Tag archive

Gil Vicente FC - page 3

Gil Vicente de regresso à I Liga e logo com vitória sobre o FC Porto

Agosto 11, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O final de tarde de dia 10 de agosto de 2019 ficará para a história do Gil Vicente FC, e do futebol barcelense, por ser a data em que os gilistas voltaram a realizar um jogo a contar para a primeira liga portuguesa. Mais histórico se tornou por causa da grande vitória sobre o FC Porto.



Num Estádio Cidade de Barcelos, com 10 962 espectadores nas bancadas e um relvado ainda a caminho de melhores dias, sob arbitragem de Nuno Almeida (AF Algarve), coadjuvado por André Campos e Bruno Jesus, com João Gonçalves (AF Porto) como 4º árbitro, o jogo contou com as seguintes equipas:

Gil Vicente FC: Denis, Alex Pinto, Rúben Fernandes, João Afonso (Claude Gonçalves, 74’), Soares, Rodrigo, Lourency, Arthur Henrique (Erick, 81’), Edwin Vente; Kraev e Sandro Lima (Naidji, 64’). No banco ficaram Wellington, Juan Villa, Kellyton e Leonardo.

FC Porto: Marchesín; Manafá, Pepe, Marcano, Alex Telles, Bruno Costa, Corona (Luis Díaz, 58’), Zé Luís, Otávio (Fábio Silva, 79’), Sérgio Oliveira e Soares (Marega, 58’). No banco ficaram Vaná, Romário Baró, Nakajima e Mbemba.

O Gil Vicente teve um início forte, pressionando o FC Porto nos minutos iniciais. Aos 6’, lance perigoso para os portistas, com cruzamento de Soares e Zé Luís – de volta a Barcelos – a cabecear ligeiramente ao lado. Aos 21’, grande cruzamento de Alex Telles, com Corona a receber no coração da área e a rematar ao lado. Dois minutos depois, a melhor oportunidade do jogo até então, com o Gil Vicente a dispor de duas grandes oportunidades de golo. Sandro Lima cabeceou para grande defesa de Marchesín e, na recarga, quando todos gritavam golo, o guarda-redes argentino a fazer uma defesa “milagrosa” após remate do Soares gilista. Aos 35’, de novo Telles a cruzar, Sérgio Oliveira amortece para a zona da marca de grande penalidade e Soares a rematar fraco para as mãos do brasileiro Denis.

O Intervalo chegou com o nulo a manter-se.

Na segunda parte chegaram os golos. Mas antes, aos 50’, oportunidade para os portistas, com Otávio a chegar atrasado ao cruzamento de Zé Luís. O primeiro golo do jogo foi para os da casa, aos 60’. Grande passe de Sandro Lima, a rasgar a defensiva forasteira e a deixar Lourency na cara de Marchesín, que não perdoou e colocou o Gil Vicente na frente do marcador.

Aos 73’, grande penalidade para o FC Porto, por mão na bola de Rodrigo, apenas sancionada após consulta do VAR. Alex Telles atirou para o fundo da baliza e restabeleceu a igualdade.

Quando se pensava que este golo iria catapultar os visitantes para a remontada no resultado, os gilistas “mataram” logo essa expectativa, quando, aos 75’, após cruzamento de Lourency, o internacional búlgaro Kraev dominou na área, quase sem pressão, e atirou a contar para o fundo das redes portistas. Após este golo, não houve muitos mais momentos de interesse, com os homens da casa a travarem todas as investidas dos visitantes, que não foram capazes, nem mostraram capacidade para, de, pelo menos, empatarem a contenda. Depois de 6’ de compensação, o jogo terminou e o Gil Vicente FC gorou vencer o seu jogo de retorno ao escalão maior do futebol português.

Após 6 minutos de compensação o arbitro terminou a partida e o Gil Vicente venceu e convenceu frente ao F. C. Porto.

Na próxima jornada, os gilistas visitam o terreno do Moreirense, dia 17 de agosto, pelas 16h30.

Gil Vicente derrota CD Aves e está na fase de grupos da Taça da Liga

Agosto 3, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A falta de condições do relvado do Estádio Cidade de Barcelos levou o jogo da pré-eliminatória da Allianz CUP, vulgo Taça da Liga, para o Estádio do CD Aves, em Vila das Aves. O estranho deste facto é que este recinto pertence ao adversário do Gil Vicente FC, ou seja, os gilistas jogaram em casa…mas em casa do seu adversário.



Mesmo com esta grande condicionante, os homens de Barcelos não se viram rogados e levaram de vencida esta eliminatória, entrando, dessa forma, na fase de grupos da Taça da Liga.

Sob arbitragem de Iancu Vasilica (AF Vila Real), com assistência de Bruno Trindade e Sérgio Jesus, com João Pinheiro como 4º árbitro, o jogo contou com os seguintes alinhamentos:

Gil Vicente FC – Wellington, Alex Pinto, João Afonso, Arthur Henrique, Rúben Fernandes, Soares, Rodrigo, Erick (Lino, 79’), Kraev, Sandro Lima e Lourency (Edwin Vente, 91’). No banco, com Vítor Oliveira, ficaram Bruno Diniz, Juan Villa, Kellyton, Leonardo e Ahmed Isaiah.

CD Aves – Beunardeau, Afonso Figueiredo, Mehremic, Milos, Cláudio Falcão, Rúben Oliveira (Peu, 71’), Estrela, Ricardo Rodrigues (Miguel Tavares, 71’), Rúben Macedo, Welinton Santos e Bruno Xavier (Bruno Lourenço, 83’). No banco, com Augusto Inácio, ficaram Fábio Szymonek, Bruninho e Erik.

O jogo chegou ao intervalo empatado a 0, mas a segunda parte trouxe muita emoção e muitos golos. O primeiro foi para os visitantes – a jogarem em casa – com Welinton Santos a abrir o marcador aos 53’. Dez minutos mais tarde, Sandro Lima restabeleceu a igualdade. Lourency colocou os gilistas na frente, aos 72’, mas apenas 3 minutos depois, Peu tornou a empatar o jogo. No cair do jogo, quando já todos pensavam nas penalidades, o internacional búlgaro Kraev marcou o golo da vitória, apurando o Gil Vicente FC para a fase de grupos da Taça da Liga.

Imagem: DR (alterada).

Festa do regresso gilista à I Liga é já no próximo domingo

Julho 25, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

Gil Vicente FC e António Fiúsa convidam a “família gilista” a participar

António Fiúsa, então Presidente do Gil Vicente FC e, agora, Presidente Honorário, prometeu, aquando da polémica despromoção do clube gilista aos nacionais, de que ofereceria um porco no espeto e champanhe aos gilistas por cada ano que o Gil Vicente FC estivesse arredado da Primeira Liga, competição de onde foi retirado, num processo que se viria a comprovar como tendo sido ilegal.



Desta forma, quer o presidente honorário, quer o próprio clube, decidiram cumprir a promessa e, tendo ficado o Gil Vicente FC fora da Primeira Liga por 13 anos, eis que haverá, no próximo dia 28 de julho, pelas 15h00, junto ao Estádio Cidade de Barcelos, 13 porcos no espeto, champanhe, música – com Quim Barreiros como “cabeça de cartaz” – e muita animação.

Imagem: DR.

Vítor Oliveira, novo treinador gilista: “Temos pela frente um desafio muito grande”

Junho 1, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Em entrevista à Gil Vicente TV, levada a cabo por Miguel Sá Pereira, o novo treinador do Gil Vicente FC, Vítor Oliveira, abordou o que pretende para o novo plantel gilista, para a nova realidade do clube barcelense, falou do seu passado e deixou um apelo aos sócios, simpatizantes e barcelenses em geral.



Vítor Oliveira já representou, noutros momentos da sua longa carreira, o Gil Vicente FC e isso pesou na sua decisão de aceitar treinar os gilistas. Essas duas passagens por Barcelos foram determinantes, por poder trabalhar onde gosta, algo que é muito importante quando se está a analisar as propostas que vão surgindo, na opinião do treinador. Outro motivo que o levou a aceitar este desafio foi poder treinar num “clube que há muito pouco tempo fazia parte do núcleo de clubes de 1ª divisão, daqueles clubes estáveis de 1ª divisão, para além de já o ter representado por duas vezes e que me marcou muito positivamente. É um regresso, não diria, às origens, mas é um regresso ao passado, que desejo, possa ser de sucesso porque temos pela frente um desafio muito grande, importantíssimo, não só para mim, para os jogadores, mas, fundamentalmente, para o clube”.

O histórico treinador vem para ajudar a recriar a identidade de 1ª Liga que o clube precisa. “O clube teve, durante anos, identidade de 1ª Liga. Era um clube perfeitamente sustentável em termos de 1ª Liga, já com muitas referências, que de um momento para o outro, e do nada, acabou por perder tudo isso. Fez uma ‘travessia longa do deserto’ e, agora, voltou à ‘luz da ribalta’. É evidente que essa passagem pelo deserto e esta volta rápida à luz da ribalta tem sempre os seus custos. Estamos aqui para tentar minimizar esses custos, para tentar, o mais rapidamente possível, ajustar e criar padrões de 1ª Liga para que possamos ser uma equipa que se possa manter por muitos e bons anos na 1ª Liga. Tarefa extremamente difícil, mas possível, com as pessoas que estão envolvidas em todo este projeto”.

Questionado sobre se seria este o maior desafio da sua carreira, Vítor Oliveira respondeu que pensa que “será o principal desafio da minha carreira. É um desafio tremendo. Muitos me disseram que não deveria assumir este risco. Mas alguém teria que assumir este risco, era precisa uma pessoa com muita experiência para assumir o risco que é constituir, praticamente, uma equipa nova. Transformar um clube que vem de uma época perfeitamente anormal, como a época passada. (…) É preciso mudar toda essa situação, rapidamente preparar uma equipa para jogar na 1ª Liga, um campeonato extremamente difícil. (…) Toda a estrutura tem que ser repensada, montada de novo, potencializada. Tudo isso tem os seus custos, demora o seu tempo e constitui um desafio extremamente difícil. O grau de dificuldade é tão elevado quanto aliciante e, provavelmente, foi essa situação que me seduziu a estar aqui, a dizer presente, a um pedido do Presidente do Gil Vicente, pessoa que muito prezo e que foi muito importante na minha carreira em tempos idos e não poderia responder de outra forma que não com a aceitação”.

O “objetivo é fazer uma equipa sólida”

Dizem os analistas e conhecedores que é nesta fase que se conquistam os grandes objetivos. Sobre o perfil do plantel que está a preparar, Vítor Oliveira salienta que estão “a definir um plantel, no plano teórico, que possa dar uma boa resposta em termos de 1ª Liga. Sabemos que não é fácil. Há equipas que têm tido uma continuidade grande na 1ª Liga e que vão formulando os plantéis com três, quatro, cinco jogadores, todos os anos, mas mantêm uma espinha dorsal que é extremamente importante. Isso não acontece com o Gil Vicente. Penso que o Gil Vicente será, até, caso inédito na nossa Liga. Penso que nunca aconteceu uma situação destas, de completa reformulação do plantel. Estamos a tentar conseguir e não é fácil, como é evidente. São muitos jogadores. Situações pontuais são fáceis de identificar e são fáceis de ir ao mercado e encontrá-las, até. Um plantel completamente novo é muito difícil de o fazer. Estamos atentos ao mercado, temos trabalhado muito. Os responsáveis por todo este trabalho não têm tido descanso. Já conseguimos alguns jogadores, vamos conseguir outros. Estamos a tentar misturar um plantel com jogadores experientes com alguns ainda em fase de formação, com outros que são novos, mas já com alguma experiência. Estamos a tentar misturar isto tudo por forma a conseguirmos o nosso objetivo que é fazer uma equipa sólida. O futebol é um desporto coletivo, onde a soma das individualidades é muito importante. Estamos a procurar as individualidades, que remem todos para o mesmo lado”.

Já tinha trabalhado com o Presidente do Gil Vicente FC, Francisco Dias da Silva, e esse facto contribuiu para aceitar este projeto. Para Vítor Oliveira, Francisco Dias da Silva “já deu provas mais do que suficientes, nos anos que esteve no futebol e fora dele, no Óquei. É uma pessoa competente, um dirigente de grande qualidade e consegue derrubar obstáculos com relativa facilidade. Para um treinador, ser suportado por uma estrutura comandada por Dias da Silva é sempre motivo de algum alento, de esperança e de confiança”.

“Todos os barcelenses vão corresponder”

A celebrar o seu 95º aniversário, sendo Barcelos o maior concelho de Portugal e o Gil Vicente FC o seu maior clube e este na 1ª Liga, será este o momento certo para os barcelenses dizerem presente? Para o treinador gilista, este é “momento certo, momento único e penso que todos os barcelenses vão corresponder. Todos eles sabem da injustiça que foi feita ao clube há uns anos atrás. Todos eles sabem da importância deste ano para o clube, da importância do clube para o desenvolvimento da cidade, a todos os níveis, e para o reconhecimento fora da cidade, do nome da cidade, dos símbolos da cidade, do seu crescimento. Por isso, penso que os barcelenses irão responder na plenitude e irão apoiar o seu clube, vão dizer presente, irão, de uma forma marcadamente bairrista, apoiar o seu clube nesta missão tremendamente difícil que vamos ter pela frente”, sendo que estão “sempre motivados para começar. As mudanças, normalmente, dão essa motivação e este desafio, que eu sei que vai ser um desafio absolutamente tremendo, vai ser um desafio para homens de ‘barba rija’, acaba por motivar mais, para que possamos enfrentar esta difícil tarefa com muita coragem, com muita determinação, com muita sabedoria e, fundamentalmente, com muito profissionalismo”.



Os adeptos podem ter um papel fundamental para o crescimento que a equipa e o clube têm que ter nos próximos anos? Vítor Oliveira afirma que “não podem…vão ter que ter. Este clube só pode crescer com o apoio dos seus adeptos. O campo do Gil Vicente foi sempre tradicionalmente difícil. Na 1ª Liga era um campo onde ninguém gostava de jogar e o apoio dos adeptos era sempre um fator que contribuía, enormemente, para a capacidade da equipa fazer uma oposição tão forte aos seus adversários. Nós contamos, esperamos, temos desejo que as pessoas apareçam em grande número, mas tenho quase a certeza que as pessoas irão corresponder, como corresponderam noutros anos. Penso que só, e apenas, a injustiça que foi feita ao clube, o sentimento de injustiça é que os afastou do apoio ao seu clube.

Entrando um pouco na intimidade no treinador, que não o queria ser na década de 80, olhando para o seu percurso e vê nele um orgulho enorme. “A minha ideia nunca foi ser treinador. Quando estava a acabar o futebol, faltava um ano para acabar engenharia eletrotécnica. A minha ideia era acabar o futebol, voltar à engenharia e seguir a via profissional ligada à engenharia. Surgiu um convite do Portimonense, na altura. Recusei na primeira fase, depois acabei por aceitar e em boa hora o fiz porque acabei por ter um percurso tremendamente positivo, que me marcou bastante, que me deu uma situação estável na vida, exatamente como me poderia dar a engenharia. E, fundamentalmente, estou naquilo que gosto. A minha grande paixão foi sempre o futebol e penso que foi uma boa opção, embora, na altura, não pensasse, minimamente, que pudesse enveredar por esta profissão”.

“O 12º jogador vai ser fundamental”

Quando foi divulgado como novo treinador do Gil Vicente, sentiu-se em Barcelos um carinho enorme dos adeptos, dos sócios, por si. Miguel Sá Pereira questionou-o sobre “que mensagem gostaria de deixar ficar para este momento de agregação?” Vítor Oliveira respondeu que “é muito importante. O 12º jogador vai ser fundamental. Nesta fase, com os obstáculos e desafios que o Gil Vicente vai ter pela frente, vamos precisar do 12º jogador, que nos irá acompanhar em casa e fora, por esses caminhos todos, pelos campos do nosso país. Vamos trabalhar com todo o profissionalismo que pudermos, com todo o conhecimento e sabedoria que pudermos transmitir ao plantel. Vamos exigir o máximo empenhamento e dignificação das camisolas do Gil. Vamos tentar tudo para lhes proporcionar grandes vitórias, grandes alegrias, para que eles possam sentir-se felizes a acompanhar o clube da sua terra”, ressalvando que será um “desafio tremendo, desafio terrível. Tenho consciência disso. Às vezes, as situações incómodas são as que nos fazem transcender, fazem-nos ir para além daquilo que nós pensamos que são os nossos limites, dão-nos alento, dão-nos coragem, dão-nos motivação e, se calhar, também foi à procura disso que vim até Barcelos”.

Tudo ao Jamor e regressar com o caneco!

Maio 23, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores do BnH!



Graças a Deus terminou a palhaçada! Sim, estou triste pelo segundo lugar do FCP…não com azia porque sei perder. Fica a questão se foi mérito de um ou demérito de outro?!…Talvez um pouco dos dois aspetos e, também, a incompetência, o condicionamento e o controlo sobre determinadas instâncias. Mas deixo isso para o balanço da época. 

Em relação a esta última jornada, o Porto sofreu, mas massacrou o Sporting, fazendo do nosso adversário da final da Taça uma “cabaça”. É certo que a expulsão de Borja ajudou, mas todos sabemos que, por vezes, jogar contra 10, que estão encostados à sua baliza, é complicado porque o espaço escasseia. Mesmo depois de estar a perder, o FCP deu a volta com dois grandes golos e muita vontade em vencer o último jogo do campeonato perante a presença de milhares de portistas, que não se cansaram de apoiar.

Espero que a nossa equipa vença a Taça pois bem merece e os nossos adeptos estão muito esperançosos. Se o Porto perder, espero que não aconteça um mini “Alcochete”! LOL…

Este título foi ganho, essencialmente, por LFV e o seu cartel!…Em momentos-chave, o Sr. LFV disse presente, como foi “pedir a reforma de Fábio Veríssimo”, pedir uma reta final sem casos, conseguir que a Juíza Ana Perez ilibasse a Benfica SAD do caso “e-toupeira” e, mesmo devendo milhões ao nosso estado, paga a dobrar o prémio a todo o staff do Benfica. Conclusão: o crime compensa e ele é, sem dúvida, o “dono disto tudo”!

Sim, Bruno Lage também mostrou competência. 

Foi pena, porque bastava uma escorregadela do nosso rival em Braga, Vila do Conde ou Santa Maria da Feira, o que esteve perto de acontecer. 

Espero que Sérgio Conceição esfrie as ideias e que as decisões da final da Taça sejam melhores do que alguns jogos-chave deste campeonato. 

Tudo ao Jamor e regressar com o caneco!

Já começo a ficar ansioso para o início da próxima temporada por causa do Gil! Já tenho a minha cadeira e espero que o Gil e o concelho se unam de uma vez por todas.

Parabéns ao OCB pelo 5º lugar! Os 4 primeiros têm orçamentos brutais e este é o melhor lugar atendendo à realidade do nosso OCB.  Mas sinto que na próxima época vamos conseguir melhor.

Viva Barcelos e o FCP…ah…e à verdade desportiva!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Gil Vicente FC fecha campeonato com goleada

Maio 12, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O Gil Vicente fechou com chave de ouro a Série A do Campeonato de Portugal, recebendo e goleando o vizinho Limianos, por 5-0.



Com arbitragem de Bruno Costa, o jogo contou com as seguintes constituições de equipas:

Gil Vicente FC – Espíndola, Rui Faria, Edwin Vente, Pedro Araújo, James Arthur, Tiago Gomes, Juan Villa, Ahmed Isaiah (Diogo Ramalho, 75’), Joãozinho (Bruno Lopes, 55’), Tanko e Rui Gomes (Henrique Brito, 68’). No banco ficaram Wellington, Júnior, Silas e Dimba.

Limianos – Carlos, Nandinho, Pimenta, Digas, Cláudio Borges, Rui Magalhães (Gonçalo Sá, 73’), Luan Sérgio, Francisco Cerqueira, Elivelton (Mailó, 65’) e Cláudio Dantas (Iano, 78’). No banco ficaram Bean, Alvinho, Touré e Jojó.

Os golos gilistas foram apontados por Tanko (22’), Rui Gomes (43’), Vente (53’), Tiago Gomes (75’) e Henrique Brito (90’).

Já não há próxima jornada. Agora, segue-se a Primeira Liga.

Foto: GVFC.

Gil Vicente vence Pedras Salgadas por 0-2

Maio 6, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Equipa feminina apurada para a próxima eliminatória da Taça Nacional de Promoção

O Estádio da Portelinha, em Pedras Salgadas – Vila Pouca de Aguiar, recebeu o encontro da 33ª jornada da Série A do Campeonato de Portugal, opondo os locais ao Gil Vicente FC.



As equipas alinharam da seguinte forma:

Pedras Salgadas – Leo Paiva, Carlos Freitas, Carlos Rocha, Pedro Silva, Edson Pires, Rui Jorge, Alex Machado (Zé Lopes, 67’), Rui Faria, Miguel Lima, Danilo Castro e Rafinha (Lenno, 67’). No banco ficaram Rui Capela, Miguel Carreira, Rafa, Lamine Ba e Luís Neves.

Gil Vicente FC – Espíndola, Bruno Morais, Rui Faria, Edwin Vente, Pedro Araújo, James Arthur, Tiago Gomes, Diogo Ramalho (Juan Villa, 62’), Tanko (Dimba, 69’), Silas (Rui Gomes, INT) e Bruno Lopes. No banco ficaram Wellington, Victor Pereira, Henrique Brito e Joãozinho.

Os gilistas entraram muito bem, com Bruno Lopes a abrir o marcador logo aos 9’, marcando de forma exemplar um livre direto. Aos 12’, o ganês James Arthur ampliou a vantagem, na conclusão de um bom contra-ataque, com o guardião da casa a ficar mal na fotografia. E desta forma ficou fechado o marcador. Pedras Salgadas 0 – Gil Vicente FC 2.

Na próxima jornada, o Gil Vicente FC recebe o vizinho Limianos.

Equipa feminina passa na Taça Nacional de Promoção

No passado domingo, a equipa feminina do Gil Vicente FC defrontou, em Martim, o FC Romariz em jogo a contar para a Taça Nacional de Promoção.

Alinhando de início com Cátia, Susy, Inês Matos, Matinhas, Sara Carvalho, Sónia, Bea, Joana Martins, Ronalda, Gabi e Márcia, as gilistas levaram a melhor nesta eliminatória, vencendo por 2-1 após prolongamento. Os golos foram apontados por Ronalda e Joana Martins.

Foto: GVFC.

Venha a Taça de Portugal e a próxima época

Maio 3, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores do BNH!

Espero que se encontrem bem e que disfrutem da Festa das Cruzes ao máximo. 



Vamos lá falar de futebol e de ficção.  Começo pelo meu clube. Antes de mais, quero dar os parabéns aos Sub-19 do FCP pela conquista europeia. O futuro do FCP está assegurado.

Quanto à equipa sénior, confesso que ainda estou dececionado e triste com o empate em Vila do Conde. Como é que é possível estar a ganhar 2-0 desde os 20 minutos e dos 84 aos 91, sofrer 2 golos? Além da incompetência, foi notório o relaxe da equipa e que, objetivamente, nos custou o título nacional. Senti que tínhamos perdido o campeonato frente ao ex-clube de Rui Vitória, mas com este empate fica a confirmação.

Fiquei envergonhado com certas atitudes das claques do Porto e em que nada me revejo. Insultaram os mesmos intervenientes que este ano ficaram entre as 8 melhores da Europa. Que Sérgio Conceição saiba aceitar as críticas, muitas delas justas, e que fique muitos anos no Porto.

Espero que o Porto vença a Taça de Portugal, o que, mesmo assim, não salva a época. Como foi possível não vencer o título nacional depois de termos estado na liderança com 7 pontos de avanço?! Mas jamais deixarei de apoiar o meu clube e sou mais portista nas derrotas e desilusões. 

Mas não só de capacidade e incompetência vive o futebol português.  Este campeonato e o estado do futebol português é anedótico. O que se viu em Braga é inacreditável e um autêntico escândalo!  Depois de um “petit” empurrão, vem uma encomenda de VAR e arbitragem que é inacreditável.  Depois de uma grande primeira parte do Braga, aconteceu uma segunda parte de comédia, onde dois penaltis foram assinalados. No primeiro, Félix caiu com o vento; o segundo foi à queima-roupa, mas teria que ser marcado porque o resultado estava apertado; para não falar de uma expulsão perdoada a João Félix. É de assinalar, também, o clima de festa entre o ex-presidente do Alverca e o Sr. Salvador da pedreira. Deste jogo, ainda estou à espera da conferência de imprensa do Abel e do Salvador, a espumarem-se de raiva, a falarem de roubos de igreja, como aconteceu contra o Porto e Sporting.

Para terminar, digo que ainda bem que os e-mails foram divulgados. Se assim não fosse, não teríamos sido campeões na época passada e o Sr. Paulo Gonçalves, certamente, iria ganhar 10 campeonatos seguidos. Parabéns pelo título ao mister Rui Vitória, ao Lema, Conti, Ferreyra, Castillo e Taraabt!  

Parabéns ao Mister Bruno Lage pela eficácia no ataque! Contra o Braga foram 10, Nacional 10 e Marítimo 9!

Venha a Taça de Portugal e a próxima época rapidamente, para vermos, também, o nosso Gilinho. E que na próxima época, nenhum clube controle a banca, justiça, economia e imprensa. Que haja só futebol!

Desculpem a minha coragem e a minha sinceridade!

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Gil Vicente FC comemora 95 anos com exposição

Maio 3, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

Está patente desde 30 de abril e até ao final do mês de maio a exposição “95 Anos – Orgulho na História”, organizada pelo Gil Vicente Futebol Clube com o intuito de comemorar o seu 95º aniversário.



Nas antigas instalações do BNU, na Rua Direita, em Barcelos, poderá apreciar troféus e ver momentos da história deste que é o clube de futebol mais representativo do concelho barcelense.

Imagem: GVFC.

Gil Vicente empata em Chaves

Maio 1, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A dia e hora (segunda-feira, dia 29, pelas 16h00) pouco comuns para a disputa de jogos do Campeonato de Portugal, o Gil Vicente FC deslocou-se a Chaves para defrontar a “versão B” do Desportivo local, trazendo de lá um empate a 1 bola.



Com arbitragem de Hélder Marques, as equipas alinharam da seguinte forma:

Chaves B – Samuel Silva, Sérgio Conceição, Tiago Palancha, Pedro José, Simão Martins, Zangre (Gustavo Souza, 65’), Sangaré (Hélder Almeida, 60’), Ruca, João Bachi, Mika e André Liberal (Aliu Ronaldo, 57’). No banco ficaram João Kuspiosz, Pedro Pedroso, Njoya e Afonso.

Gil Vicente FC – Espíndola, Bruno Morais, Rui Faria, Edwin Vente, Júnior, Juan Villa (James Arthur, 77’), Ahmed Isaiah, Tiago Gomes, Joãozinho (Silas, 80’), Dimba e Rui Gomes (Tanko, 65’). No banco ficaram Wellington, Diogo Ramalho, Gabriel Mejía e Bruno Lopes.

As redes das balizas só abanaram na segunda parte e primeiro pelos gilistas, quando, aos 58’, Juan Villa abriu o marcador. Os flavienses demoraram 11 minutos a reagir, por Mika, que apontou o golo da igualdade, fechado o resultado final.

Na próxima jornada, o Gil Vicente FC tem nova deslocação a Trás-os-Montes para defrontar o Pedras Salgadas, curiosamente, o anterior projeto de equipa satélite do GD Chaves.

Ir Para Cima