Tag archive

Futebol

Surpresa em Vila Cova

Janeiro 23, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Mais um fim de semana, mais uma jornada dos campeonatos da Associação de Futebol de Braga, com as equipas barcelenses a conseguirem, na generalidade, bons resultados. No entanto, houve surpresas a realçar.



No Pro-Nacional, o Santa Maria FC (12º) continua a recuperar e adicionou mais uma jornada sem perder, vencendo em casa o Airão (17º) por 1-0. Na próxima jornada desloca-se a terras vimaranenses para defrontar o Brito (11º), que tem os mesmos pontos da equipa de Galegos Santa Maria.

Na Série A da Divisão de Honra, houve surpresa em Vila Cova, com o MARCA (8º) a ser goleado em casa pelo Vila Chã (11º), por 0-4. Na jornada que se segue, joga em Terras de Bouro (9º), direto perseguidor.

Outro resultado digno de realce é o bom empate do Pousa (5º), a 0, no terreno do Águias da Graça (2º). O seu próximo jogo, novamente fora, é o dérbi com o Águias de Alvelos.

Novo realce para o FC Roriz (7º), que recebeu e goleou, por 5-0, o São Mamede (15º). Segue-se a difícil deslocação ao Dumiense, líder desta Série.

Bem posicionado na tabela, o Martim (3º) levou de vencida, em casa, o Esporões (14º), por 2-0. De seguida, tem novo jogo caseiro, recebendo o Águias da Graça, num jogo grande entre 3º e 2º.

Por fim, o Águias de Alvelos (13º) deslocou-se a casa do Guilhofrei (12º) e trouxe de lá um empate a 0. Tal como referido, a equipa de Alvelos recebe, na próxima jornada, em dérbi, o Pousa.

Finalmente, na Série A da 1ª divisão, o líder Viatodos voltou à normalidade, vencendo por 0-2 em casa do Operário Famalicão (13º). Na próxima jornada recebe, em dérbi, os Sub-23 do FC Roriz (14º).

Por falar nestes últimos, a equipa “B” de Roriz recebeu o Mouquim (9º) e empatou a 1.

Num jogo equilibrado, o Ucha (7º) empatou a 1 na receção ao Calendário (6º). Na jornada que se segue, tem novo jogo exigente, em casa do São Cosme (3º).

Em 10º, o Granja não conseguiu evitar a derrota caseira frente ao Delães (8º), por 0-1. Na próxima jornada, desloca-se ao terreno do “lanterna vermelha” Antas (15º), que ainda não pontuou neste campeonato.

Para terminar, o dérbi entre o Carreira (12º) e o “Os Ceramistas” (11º) terminou empatado a 1 bola. Os primeiros defrontam o vizinho Mouquim; já os segundos recebem o difícil Fradelos (2º) na jornada que se segue.

Fotos: SMFC/AFCM/ARCG/FCR/CFOC/GFCP.

Gil Vicente empata a 0 em Vizela

Janeiro 20, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Em jogo realizado ontem, em Vizela, a contar para 18ª jornada da Série A do Campeonato de Portugal, o Gil Vicente FC empatou a 0 com o FC Vizela.



Arbitrado por Bruno Costa, o jogo contou com as seguintes equipas:

FC Vizela: Rafa Alves, João Pedro, Aidara, João Faria, Igor Rocha (Yang Tan, 83’), Martusevich, André Soares (Diaby, 68’), Boakye (Fall, 73’), Pedro Correia, Zé Valente e Leandro Borges. No banco ficaram Hugo Silva, Rafael Viegas, João Oliveira e Nuno Pedras.

Gil Vicente FC: Wellington, Bruno Morais, Edwin Vente, Henrique Brito, Júnior, James Arthur, Juan Villa (Tiago Gomes, 72’), Ahmed Isaiah, Joãozinho (Pedro Araújo, 63’), Tanko e Silas (Rui Gomes, 85’). No banco ficaram Espíndola, Emerson, Diogo Ramalho e Bruno Lopes.

Jogo com algumas boas oportunidades para ambas as equipas, mas sem que resultassem nalgum golo. A equipa de arbitragem admoestou com amarelo Bruno Morais (23’), Martusevich (54’) e Júnior (67’).

Na próxima jornada, os gilistas recebem a AD Oliveirense.

Ponto Chiclete

Janeiro 18, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Hugo Pinto

Vermos nosso querido glorioso jogar é já uma experiência muito mais agradável que o era num passado ainda muito recente. Ainda não estando perfeito, é um futebol muito mais ofensivo, com mais gente na área, não sendo por acaso que se marcam mais golos. E da mesma forma que se marcam mais golos, também se sofrem menos. Tantas vezes eu referi que quem está a atacar, não tem de estar a defender. É de La Palice.



Estar melhor não é, porém, estar bom. Aliás, como aprendi bem cedo, o bom é inimigo do ótimo. E não há maior pecado do que contentarmo-nos com o “já está bom”, hipotecando assim o excelente. O nosso Benfica, pois, ainda não está bem em ponto rebuçado. Está mais em ponto Chiclete. O sabor está lá, a consistência ainda não. Com certeza pelo facto do o novo treinador ainda não ter tido tempo de implementar por inteiro o seu modelo de jogo. Mas, a seu tempo, veremos se isto vai continuar a ser bom, ou passar a ser excelente. Seja como for, já ganhamos pelo facto de jogarmos um futebol arrojado, sem cobardias, nem medinhos patéticos.

Hoje teremos mais uma prova de fogo, frente a um sempre difícil Vitória de Guimarães. Não se espera que saia já tudo perfeito. No entanto, é com alguma expectativa que aguardo por este jogo para ver se há algum tipo de evolução, ou se começamos já a perceber um modelo definitivo de jogo ou um “onze típico”.

Acima de tudo, espero por 90 minutos bem passados, de preferência com uma vitória com alguns golos.

E viva o Benfica. Et pluribus unum.

Por: Hugo Pinto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

 

Tremendo Zero

Janeiro 18, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Ricardo Moreira

Bem-haja caros leitores do BnH!

Jogou-se a 17ª jornada, a última da primeira volta do Campeonato Nacional, e no Clássico deu empate. Sporting Clube de Portugal 0 – 0 Futebol Clube do Porto.



A meu ver, foi mais um clássico com pouco futebol! Jogo fraco, entre duas boas equipas!

Estávamos a 8 pontos do adversário e, mesmo assim, Marcel Keizer montou um sistema de jogo apostando, essencialmente, em não perder o seu primeiro clássico do futebol português.

Com um jogo “mastigadinho”, feito de passes lateralizados e muitos atrasos ao guarda-redes (inclusive com Renan, muitas vezes, a guardar a bola e a demorar muito a repô-la em campo, para ganhar tempo).

Nada de futebol ao primeiro toque ou de progressão rápida, como era característico nos primeiros jogos com Keizer ao comando. Ao contrário do que parecia com Keizer, que há mês e meio assegurava ter o “futebol de ataque” como filosofia de jogo, inspirado no dinâmico Ajax da década de 70.

Neste clássico pareceu que o mister Keizer aprendeu rápido a falar o nosso “idioma futebolesco”.

O futebol de retranca muito à portuguesa, concebido mais para não sofrer do que tentar arriscar para ganhar é conceito que parece estar a ser assimilado de forma bem rápida pelo técnico oriundo da Holanda.

Sob este prisma, Keizer foi bem-sucedido. O clássico, afinal, terminou em 0-0, apesar de que precisávamos muito mais do que o adversário de vencer este jogo, disputado em nossa casa.

Definitivamente, parece que voltamos a regredir, pois jogar em casa seja contra quem for, com o intuito de não perder, sem sequer se arriscar para tentar ganhar, (quando realmente precisávamos de ganhar) não me parece estar no “ADN” do nosso Sporting.

Finda a primeira volta, o líder continua a oito pontos de distância.

Com mais de 45 mil espectadores nas bancadas, o espetáculo foi demasiado pobre, para realmente haver sempre assim tanto público nos estádios!

Tremendo zero, quer no resultado, quer na exibição, quer no espetáculo do futebol em si!

Desporto é Vida! Vive o Desporto com “Respect” e “Fair-Play“!

Por: Ricardo Moreira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Início de ano natural

Janeiro 18, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Vítor Sá Pereira

Olá, leitores do BnH!

Espero que o início do novo ano vos esteja a correr bem.



Quanto ao FCP, o início do ano está a correr de forma natural. Viemos de um empate em Alvalade. É um resultado do tipo “do mau o menos”! Além de não perder também foi importante não sofrer golos. Pareceu-me que foi um jogo de um Porto que não queria perder contra um Sporting que tinha medo de perder. E quem perdeu com isso foi o espetáculo porque as marcações foram fortes e os espaços eram reduzidos. De salientar a solidez defensiva do Porto e a mais clara oportunidade de golo também foi nossa, através de Soares. De resto, é um jogo que não vai figurar entre os melhores e é factual que continuamos na liderança no fim da primeira volta.

Com poucos dias de descanso, jogámos frente ao Leixões para os quartos de final da Taca de Portugal. O resultado foi curto, mas justo, frente a um Leixões ambicioso e agressivo e onde Sérgio Conceição fez uma péssima abordagem ao jogo. Percebo que se tem de fazer descansar jogadores e dar oportunidades, mas o plantel é curto nas soluções e não era com Mbemba a lateral e André Pereira no ataque que íamos ganhar fácil. Valeu Hernâni para impedir as grandes penalidades. Foi pena o desgaste extra e, por falar nisso, as pernas estão a ficar cansadinhas e se alguém importante sai do onze estamos lixados! Espero que vença o difícil jogo frente ao Chaves.

Então o hacker foi preso?! De facto, o SLB tem muita força na justiça. Venha de lá o segundo…Segundo livro da Carolina Salgado!

Abraço e até à próxima!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Santa Maria FC em recuperação

Janeiro 16, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Jogou-se mais uma jornada dos campeonatos distritais de Braga, com as equipas barcelenses, no geral, em bom nível, com dois dérbis pelo meio.



O destaque vai para o Santa Maria FC (13º), representante barcelense na Pro-Nacional, que vai para 3 jornadas sem conhecer o sabor da derrota, tendo alcançado 2 vitórias e 1 empate. Nesta 19ª jornada deslocou-se ao terreno do Ribeirão 1968 (9º) e trouxe de lá uma vitória, por 0-1. Na próxima jornada, recebe o Airão (17º).

Na Série A da Divisão de Honra jogou-se a 16ª jornada. Em jogo grande, o Martim (3º) foi a casa do Marinhas (4º) empatar a 2 bolas. Na jornada que se segue, recebe o Esporões (13º).

Outro grande resultado foi alcançado pelo FC Roriz (8º) que foi a Terras de Bouro (9º) conquistar uma importante vitória por 0-2. Na próxima jornada recebe o São Mamede (15º).

O dérbi barcelense da jornada, e desta série, opôs o Águias de Alvelos (14º) ao MARCA (6º), com a vitória a sorrir aos forasteiros, por 1-2. Os primeiros defrontam, na jornada seguinte, o Guilhofrei, enquanto os homens de Vila Cova recebem o Vila Chã (11º).

Por fim, e por falar em Guilhofrei (12º), este foi o adversário que o Pousa (5º) recebeu e levou de vencida, por 2-1. Na próxima jornada desloca-se a casa do Águias da Graça (2º), em jogo que adivinha muito difícil.

A 13ª jornada da Série A da 1ª Divisão, trouxe uma surpresa. O líder, Viatodos, recebeu os vizinhos Gondifelos (5º), e foi derrotado por 2-3. Mesmo assim, mantém-se líder apesar de, agora, com os mesmos pontos de Fradelos e São Cosme. Na jornada seguinte, desloca-se ao terreno do Operário Famalicão (13º).

Quem surpreendeu pela positiva foi o Ucha (7º), que se deslocou a casa do Lousado (4º), tendo conseguido um empate a 0. Na jornada que se segue recebe o Calendário (6º), noutro jogo que se prevê bem difícil.

Outro bom resultado foi o alcançado pelo Carreira (12º), que goleou o Antas (15º), em casa deste, por 0-5. Os últimos classificados continuam sem pontuar. Segue-se, para os barcelenses, um dérbi com o “Os Ceramistas” (11º).

Estes últimos terão dois dérbis seguidos. O primeiro foi jogado nesta jornada frente ao FC Roriz B (14º), com uma vitória robusta por 3-1. Para a semana, jogam o referido dérbi frente ao Carreira.

Já os Sub-23 de Roriz recebem o Mouquim (8º).

Nesta jornada, o Granja (9º) descansou, mas terá que “sair do sofá” para receber o Delães (10º), que tem os mesmos pontos, se bem que com mais um jogo disputado.

Fotos: SMFC/AFM/GFCP/FCR/CFOC.

Gil Vicente derrota Limianos em Ponte de Lima

Janeiro 13, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Em jogo a contar para a 17ª jornada da Série A do Campeonato de Portugal, o Limianos recebeu o Gil Vicente FC, tendo a vitória sorrido aos visitantes, por 0-2.



O Campo do Cruzeiro teve direito aos seguintes onzes, arbitrados por Sandra Bastos, da AF Aveiro:

Limianos – Bean, Digas, Nandinho (Alvinho, 72’), Tiago Letras, Vítor Sousa (Luan Sérgio, 72’), Rui Magalhães, João Wanderley (João Nogueira, 72’), Júlio César, Chiquinho, Cláudio Dantas e Elivelton. No banco ficaram Bruno Santos, Pimenta, Touré e Samate.

Gil Vicente – Wellington, Bruno Morais, Edwin Vente, Henrique Brito, Júnior, James Arthur, Juan Villa (Tiago Gomes, 65’), Ahmed Isaiah (Diogo Ramalho, 82’), Joãozinho (Rui Gomes, 58’), Tanko e Silas. No banco ficaram Espíndola, Marco Maia, Pedro Araújo e João Costa.

Num onze gilista composto por três portugueses e oito jogadores de origem estrangeira, os golos foram, novamente, de autoria de jogadores oriundos de outras paragens. No caso deste jogo, de um único país: Nigéria. Logo aos 8’, Ahmed Isaiah inaugurou o marcador e, aos 52’, Silas fechou o marcador.

Na próxima jornada, a primeira da segunda volta, o Gil Vicente FC desloca-se ao terreno do sempre difícil Vizela.

18 seguidas!

Janeiro 11, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Vítor Sá Pereira

Olá, leitores!

Renovo os votos de um excelente 2019 para todos, repleto de saúde e sucessos. Espero, também, que tenham entrado em 2019 com o pé direito tal como o FCP.



São 18 vitórias seguidas! Será que Pinto da Costa aguenta 18 ou 19 seguidas???…LOL…

Começámos o ano com uma vitória nas Aves. Um jogo em que o FCP, na primeira parte, foi um autêntico “rolo compressor”! Além do golo marcado, dois foram anulados pelo VAR e outros 2 pelo guarda-redes do Aves, de uma forma brilhante. Apesar da “choradeira” do Benfica, o golo do Porto é limpo. Soares não tem ação direta e o corte foi feito pelo central. Mas pronto, ninguém para a “choradeira”. Na segunda parte, caímos fisicamente devido à intensidade do primeiro tempo e as pernas falharam, mas lá conseguimos vencer e anular o Aves.

Dias depois, voltámos a vencer o Nacional de uma forma clara. Eu sei que os adeptos exigem melhores exibições, mas o calendário é apertado e o importante é vencer. Penso, também, que foi o primeiro jogo do Porto sem choro alheio.

É importante a recuperação física dos nossos atletas. O mês de janeiro vai ser duro e no sábado temos um clássico contra um Sporting que não está bem, mas que é um candidato e uma grande equipa. Os Leões estão muito dependentes de Bas Dost e quando o holandês não joga, a equipa ressente-se. Se o Porto vencer o Sporting, meio campeonato está ganho; se não vencer, cá estaremos a apoiar para novas 18 vitórias consecutivas!!

Com que então o “papagaio da voz grossa” (Rui Vitória) foi despedido pela “águia Vitória”???… Então o Sr. LFV não tinha tido uma luz, dizendo que era o homem certo no lugar certo????…Já não percebo nada!!!…

Quero dar as boas-vindas ao Pepe e agradecer-lhe a vontade de voltar ao FCP quando, certamente, tinha propostas “galácticas”.

Que 2019 seja o ano da nossa reconquista. Rumo ao bi!

Felicidades, também, para o Gil Vicente e Óquei de Barcelos.

Feliz 2019!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Voltaram as oscilações exibicionais

Janeiro 11, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Ricardo Moreira

Bem-haja, caros leitores do BnH.

Na 15ª jornada do Campeonato Nacional, recebemos e vencemos, por 2-1, o Belenenses SAD, que era, até este jogo, uma equipa sem derrotas fora de casa e a segunda menos batida do campeonato. Deu-nos uma boa réplica, mas o nosso triunfo pareceu-me incontestável. Os 3 pontos ficaram, com justiça, em Alvalade.



Já na jornada seguinte, na 16ª, deslocamo-nos a Tondela e perdemos por 2-1.

Voltei a não gostar da exibição da nossa equipa.

O nosso golo solitário resultou de uma jogada às “três pancadas” já no minuto 76, quando jogávamos contra dez desde os 51′, por expulsão de um defesa da equipa beirã.

A superioridade numérica de pouco ou nada nos valeu. Grande parte do segundo tempo decorreu com a equipa desorganizada, sem finalizadores de classe (não temos no plantel um verdadeiro substituto a Bas Dost).

Pela primeira vez, não gostei de Keizer. Acho que não estudou o adversário devidamente.

Terminámos a partida com dois centrais como pontas-de-lança?!?!

O caudal ofensivo nunca se traduziu em qualidade de passe ou decisões corretas no momento de rematar à baliza. Foi mais um autêntico “chuveirinho”, a ver no que dava. Não deu em nada! É pouco, muito pouco, para quem quer algo mais do que se classificar para a Liga Europa.

Depois de um início fulgurante, com Keizer ao leme, as exibições começam novamente a oscilar demasiado e, principalmente nos dois últimos jogos fora, as exibições foram demasiado fracas, sem dúvida alguma! Assim se foram 6 pontos num ápice.

O plantel é curto, a qualidade é restrita e o cansaço parece-me evidente demais, para continuarmos na “luta” pelo título.

Já estamos a 8 pontos da liderança e já jogamos o clássico como se de uma final se tratasse, pois só a vitória nos pode fazer reentrar na disputa pelo título.

Espero, sinceramente, que a reabertura de mercado dê, pelo menos, para equilibrarmos o plantel, pois senão parece-me, de todo, que será uma época para lutarmos, apenas e só, por um lugar na Liga Europa.

Desporto é Vida! Vive o Desporto com “Respect” e “Fair-Play“.

Por: Ricardo Moreira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

 

Como água do vinho

Janeiro 11, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Hugo Pinto

Ano novo, vida nova. Mas esteve por pouco para continuar a ser a “velha vida”.



Todos perceberam que eu já não suportava, nem mais um segundo, o futebol enfadonho do Rui Vitória. Depois, comecei a embirrar também com o Rui Vitória, sobretudo agora mais no final. E eis quando me preparava para começar a embirrar com o Vieira, acontece o inevitável: Rui Vitória na RUA!!

A embirração com o Vieira passava apenas pelo facto de manter RV a todo o custo, quando era clarividente que já não havia as menores condições para tal.

Já o Rui Vitória, era de uma mediocridade insuportável. No empate para a Taça, aquela desculpa “natalícia” de que os jogadores estavam descentrados e que se fosse preciso ganhar, teriam ganho, deu-me a volta ao bolo-rei. No Benfica só se joga para ganhar. Se ele não sabe isso, nunca deveria sequer ter sido contratado.

O jogo com o Portimonense parece ter sido, finalmente, a gota de água. Ainda bem que os desgraçados dos centrais cometeram dois erros infelizes. Se esse é o preço de ver o RV na RUA, por mim, foi barato. O jogo em si, estava a ser tão mau como qualquer outro dos anteriores. Mas, não o parecendo, os nossos azares foram a nossa sorte.

Prova provadíssima de que quase tudo aquilo que escrevi até hoje estava, mais ou menos, certo, foi o último jogo, contra o Rio Ave. O SLB apresenta-se num 4-4-2, com Seferovic mais fixo e o João “miúdo-maravilha” Félix mais solto, nas costas do ponta de lança. Dois extremos e dois homens a fazer jogo no meio campo. Resultado: 4-2. Mesmo quando estávamos a perder por 0-2, pelo futebol que então jogava, eu acreditei que iríamos ganhar aquele jogo. E disse, a quem estava comigo a ver o jogo e é testemunha, “hoje vamos ganhar por 5-2 ou 6-2”. Errei. Por um. Ganhámos com 4 golos. Bom futebol, muitos lances de ataque e… golos. Porque, pura e simplesmente, tínhamos homens na área. Muitos. E, repito e repetirei sempre: no futebol a melhor defesa é o ataque. Simplesmente, se estamos a atacar, obrigamos os outros a defender. Simples como 2+2=4. E mesmo correndo o risco de sofrer 2 golos, habilitámo-nos a marcar 4. E o meu povo gosta. E há espetáculos e sem Rui, há vitória.

A manutenção do treinador até final da época, parece-me bem. Gostei do que vi. Gostei do arrojo, do atrevimento. Como escreveria Virgílio: “Fortuna audaces juvat” (a sorte favorece os audazes). E só para deixar água na boca, houve um interino, há uns anos, que estava provisório, foi ficando, e ficando, e hoje é um dos melhores de sempre (se não, o melhor). De seu nome, Josep Guardiola.

E viva o Benfica. Et pluribus unum.

Por: Hugo Pinto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

1 2 3 42

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima