Tag archive

Estádio Cidade de Barcelos

Em dia de tomada de posse dos órgãos sociais, Basquete de Barcelos realiza Festa de Encerramento da Época

Junho 21, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

O próximo sábado, 23 de junho, marca o início do mandato dos novos órgãos sociais do Basquete Clube de Barcelos (BCB) para o biénio 2018-2020. Esse é o dia, igualmente, da Festa de Encerramento da Época 2017/2018.



Assim, logo pelas 10h00, o Largo da Porta Nova é o local onde o BCB realiza a sua Festa de Encerramento da Época 2017/2018, onde qualquer pessoa poderá participar, jogando basquetebol e não só.

À tarde, pelas 17h00, no Centro Empresarial de Barcelos, no Estádio Cidade de Barcelos, realiza-se a tomada de posse dos novos órgãos sociais do BCB para o biénio 2018/2020.

A Direção será presidida por António Faria, que terá como Vice-Presidentes Cristina Machado, João Manuel Silva e Maria Fátima Rodrigues. O Secretário será Paulo Jorge Pedroso e o Tesoureiro será Rui Gomes Pereira. A Direção fica completa com os Diretores António Manuel Ferreira, Elisabete Reis, Isabel Costa, Maria Gabriela Rodrigues e Pedro Anjos.

A Mesa da Assembleia Geral continuará a ser presidida por Joel Sá, sendo Paulo Miranda o seu Vice-Presidente, Carlos José Ferreira o Secretário e Nuno Dias será suplente. O Conselho Jurídico será presidido por Geraldina Torres, com Mário Martins (Vice-Presidente), Pedro Rodrigues (Secretário) e Isabel Machado (suplente) a completarem o órgão. Por fim, o Conselho Fiscal será presidido por José Carlos Costa, com Manuel Nunes como Vice-Presidente, Ana Cristina Dias como Secretária e Alda Leal como suplente.

Fonte do clube salientou que “estão convidados todos os atletas, família, sócios e patrocinadores” para esta cerimónia, onde se farão representar, igualmente, entidades e instituições de Barcelos.

Imagem: BCB.

 

Feira Grossista volta a Vila Boa já a partir de quinta-feira

Maio 8, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Política port barcelosnahorabarcelosnahora

A Feira Grossista de Barcelos vai voltar esta quinta-feira, dia 10 de maio, a Vila Boa, num espaço preparado para acolher todos os feirantes junto ao Estádio Cidade de Barcelos.



A Feira foi retirada daquele local por força das obras de construção do Estádio, tendo sido transferida, no ano de 2001, para as instalações da Mercominho, na freguesia de Barqueiros.

Ao longo do tempo, a deslocação para fora da área urbana acabou por retirar visibilidade à Feira por Grosso, que viu os comerciantes reduzirem a sua presença.

Com o regresso à área do Estádio Cidade de Barcelos, todas as quintas feiras, a partir das 7h00, os comerciantes veem concretizada uma justa aspiração e, desse modo, a melhoraria as suas vendas e o aumentar da visibilidade deste formato comercial.

O espaço vai incluir os feirantes atuais, cujo sorteio de lugares está a decorrer, e comportar pedidos para novos feirantes.

Fonte e foto: CMB

Gil Vicente, já despromovido, perde em casa com o Covilhã

Maio 6, 2018 em Atualidade, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Disputou-se, hoje à tarde, no Estádio Cidade de Barcelos, o jogo a contar para a 37ª jornada da Ledman LigaPro, que opôs o Gil Vicente FC ao Sporting da Covilhã, com o resultado final a marcar a vitória para os forasteiros por 0-1.



O jogo foi arbitrado por António Nobre (AF Leiria), coadjuvado por Miguel Aguilar e Pedro Martins, com Pedro Ribeiro (AF Aveiro) como 4º árbitro.

A equipa do Gil Vicente alinhou com João Costa, Ricardinho, Sandro, Vítor Tormena, Henrique Brito, Reko, James Igbekeme, Jonathan Rubio (Tiger, 86’), Frédéric Maciel (Camara, 65’), Aldair (João Vasco, 65’) e Dimba. No banco ficaram Rafa Pires, Rui Faria, Alphonse e André Fontes.

Já o Sporting da Covilhã alinhou com Vítor São Bento, João Dias, Joel, Zarabi, Reinildo (Índio, 88’), Makouta, Gilberto Silva, Fatai (Abalo, 94’), Paulo Henrique, Renato e Adul Seidi (Onyeka, 74’). No banco ficaram Igor Araújo, Phiri, Vitó e Gerson Silva.

A equipa de José Augusto, o Covilhã, começou com o “pé no acelerador” e logo no primeiro minuto obrigou João Costa a uma grande intervenção para parar o remate de Makouta. O Gil Vicente respondeu com um cruzamento de Ricardinho para James Igbekeme mas este demorou muito tempo e permitiu o corte de Joel.

O restante da primeira parte foi dividido, com muita bola a meio-campo, com um ligeiro ascendente da equipa gilista, que quis sempre assumir as despesas do jogo, com a turma da Covilhã a optar, preferencialmente, pelo jogo direto.

Ao intervalo, foram homenageados os iniciados do Gil Vicente, que se sagraram, esta jornada, Campeões Regionais. O Presidente do Gil Vicente, Francisco Dias da Silva, entregou uma medalha de campeão a cada um dos atletas.

O início da segunda parte foi apático por parte de ambas as equipas. O Covilhã chegou ao golo, aos 58 minutos, na sequência de um pontapé de canto, cobrado por Fatai, com o cabeceamento do argelino Zarabi, em que João Costa toca, ainda, no esférico com a ponta dos dedos, mas esta acabou mesmo por entrar (veja o lance).

Após o golo forasteiro, o Gil Vicente procurou, insistentemente, o seu golo, mas sempre de forma lenta e previsível, tentando chegar perto da baliza do Covilhã, com o guarda-redes Vítor São Bento a não ter qualquer intervenção assinalável.

O jogo terminou com os jogadores, e os cerca de 300 adeptos do Sporting da Covilhã, em clima de festa pela conquista da vitória, que fez com que a equipa serrana desse um importante passo rumo à manutenção, “bastando-lhe” pontuar no último jogo, em casa, frente ao Penafiel. Já o Nacional foi confirmado, hoje de manhã, como campeão da Ledman LigaPro.

As estatísticas do jogam mostram um Gil Vicente com mais posse de bola (61%-39%), mais faltas cometidas (21-17) e mais remates (9-5), com o Covilhã a ter mais cantos (11-4) e mais jogadores admoestados com cartão amarelo (1-0), no caso João Dias, o único “amarelado” da partida.

Duas curiosidades que este jogo juntou: ambos os guarda-redes titulares das duas equipas eram barcelenses e o 4º árbitro era homónimo do treinador do Gil Vicente, Pedro Ribeiro.



Na última jornada, o Gil Vicente desloca-se a Massamá para defrontar o Real local, domingo, dia 13 de maio, pelas 16h00.

Fotos: Gonçalo Santos.

Gil Vicente empata a 0 com líder Nacional da Madeira

Abril 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O relvado do Estádio Cidade de Barcelos recebeu mais um jogo do Gil Vicente FC, desta feita, a contar para a 35ª jornada da Ledman LigaPro, com a equipa barcelense a receber o líder da Liga, Nacional da Madeira, tendo o jogo terminado empatado a 0.



Pedro Ribeiro fez alinhar João Costa, Ricardinho, Vítor Tormena, Luiz Eduardo, Gabriel (Luís Tinoco, 87’), Reko, Camara, James Igbekeme, Jonathan Rubio (Alphonse, 80´), Aldair (Dimba, 76’) e João Vasco. No banco ficaram Rafa Pires, Sandro, André Fontes e Frédéric Maciel.

Já Costinha fez alinhar Daniel, Plange, Felipe Lopes, Júlio César, Mauro Cerqueira, João Camacho (Medeiros, 66’), Mateus Silva (Diego Barcellos, 66’), Christian, Murilo, Ricardo Gomes e Vítor Gonçalves (Kaká, 89’). No banco ficaram Framelin, Diego Silva, Witi e Róchez.

O jogo foi arbitrado por Cláudio Pereira (AF Aveiro), coadjuvado por Marco Vieira e Carlos Campos, com Márcio Torres como 4º árbitro.

Este foi um jogo em que ambas as equipas se equipararam e equilibraram, com o Nacional a parecer ter sido surpreendido, na 1ª parte, pela postura do Gil Vicente, que demonstrou em campo, ao longo do jogo, que a sua posição na tabela não corresponde mesmo com o futebol que apresenta.

Ricardinho (57’), Gabriel (69’), Luiz Eduardo (82’) e Reko (86’) foram os “amarelados” do Gil Vicente; Plange (45’), Ricardo Gomes (69’) e Felipe Lopes (72’) foram os do Nacional.

O jogo terminou com os gilistas a terem mais posse de bola (57%-43%), mais faltas cometidas (23-19) e mais cantos a favor (6-5). Já os madeirenses fizeram mais remates (10-7).

Na próxima jornada, dia 29 de abril, pelas 16h00, os gilistas deslocam-se a terras de Viriato para defrontar o Académico de Viseu.

Gil Vicente derrotado em casa pelo Braga B por 1-2

Abril 11, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O Estádio Cidade de Barcelos recebeu, hoje, a 33ª jornada da Ledman LigaPro, com o Gil Vicente FC a receber a equipa B do SC de Braga, duas equipas com o mesmo número de pontos.



Arbitrado por João Malheiro Pinto (AF Lisboa), coadjuvado por Carlos Covão e André Dias, com Valdemar Maia (AF Braga), o jogo contou com o seguinte alinhamento de jogadores:

Gil Vicente: João Costa, Ricardinho, Sandro, Vítor Tormena, Luís Tinoco, Alphonse, André Fontes (Reko, 59’), Jonathan Rubio, James Igbekeme (Fall, 80’), Camara (Frédéric Maciel, 65’) e João Vasco. No banco ficaram Rafa Pires, Rui Faria, Dimba e Gabriel.

SC Braga B: Tiago Pereira, Sílvio, Inácio, Dinis, Pedro Amador (Simão, 77’), Denisson, Didi, Loum, Crespo (Villagrán, 85’), Jonata Bastos (Trincão, 65’) e Singh. No banco ficaram Ricardo Velho, Muric, Leandro e Lucas.

O jogo iniciou com o Braga pressionante e logo aos 3 minutos, numa iniciativa individual, Singh sobe pela esquerda do ataque bracarense e desfere um remate traiçoeiro, que originou uma grande defesa de João Costa para o poste.

Até aos 10 minutos, o Braga pressionou alto, condicionando a saída de jogo gilista, altura em que o Gil Vicente conseguiu organizar o seu jogo e passar a assumir as despesas do mesmo, criando enúmeras situações de aproximação à baliza bracarense.

Aos 24 minutos, grande oportunidade para o Braga, com o sul-africano Singh a aparecer isolado na cara de João Costa, que lhe reduziu rapidamente o ângulo para colocar a bola e Singh rematou ao lado. Aos 31 minutos, numa jogada de insistência do Gil Vicente, João Vasco sofre grande penalidade, que foi convertida por Jonathan Rubio.

No entanto, apenas 3 minutos volvidos, o Braga empata a partida, por intermédio de Singh que, no interior da área, desfere um remate forte, que desvia em Sandro e engana João Costa.

O intervalo chegou com o jogo empatado a uma bola.

No reatamento, o Gil Vicente entrou forte mas foi o Braga quem marcou. Aos 54 minutos, num livre a meio do meio campo gilista e numa jogada estudada, Inácio assiste Jonata Bastos de cabeça, para este finalizar à boca da baliza. Apesar de o Gil Vicente reclamar posição irregular de Inácio, o árbitro não atendeu e validou o golo. Pelo meio, Alphonse (Gil Vicente) ainda foi expulso, aos 48′.

Aos 59 minutos, Mário Faria, diretor desportivo do Gil Vicente, foi expulso, após protestos de um fora de jogo evidente, que o árbitro-assistente não assinalou. Mais 3 minutos volvidos, João Costa negou o terceiro ao Braga com uma enorme intervenção para canto, num remate fortíssimo de Pedro Amador. Cerca de 4 minutos depois, o guardião bracarense respondeu à defesa do seu homólogo gilista, realizando também uma grande defesa para canto, num remate de Jonathan Rubio à meia-volta.

Até ao final do jogo, o Gil Vicente procurou sempre chegar ao empate mas nunca encontrou o melhor caminho para a baliza bracarense, terminando o encontro com uma vitória forasteira por 1-2.

O Gil Vicente terminou o jogo com mais posse de bola (53%-47%) mas muito menos remates (4-18), menos faltas cometidas (12-15) e com o mesmo número de cantos (6). Na disciplina, amarelos para Alphonse (38’) e Reko (67’), do Gil Vicente; Dinis (15’), Pedro Amador (44’), Singh (61’) e Tiago Pereira (94’), pelo Braga B. Como referido, Alphonse e Mário Faria, ambos gilistas, foram expulsos.

Com esta derrota, o Gil Vicente vê, não só, o adversário de hoje fugir-lhe, ficando com mais 3 pontos, como também, os adversários colocados abaixo na tabela a aproximarem-se, com o Sporting B a ficar com o mesmo número de pontos dos gilistas.

Na próxima jornada, já este domingo, pelas 16h00, o Gil Vicente defronta a Oliveirense, no Estádio Carlos Osório, em Oliveira de Azeméis.

Fotos: Gonçalo Santos.

Gil Vicente: Pedro Ribeiro e Rui Faria anteveem jogo desta quarta-feira frente ao Braga B

Abril 10, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Em duas conferências de imprensa, o treinador do Gil Vicente, Pedro Ribeiro, e um dos centrais, Rui Faria, fizeram a antevisão do jogo de amanhã, no Estádio Cidade de Barcelos, pelas 16h00, frente ao SC Braga B, adversário que está imediatamente acima dos gilistas na classificação mas com o mesmo número de pontos: 33.



Começando por analisar a derrota do último jogo, em casa do Famalicão, o técnico gilista salientou que não se desculpariam pelas ausências, nomeadamente de Jonathan Rubio e Fall, sendo que é sempre melhor quando se tem todos os jogadores disponíveis, não só no Gil Vicente, como em todas as equipas.

Sobre o próximo adversário, Pedro Ribeiro referiu tratar-se de uma boa equipa e que vem de dois resultados positivos, sendo uma equipa que conhece bem e que tem um estilo de jogo que ele aprecia. Propriamente sobre o jogo, o técnico considera que será extremamente competitivo, contra um adversário direto mas o Gil Vicente irá encarar o jogo da mesma forma que os anteriores, com a “intensão clara de conquistar os três pontos”, sempre respeitando o adversário. Mostrou-se confiante pois os jogadores gilistas são ambiciosos, na sua ótica. O Gil Vicente irá apostar na sua postura habitual, ofensiva, com dois homens na frente.

Constatando que, realmente, o clube não está numa posição agradável e tranquila. Mas está a reagir e já está num posição que permite à equipa ter outro tipo de postura. Continua numa zona perigosa mas há seis ou sete jogos estava pior. A equipa está “crente, confiante” mas “num ou noutro momento as coisas não estão a surgir, principalmente em termos de finalização”, salientou.

A frequência de jogos também foi abordada, com um no último sábado, outro já amanhã e um novo jogo no próximo domingo. O treinador gilista salientou que a equipa quer competir, quer conquistar pontos e encarar os jogos que faltam com a mesma ambição. Sobre a gestão dos jogadores e do seu cansaço, Pedro Ribeiro ressalvou que “existindo 48 horas entre os jogos, em termos fisiológicos, controla-se a questão da fadiga”, sendo evidente que jogando apenas de fim de semana em fim de semana é diferente de jogar também a meio da semana. Por tal, a gestão é realizada em termos de treino, onde os jogadores que jogaram mais tempo têm que recuperar até ao dia do jogo. “Não há grande oportunidade para treino aquisitivo dentro de campo. O treino é muito mais ao nível mental e, até, da imagem, para corrigir algumas coisas que aconteceram de forma positiva. Porque fisiologicamente não é possível treinar com eles porque eles precisam de descansar e recuperar. Os jogadores que não jogaram ou jogaram menos tempo estão a treinar como temos feito sempre, com a máxima intensidade, e a gestão vou ter que a fazer em função de tudo isso. Questões motivacionais, técnicas, táticas e físicas, também, se for necessário”, disse. No jogo frente ao Braga B irão entrar os 11 jogadores que estarão melhor preparados para encarar este adversário.



Rui Faria: “Estamos confiantes”

Para o central barcelense do Gil Vicente, Rui Faria, o jogo frente ao Famalicão já faz parte do passado, tendo já sido visualizado e analisado para evitar erros futuros. Agora é “focar no próximo jogo, onde estão três pontos em disputa. Vamos fazer o que temos vindo a fazer até hoje. Estamos confiantes no trabalho diário. Sabemos o que temos a fazer e é mais um jogo em vamos dar tudo como sempre e por em prática aquilo que treinámos para levar de vencida a equipa do Braga B”, disse. A última derrota, na opinião do central, não abanou a equipa, nem a sua confiança.

Gil Vicente derrota um dos líderes e sai da zona de despromoção

Março 31, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Este foi um jogo a contar para a 31ª jornada da LEDMAN LigaPro, que opôs o Gil Vicente FC ao FC Penafiel, um dos líderes da classificação, terminando na vitória gilista, por 2-1.



Foi arbitrado por Bruno Paixão (AF Setúbal), coadjuvado por Venâncio Tomé e Rodrigo Pereira, tendo Luciano Maia (AF Braga) como 4º árbitro.

Pedro Ribeiro, técnico gilista, fez alinhar João Costa, Luís Tinoco, Vítor Tormena, Sandro, Ricardinho, Alphonse, James Igbekeme (Fall, 64’), Reko (Camara, 78’), Jonathan Rubio, Frédéric Maciel (Jumisse, 74’) e João Vasco. No banco ficaram Rui Sacramento, Rui Faria, Gabriel e Dimba.

Já Armando Evangelista, técnico penafidelense, fez alinhar Ivo Gonçalves, Kalindi, João Paulo, Luís Pedro, Daniel Martins (Ludovic, 66’), Romeu Rocha (Hélio Cruz, 77’), Vasco Braga, Fábio Fortes, Gustavo, Gleison (Márcio Machado, 86’) e Fábio Abreu. No banco ficaram Tiago Rocha, Luís Dias, César Gomes e Diouf.

O Gil Vicente entrou a “todo o gás” e marcou dois golos na primeira meia hora de jogo. Aliás, foi de 15 em 15 minutos que os gilistas marcaram. Primeiro, aos 15’, por Jonathan Rubio. Depois, aos 30’, por Reko. No minuto seguinte, Fábio Fortes, do Penafiel, é expulso com cartão vermelho. Mas 10 minutos depois, o central Luís Pedro reduziu o marcador para 2-1, resultado com que se chegou ao intervalo.

Com menos um jogador, o técnico penafidelense apostou mais no ataque, trocando o defesa Daniel Martins por um homem de pendor mais atacante, Ludovic. Pedro Ribeiro, técnico gilista, fez as três trocas num espaço de 15 minutos, entre os 64’ e os 78’, fazendo duas trocas com jogadores de características parecidas e uma (troca de Frédéric Maciel por Jumisse) em que o jogador que entrou tinha características de maior posse e controlo da bola.

Até ao final, o resultado não se alterou e o Gil Vicente alcançou a terceira vitória da era Pedro Ribeiro, desta feita, contra um dos líderes da Ledman LigaPro. Com esta vitória e com a conjugação de outros resultados, o Gil Vicente sai, finalmente, da zona de despromoção, sendo a primeira equipa acima da linha de água, com 33 pontos, mais 1 que União da Madeira e Sporting B, mais diretos perseguidores. No entanto, ainda está a 4 pontos do Cova da Piedade, que se encontra imediatamente acima na tabela.

Na disciplina, os jogadores gilistas foram admoestados com o cartão amarelo por quatro vezes (Jonathan Rubio, 47’, Reko, 68’, Fall, 81’, e Camara, 96’). Já os de Penafiel receberam dois amarelos (Luís Pedro, 41’, e João Paulo, 95’). Fábio Fortes (Penafiel) recebeu vermelho direto e Fall (Gil Vicente) recebeu vermelho por acumulação de amarelos.

Na próxima jornada, a 7 de abril, pelas 16h00, o Gil Vicente desloca-se aos vizinhos do Famalicão, num jogo que se adivinha muito difícil.

 

Jonathan Rubio (Gil Vicente) fala sobre jogo contra o Penafiel: “Queremos ganhar os três pontos”

Março 31, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O hondurenho Jonathan Rubio foi o porta-voz da equipa do Gil Vicente na análise e no lançamento do jogo de hoje à tarde, no Estádio Cidade de Barcelos, pelas 16h00, frente ao Penafiel, a contar para a 31ª jornada.



Desde 2014-2015 a representar o Gil Vicente FC, vindo para os juniores, com apenas uma interrupção de meia época, quando representou por empréstimo os espanhóis do Arandina, Jonathan Rubio salientou que esta tem sido uma época muito importante e de afirmação para si, “porque tem sido a época de me estabelecer na equipa principal, no onze titular. Tenho passado por muitas fases mas, graças a Deus, tenho conseguido impor o meu futebol e tenho conseguido jogar, que era meu objetivo no início da época, poder consolidar-me na equipa. Sabemos que tem sido um ano difícil para todos. Temos estado nos lugares de baixo, o que não é o que o clube quer”, concluiu.

Durante a semana, na ótica do hondurenho, o trabalho tem sido bom e a equipa tem trabalhado bem. “Acho que mesmo com os resultados a não serem o que queríamos, a equipa trabalha sempre muito bem e nós, no balneário, sentimos que as coisas têm mudado muito, para melhor, e estamos confiantes. Contra o Arouca, infelizmente, as coisas não correram bem mas a equipa está a trabalhar muito bem. Acho que, se continuarmos assim, vamos atingir o objetivo da manutenção e, além disso, podemos dar algumas surpresas”, salientou.

Sobre o adversário de logo à tarde, Rubio afirmou que os jogadores querem que o jogo chegue rápido porque querem “dar outra imagem”. “Queremos ganhar e, acima de tudo, queremos dar uma boa imagem. Continuar a jogar bem, como temos vindo a jogar. Acho que isso é o mais importante. Continuar a jogar bem e somar pontos, que é o que nos falta agora, somar pontos. Contra o Arouca ficámos sem pontos mas sabemos que não foi um jogo todo mau. Então, contra o Penafiel queremos continuar a jogar bem e os três pontos”, garantiu o médio gilista.

Ainda sobre a equipa penafidelense, Rubio referiu que já jogaram contra ela na primeira volta. “É uma equipa muito experiente, fisicamente forte. É muito boa, por isso está no primeiro lugar. Achamos que vai ser um jogo difícil mas na segunda liga todos os jogos são iguais. É uma equipa que joga bem em transições e temos que ter cuidado com isso”, ressalvou.

A equipa gilista vai no terceiro treinador esta época mas Jonathan Rubio tem conseguido manter-se pelo onze titular. Para ele, esta época é de afirmação, que resulta do seu trabalho. “Acho que nos treinos e nos jogos tenho demonstrado a minha qualidade e acho que é por isso que tenho permanecido no onze titular”.

Quando instado a explicar o porquê de afirmar que a equipa ainda pode dar umas surpresas, Rubio referiu que podem fazer umas surpresas “porque toda a gente espera que possamos sair da zona de despromoção mas nós não queremos só garantir a manutenção. Queremos, além disso, chegar o mais alto possível na tabela”, algo que Rubio esperava, estar muito mais acima, nos lugares cimeiros. “Conforme começámos a época também podemos tentar terminar assim a época. Da forma que estamos a jogar e o clube a evoluir, o Gil Vicente estará ainda numa condição muito melhor”, afiançou.

Por fim, ainda sobre o último jogo, em que os gilistas foram derrotados em casa pelo Arouca, por 0-3, Jonathan Rubio sabe que não podem cometer alguns erros frente ao Penafiel que cometeram frente aos arouquenses. “É difícil dizer que a equipa esteve bem e perdeu 3-0. Parece que não tem coerência. Mas nós vimos o vídeo e analisámos o jogo. Sabemos que não fizemos tudo mal. Mas contra o Penafiel não podemos cometer alguns erros, algumas desconcentrações que tivemos contra o Arouca”, salientou.

Gil Vicente: Pedro Ribeiro lança jogo frente ao Penafiel

Março 30, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Ontem, em conferência de imprensa, o treinador do Gil Vicente FC analisou o momento da equipa gilista, o último jogo frente ao Arouca e lançou o próximo, no Estádio Cidade de Barcelos, amanhã, pelas 16h00.



Primeiramente, e sobre o último jogo frente ao candidato à subida Arouca, Pedro Ribeiro salientou que, na sua opinião, a equipa está numa fase em que está a jogar contra equipas muito competitivas, ressalvando que todas da 2ª Liga o são. “O Arouca é uma boa equipa, que nos causou dificuldades. Contudo, este jogo tem diversas fases. Entrámos no jogo muito bem, tivemos sensivelmente 30 minutos de jogo com o domínio total do mesmo. A jogar no meio campo ofensivo, agressivos quando não tínhamos a bola, com personalidade com bola, tudo aquilo que eu lhes peço e eles têm tentado cumprir”. No entanto, na ótica do treinador gilista, o resultado fica marcado por um erro da arbitragem, em prejuízo dos gilistas. “O jogo fica claramente marcado por uma decisão infeliz da equipa de arbitragem, que condiciona tudo o resto que se seguiu. Se isso não tivesse acontecido, se iríamos ganhar o jogo, se iríamos empatar, de perderíamos na mesma, estamos a entrar nas suposições, como é óbvio. O que eu sei é que até aos trinta e poucos minutos, até essa decisão, que condicionou claramente o resultado, a equipa estava muito bem, estava a disputar o jogo. É verdade que não estavam a existir grandes oportunidades de golo de parte a parte, sinal de que existiam em campo duas equipas competentes, que estavam a fazer bem o seu trabalho. Eu admito que existam erros, nós também os cometemos, mas uma situação clara de jogo perigoso de um jogador do Arouca é transformada em lançamento lateral a favor e a minha equipa, porque é uma situação tão clara, reagiu tardiamente à situação e fomos penalizados por isso. A seguir, é verdade que a estratégia do Arouca funcionou muito bem, conseguiram intranquilizar a nossa equipa em determinados momentos. Penso que o resultado é claramente desajustado ao que aconteceu em jogo, fundamentalmente até este momento que eu estou a referir, que, na minha opinião, tem muita importância no desfecho do jogo”.

Com a chegada de Pedro Ribeiro e sua equipa técnica, o Gil Vicente voltou a marcar, voltou às vitórias e fez crescer as expectativas dos adeptos em relação à equipa. Questionado sobre esse facto, o treinador gilista fez questão de referir que já abordou esse assunto com os jogadores mas alertou os adeptos para o facto de que o Gil Vicente não joga sozinho em campo e do outro lado há sempre outra equipa competente. “Quando chegámos cá, o clube estava numa situação ainda pior do que a que está neste momento. Já não ganhava há quatro meses em casa, há seis meses fora e já não marcava golos há nove jogos. Relembro isto porquê? É muito importante que os adeptos entendam isto e apoiem a equipa, que está a reagir a uma grande parte da época que não correu bem. Acho que isso se nota em campo, nos jogos”, compreendendo que as expectativas sejam mais altas “e ainda bem porque significa que a equipa está a reagir. Temos que entender que não jogamos sozinhos e que do outro lado existe uma equipa, existe uma estratégia competente contra nós”, concluiu.



Se tivesse vencido o Arouca, a equipa gilista talvez tivesse conseguido sair da zona de despromoção, um objetivo deste grupo de trabalho. No entanto, segundo Pedro Ribeiro, os objetivos continuam intactos. “O objetivo, neste momento, é o mesmo que era antes do jogo com o Arouca: é ganhar o próximo jogo. É disputar os três pontos nos jogos todos. É, evidentemente, tentar sair da zona de despromoção o mais rápido possível. É o objectivo onde podemos chegar no imediato, o mais rapidamente possível. Mas não se esgotam aí os nossos objetivos. Nós queremos isso e, a seguir, com certeza que vamos querer algo mais porque, felizmente, tenho um grupo de trabalho que me dá essas garantias, um clube que dá todas as condições aos jogadores para disputarmos os três pontos nos jogos todos. E tendo isso, como líder da equipa, tenho que me sentir bem com isso”, terminou.

O próximo adversário, o Penafiel, está muito bem no campeonato e com os mesmos objetivos e argumentos do Arouca, subir de divisão. Sobre este adversário de sábado, Pedro Ribeiro salientou ser uma boa equipa, organizada, com uma ideia de jogo clara e que está numa fase muito positiva da época. “É um adversário difícil, não tenho a mínima dúvida. Para nós e para toda a gente que jogar com o Penafiel, será um adversário extremamente difícil. Aquilo que acredito, e que o grupo acredita, é que, se fizermos o nosso trabalho, não temos que reagir a ninguém. Temos que tentar impor o nosso jogo, jogar bem, ser fiéis à nossa identidade, que temos criado enquanto equipa e temos que respeitar o adversário, como sempre o fazemos, considerando aquilo em que eles são mais fortes e aquilo que podemos explorar. Conhecemos bem o adversário. Temos trabalhado bem durante a semana para preparar o jogo e passa por acreditarmos na nossa identidade enquanto equipa, sermos mais competentes que o adversário, respeitando-o. Essa é a ideia que eu quero e que sei que o grupo de trabalho está no mesmo ‘comprimento de onda’ desta ideia”, considerou Pedro Ribeiro.

A equipa gilista tem sofrido mais golos do que marcado. Ou seja, quer o setor defensivo não está a conseguir impedir os adversários de marcar, quer o ofensivo não está a conseguir concretizar as oportunidades alcançadas. Pedro Ribeiro está ciente disso. “O objetivo de todos os clubes é marcar golos e não os sofrer. Se me preocupa os golos sofridos? Preocupa. Como me preocupa as oportunidades de os fazermos e não fazemos, que não conseguimos concretizar. Enquanto treinador, o que tenho que diagnosticar é o que está a acontecer de forma menos positiva e tentar corrigir. E potenciar aquilo que quero que a equipa faça em termos positivos e que aconteçam ainda mais vezes. É evidente que a ambição é não sofrer golos e marcar o máximo de golos possível. Ainda não tem sido possível equilibrarmos isso mas estamos a caminhar” nesse sentido, referiu o treinador gilista, sendo que a “confiança é importante numa equipa e em termos individuais”, para que as situação de golo comecem a serem concretizadas.

Gil Vicente: Pedro Ribeiro garante que “vamos lutar, com tudo, para ganhar os jogos”

Março 23, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo domingo, dia 25 de março, o Gil Vicente recebe o Arouca, pelas 16h00, em jogo a contar para a 29ª jornada. Em conferência de imprensa, o treinador gilista, Pedro Ribeiro, abordou, não só, esse jogo, como a atualidade do clube e da equipa.



Depois de uma importante vitória, no Seixal, frente ao Benfica B, a semana de trabalho decorreu de melhor forma. “Trabalhar em cima de vitórias é sempre melhor do que trabalhar em cima de qualquer outro tipo de resultados. Mas isso não quer dizer que a rotina semanal e a boa disposição não tenham acontecido na semana anterior, que começou com uma derrota em Guimarães. Não foi o resultado que queríamos mas foi na mesma uma semana alegre, que teve boa disposição, compromisso no trabalho. É evidente que nesta semana, depois de uma vitória, o grupo está bem-disposto, está alegre, está a sentir-se muito bem. É uma semana que está a decorrer de forma muito boa”, afirmou Pedro Ribeiro.

Depois de melhorar os resultados, a perceção sobre a equipa e os jogadores parece estar a mudar mas Pedro Ribeiro salientou que a qualidade da equipa é mesma. “O que faltava, na minha opinião, era os jogadores sentirem-se confortáveis, confiantes, acreditarem na ideia de jogo, onde se sentem mais cómodos a jogar. Eles estão a fazer tudo o que podem fazer para, rapidamente, mudarem a situação da classificação. A motivação intrínseca é determinante e eles sentem-se motivados para reagirem. Quando assim acontece, é normal que os resultados comecem a aparecer, que as boas exibições aconteçam e como têm acontecido”, ressalvou.

Nos próximos jogos, o Gil Vicente recebe dois candidatos ao título e à subida: Arouca e Penafiel. A equipa gilista vem de resultados mais positivos e, por tal, o treinador foi questionado sobre se este seria o melhor momento para defrontar essas equipas. “Nós temos que nos preocupar connosco. Não temos que nos preocupar com os adversários. Temos que os respeitar, perceber claramente que o Arouca e o Penafiel são, neste momento, equipas que ambicionam subir à Primeira Liga. São equipas que têm qualidade, que estão bem trabalhadas, que têm todo o mérito. Mas temos que nos preocupar connosco e em continuarmos com o mesmo tipo de comportamento enquanto equipa, união de grupo e humildade. Vamos continuar a acreditar que estamos a fazer bem o nosso trabalho e respeitar os nossos adversários. Vamos jogar contra boas equipas. Cabe-nos ser mais competentes. Independentemente de ser o Arouca, ou o Penafiel, ou o Famalicão, nós queremos, em casa ou fora, impor o nosso jogo, sermos uma equipa com personalidade, impor as nossas ideias. É nisso que acreditamos e o grupo está alegre porque se sente confortável com isto tudo. O grupo quer ser protagonista, quer honrar o clube histórico que estamos a representar. Queremos que os jogadores sejam protagonistas individualmente. Isso só resulta se, coletivamente, formos uma equipa forte. Estamos a caminhar para nos tornarmos uma equipa com estes traços de personalidade”, respondeu.

Mais particularmente sobre o adversário de domingo, Pedro Ribeiro salientou que “o Arouca está recheado de bons jogadores. É um clube que nos últimos anos esteve na Primeira Liga e está bem estruturado. Tem um padrão de jogo bem definido. Temos estudado muito bem o Arouca e eles, possivelmente, também o fazem em relação a nós. Conhecemos claramente os pontos em que eles são mais fortes e os pontos que podemos tentar explorar. Mas nós temos é que acreditar na nossa ideia de jogo e impô-la no jogo. Temos que ser nós a controlar o presente e o futuro. Nós não temos que reagir a nenhuma equipa. Temos que as conhecer, que perceber como é que nos podemos ajustar estrategicamente a uma ou outra situação mas temos que impor o nosso jogo”.

O treinador tem alternado entre jogadores ofensivos e esquemas de jogo. Instado a analisar essa forma de atuar, Pedro Ribeiro foi claro: “não vou expor muito daquilo que é a nossa ideia de jogo porque estaria a dar trunfos a todas as equipas que poderão jogar contra nós. Sei que somos alvo de análise como nós analisamos as outras equipas. É pelas dinâmicas, associadas às estruturas de jogo, que as equipas jogam. Tem jogado o Camara na direita e o André [ndr: André Fontes] na esquerda mas isso é um ponto de partida. Depois, a dinâmica ofensiva da equipa resulta de muitas outras movimentações, muitas outras situações que acontecem no jogo. O André tem características diferentes do Camara. O Fred [ndr: Frédéric Maciel] tem características diferentes das do Aldair, do Gonçalo Abreu, dos jogadores que poderão jogar pelas alas. Neste momento, as opções têm sido essas. Não sei se domingo serão as mesmas”, sendo que em relação à estratégia de jogo, Pedro Ribeiro “já disse aos jogadores que eles não jogam o jogo do treinador, jogam o jogo do treinador e o deles”. De uma forma convicta, afirmou que “até ao final da época, queremos corrigir a imagem que ficou da primeira parte da temporada”.



Por falar nesse momento da temporada, o treinador gilista foi questionado sobre o que pensava do trabalho dos técnicos anteriores e o que poderão esperar os adeptos do futuro mais próximo. No entanto, Pedro Ribeiro salientou que tem muito respeito pelos seus colegas de profissão e pelos treinadores que estiveram no Gil Vicente anteriormente. “Nunca viria aqui criticar nada, nem ninguém. Não vou entrar nas suposições. Vou abordar aquilo que posso e devo, que é o meu percurso desde que cá estou. Aquilo que podemos fazer até ao final da época é disputar os três pontos em todos os jogos. Temos essa ambição, essa responsabilidade e sentimo-nos cómodos com essa responsabilidade. Queremos abordar o jogo do Arouca conforme abordámos o do Vitória ou o do Benfica. Com intenção clara de ganhar os três pontos. Onde vamos chegar? Não sei precisar a cem por cento mas tenho a certeza que, mantendo o comportamento, a atitude, a entreajuda, a humildade, vamos conseguir estar em condições de disputar os três pontos nos jogos todos e tentar ganhar, ser mais competentes que os adversários, respeitando-os sempre porque do outro lado está sempre uma equipa e a Segunda Liga é uma competição muito característica, em que jogar contra os primeiros e jogar contra os últimos, são sempre jogos muito difíceis, muito competitivos. É isso que eu sei que vai acontecer nos jogos que faltam”.

E que equipa tem o técnico agora? Pedro Ribeiro afirmou ter uma equipa “que confia em si, que se sente motivada” para que os jogos sejam o quanto antes. “Quem joga, quer competir. Eu sou competitivo. Os jogadores só reagem bem na competição. Nós queremos competir. Queremos jogar contra toda a gente. Não vou desrespeitar e dizer que vamos ganhar todos os jogos porque não sei, depende de muitas coisas. O que garanto é que vamos lutar, com tudo, para ganhar os jogos. Isso posso prometer, o grupo de trabalho pode prometer”, fazendo questão de salientar a importância dos adeptos e apelando à sua presença no jogo de domingo. “Contamos, porque é muito importante, com os nossos adeptos, que domingo venham ao estádio, que nos apoiem, que acreditem na equipa. A equipa está a lutar muito, diariamente, para lhes dar alegrias. Se puderem, venham ao estádio ajudar-nos a ter mais condições para disputar os três pontos”.

Outro assunto que tem estado na “ordem do dia” dos adeptos gilistas, e do futebol português em geral, é como se resolverá o imbróglio jurídico resultante do “Caso Mateus” e que competição irá o Gil Vicente disputar no próximo ano. Pedro Ribeiro ressalvou que pensa o menos possível ou quase não pensa nisso. “Habituei-me a preocupar-me com aquilo que controlo ou que posso controlar. O que não controlo, não me desgasto. Não é à equipa técnica, não é aos jogadores que cabe intervir nesse aspeto. Acredito que será tomada uma decisão justa para o Gil Vicente e para o futebol português. Mais do que isso, não interfiro, não me meto. Preocupo-me, porque já tenho muitas preocupações, é com aquilo que posso controlar e posso ajudar, que é ajudar os jogadores a serem, cada dia, mais fortes, a estarem cada dia mais preparados, treinarem bem, jogarem bem e é essa a minha preocupação. Em relação a questões burocráticas, administrativas, decisões do futebol português, tenho a minha opinião mas nem sequer me desgasto com isso”.

Por fim, Pedro Ribeiro foi questionado sobre se vencendo o Arouca a equipa poderia criar condições para estar ao seu alcance sair da zona de despromoção. “Claramente. Queremos sair rapidamente da zona de despromoção. O primeiro objetivo foi voltar a marcar golos, que não conseguíamos. O segundo foi voltar a ganhar em casa, que já não conseguíamos há quatro meses. O terceiro foi voltar a ganhar fora, que já não ganhávamos há sensivelmente seis meses. O próximo objetivo é sair da zona de despromoção. É evidente que se estiver ao nosso alcance no próximo jogo, ótimo. É isso que nós queremos, rapidamente. É degrau a degrau, chegar aos objetivos mais altos que conseguirmos. É evidente que sabemos que o que resta para jogar desta época não nos permite lutar pela subida de divisão mas permite-nos sair da zona de despromoção e tentar alcançar a melhor posição possível na tabela classificativa”, sendo que “queremos sair da zona de despromoção e, saindo, não queremos voltar a entrar lá. Queremos é progredir na tabela”. Para terminar, reafirmou, “com o máximo de respeito pelo Arouca, por todas as equipas, e eu sei que eles também têm por nós, mas queremos atingir os nossos objetivos e vamos lutar por isso. O jogo de domingo é importante para os nossos objetivos e vamos encará-lo dessa forma”.

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima