosnahorabarcelosnahora
Raquel dos Santos Fernandes

Som una nació. Este era o mote de uma avolumada manifestação organizada em Barcelona, a 10 de julho de 2010, contra a decisão do Tribunal Constitucional em arquivar um recurso de inconstitucionalidade na sequência da aprovação, em junho de 2006, do novo Estatuto de Autonomia da Catalunha.



O movimento catalão para a conquista da independência e a conversão para um Estado republicano, que agora motiva uma enorme mobilização política de caráter maioritariamente identitário, não é novo, e seria importante que essa conjuntura fosse explorada de modo a explicar a forma como este tipo de iniciativas nacionalistas emergiram na sociedade civil. O próprio contexto institucional e político em Espanha sofreu várias alterações nos últimos anos e o contexto de crise económica reforçou o debate sobre a necessidade de introduzir políticas de recentralização para a eficiência económica. A possibilidade de independência ganhou visibilidade no debate político, não apenas ao nível parlamentar e partidário, mas também por uma crescente mobilização social que, em parte, também fora motivada pela perceção de um tratamento injusto pelo Estado em termos políticos e fiscais, como se a independência pudesse trazer um potencial estado de bem-estar que a crise económica lhes limitara.

Quando Puigdemont declarou a independência unilateral afirmando que “o povo determinou que a Catalunha se deve tornar um Estado dependente” criou um novo paradigma que se poderá tornar numa espécie de quadro radioativo para a Catalunha, para a Espanha e para a própria Europa. Primeiro, pelo desejo de independência de uma região com a sua própria língua e identidade; Segundo, pela incapacidade de resposta do governo central às exigências de uma sociedade em mudança e, ainda, pelos precedentes que poderá criar em outros Estados. A forma como os cidadãos se envolveram neste processo fez com que os líderes políticos e os meios de comunicação se voltassem para um panorama nunca antes explorado e, nessa linha, os próprios meios de comunicação poderão desempenhar um papel determinante na formação da opinião pública.

Se nos países autoritários, privados de liberdade, a sua função consiste em legitimar o poder estabelecido, sob o controlo de um governo que impede a emergência na esfera pública da sociedade civil, nos países democráticos, o processo é exatamente o oposto. E, nesse sentido, será interessante analisar, no futuro, as perceções que a opinião pública retirará daí: se a defesa do novo herói catalão ou a crítica ao seu antagónico.

Por: Raquel dos Santos Fernandes*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Corta Mato de Barcelos volta a ser prova de seleção para o Campeonato da Europa

Outubro 31, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Realiza-se no próximo dia 12 de novembro o “Campos & Lopes Corta Mato de Barcelos”, uma prova que será, pelo terceiro ano consecutivo, de seleção para o Campeonato da Europa de Corta Mato. A prova vai ser de seleção no escalão Sub-23 masculinos e femininos e, por isso, esperam-se em Barcelos os melhores atletas nacionais. Os atletas selecionados para o Campeonato da Europa de Corta Mato competirão com as cores de Portugal no dia 26 de novembro em Espanha (Alcobendas).



A terceira edição da prova, organizada pelos Amigos da Montanha, com o apoio da Câmara Municipal de Barcelos e da Associação de Atletismo de Braga, decorre nos terrenos contíguos ao Estádio Cidade de Barcelos.

O percurso, completamente vedado, será composto por volta pequena de 1000 metros e volta grande de 2000 metros. Haverá, também, uma volta de 500 metros para os infantis masculinos e femininos.

O Corta Mato é constituído por várias corridas dedicadas aos escalões de formação e seniores femininos e masculinos, que competem em diferentes distâncias. Decorrerá, igualmente, uma prova aberta na distância de 8 000 metros.

As inscrições podem ser realizadas no site da Associação de Atletismo de Braga.

Fonte e imagem: AM.

Peça de Teatro “A Rainha da Beleza de Leenane” amanhã no Teatro Gil Vicente

Outubro 27, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Amanhã, dia 28 de outubro, pelas 21h30, no Teatro Gil Vicente, vai a cena a peça de teatro “A Rainha da Beleza de Leenane”, no âmbito do Festival de Teatro de Barcelos, organizado pelo A Capoeira. O grupo responsável é a Taller de Teatro de Pinto, de Madrid (Espanha).

A Taller Teatro de Pinto (Madrid – Espanha) é um grupo que nasceu nos anos oitenta e já conta com mais de quarenta produções. Seguem com o objetivo de fazer realidade o sonho da arte nas suas vidas e nas dos que os rodeiam. Tem o “sonho de inventar e compartilhar mundos e outras realidades possíveis, o sonho de difundir o Teatro com a convicção plena de que esta é a arte da união e da expressão dos sentimentos comuns”.

A peça La Reina de la Belleza de Leenane (A Rainha da Beleza de Leenane) tem como autor o irlandês Martin McDonagh, e faz-nos um retrato da Irlanda rural dos anos 80 através da história de Maureen, uma camponesa rude que vive em casa de sua mãe, Mag, uma idosa de carácter complicado e manipulador. Quando Pato Dooley reaparece na vida de Maureen, vinte anos depois da última palavra, com atrativas propostas de mudança para ela, a tenção aumenta entre mãe e filha. Uma não quer ficar sozinha nas montanhas de Connemara, a outra deseja voar daquela prisão a todo o custo. A complicar a situação estão Ray Dooley, irmão de Pato. Um jovem inquieto, muito crítico com Mag e Maureen.

Os atores são Tina Rojas (Mag Folan), Belén Díaz (Maureen Folan), Manu Madrid (Ray Dooley) e José Luís Olmedo (Pato Dooley). O desenho de cenografia está a cargo de Ricardo Rando Blázquez, que também é responsável, a par de José Luís Arenas, pela realização de cenografia. O desenho de vestuário e caracterização cabe a Laura Eliseva Gómez Irigoyen. A Fotografia a Dani Gallego, o movimento e luta cénica a Iago García Pérez, o desenho gráfico cabe à Taller Teatro de Pinto, a iluminação a Carlos Gómez, Zaida Domínguez, Manuel Suárez e Jesús Larraondo, o som a José Luís Arenas, a produção é da Taller Teatro de Pinto e a Direção Artística é da competência de  José Luís Molinero Montalvo.

A entrada é gratuita mas limitada à lotação da sala. As reservas podem ser efetuadas na bilheteira do Teatro Gil Vicente, através do e-mail tgv@cm-barcelos.pt ou do telefone 253 809 694.

Fonte e fotos: A CAPOEIRA.

30º Festival de Teatro de Barcelos leva 14 peças ao palco do Teatro Gil Vicente

Setembro 30, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Entre 7 de outubro a 26 de novembro, 14 espetáculos teatrais passarão pelo palco do Teatro Gil Vicente. Numa organização de A CAPOEIRA – Companhia de Teatro de Barcelos, com o apoio do Município de Barcelos e do Teatro Gil Vicente, o Festival contará com um grupo Italiano de Pádua, um grupo Espanhol de Madrid, 8 grupos do concelho de Barcelos e 4 grupos de Braga, Alcobaça, Idanha-a-Nova e Coimbra.



De acordo com a organização, “a programação do 30º Festival de Teatro de Barcelos foi pensada de forma a trazer a Barcelos diferentes linguagens artísticas e culturais”.

Assim, a 7 de outubro, pelas 21h30, teremos “3 Yoricks”, pelo Loucomotiva – Grupo de Teatro de Taveiro. No dia seguinte, pelas 16h00, “As Guerras de Alecrim e Manjerona”, pela Nova Comédia Bracarense. A 14 de outubro, pelas 21h30, “Opus”, pela AJIDANHA – Associação de Juventude de Idanha-a-Nova. No dia seguinte, pelas 16h00, “Lagartito Poeta e Maria Lagarto”, pelos Amigos do Pato. Depois, no dia 20 de outubro, pelas 21h30, “A Casa de Bernarda Alba”, pela Associação D’Improviso – Artes de Espetáculo. Dia 21, pelas 21h30, “A Ver as Estrelas”, pelos Gambuzinos com 1 Pé de Fora. No dia seguinte, pelas 16h00, “A Revolta dos Micróbios”, pela Oficina de Teatro AVAI. Outubro termina com “A Rainha da Beleza de Leenane”, dia 28, pelas 21h30, representada pelo Taller Teatro de Pinto, de Madrid (Espanha), numa peça falada em espanhol.

Na programação de novembro, no dia 4, pelas 21h30, “As Férias do Algarve”, pelos Pioneiros da Ucha. No dia seguinte, pelas 16h00, “A Influência de Tanato”, pela Só Podia Teatrices e Companhia. A 12 de novembro, pelas 16h00, “República das Mulheres”, pelo TPC – Teatro Popular de Carapeços. Sábado, 18 de novembro, pelas 21h30, vai a palco “Pequenos Crimes Conjugais”, pelo Teatro Fuori Rotta, de Pádua (Itália), numa peça falada em italiano. No dia seguinte, pelas 16h00, “O Genro do Doutor”, pelo Teatro Experimental de Feitos. Para terminar o Festival, no dia 26 de novembro, sobe a palco a companha organizadora – A CAPOEIRA –, com a sua peça “Menina Júlia”.

Todas as peças teatrais são de entrada gratuita e os bilhetes poderão ser reservados na bilheteira do Teatro Gil Vicente; ou através do e-mail tgv@cm-barcelos.pt; ou pelo telefone 253 809 694.

Fonte e imagem: AC-CTB.

Barcelenses Hélder Nunes e Rafa são vice-campeões do Mundo em final “imprópria para cardíacos”

Setembro 9, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Realizou-se hoje, em Nanjing – China, a final do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, colocando frente a frente a seleção portuguesa e a espanhola. O jogo iniciou às 11h30 da manhã, hora portuguesa. E, como diz o título da notícia, foi uma final “imprópria para cardíacos”.



Os dois hoquistas de Barcelos, que jogam no FC Porto, Hélder Nunes e Rafa, integraram a convocatória do seleccionador nacional Luís Sénica, conjuntamente com Ângelo Girão, Pedro Henriques, Nélson Filipe (GR), Diogo Rafael, João Rodrigues, Luís Querido, Reinaldo Ventura, Gonçalo Alves, Henrique Magalhães, João Souto e Ricardo Barreiros.

De salientar que Luís Querido e Reinaldo Ventura foram, até há pouco tempo, jogadores do Óquei Clube de Barcelos (OCB).

O Campeonato do Mundo, disputado na longínqua e sem tradição na modalidade, China, não começou da melhor forma para os selecionados nacionais. Aliás, até o sorteio foi “madrasto” para a seleção portuguesa, ficando esta no chamado “grupo da morte”, com a campeã do Mundo em título, Argentina, a sempre muito forte Itália e uma França cada vez mais competitiva e competente.

Infelizmente, Portugal não arrancou mesmo bem, perdendo com a Argentina por 2-5. Na jornada seguinte, nova derrota, desta feita por 4-2, frente a Itália. Hélder Nunes marcou um golo. Na última jornada, e obrigada a, pelo menos, empatar, para seguir em frente, a nossa seleção venceu a França por 6-5, mas num jogo extremamente difícil, com o golo da vitória a surgir pelo inevitável Hélder Nunes, nos últimos segundos do jogo, já com a França sem guarda-redes na baliza, porque para os franceses apenas a vitória interessava. O barcelense apontou um hat-trick.

Dessa forma, Portugal terminou o grupo em 3º lugar, com 3 pontos em 3 jogos. Fazendo uma pequena analogia, este percurso fazia lembrar o da seleção campeã da Europa de futebol, em França.

Nos quartos de final, Portugal encontrou a seleção do país irmão, Moçambique, seleção de Marinho, jogador do OCB. Desta feita, o resultado foi melhor e mais desnivelado, com uma vitória das cores nacionais por 2-6. Rafa marcou um golo por Portugal e Marinho marcou os dois dos moçambicanos.

Eis, então, que nas meias-finais defrontam-se, novamente, Portugal e Argentina, esta última com um apuramento extremamente difícil frente a Angola, vencendo por 3-4 após prolongamento. Mas o jogo correu imensamente de feição para os portugueses, que venceram por 5-0. O guarda-redes Ângelo Girão esteve em evidência mas o barcelense Hélder Nunes tornou a apontar um hat-trick.

A tão ansiada final chegou, com o “duelo dos duelos” com nuestros hermanos de Espanha. O jogo não correu de feição na primeira metade, com os espanhóis a saírem para os balneários a vencer por 2-0, com golos de Raúl Marin e Jordi Adroher. Mas Portugal voltou do descanso com vontade de inverter as coisas e bem cedo, pelo “habitual” barcelense Hélder Nunes, reduziu para 2-1. O seu companheiro de equipa, Gonçalo Alves, restabeleceu a igualdade. A partir daqui, o jogo entra em contornos épicos e impróprios para cardíacos e “roedores de unhas”.

Assim, Eduard Lamas recoloca os espanhóis a vencer, por 3-2. O tempo foi passando, com os portugueses a tentarem o empate e os espanhóis a gerirem a vantagem, até que Ângelo Girão “perde a calma” e vê o cartão azul. Em consequência, vai 2 minutos para o banco, é substituído por Pedro Henriques e Espanha fica em situação de power-play. Faltavam 10 segundos. Pedia-se um milagre para as cores nacionais evitarem a derrota. Raúl Marin falhou o livre direto e, de seguida, faz falta violenta sobre Diogo Rafael, sendo admoestado com cartão azul. Portugal ganha novo livre direto. As equipas ficam iguais em número de jogadores.

O homem “do costume” é chamado para o momento mais importante do jogo. A 4 segundos (sim, leu bem!) do final do jogo, Hélder Nunes é incumbido de “salvar” Portugal da eminente derrota. Sticka uma vez, duas…e só à terceira consegue marcar o golo do empate, do 3-3, a 1 segundo do fim. O milagre acontecia. O jogo ia para prolongamento.



Mas as dificuldades continuaram. Por ter sofrido golo, Espanha volta a ter a equipa completa, ficando, novamente, em situação de power-play, com Portugal ainda a “pagar” pelo cartão azul a Girão. As duas metades do prolongamento foram enfadonhas, apesar de tensas, pois as duas equipas, mais concentradas em não sofrer golos do que em marcá-los, iam deixando passar o tempo. No entanto, os “corações” de portugueses e espanhóis não se livraram de mais um momento de “alta tensão”, quando Diogo Rafael, a 1 segundo do final (sim, tornou a ler bem!) atirou uma “bomba” de longa distância, levando a bola a embater no poste da baliza espanhola.

Tudo seria decidido nas grandes penalidades. Reinaldo Ventura, Raúl Marin, Hélder Nunes, Pau Bargalló falham as suas. João Rodrigues coloca Portugal a vencer por 0-1. Jordi Adroher falha, tal como Gonçalo Alves. Eduard Lamas restabelece a igualdade a 1. Ricardo Barreiros falha e, mesmo na última grande penalidade, Albert Casanovas consegue desfeitear Pedro Henriques e, para nosso descontentamento, entregar o título aos espanhóis.

Fotos: DR.

ACR Roriz termina em 8º na Vuelta Ciclista Junior “Ribera del Duero”, em Espanha

Agosto 22, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A equipa de Juniores da ACR RORIZ SEISSA/KTM-BIKESEVEN/MATIAS&ARAÚJO/FRULACT esteve em especial destaque na Vuelta Ciclista Junior “Ribera del Duero”, que se realizou entre os dias 17 e 20 de agosto na Região de Burgos, em Espanha, ao conquistar um lugar no TOP 10 coletivo, nomeadamente o 8º lugar.



A prestigiada prova por etapas, realizada na vizinha Espanha, contou com a presença de 26 equipas, entre as quais algumas formações que participam no Calendário Internacional de Juniores, formando um pelotão de 140 atletas, com 14 nacionalidades diferentes.

Nesta que é considerada como uma das melhores competições por etapas para a categoria Júnior, os atletas da ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT, Pedro Lopes, Francisco Moreira, José Vieira, João Salgado, Carlos Vale e Nélson Pereira tinham pela frente três etapas em linha e um Contrarrelógio por Equipas.

A primeira etapa ligava Pesquera Duero a Aranda Duero, com uma distância de 90 km, e revelou-se decisiva para as contas da equipa rorizense. O vento forte que se fez sentir, num terreno plano com um misto de ondulado, a que se juntou um ritmo intenso na dianteira do pelotão, causou vários cortes, fracionando os atletas em vários grupos. Pedro Lopes foi o único a escapar, ficando no grupo da frente, que era constituído por cerca de 50 atletas. Deste grupo saíram 5 atletas que viriam a discutir a vitória entre si, deixando os restantes membros dele a cerca de 02m30seg e o restante pelotão já a mais de 6 minutos. O vencedor da etapa seria o holandês Timo de Jong, da equipa belga ACROG/BALEN BC. Pedro Lopes foi 29º na etapa.

No segundo dia, os atletas tiveram pela frente um duplo setor: de manhã uma tirada de 73,4 km, entre Aranda de Duero e Langa de Duero (Sória), à tarde, um Contrarrelógio Coletivo de 11 km, entre Pedrosa de Duero e La Horra. A equipa de Roriz esteve em grande destaque na etapa matinal, ao colocar dois atletas na fuga do dia, Pedro Lopes e Nelson Pereira, chegando a ter cerca de um minuto de vantagem sobre o pelotão, que era comandado pelos belgas da ACROG/BALEN BC e os espanhóis da MMR ACADEMY/F.S.SANCHEZ. Todo esforço dos dois atletas não surtiu efeito, sendo Pedro Lopes o último a ser alcançado, a cerca de 8 km do final. Com a aceleração do pelotão, com vista a anular a fuga, houve alguns fracionamentos, chegando um grupo de 50 unidades na frente, tendo Timo de Jong levado, novamente, a melhor no sprint sobre os restantes adversários. Pedro Lopes e José Vieira chegaram no grupo principal. Nélson Pereira e Francisco Moreira chegaram a 1m30s e os restantes elementos da equipa, a 2m40s.

No segundo setor, a ACR RORIZ SEISSA/KTM-BIKESEVEN/MATIAS&ARAÚJO/FRULACT apresentou-se a um bom nível, fazendo o 7º melhor tempo, com 15m15s, num traçado bastante plano que não favorecia as características dos ciclistas barcelenses. Os três atletas a fechar o tempo final foram Pedro Lopes, João Salgado e Francisco Moreira. A formação vencedora foi a CARTAGENA/ESETEC, com o tempo de 14m25s.

A terceira e última etapa, com 119,5 km, com início e final em Aranda de Duero, considerada como a etapa rainha, viria a revelar o melhor resultado rorizense por terras de “nuestros hermanos”. A etapa revelou-se bastante exigente e atacada, em especial pelo mexicano Fernando Islas (2º à geral), da equipa CARTAGENA/ESETEC, que é o atual Campeão Americano de Estrada. O atleta chegou a ter mais de um minuto sobre um grupo restrito de cerca de trinta unidades, onde se encontrava o líder da prova Timo de Jong (ACROG/BALEN BC) e os atletas da ACR RORIZ, Pedro Lopes e Nélson Pereira. Com a equipa belga ACROG/BALEN BC a assumir a perseguição, a fuga foi anulada e, com um excelente trabalho de Nélson Pereira, foi possível a Pedro Lopes discutir a vitória ao sprint, terminando num honroso 5º lugar, tal como a equipa, coletivamente, na etapa.

Quanto à classificação geral individual, Pedro Lopes foi 14º, Nélson Pereira 36º, Francisco Moreira 39º, João Salgado 65º e Carlos Vale 77º. José Vieira, vítima de uma queda na última etapa, não conseguiu terminar. Por equipas, a ACR RORIZ terminou num positivo 8º lugar, tendo em conta a qualidade do pelotão presente.

Fonte: ACRR.

Fotos: DR.

YES: um projeto de sucesso que é para continuar

Julho 31, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A SOPRO está prestes a terminar o primeiro projeto de intercâmbio, YES – “Youth Exchange for Solidarity”, do Programa Erasmus+, financiado pela União Europeia.

Pela primeira vez, a SOPRO organizou em Portugal um intercâmbio Erasmus+, que envolveu quarenta participantes e líderes de cinco organizações e cinco países da União Europeia, sendo eles: Portugal, Espanha, França, Itália e Grécia. O projeto iniciou em setembro de 2016 e termina já em agosto de 2017. Contou com dois momentos altos: de 26 a 28 de janeiro, a Reunião de Líderes, que decorreu em Barcelos. E de 18 a 25 junho, o Intercâmbio, que decorreu entre Braga e Barcelos.

O YES foi de grande importância para a SOPRO, sendo o início de uma nova etapa na história da Associação, agora voltada, também, para o espírito e valores europeus. Através da inclusão dos jovens menos favorecidos, a promoção da diversidade, do diálogo intercultural e dos valores comuns da liberdade, da tolerância e do respeito pelos direitos humanos. Foi uma aposta ganha na melhoria do nível de competências e aptidões fundamentais dos jovens, onde a promoção da participação na vida e cidadania ativa, o diálogo intercultural, a inclusão social e a solidariedade foram o foco, através das ferramentas universais e atrativas do desporto e o voluntariado.

O YES continua a ter um impacto muito positivo na vida dos jovens participantes, que se tornaram mais resilientes, mais proativos e preparados. Além de que o YES continua a ser divulgado e promovido por toda a Europa como um projeto exemplar, baseado nos valores europeus. Tendo em conta o sucesso desta iniciativa, a SOPRO já se encontra a preparar novas candidaturas e novos projetos já a partir de setembro.



Fonte e fotos: SOPRO.

Barcelense Joaquim Sousa em 15º no ranking Euro City Race 2017

Julho 29, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Na última atualização do ranking do Euro City Race 2017, o atleta de Galegos Santa Maria, Joaquim Sousa, encontra-se no 15º lugar, na categoria Men Vets +35.

O campeonato é constituído por sete etapas, tendo sido realizadas já quatro. No final, contarão apenas os quatro melhores resultados para a classificação final.




O barcelense encontra-se, como referido, no 15º lugar, tendo, apenas, competido numa das etapas, a de Paris, onde conquistou o 1º lugar.

Por motivos financeiros e por falta de apoios, Joaquim Sousa só conseguiu competir em uma das quatro etapas já realizadas e, pelo andar das coisas, o atleta não sabe se poderá competir nas três que faltam, sendo certo que, pelo menos, a Porto City Race, em setembro, tem garantida a sua presença, salvo algo de maior. Depois, ficarão a faltar as etapas de Barcelona e Bilbau, em outubro, na vizinha Espanha.

Joaquim Sousa lamenta a falta de apoios, em declarações prestadas ao Barcelos na Hora. “A Orientação é um desporto desconhecido pelo povo em geral e mesmo tendo sido o melhor atleta Nacional durante anos e sendo, atualmente, um dos melhores veteranos do Mundo, com três medalhas em Campeonatos do Mundo, sendo duas de Vice-Campeão Mundial, mesmo apresentando um curriculum destes não se consegue um apoio, por mais pequeno que seja”, explica o atleta barcelense.

Foto: DR/COC.

Ir Para Cima