Tag archive

Marinho

Óquei de Barcelos começa nacional na “Catedral”

Outubro 20, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Após a participação na Taça Continental, onde foi eliminado da final pela Oliveirense, no prolongamento, por 4-2, a equipa do OC Barcelos (OCB) arranca, este sábado, com a receção ao HC Turquel, para o campeonato nacional da primeira divisão, em jogo que se disputa no Pavilhão Municipal de Barcelos.



O jogo tem início às 21h30 e para quase meia equipa é a primeira vez que vestem a camisola do OCB.

Recorde-se que da época passada saíram cinco jogadores: Luís Querido (Lodi), Reinaldo Ventura (Viareggio), Álvaro Morais (FC Porto), Miguel Vieira (SL Benfica) e João Pereira, que abandonou a modalidade.

Para os seus lugares foram contratados Mário Rodriguez “Marinho” (ex-Follonica), Juan López (ex-Cremona), João Almeida (ex-Valongo), Afonso Lima (ex-júnior) e Pedro Silva (ainda júnior).

Começa, assim, para o treinador Paulo Pereira, uma longa temporada, onde os objetivos passam por tentar fazer melhor que o quinto lugar, repetir a presença na final da Taça CERS e ir o mais longe na Taça de Portugal.

Por: Miguel Bastos.

Barcelenses Hélder Nunes e Rafa são vice-campeões do Mundo em final “imprópria para cardíacos”

Setembro 9, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Realizou-se hoje, em Nanjing – China, a final do Campeonato do Mundo de Hóquei em Patins, colocando frente a frente a seleção portuguesa e a espanhola. O jogo iniciou às 11h30 da manhã, hora portuguesa. E, como diz o título da notícia, foi uma final “imprópria para cardíacos”.



Os dois hoquistas de Barcelos, que jogam no FC Porto, Hélder Nunes e Rafa, integraram a convocatória do seleccionador nacional Luís Sénica, conjuntamente com Ângelo Girão, Pedro Henriques, Nélson Filipe (GR), Diogo Rafael, João Rodrigues, Luís Querido, Reinaldo Ventura, Gonçalo Alves, Henrique Magalhães, João Souto e Ricardo Barreiros.

De salientar que Luís Querido e Reinaldo Ventura foram, até há pouco tempo, jogadores do Óquei Clube de Barcelos (OCB).

O Campeonato do Mundo, disputado na longínqua e sem tradição na modalidade, China, não começou da melhor forma para os selecionados nacionais. Aliás, até o sorteio foi “madrasto” para a seleção portuguesa, ficando esta no chamado “grupo da morte”, com a campeã do Mundo em título, Argentina, a sempre muito forte Itália e uma França cada vez mais competitiva e competente.

Infelizmente, Portugal não arrancou mesmo bem, perdendo com a Argentina por 2-5. Na jornada seguinte, nova derrota, desta feita por 4-2, frente a Itália. Hélder Nunes marcou um golo. Na última jornada, e obrigada a, pelo menos, empatar, para seguir em frente, a nossa seleção venceu a França por 6-5, mas num jogo extremamente difícil, com o golo da vitória a surgir pelo inevitável Hélder Nunes, nos últimos segundos do jogo, já com a França sem guarda-redes na baliza, porque para os franceses apenas a vitória interessava. O barcelense apontou um hat-trick.

Dessa forma, Portugal terminou o grupo em 3º lugar, com 3 pontos em 3 jogos. Fazendo uma pequena analogia, este percurso fazia lembrar o da seleção campeã da Europa de futebol, em França.

Nos quartos de final, Portugal encontrou a seleção do país irmão, Moçambique, seleção de Marinho, jogador do OCB. Desta feita, o resultado foi melhor e mais desnivelado, com uma vitória das cores nacionais por 2-6. Rafa marcou um golo por Portugal e Marinho marcou os dois dos moçambicanos.

Eis, então, que nas meias-finais defrontam-se, novamente, Portugal e Argentina, esta última com um apuramento extremamente difícil frente a Angola, vencendo por 3-4 após prolongamento. Mas o jogo correu imensamente de feição para os portugueses, que venceram por 5-0. O guarda-redes Ângelo Girão esteve em evidência mas o barcelense Hélder Nunes tornou a apontar um hat-trick.

A tão ansiada final chegou, com o “duelo dos duelos” com nuestros hermanos de Espanha. O jogo não correu de feição na primeira metade, com os espanhóis a saírem para os balneários a vencer por 2-0, com golos de Raúl Marin e Jordi Adroher. Mas Portugal voltou do descanso com vontade de inverter as coisas e bem cedo, pelo “habitual” barcelense Hélder Nunes, reduziu para 2-1. O seu companheiro de equipa, Gonçalo Alves, restabeleceu a igualdade. A partir daqui, o jogo entra em contornos épicos e impróprios para cardíacos e “roedores de unhas”.

Assim, Eduard Lamas recoloca os espanhóis a vencer, por 3-2. O tempo foi passando, com os portugueses a tentarem o empate e os espanhóis a gerirem a vantagem, até que Ângelo Girão “perde a calma” e vê o cartão azul. Em consequência, vai 2 minutos para o banco, é substituído por Pedro Henriques e Espanha fica em situação de power-play. Faltavam 10 segundos. Pedia-se um milagre para as cores nacionais evitarem a derrota. Raúl Marin falhou o livre direto e, de seguida, faz falta violenta sobre Diogo Rafael, sendo admoestado com cartão azul. Portugal ganha novo livre direto. As equipas ficam iguais em número de jogadores.

O homem “do costume” é chamado para o momento mais importante do jogo. A 4 segundos (sim, leu bem!) do final do jogo, Hélder Nunes é incumbido de “salvar” Portugal da eminente derrota. Sticka uma vez, duas…e só à terceira consegue marcar o golo do empate, do 3-3, a 1 segundo do fim. O milagre acontecia. O jogo ia para prolongamento.



Mas as dificuldades continuaram. Por ter sofrido golo, Espanha volta a ter a equipa completa, ficando, novamente, em situação de power-play, com Portugal ainda a “pagar” pelo cartão azul a Girão. As duas metades do prolongamento foram enfadonhas, apesar de tensas, pois as duas equipas, mais concentradas em não sofrer golos do que em marcá-los, iam deixando passar o tempo. No entanto, os “corações” de portugueses e espanhóis não se livraram de mais um momento de “alta tensão”, quando Diogo Rafael, a 1 segundo do final (sim, tornou a ler bem!) atirou uma “bomba” de longa distância, levando a bola a embater no poste da baliza espanhola.

Tudo seria decidido nas grandes penalidades. Reinaldo Ventura, Raúl Marin, Hélder Nunes, Pau Bargalló falham as suas. João Rodrigues coloca Portugal a vencer por 0-1. Jordi Adroher falha, tal como Gonçalo Alves. Eduard Lamas restabelece a igualdade a 1. Ricardo Barreiros falha e, mesmo na última grande penalidade, Albert Casanovas consegue desfeitear Pedro Henriques e, para nosso descontentamento, entregar o título aos espanhóis.

Fotos: DR.

Óquei de Barcelos com o plantel completo

Julho 3, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Apesar das cinco saídas – Luís Querido para o Lodi e Reinaldo Ventura para o Viareggio, de Itália; Miguel Vieira para o Benfica; Álvaro Morais para o FC Porto, e o abandono da modalidade do guarda-redes João Pereira “ Ginho “ – a equipa barcelense conseguiu compor o grupo para a próxima época.

Foi em Itália, destino de Querido e Ventura, que a direção do Barcelos encontrou reforços.

Destaque para a aquisição do goleador português, Mário Rodriguez “ Marinho “, ex-Follonica, e para o espanhol, defesa, Juan López, ex-Cremona.

A nível interno, contratou João Almeida, ex-Valongo, e promoveu Afonso Lima, que completou o último ano de júnior, e Pedro Silva, este último, ainda júnior.

O grupo para a próxima temporada terá onze jogadores, juntando-se a continuidade de Ricardo Silva, André Almeida, Hugo Costa, Zé Pedro, Joca Guimarães e Rúben Sousa.

Com a classificação obtida na época passada, quinto lugar, o OC Barcelos vai disputar a II edição da “Elite Cup”, em Coimbra, nos dias 5, 6 e 7 de outubro, defrontando, no primeiro dia, o quarto classificado, o Sporting CP.

Neste evento, que coloca em pista os oito primeiro classificados, o FC Porto defronta o Valença, o Benfica a AD Valongo e a Juventude de Viana joga com a Oliveirense.




Plantel do OC Barcelos:

Guarda-redes: Ricardo Silva e André Almeida;

Jogadores de pista: Zé Pedro, Juan López (ex-Cremona), Rúben Sousa, Afonso Lima (ex-júnior), Hugo Costa, Mário Rodriguez “Marinho“ (ex-Follonica), Joca Guimarães, Pedro Silva (júnior) e João Almeida (ex-Valongo);

Treinador: Paulo Pereira.

Em foto de destaque, os reforços, Pedro Silva (1), Afonso Lima (2), Juan López (3), João Almeida (4) e Mário Rodriguez “Marinho” (5).

Texto e foto: Miguel Bastos.

Óquei de Barcelos defronta Paço d’Arcos em jogo de despedidas

Junho 8, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Restam apenas duas jornadas para o fim do campeonato nacional da 1ª divisão de hóquei em patins.

Numa dessas rondas, o OC Barcelos joga, pela última vez na presente época, diante o seu público, sábado, às 21h30, com o Paço d’Arcos.

Com o quinto lugar garantido depois do triunfo nos Açores na anterior jornada, o jogo deste fim de semana servirá para a despedida de alguns jogadores que envergam a camisola do clube de Barcelos.

Entre eles, estão o capitão Luís Querido que, tal como Reinaldo Ventura, irão jogar para o campeonato italiano, para Lodi e Viareggio, respetivamente.

Reinaldo-ventura+luís-querido
Luís Querido e Reinaldo Ventura

Quem também deixa o OC Barcelos é Miguel Vieira, que ruma ao Benfica, e Álvaro Morais, de regresso ao FC Porto.

Em relação ao guarda-redes João Pereira, “ Ginho “, tudo indica que termina a sua carreira desportiva.

Face a estas saídas, o clube já garantiu, esta semana, o avançado Mário Rodriguez “Marinho”, ex-Follonica.

Marinho
Marinho

O internacional moçambicano, que foi o melhor marcador do campeonato de Itália, estará mesmo, no sábado, em Barcelos, para começar a sentir a sua nova casa.

Para as outras duas vagas, vários nomes têm vindo a público, mas a direção barcelense ainda não confirmou oficialmente, entre elas, a de João Almeida, ex-AD Valongo.

Assim, no sábado, será um misto de alegria/tristeza para os jogadores que deixam o clube.

Naturalmente que deixam o OCB com o dever cumprido, onde conquistaram, entre vários pontos positivos, duas Taça CERS.

O público barcelense saberá reconhecer a entrega dos atletas durante o período em que vestiram a camisola do clube barcelense.

A partida começa às 21h30 e será apitada por Orlando Panza e Sílvia Coelho.




Texto: Miguel Bastos.

Fotos: Miguel Bastos e Vincenzo Biagini.

Ir Para Cima