Tag archive

Olaria

Município de Barcelos associa-se ao “Bom Dia Cerâmica”

Maio 14, 2020 em Atualidade, Concelho, Cultura, Economia, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O Município de Barcelos volta a associar-se à iniciativa europeia “Bom dia Cerâmica”, que se realiza nos dias 16 e 17 de maio, desta vez de carácter virtual devido à pandemia COVID-19.



Respondendo ao desafio da Associação Portuguesa de Cidades e Vilas de Cerâmica, Barcelos privilegiará, nestes dias, o envolvimento digital das cidades portugueses e europeias com cerâmica através da apresentação de filmes e séries de fotografias nas redes sociais e canal YouTube do Município de Barcelos.

Assim, nos dias 16 e 17 de maio será divulgado material fotográfico e audiovisual ao público nas redes sociais, acompanhado de contextualização e interpretação, com o propósito de dar a conhecer elementos referenciais da produção cerâmica, que permitam compartilhar a excelência e diversidade da criação europeia. Os eventos serão publicados, em sucessão, na página Facebook, no canal YouTube do Município de Barcelos e no site do Museu de Olaria.

Nestes dias será ainda lançada uma iniciativa intitulada “selfies cerâmicas”, dedicada a ceramistas, entusiastas, operadores, stakeholders e, em geral, ao que seria o público habitual do programa “Bom Dia Cerâmica”.

Lançado há vários anos pelas cidades cerâmicas italianas, o “Bom Dia Cerâmica” tem o apoio da Associação Portuguesa de Cidades e Vilas de Cerâmica e pretende chamar a atenção para a importância da cerâmica na Europa, estendendo-se a cerca de duas centenas de cidades cerâmicas de Itália, Portugal, França, Espanha, Roménia, Alemanha, República Checa e Polónia. Em Portugal, participam as cidades e vilas cerâmicas que integram a associação, nomeadamente Barcelos, Reguengos de Monsaraz, Alcobaça, Tondela, Aveiro, Oliveira do Bairro, Viana do Alentejo, Montemor-o-Novo, Redondo, Batalha, Vila Nova de Poiares, Caldas da Rainha, Ílhavo, Mafra, Porto de Mós e Viana do Castelo.

Podemos encontrar, no nosso país, mais de uma centena de cidades e vilas que, ao longo da sua história, estiveram ligadas à cerâmica, mantendo-se ainda ativas um número muito considerável, nomeadamente as que estão ligadas à Associação Portuguesa de Cidades e Vilas de Cerâmica, com uma atividade económica importante e com expressão nas pessoas que a trabalham de forma artesanal, criativa ou industrial. A cerâmica tem, também, uma importante expressão na construção, na decoração das fachadas, nos objetos utilitários e decorativos que a quase totalidade da população usa, bem como na expressão museológica que atrai tantos turistas ao nosso país.

Existe uma consciência comum de que o atual momento é muito sensível e problemático para toda a cerâmica europeia, e especialmente para a portuguesa, em que poderá ser posta em causa a sua viabilidade e rentabilidade, deixando muitos ceramistas com dificuldades de subsistência.

Portugal é o segundo produtor mundial de cerâmica de mesa e decorativa, bem como de olaria, logo a seguir à China.

Fonte e imagem: CMB.

“O Figurado de Rosa Ramalho na Coleção do Espanhol” no Museu de Olaria

Fevereiro 12, 2020 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Museu recebe em 2020 exposição inédita da barrista barcelense

Abre ao público, no próximo sábado, dia 15 de fevereiro, às 17h00, na Sala de Exposições Temporárias do Museu de Olaria, em Barcelos, a exposição “O Figurado de Rosa Ramalho na Coleção do Espanhol”, que reúne peças do colecionador Juan Yebra-Pimentel Rodríguez, um galego que, durante mais de uma década, recolheu figuras produzidas pela prestigiada barrista barcelense.



Juan Yebra-Pimentel Rodríguez, jurista e também escultor, natural de Lugo, na região da Galiza, ainda estudante, em meados da década de sessenta, teve contacto com as peças produzidas pela artesã Rosa Ramalho na casa de um amigo seu e tendo ficado rendido à beleza das mesmas começou por comprar alguns exemplares numa loja em Vigo, no Posto de Turismo de Barcelos e numa loja em Valença do Minho. Tendo decidido conhecer a barrista de perto, rumou a Galegos S. Martinho e passou a ser uma visita assídua na casa da mesma, acabando por travar uma grande amizade com a artesã.

Entre 1968 e 1977, Juan Rodríguez teve a oportunidade de privar com a artesã, à qual carinhosamente chamava “Rosinha” e começou a solicitar-lhe a produção de peças por ele desenhadas. “Fui conhecê-la e fiz-me amigo dela.  A figura dela já era bastante falada, porque, quando eu lhe fiz os desenhos dos pecados capitais, em Madrid, anunciavam-nos nos periódicos: o El País e o ABC diziam: venderam-se a vinte e oito mil pesetas, o que naquela época devia ser o equivalente catorze contos.”

Nesta exposição, podem ser vistas cento e dezasseis peças, de um conjunto de mais de quatrocentas por ele colecionadas, produzidas por Rosa Ramalho. De entre os trabalhos expostos, constam também as vinte e sete peças da última fase da vida da barrista barcelense. É uma coleção particular, um tesouro que agora é dado a conhecer a todos.

Rosa Ramalho, artesã barcelense, natural de Galegos S. Martinho, contribuiu de forma indelével para a construção da identidade da olaria local e nacional e, subsequentemente, fixou-se no imaginário e na memória coletiva do povo português.

Esta exposição estará patente até 20 de janeiro de 2021 e poderá ser visitada de terça a sexta, das 10h00 às 17h30, e aos sábados e domingos, das 10h00 às 12h30 e das 14h00 às 17h30.

Fonte e imagem: CMB.

Artesã barcelense Júlia Côta é finalista da edição 2019 do Prémio Nacional do Artesanato

Dezembro 9, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A artesã barcelense Júlia Côta foi selecionada para a fase final do concurso “Prémio Nacional do Artesanato 2019”, promovido pelo Instituto do Emprego e Formação Profissional (IEFP).



Neste concurso, que visa incentivar a produção artesanal, distinguindo os artesãos portugueses, bem como as entidades que se destacam no trabalho desenvolvido na área do Artesanato, Júlia Côta está a concorrer para a categoria “Grande Prémio Carreira”.

Júlia da Rocha Fernandes de Sousa, conhecida por “Júlia Côta”, é uma barrista barcelense que nasceu na freguesia de Galegos Santa Maria, no concelho de Barcelos, em 26 de dezembro de 1935, e é hoje um vulto maior do artesanato de Barcelos.

Ultrapassada que foi a primeira fase de avaliação das candidaturas, a votação passou agora para o público. A votação está a decorrer online desde o dia 3 de dezembro e termina às 18h00 do dia 13 de dezembro. Pode votar através do link https://www.iefp.pt/promocao-das-artes-e-oficios, no separador “PNA 2019 – Votação”.

Concluída esta fase da votação via Internet, o júri do concurso procederá à eleição da candidatura vencedora em cada uma das categorias. O resultado final, e a correspondente entrega dos prémios, será conhecido em cerimónia pública e solene cuja data e local serão oportunamente divulgados.

As categorias a concurso são Grande Prémio Carreira, Prémio Inovação, Prémio Empreendedorismo Novos Talentos, Prémio Investigação, Prémio Promoção para Entidades Privadas e Prémio Promoção para Entidades Públicas.

Recorde-se que, em 2017, o Município de Barcelos foi galardoado com o “Prémio Promoção para Entidades Públicas” e a artesã Júlia Ramalho venceu o “Grande Prémio Carreira”.

Fonte e foto: CMB.

“Do Bonequinho ao Pote” no Museu de Olaria de Barcelos

Outubro 19, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Entre hoje e dia 21 de outubro, o Museu de Olaria de Barcelos será o palco do Encontro com Oleiros de Cabo Verde.



O evento intitula-se “Do Bonequinho ao Pote” e é de entrada gratuita.

Imagem: CMB.

Olaria Regional em exposição no Museu de Olaria

Outubro 2, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No passado dia 29 de setembro, no Museu de Olaria de Barcelos, foi inaugurada a exposição “Convergências, divergência e paralelismos: Olaria Regional da Sub-região do Cávado,” que para além dos designers e artesãos que desenvolveram propostas de cerâmica utilitária, contou com a presença da Vereadora da Cultura da Câmara Municipal de Barcelos, Armandina Saleiro, da Diretora do Museu de Olaria, Cláudia Milhazes e da Diretora da Escola Superior de Design, do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), Paula Tavares.



O resultado patente enquadra-se numa investigação realizada no âmbito do Mestrado em Design e Desenvolvimento do Produto da Escola de Design (IPCA), onde a proximidade possibilitada com o Museu de Olaria foi essencial.  As peças apresentadas baseiam-se na olaria tradicional da região e projetam o seu enquadramento na sociedade e hábitos contemporâneos, incorporando o saber-fazer e as técnicas tradicionais dos artesãos locais.

Durante este processo, consolidou-se uma rede passível de implementar estas abordagens, sendo de relevar a disponibilidade e motivação dos artesãos, o potencial positivo da colaboração institucional, bem como o valor efetivo a nível comercial e cultural da conformação destas peças numa marca ou linha de produtos que, através do design, posicione de forma distinta a olaria de Barcelos em Portugal e no Mundo.

Fonte e fotos: IPCA.

 

Posto de Turismo recebe exposição “A louça regional de Barcelos na gastronomia”

Julho 20, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura port barcelosnahorabarcelosnahora

Inaugura hoje, pelas 17h00, no Posto de Turismo de Barcelos, a exposição “A louça regional de Barcelos na gastronomia”, que estará patente até 9 de setembro, com entrada livre.



Esta exposição resulta da continuidade da exposição “Louças de Barcelos, uma arte intemporal”, que se realizou em janeiro de 2018. De acordo com o Município, ela pretende “dar a conhecer a riqueza da Louça Regional de Barcelos, uma louça utilitária e decorativa de excelente qualidade, que confere tradição e culturalidade às iguarias gastronómicas do nosso país”.

Ainda de acordo com o Município, o principal objetivo desta exposição “é fazer com que a Louça Regional de Barcelos seja olhada, não apenas como louça utilitária, mas, fundamentalmente, como um património que se apraz salvaguardar enquanto herança cultural, testemunho de vivências e saberes coletivos”.

Imagem: AB.

Exposição “Uma Geração de Baraças ligada pelo Barro” no Museu de Olaria

Janeiro 28, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura port barcelosnahorabarcelosnahora

Abre ao público no próximo dia 03 de fevereiro a a próxima exposição temporária dedicada às famílias que produziram e produzem Figurado em Barcelos.



A geração Baraça tem início com Ana Lopes Gonçalves Valada, conhecida como Ana Baraça, cuja vida e obra foi reconhecida publicamente pelo Estado Português, a 8 de março de 1985, sendo condecorada pelo Presidente da República com o grau de Oficial da Ordem do Infante Dom Henrique.

A arte de trabalhar ao barro passou-a ao filho Fernando e à filha Rosalina. A mestria continua com os netos, primeiro Carlos, hoje com Vítor e Moisés. Dos temas tradicionais, com especial incidência no mundo rural, na religião e na festa, surgem hoje novas abordagens.

Uma geração de Baraças ligada pelo barro, com mais de uma centena de peças,  pode ser visitada no Museu de Olaria até 31 de dezembro de 2018.

Fonte e imagem: AB.

Exposição “Louças de Barcelos” na Torre Medieval

Janeiro 16, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura port barcelosnahorabarcelosnahora

A exposição “Louças de Barcelos – Uma Arte Intemporal” estará patente, entre 19 de janeiro e 4 de março, na Torre Medieval.



A mostra, organizada pela Câmara Municipal de Barcelos, reúne peças de dez oleiros e cerâmicas de Barcelos.

Esta exposição, que visa retratar o percurso das louças e da cerâmica em geral no concelho de Barcelos, tem, de acordo com o Município, “por objeto mostrar a evolução que este setor teve ao longo do tempo, tendo por base a gramática e os saberes tradicionais da olaria barcelense”.

Sendo “uma arte temporal que, elencada nos saberes tradicionais, conseguiu criar novas formas e novos contextos, que lhe proporcionaram o maior e melhor enquadramento no quotidiano e nas tendências utilitárias e decorativas da atualidade, deixando, em muitos casos, a função unicamente utilitária de outrora, bem como criando novos contextos de utilidade adaptados aos contextos utilitários da sociedade atual”, salienta ainda o Município.

Esta exposição pretende, também, mostrar a vivacidade deste setor no concelho de Barcelos e dar notoriedade aos agentes que nele laboram

Por outro lado, no âmbito da participação de Barcelos na Rede Mundial das Cidades Criativas, cria-se um ciclo de dinamização desta produção certificada e encontrar novos caminhos para a sua internacionalização e consequente procura de novos de canais de distribuição.

A exposição pode ser vista até 4 de março, todos os dias, das 9h30 às 12h30 e das 14h00 às 18h00. A entrada é livre.

Fonte e imagens: CMB.

Sábados de julho são no areal de Barcelinhos

Julho 12, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Desporto, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

A segunda jornada do “McDonald’s Barcelos Jogos do Rio” voltou a colorir, e a chamar muita gente, ao areal de Barcelinhos, em Barcelos, para esta iniciativa dos Amigos da Montanha.

Na zona de torneios, as bancadas estiveram cheias para assistir ao desempenho dos atletas, nas provas de voleibol e atletismo feminino, canoagem e futebol masculino. No programa de animação, a tarde foi, uma vez mais, bem preenchida.

O atelier de olaria, com o artesão barcelense, voltou a conquistar os mais novos e no final da tarde a montra de trabalhos, saídos das mãos dos pequenos artistas que responderam de forma entusiasta ao convite para colocar as “mãos no barro”, era digna de registo.

O areal assume-se, cada vez mais, como um espaço de confluência do lazer, do desporto, da cultura e das artes, onde a proposta dos Amigos da Montanha continua a ser a oferta de um evento diferenciador, com atividades variadas, versando diferentes temáticas.

O projeto Água Segura, e as experiências do mundo da água, continuaram com as Águas de Barcelos e no atelier do McDonald’s Barcelos as pinturas faciais fizeram as delícias de todos. Também o paintball foi uma modalidade presente, com os mais pequenos, e não só, a serem convidados a experimentar o “PaintKids”.

E o ritmo continuou “ao rubro” na aula de Spin Bike e TRX, com os instrutores Litos e Nené, enquanto as crianças enchiam as piscinas e insufláveis, passeavam no water roll e repetiam, com entusiasmo, a aventura no slide, assim como os momentos divertidos no baloiço. E no baloiçar de atividades, no rio continuaram as canoas e, em estreia, o Paddle foi a grande atração nas águas do Cávado.

Para quem ainda não teve oportunidade de usufruir de todas estas atividades, de participação gratuita, ainda poderá ir ao areal de Barcelinhos, nas tardes de 15 e 22 de julho, onde continuarão todos estes divertimentos. Para uma tarde completa de lazer com bons momentos junto ao Cávado existe ainda um bar e esplanada.

No programa de animação do próximo sábado, a Academia João Capela vai realizar um workshop de Bachata. Para além de ensinar os primeiros passos desta dança, num momento que privilegiará a interação e o divertimento, a Escola de Dança fará ainda uma exibição com os seus bailarinos.




Fonte e fotos: AM.

Música e Tradição em destaque no Conservatório de Música de Barcelos

Junho 6, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

No passado dia 31 de maio, decorreu, no Pátio Luiz Costa, do Conservatório de Música de Barcelos (CMB), mais um Concerto do Ciclo “Quartas Perfeitas”, intitulado “Música e Tradição”, e desenvolvido, desta feita, em articulação com as classes de Iniciação Musical da instituição.

CMB_quartas-perfeitas-música+tradição-2

Numa nota, enviada pelo CMB, este refere que “Foi propósito deste projeto mostrar aos mais novos a dicotomia Música e tradição – com enfoque na Música Tradicional Portuguesa, e nas tradições Barcelenses.

A Música tradicional, tendo raízes num passado longínquo, refere-se, geralmente, à música que faz parte da tradição de um povo, duma região geográfica e de um determinado contexto social. Fruto de transmissão oral, a música tradicional sofre evolução e é flexível aos contactos e influências culturais do exterior, bem como, às mudanças socioculturais e evolução civilizacional. A grande caraterística da música tradicional é a indissolução do seu contexto. Subsistindo como uma memória no seu contexto original, representa a psicologia, um modo de vida de um povo e as lembranças de um passado remoto. A música folclórica está intimamente ligada à música tradicional e, segundo alguns autores, os dois termos acabam por se confundir. A música popular é, em grande parte, influenciada pela música tradicional – mas constituem porém, géneros distintos.




Da tradição do concelho fazem parte a criação iconográfica do Galo de Barcelos e a respetiva lenda. O concelho de Barcelos é um território com uma identidade cultural e etnológica muito forte, decorrente da variedade de artes e ofícios, dos quais se destaca, pela sua importância, a olaria. Efetivamente, o trabalho no barro ganhou tal relevância ao longo dos séculos que se tornou indissociável da história, passada e presente, desta região e das suas gentes.

E se, de entre todas as artes tradicionais, a olaria tem lugar de destaque pela sua inegável ligação à terra e ao homem, a olaria de Barcelos comprova e consolida essa importância, não só pela quantidade e qualidade de peças produzidas, mas também pela importância económica e social que esta atividade sempre teve ao longo dos tempos. Foi assim que se construiu uma tradição regional, alicerçada na terra e moldada pelo talento dos homens e mulheres que lhe dão forma, tal como aconteceu ao longo deste concerto, que numa simbiose perfeita, entre as várias interpretações do repertório tradicional e a olaria, o Artesão Carlos Macedo da Eira elaborou uma bilha, simbolizando a união destas duas artes.

Carlos Macedo da Eira
Carlos Macedo da Eira

Também no Figurado, a Música, como cultura, tem um papel relevante. É tradição do figurado barcelense o retrato de manifestações musicais em festas e romarias nos coretos destinados à execução das Bandas Filarmónicas. Assim, a representação etnográfica através de coretos, músicos e seus instrumentos, reflete a tradição e prática musical de cariz popular. Estes retratos de manifestações musicais populares são muito importantes para a compreensão da vivência musical na região, bem como dos seus significados e apropriações. O Figurado, além de uma forma de expressar ao mundo o modo de pensar, sentir, viver e evoluir de uma comunidade, evidencia, ainda, a forma como os artesãos de cada época representam o quotidiano do seu tempo.

Todas estas produções marcam a identidade de um concelho com um contexto socioeconómico muito ligado à arte popular. Quando falamos de Barcelos, naturalmente o tema artesanato surge lembrando um território de homens e mulheres simples que a partir das suas mãos e imaginação criaram peças de grande valor cultural que marcaram o quotidiano de cada tempo e que hoje são marcas de identidade deste concelho.

Tradições que agora cabimentamos como arte, outrora eram a forma de sobrevivência. Um trabalho duro, feito quase sempre sem meios, sem recursos, em condições precárias e em oficinas humildes, mas com a inspiração e mestria do saber fazer que, de geração em geração, fez desta terra uma terra de artesãos.




O Artesanato e a Música Tradicional Portuguesa não podem ser olhados apenas como uma herança ou recordação do passado, mas sim como um ativo que faz parte do presente e, acima de tudo, como um vetor de identidade que deve ser transportado para o futuro como bandeira e, simultaneamente, fator de diferenciação cultural no contexto cada vez mais globalizado em que vivemos.

Como o futuro está nas crianças de hoje, este projeto, pretendeu oferecer aos mais novos, e demais público presente, a oportunidade de contactar com uma das atividades laborais predominante das nossas gentes e adquirir uma vivência musical do repertório Tradicional Nacional, num momento de fruição destas duas artes: Música e Olaria (tradição)”.

Fonte e imagens: CMB.

Ir Para Cima