Tag archive

Gil Vicente FC

Gil Vicente eliminado da Taça de Portugal com golo de Drogba

Setembro 25, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

Não, caro leitor. Não falamos de Didier Drogba, astro costa-marfinense que joga, atualmente, na equipa Phoenix Rising, dos EUA. Estamos a falar de Drogba Camará, o “herói” do Moura, que com o seu golo contribuiu para eliminar os gilistas.



Ontem, “houve taça” e o Gil Vicente “caiu” aos pés do Moura, do Campeonato de Portugal. O jogo realizou-se no Estádio do Moura Atlético Clube, em Moura, e foi arbitrado por André Narciso (AF Setúbal).

A equipa da casa, treinada por Rui Maside, alinhou com Igor Landim, Paul Moussinga, Tó Miguel, Bruno Torres (Bruno Jesus, 81’), Drogba Camará, Lucas, Mamadi Baldé, Walter (Hanifi, 68’), Bruno Gomes, Pedro Almeida, Botuly (Miguel Lopes, 46’). No banco ficaram Gilson Lima, Ricardo Machado, Rafa Santos e João Tavira.

Os gilistas alinharam com Júlio Neiva, Gonçalo Duarte (Rui Miguel, 46’), Luiz Eduardo, Reko, Valdeir (Fall, 66’), João Pedro (James Igbekeme, 55’), Rafael Batatinha, Vítor Tormena, Camara, Luís Tinoco e André Fontes. No banco ficaram Rafa, Rui Faria, Tiger e Jonathan Rubio.

No campo da disciplina, o árbitro de Setúbal mostrou cartão amarelo a Walter (42’), Bruno Gomes (66’), Vítor Tormena (82’) e Rui Miguel (87’).

O jogo ficou marcado pelo golo, aos 26 minutos, do guineense Drogba Camará, num cabeceamento que bateu o guardião gilista Júlio Neiva. Na segunda parte, os comandados de Jorge Casquilha “massacraram” o Moura mas sem conseguirem obter qualquer golo, levando à eliminação, surpreendente e prematura, da turma de Barcelos.

No final, e em declarações citadas pelo jornal O Jogo, o técnico gilista mostrou o seu desagrado com o rendimento dos jogadores e pediu desculpa aos sócios e adeptos gilistas. “Quero fazer um pedido de desculpa aos nossos adeptos e sócios pelo comportamento que hoje tivemos em Moura. Não tivemos um comportamento em que defendemos a 100 por cento a camisola e quando isso acontece estamos mais perto de perder e foi isso que aconteceu», lamentou Casquilha.

Comparando a atitude de ambas as equipas, o treinador do Gil Vicente salientou que “jogámos contra uma equipa que quis tudo, que deu a vida pelo jogo, nós não demos, e acabámos por ter um dissabor, que não estava nos nossos planos, mas temos de encarar isso e retificar, porque claramente não estávamos à espera deste resultado”.

Quanto ao rendimento dos seus jogadores, Jorge Casquilha avançou que “o grande problema não foi o que o Moura fez, mas sim o que nós não fizemos e fico mais triste pelo comportamento da maior parte dos atletas, ainda para mais quando fizemos oito mexidas do último jogo para o de hoje, demos oportunidade a oito jogadores e dos oito só um ou dois é que aproveitaram essa oportunidade, todos os outros passaram ao lado do jogo. Reclamam durante a semana que merecem jogar, mas quando jogam não dizem presente. Falharam.”

Hic nuntiatum est mortis

Setembro 21, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Hugo Pinto

Eis a morte anunciada. Depois de dois empates para a Liga e uma derrota na Liga dos Campeões, eis que chega agora o sabor da derrota também nas competições caseiras.



Um Bruno “Roberto-Bossio” Varela azarado, em sintonia com um Benfica de má memória, de um passado não tão longínquo quanto gostaria, além dos maus resultados brinda-nos com exibições a condizer. Futebol mal jogado, não raramente aborrecido e pouco acutilante.

Parecendo que sou um detrator do Benfica, na verdade é com pesar que escrevo estas linhas. Ainda vivem na minha memória aqueles inacreditáveis 8-1 ao Vitória de Setúbal, na ida época de 2009-2010. Hoje, assistimos a um futebol muito diferente. É certo que queremos sempre uma vitória. Mas também é verdade que aguardamos a semana inteira pelo jogo do nosso glorioso e o mínimo que se espera é que sejamos brindados com 90 minutos de bom futebol. Nunca, jamais, com um enfadonho sofrimento como aquele a que vimos assistindo nos últimos jogos.

Escrevi na crónica da semana passada, tal como o meu antecessor o havia feito na precedente, que este Benfica tem na defesa o seu “calcanhar de Aquiles”. Mas agora acresce que começa a notar-se um problema de confiança generalizado na equipa. Continuo a não entender, por exemplo, porque o Lisandro continua por afirmar-se. Parece-me que com mais minutos teríamos um bom central. Sem dúvida que LFV terá de reforçar a defesa no mercado de inverno. Mas o Rui Vitória vai ter mesmo de se superar e “tirar um coelho da cartola”, sob o risco de ir de bicampeão a 5º classificado. É que esta época, além do confronto direto entre os três grandes, parece prever-se o surgimento de dois ou três outsiders que vão dar muito trabalho.

Na mesma onda de maus resultados anda o nosso Gil. Um jogo fraquinho com uma arbitragem “pouco amiga”, levaram a uma dolorosa derrota caseira frente ao Santa Clara. Ainda assim, fica a ideia de que os nossos rapazes podiam ter feito um pouco mais…

Melhores notícias nos chegam dos sub-19, com uma vitória clara frente ao Paços de Ferreira S-19. Com o primeiro golo de Rui Jorge e Flávio, a bisar, fazendo o segundo e o terceiro, fechando o resultado final em três tentos sem resposta. Agora, de pontaria afinada, ficamos todos a torcer para que as nossas promessas mantenham o bom rumo.

Por: Hugo Pinto* (Professor)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

[ndr: o artigo foi entregue à redação antes do jogo do SL Benfica para a Taça CTT (vulgo: Taça da Liga)]

Vitória em mais uma “final”

Setembro 21, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores!

Vamos lá então falar do último fim de semana desportivo, que, por sinal, foi maravilhoso!



O meu Porto venceu mais uma “final” , num terreno difícil e contra uma boa equipa. Jogo que ficou marcado pelo primeiro golo sofrido por Casillas, no campeonato nacional! Não foi um “super jogo” do meu Porto, mas foi uma exibição personalizada, segura e competente. 6 jogos, 6 vitórias contra adversários complicados fazem acreditar num grande Porto. Agora o foco vira-se para o Portimonense!

Queria, também, registar com agrado a derrota do nosso rival Benfica, que começou o jogo a vencer, com uma falta de Luisão no início da jogada. Espero que o nosso rival continue com esta performance e irregularidade porque contribui para a nossa felicidade! Se estou solidário com o Varela? Até podia estar…mas não esqueço a seu papel de “palhaço” no último Setúbal – Porto. Se sou “anti-benfiquista”?? Penso que não…Apenas não gosto nada!

O Sporting parece-me que está estável e confiante e vai ser um “osso duro de roer”!

Foi pena a derrota caseira do nosso Gil, mas o Santa Clara é lider e é uma boa equipa. Se tivéssemos ganho estávamos no pódio da segunda liga! Acredito numa boa resposta do Gil a esta derrota!

Bons jogos para todos!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Sporting e J.J. – “Um passo atrás e dois em frente…!”

Setembro 21, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
José Costa

Se no campeonato o Sporting apresenta uma regularidade satisfatória, com uma vitória segura (2-0) frente ao Tondela, que habitualmente ia a Alvalade tirar pontos ao Leão, e que permite ao nosso Sporting estar no topo da tabela, já com 5 pontos de avanço em relação ao Benfica e em igualdade de pontos com o F.C. do Porto, o mesmo não se pode dizer ao nível da Taça da Liga. Não resisto a parafrasear Jorge Jesus: ”Demos um passo atrás na Taça da Liga mas demos dois à frente ao colocarmos estes jogadores”.



No final do jogo, o treinador do Sporting desvalorizou o empate a 0-0 com o Marítimo e preferiu frisar a importância da rotatividade no plantel para os próximos jogos. Empate sem golos, num jogo “chato”.

Nove alterações no Sporting, tendo como resultado pouca dinâmica de jogo. Segundas linhas do Leão revelaram vontade, mas muito poucas ideias.

Testadas algumas alternativas, permitem poder avaliar as potencialidades de jogadores que habitualmente não são titulares. Referência especial a Doumbia e Ristovski.

Com um calendário repleto e face à menor importância da prova, o conjunto leonino apresentou, neste desafio, rotação com as segundas linhas atrás de um lugar nas primeiras escolhas do técnico.

Os ‘leões’ têm dois jogos importantes nos próximos dias, frente a Moreirense, para o campeonato, e Barcelona, para a Liga dos Campeões, e Jorge Jesus optou por dar ritmo competitivo a alguns jogadores menos usados de forma a garantir alternativas para o futuro.

Vamos ver se de facto foi um passo atrás para que possamos dar dois em frente, um deles com o Moreirense e o outro com o Barcelona – assim seja.

Como habitualmente, uma referência ao Clube da nossa cidade – Gil Vicente –, que infelizmente voltou a perder pontos em casa, desta feita frente ao líder Santa Clara, com uma derrota por 1-2. Que no futuro, possamos festejar mais vitórias em casa, com os gilistas a apoiar, independentemente dos bons resultados que esperamos alcançar fora.

Por: José Costa*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

 

Gil Vicente derrotado em casa pelo líder Santa Clara

Setembro 17, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Em jogo disputado hoje, com início às 16h00, no Estádio Cidade de Barcelos, o Gil Vicente foi derrotado por 1-2 pelo líder da LEDMAN Liga Pro (2ª Liga), Santa Clara.



A equipa orientada por Jorge Casquilha alinhou com Rui Sacramento, Ricardinho, Sandro (Luiz Eduardo, 55’), Vítor Tormena, Luís Tinoco, Miguel Abreu, Jonathan Rubio (André Fontes, 55’), Rafael Batatinha, James Igbekeme, Fall e Rui Miguel (João Pedro, 76´). No banco ficaram Júlio Neiva, Reko, Valdeir e Camara.

Já os açorianos, orientados por Carlos Pinto, alinharam com Serginho, Gorupec, Marcelo Oliveira, Vítor Alves, Igor Rocha, Rachid (Diogo Santos, 87’), Pacheco, Minhoca, João Reis, Fernando Andrade (Rúben Saldanha, 63’) e Thiago Santana (Clemente, 71’). Como suplentes não utilizados ficaram Marco Pereira, Kaio, Adel Saleh e Guilherme.

O jogo foi arbitrado por Sérgio Piscarreta (AF Algarve), auxiliado por Pedro Sancho e Hugo Ribeiro. O 4º árbitro foi Paulo Brás.

Foi um jogo muito equilibrado e disputado, entre duas boas equipas que lutaram pela vitória, sorrindo esta aos insulares, líderes da classificação geral. Liderança essa ainda mais cimentada visto que o 2º classificado, Nacional da Madeira, foi derrotado ontem pelo FC Porto B.

Aliás, os dados do jogo comprovam, mesmo, o equilíbrio entre ambas as equipas, com 4-6 em remates; 12-11 em faltas; 4-4 em cantos; e 49%-51% em posse de bola.

O capítulo disciplinar também marcou o jogo, com o juiz algarvio a expulsar, com vermelho direto, Minhoca (30’), do Santa Clara, e Miguel Abreu (45’), dos gilistas. Por outro lado, apenas admoestou um jogador com cartão amarelo, Vítor Alves (41’) dos açorianos.

Os insulares foram os primeiros a marcar, por Fernando Andrade, aos 16’. No entanto, ainda os festejos não tinham terminado e a equipa barcelense já empatava, pelo senegalês Fall, aos 19’. Foi este o resultado com que as equipas saíram para o intervalo. Após o reatamento, a toada manteve-se, com o Santa Clara a marcar o golo da vitória, aos 85’, por Clemente, que tinha, entretando, entrado para o lugar de Thiago Santana, aos 71’.

Com este resultado, o Gil Vicente desce para a 7ª posição, mantendo os 11 pontos, sendo ultrapassado pelo Leixões e deixando fugir o Famalicão. Já o Santa Clara, como referido, reforçou o seu 1º lugar, somando, agora, 18 pontos.

Uma chama a apagar-se

Setembro 15, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Hugo Pinto

Olá, Barcelenses! Olá, Benfiquistas!

Esta será a minha primeira crónica, que nasce de um desafio que me foi lançado por amigos ligados à produção e edição deste jornal. É uma experiência nova e, como tal, rogo a vossa paciência para esta fase de adaptação a estas jornadas.



Sou barcelense por adoção e minhoto por paixão. Benfiquista de 4ª geração, mas sempre procurando assumir uma postura não facciosa e procurando ter sobre o “desporto-rei” um olhar pristino, alheio a “novelas” e a “túneis”. Mas sempre benfiquista! Mas vamos à “bola”.

A exibição do nosso Glorioso na última jornada da Liga, não tendo sido aborrecida, também não foi de um entusiasmo incontido. O Portimonense apresentou-se uma equipa muito bem organizada e muito aguerrida. Um adversário complicado, que promete dar muito trabalho aos seus adversários. Ainda assim, esperava-se mais do campeão em título, ainda para mais a jogar em casa.

Na Liga dos Campeões, mais do mesmo. Certo que o CSKA nunca seria um adversário fácil, pelo seu coletivo e pelos valores individuais, mas nunca poderia o SLB apresentar tão fraco futebol. Tão inconsistente.

Quer para o campeonato, quer na Liga dos Campeões, a jogar em casa, este Benfica versão 2017/2018 mostra muito pouco futebol. E agora não há desculpas. Já se via na pré-época que o futebol jogado era paupérrimo. E o fado continua. Sempre acreditei que, ao contrário do que se diz por “aí”, o campeão vê-se na pré-época. Os “grandes” perdem pontos sobretudo nas primeiras jornadas. Depois, salvo anos em que a organização desportiva dos clubes seja péssima, o fio de jogo mantém-se constante e só por um deslize os adversários perdem pontos.

A principal fragilidade do Benfica 17/18 continua a ser a defesa. Perdeu muito com as saídas do Nélson Semedo e do Lindelöf e, sobretudo, do guardião Ederson. É possível que ainda estejam em fase de ajustamento. Mas também é verdade que não são exatamente jogadores desconhecidos entre si. Exibição laboriosa do André Almeida, com alguma sorte no golo que marcou, mas que não lhe retira mérito. Só marca quem chuta. E um veterano Luisão que, mesmo em fase descendente da (já avançada) carreira, continua a ser o patrão da defesa. Entende-se a necessidade de clubes nacionais venderem jogadores para manterem o equilíbrio financeiro. Mas decepar desta forma um setor crucial da equipa, como é a defesa, pode ter custos desportivos desaprazíveis. Repare-se que o FCP teve mudanças maiores na sua estrutura e apresenta, à data, um futebol mais consistente. Talvez o Luís Filipe Vieira tenha que começar a pensar, seriamente, em reforçar a defesa. Já em janeiro. E a ver vamos se não peca por tardio. É sabido, na gíria futebolística, que os avançados ganham os jogos mas são os defesas que ganham os campeonatos.

Nunca tendo sido um grande adepto do estilo “pezinhos de lã” do Rui Vitória, tenho de lhe reconhecer o mérito de ter conquistado dois títulos em dois anos. Merece, certamente, o benefício da dúvida. Mas fica, muitas vezes, a sensação de que fazia falta um pouco mais de desfastio.

Uma nota final para o desempenho do nosso Gil, que venceu o Sporting B na última jornada. Oxalá esta época seja “a tal” e a sorte bafeje os rapazes de Barcelos.  Ainda uma palavra de incentivo para os sub-19. Bom futebol e bem jogado! Falta afinar a pontaria. Sem pressão. Força e Coragem!

Viva o Glorioso! Dá-me o Penta!

Por: Hugo Pinto* (Professor)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Transferências ou trapalhadas…eis a questão

Setembro 15, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
José Costa

Na crónica desta semana, uma referência especial a outras modalidades em que o Sporting Club de Portugal se destacou:

Supertaça de Futebol Feminino: Sporting 3 – Braga 1, em Coimbra, com Ana Capeta a protagonizar um hat-trick, que no prolongamento garantiu este troféu.



Supertaça de Futsal Masculino: Sporting 3 – Benfica 2. Para resumir, basta citar Nuno Dias, o técnico Sportinguista: “Penso que, acima de tudo, o Sporting CP foi melhor e venceu com toda a justiça contra uma equipa que tem muita qualidade e que nos obrigou a trabalhar nos limites para segurar a vantagem. Quando é assim, o futsal está de parabéns. Estamos todos de parabéns pelo que conquistámos, principalmente o Sporting pelo título que conquistou e que já fugia há dois anos”, concluiu.
Além dos dois títulos ganhos, também a equipa de andebol se destacou, ao conseguir a qualificação para a fase de grupos da EHF Champions League.

Agora no que ao futebol de onze diz respeito, depois da pausa no campeonato para os jogos da seleção, e apesar de todas as polémicas de propostas reais ou não, o certo é que William Carvalho se mantém, agora como capitão no lugar de Adrien Silva, transferido para o Leicester, mas que tudo indica, por atraso de 14 segundos no processo de registo junto da FIFA, em princípio ficará sem jogar até janeiro de 2018! Assim, no campeonato, em jogo frente ao Feirense, mais uma vez o Sporting “viu-se aflito”, de tal modo que, só nos descontos conseguiu alcançar a vitória, por 2-3. Continuando, deste modo, na frente do campeonato, juntamente com o F. C. Porto, este com vantagem em golos.

Para a Liga dos Campeões, frente ao Olympiacos, Jorge Jesus contou com a equipa na sua melhor condição, com uma primeira parte soberba, que garantiu a vitória histórica (2-3), num terreno sempre muito difícil. Aos 2 minutos, Doumbia abriu o marcador e, depois disso, a “dupla do costume”, primeiro Gelson, aos 13 minutos, a ampliar a vantagem e, mais tarde, Bruno Fernandes – o “jogador sensação” desta época, ao serviço do Sporting – marcou o terceiro golo, aos 43 minutos. Na segunda parte, o Olympiacos veio determinado a virar o resultado e, nos últimos minutos do jogo, Pardo marcou dois golos, que serviram de aviso para que o Sporting, em próximos jogos da Liga dos Campeões, esteja concentrado até ao fim do jogo, até porque os adversários são de respeito – Juventus e Barcelona –, não sendo permitidos erros de desconcentração. De referir que a vantagem poderia ter sido bem maior não fosse os vários remates ao ferro, que falharam golo por milímetros. Por fim, salientar a 21ª presença de Rui Patrício em jogos da Liga dos Campeões, tornando-se, assim, o jogador sportinguista com mais presenças.

Uma referência às seleções nacionais de futebol, para onde o Sporting contribuiu com muitos atletas. Assim, nas fases de qualificação em curso, foram bem-sucedidas, em duas das quatro “finais”. A seleção A venceu: Portugal 5 – Ilhas Faroé 1 e Hungria 0 – Portugal 1. A seleção de Futebol Sub-21, com a equipa das quinas a vencer: Portugal 2 – País de Gales 0.

Finalmente, um último destaque ao hóquei em patins. No mundial que decorreu na China, Portugal esteve, na fase de grupos, quase para ficar com os “olhos em bico”, tendo sido derrotado pela campeã em título, Argentina, e não fazendo melhor frente a Itália, com desempenhos sofríveis. Tendo sofrido bastante para passar à fase seguinte, com uma vitória em jogo impróprio para cardíacos. Nessa fase, venceu sem problemas Moçambique, por 6-2, e na meia-final acabou por vencer a Argentina, naquilo que poderíamos chamar de uma final antecipada, não fosse a final efetivamente ser frente a Espanha, outra “eterna” rival da equipa portuguesa, que acabou por levar a melhor, apesar de termos lutado até às penalidades, onde não conseguimos ser melhores.

O nosso Gil Vicente, num jogo onde estive de coração repartido, foi a Alcochete vencer o Sporting B, por 0-1, garantido, assim, uma vitória importante sobre um adversário nada fácil e em casa deste.

Por: José Costa*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

A última semana do meu clube

Setembro 15, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores!

Vou dar a minha opinião sobre a última semana do meu clube!



Por acaso, não vi o jogo contra o Chaves! Fiquei descansado quando vi o resultado mas não tanto quando vi o resumo. O Chaves teve, nos últimos 15 minutos, oportunidades para empatar, mas acabámos por vencer…e justamente.

Em relação ao jogo da Champions, foi uma derrota inesperada mas que premiou a capacidade de defender do Besiktas e que meteu “a nu” algumas fragilidades do meu clube. Foi, também, a prova de que este plantel é curto e insuficiente para uma Liga dos Campeões. Espero que a equipa descanse bem e e que esteja a 100% para o Rio Ave (um dos jogos mais difíceis da temporada).

Queria, também, dizer que isto do vídeo-árbitro (VAR) é uma “tanga”! Nunca pedi, nem nunca fui a favor disto! O Benfica – Portimonense foi “anedótico”! Aquele penalty e a unha do jogador do Portimonense fora de jogo foi algo de rir! Se o jogo estivesse 4-1 para o Benfica, o golo era validado! Mas como dava o empate, o VAR tratou logo do assunto e sem ter acesso a linhas…ou será que estava a ver a BTV?? Continua a ser mais do mesmo!

Parabéns ao nosso Gil pela brilhante vitória em Alcochete! Acredito no nosso clube e na nossa cidade!!

Obrigado a todos pela atenção e perdoem a minha paixão!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Jorge Casquilha faz a antevisão do Gil Vicente vs. Santa Clara de domingo

Setembro 15, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

Em declarações à Gil Vicente TV (GVTV), o treinador dos gilistas, Jorge Casquilha, fez a sua análise ao momento atual da equipa e, igualmente, a antevisão desse jogo grande de domingo, no Estádio Cidade de Barcelos, pelas 16h00, contra o líder Santa Clara.



Depois da grande vitória em Alcochete, frente à equipa B do Sporting, o regresso ao trabalho foi feito de uma forma mais entusiasmante. “O regresso ao trabalho, depois de uma vitória, faz-se sempre com muito mais dinâmica. Estamos muito mais predispostos para voltar ao trabalho. Felizmente, estamos numa fase muito positiva, há quatro jogos que não perdemos, temos vindo a somar pontos nas últimas quatro jornadas e encontramo-nos no 4º lugar, o que nos dá muita satisfação, para continuar a trabalhar e, se possível, continuarmos a somar vitórias e a estar nos primeiros lugares da classificação”, salientou o técnico gilista.

“Quem enverga esta camisola tem que jogar sempre para ganhar”

Mesmo sendo contra o 1º classificado, a equipa tem o objetivo de conquistar a vitória e os 3 pontos. “Quem já nos acompanhou nas primeiras seis jornadas, observou que a equipa tem o mesmo comportamento, tanto em casa, como fora. Tentamos assumir o jogo, tentamos fazer uma pressão alta e, na maior parte das vezes, temos conseguido. Em alguns períodos dos jogos não o conseguimos, também por mérito dos adversários. Jogamos contra alguém e também depende muito do que o adversário nos deixe jogar ou não. Mas a nossa intenção, o nosso objetivo, é sempre jogar para ganhar e temos provado isso, tanto quando jogamos em casa, como fora. A identidade da equipa, o ADN está lá. Os jogadores assimilaram rapidamente a nossa mensagem. Quem enverga esta camisola tem que jogar sempre para ganhar e é isso que temos feito em qualquer lado. É sempre lutar pelos 3 pontos e, felizmente, as coisas têm acontecido muito positivamente”, referiu Jorge Casquilha.



“Jogando em casa somos claramente favoritos”

Precisamente por ser contra o líder da classificação, o jogo será difícil, mas será para ambas as equipas. “Será, certamente, um jogo muito difícil. Mais difícil, ainda, porque iremos defrontar o líder. Uma equipa muito motivada, que está isolada na classificação. Assumiu, de início, a subida de divisão como grande objetivo da época e, certamente, será um jogo muito difícil. Mas também acredito, e tenho quase a certeza, que para o Santa Clara também vai ser um jogo muito difícil porque queremos ganhar, jogamos em casa, perante os nossos adeptos e considero que, jogando em casa, somos, claramente, favoritos”, ressalvou Casquilha.

“Importante somar mais 3 pontos para nos mantermos nos primeiros lugares”

A vitória é sempre o objetivo da equipa gilista, e neste jogo, para Jorge Casquilha, a vitória pode valer 6 pontos. “Com uma vitória iremos encurtar distâncias para os primeiros lugares, principalmente, para o Santa Clara. É um jogo que vale 6 pontos e a verdade é que estamos muito moralizados e estamos conscientes da importância do jogo. Sabendo que esta é a 7ª jornada, nada se ganha à 7ª jornada, mas era importante somar mais 3 pontos para nos mantermos nos primeiros lugares”, salientou.

“Que as pessoas possam vir ao futebol para empurrar a equipa para mais uma vitória”

De relembrar que as crianças e jovens até aos 16 anos não pagarão bilhete para poder assistir ao jogo. Logo, esta é uma ótima oportunidade de o estádio estar mais completo e o apoio à equipa ser ainda maior. O apoio dos adeptos é muito importante? Para o técnico gilista é, e deixa, igualmente, uma palavra à claque. “Sim, claramente. Nós estamos sempre a pedir o apoio dos adeptos porque gostamos de atuar em casa, com os adeptos a puxar por nós, a apoiar-nos. Nos dois jogos que fizemos, tivemos uma boa casa. Nos jogos fora não têm sido muitos adeptos, principalmente este último, que foi bastante longe. Mas a verdade é que a claque estava lá e eram poucos mas eram ruidosos. Apoiaram a equipa de princípio ao fim. Queremos que agora neste jogo, em casa, perante o líder, – certamente vai estar bom tempo – que as pessoas possam vir ao futebol e que esteja uma boa casa e que nos apoiem de princípio ao fim, para empurrar a equipa para mais uma vitória.”

Gil Vicente derrota Sporting B em Alcochete

Setembro 11, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Ontem, no CGD Estádio Aurélio Pereira, em Alcochete, o Gil Vicente conseguiu uma importante vitória forasteira, por 0-1, com um golo madrugador do “suspeito do costume”, Rui Miguel.



O jogo foi arbitrado por Fábio Piló (AF Porto), coadjuvado por Rui Freire e José Mira, sendo Tiago Rocha o 4º árbitro.

O Sporting B, orientado por Luís Martins, alinhou com Stojkovic, Bruno Paz, Kiki Kouyaté, Ivanildo Fernandes, David Sualehe, Bubacar Djaló (Pedro Marques, 75’), Cristian Ponde (Demiral, 60’), Rafael Barbosa, Pedro Delgado, Gelson Dala e Ary Papel (Kenedy, 80’). No banco ficaram: Diogo Sousa, Mauro Riquicho, Paulinho e Ronaldo Tavares.

Já o Gil Vicente, treinado por Jorge Casquilha, jogou com Rui Sacramento, Ricardinho, Sandro, Vítor Tormena, Luís Tinoco, Miguel Abreu, Jonathan Rubio, Rafael Batatinha, Fall (Valdeir, 81’), Rui Miguel (Camara, 77’) e James Igbekeme (Reko, 87’). No banco ficaram Júlio Neiva, Luiz Eduardo, André Fontes e João Pedro.

O jogo ficou marcado pelo golo madrugador de Rui Miguel, na marcação de uma grande penalidade, logo aos 6 minutos, e pela expulsão, por vermelho direto, de Kiki Kouyaté, aos 53 minutos, forçando Luís Martins a trocar um médio (Ponde) por um central (Demiral) para recompor a defesa.

Na disciplina, foram admoestados com amarelo Ivanildo Fernandes (21’), David Sualehe (27’), Rafael Barbosa (94’); Ricardinho (47’), Miguel Abreu (76’) e Jonathan Rubio (90’). Como referido, com vermelho direto, foi Kiki Kouyaté (53’).

Com esta vitória, o Gil Vicente subiu ao 4º lugar, com 11 pontos em 6 jogos. Tem exatamente os mesmos números do Famalicão, com quem divide a classificação: 3 vitórias, 2 empates e 1 derrota; 7 golos marcados e 5 sofridos.

Foto: GVFC.

 

1 2 3 10
Ir Para Cima