Tag archive

Poesia

Será que me vês?

Julho 18, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Joana Martins

Será que me vês

Quando estou triste?

Será que me vês

Quando preciso de um abraço?

E quando me deixo levar pelo cansaço

Será que me vês?

.

Eu vejo-te em mim

Moras cá dentro

Perfumas o meu ser de alecrim

Sinto que te reencontro.

.

Será que me vês

Quando sinto saudade?

Será que sentes o mesmo?

Sinto-te tão vivo…

.

Vivo,

Pensando se sentes orgulho

De todos os meus feitos?

E no meu ser mergulho

Tentando ser melhor,

Mesmo com todos os defeitos.

.

Ser humano, é ser assim

Frágil e imponente

Saltar num trampolim

Ou andar numa corda bamba

Com receio que rebente.

.

Será que me vês?

É que eu te vejo em mim.

Vivo um dia de cada vez

Levo-te comigo até ao fim…

.

Só morres quando eu morrer…

.

Há 22 anos perdia o meu Pai…

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Theatro Gil Vicente comemora 118 anos com auto de Gil Vicente

Junho 29, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A Câmara Municipal de Barcelos apresenta, para o mês de julho, uma programação repleta de arte e talento, com entradas gratuitas. Ao longo do mês, poderá contar com momentos de cultura e lazer nas Salas do Theatro Gil Vicente bem como outros espaços.



A programação inicia no dia 5, às 21h30, com a Associação Clube Moto Galos apresentar no TGV o espetáculo de música “3º Cinemoto Barcelos”.

No dia 11, às 21h30, o Theatro Gil Vicente recebe o Memorial a Bernardete Costa com um recital de poesia autógrafa pelos alunos da Oficina de Teatro e do Clube de Leitores da Barcelos Sénior, para maiores de 3 anos.

O teatro vem ao palco, já no dia 27 de julho, às 10h30, com a peça infantil “Um Assunto Malcheiroso”, da responsabilidade do “Teatro A Quatro”, destinado a crianças dos 0 aos 5 anos.

A rubrica “Em família no TGV” reserva a tarde de domingo, dia 24, às 16h00, com a peça “Os Músicos de Bremen”, da CTB – Companhia de Teatro de Braga, para maiores de 4 anos.

No dia 31, às 21h30, dia em que se comemoram os 118 anos do Theatro Gil Vicente, o espaço vicentino recebe a peça “Auto da Barca do Inferno”, protagonizada pela CTB – Companhia de Teatro de Braga, para maiores de 12 anos.

Ainda no âmbito da programação cultural do mês de julho, a Igreja Matriz recebe, no dia 10, às 21h00, o espetáculo Rejoice (“Alegrem-se”) pelo Grupo Word and Voice de Lviv, Ucrânia.

O Ciclo Jazz ao Largo regressa a Barcelos, no dia 12, às 22h00, no Largo da Porta Nova, com o espetáculo da Orquestra de Jazz de Matosinhos, concerto incluído na programação da Feira do Livro.

No dia 19, às 22h00, o Paço dos Condes recebe o concerto “Slower Pace of Existence”, de Frederico Dinis.

O segundo semestre do ciclo de concertos Música no Salão regressa no dia 20 de julho, às 21h30, no Salão Nobre dos Paços do Concelho, com o Duo Harpa e Saxofone, com Angélica Salvi & Isabel Anjo. A entrada é livre.

Barcelos integra, pela primeira vez, o Festival Internacional Vaudeville Rendez-Vous – o mais influente festival de circo contemporâneo do país, que decorre entre 24 e 27 de julho, nas quatro cidades que formam o projeto de cooperação intermunicipal Quadrilátero.

A celebrar a sua estreia no Festival, Barcelos recebe o primeiro espetáculo desta sexta edição. “A Simple Space”, dos Gravity & Other Myths está agendado para o dia 24 de julho, às 22h00, no Largo da Porta Nova.

No dia 25 de julho, às 19h00, o Largo da Porta Nova recebe o grupo Coração nas Mãos que apresenta a sua peça “Chá das Cinco”. À 22h00, é a vez da estreia do espetáculo “Fábrica da Mentira”.

Tal como nas edições anteriores, o festival volta ainda a apostar num “Showcase”, no dia 26 de julho, às 11h00, no Theatro Gil Vicente, que permite aos criadores emergentes apresentarem os seus projetos aos programadores que marcam presença no Vaudeville Rendez-Vous.

Ainda de destacar, no âmbito das estreias nacionais, a dança acrobática “Zoog”, de Amir and Hemda, no dia 26 de julho, às 19h00, no Largo da Porta Nova, que representa o amor e o ódio numa relação, assim como a rotina e os altos e baixos de uma história íntima.

No dia 26, às 22h00, é a vez do grupo francês Cirque Exalté protagonizar o espetáculo “Furieuse Tendresse”, na Praceta Francisco Sá Carneiro.

O Vaudeville Rendez-Vous termina no dia 27 de julho, às 11h00, com as performances da companhia portuguesa Dulce Duca com a peça “Um belo dia”,  um espetáculo sem narrativa, baseado nas memórias do autor, que coloca a artista no centro do palco a representar emoções e, às 19h00, com um espetáculo que concilia dança, circo, teatro e performance, de Joan Català, de Barcelona, que apresenta, pela primeira vez em Portugal, “Pelat”, projeto que promove uma interação única com o público um espetáculo. Ambos os espetáculos decorrem no Largo da Porta Nova.

Os bilhetes para assistir aos espetáculos no Theatro podem ser adquiridos no local, ou através de reserva por e-mail (tgv@cm-barcelos.pt) ou telefone (253 809 694).

Fonte e imagem: CMB.

É acreditar…

Maio 31, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Joana Martins

É acreditar

Que o arco-íris vai brilhar

Que o sol vai pintar

Os dias de cor.

.

É acreditar

Nos sonhos cumpridos

Depois de muito lutar

Dias e dias seguidos.

.

É acreditar

Que és capaz

Mesmo cansado

Que irás deixar para trás

O que é passado.

.

É acreditar

Que o bom que foi, vai voltar

É ver bolas de sabão

E saltar em doce algodão.

.

É acreditar

Que terás tempo para ti

Que o mundo dá voltas

E sorri, sorri, sorri…

.

É acreditar

Que és forte

Que só para os que acreditam

Brota a sorte.

.

É acreditar

Em quem és

Não é ter o mundo a teus pés

É ser o mundo para alguém…

.

É acreditar

Acreditar em ti!

.

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Cerimónia final de entrega de prémios do “Falar de Água com Amor”

Maio 10, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 16 de maio, pelas 21h30, no Auditório da Biblioteca Municipal de Barcelos realiza-se a cerimónia de entrega dos prémios relativos ao concurso de poesia “Falar de Água”, organizado pela Águas de Barcelos.



Com o objetivo “de fomentar junto dos mais jovens o gosto pela escrita e pela leitura”, a Águas de Barcelos desafiou, pelo segundo ano consecutivo, os alunos do 3º e 4º ano, do Ensino Básico, a assinalarem o Dia de São Valentim com um poema “recheado de sentido”. O Concurso de Poesia sob o tema «Falar de Água com Amor» abrangeu todas as escolas públicas do 1º ciclo do ensino básico do concelho, com um total de 973 participantes.

Após seleção dos três melhores poemas de cada escola pelos respetivos professores, o júri do concurso, constituído por Bernardete Costa, Victor Pinho e José Serra, selecionou os três melhores poemas, sendo já conhecidos os vencedores: O poema “Água e Barcelos”, da autoria de Afonso Tomás P. Dias, da EB1 de Galegos (Santa Maria), é o vencedor; o segundo lugar foi atribuído a Patrícia Vieira Rodrigues, da EB1 de Pontes; e o terceiro lugar foi atribuído a Filipa Ribeiro Nibra, da EB1 de Aldreu.

O aluno vencedor irá receber um tablet de oferta, o segundo classificado receberá um MP4 e o terceiro, um MP3. À escola vencedora (do aluno vencedor) será oferecido um vídeo projetor, ou outro equipamento equiparado, que corresponda às necessidades do estabelecimento de ensino.

Serão, ainda, entregues a todos os alunos participantes no concurso um certificado de participação e uma garrafa reutilizável.

Os melhores poemas de cada escola estarão em exposição no balcão de atendimento da Águas de Barcelos entre os dias 30 de abril e 30 de junho de 2019.

Imagem: DR.

Livre

Abril 27, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Joana Martins

Corro livremente

Em campos de girassóis

Voo sem asas

Em bando com rouxinóis.

.

Danço descalça

Mergulho no som da chuva

O meu olhar alcança

O sabor de bago de uva.

.

Livre,

No pensamento.

Livre,

No ser.

Livre!

.

E o meu corpo quer descansar

Mas eu quero sair de mim

Será loucura não parar?

Será tão louco assim?

.

Não quero ficar enclausurada

Presa aos sonhos por cumprir

Sinto-me apaixonada

Por o que ainda está por vir…

.

O horizonte me abraça

As nuvens deixam o sol passar

Fazem uma aliança

Com um nó por desatar.

.

Desata o nó

Tenta fugir

Não tenhas dó

Só fica o que não tem de vir…

.

Livre

Dos medos

Das ilusões

Dos segredos

Das desilusões.

.

Deitada em lençóis de cetim

Deixo cair as armas

Da luta que travo

Para me libertar de mim.

.

Ser livre é:

Pintar o teu mundo

Vestir do ser

Do querer

E ser quem te apetecer.

.

Ser livre

É um modo meio maluco de ser…

.

Gosto muito!

E tu?

.

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Dançando…

Abril 13, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Joana Martins

Dançando com o vento

Seguindo sem pensar

Dei passos no tempo

Com a luz de um olhar…

.

Dançando me entreguei

Ao ritmo do luar

Esqueci a razão

Deixei-me levar…

.

Dançado voei

Voei, sem pensar

E sonhei, sonhei…

Com o impossível de alcançar.

.

Dançando com o horizonte

Queria lá chegar

Mas não passei a ponte

E deixei-me ficar.

.

Dançando cansei

E tive de parar

Pensei em mim

E se quero mudar?

.

Dançando, vou aprendendo

A viver dançando.

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Já se conhecem os vencedores do concurso de poesia da Águas de Barcelos

Abril 9, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

Após a análise de mais de nove centenas de poemas de alunos do 3º e 4º ano, do Ensino Básico do concelho, o Júri do concurso de poesia «Falar de Água com Amor», promovido pela Águas de Barcelos, já selecionou os trabalhos vencedores.



O poema «Água e Barcelos», da autoria de Afonso Tomás P. Dias, da EB1 de Galegos – Santa Maria é o grande vencedor. O segundo lugar foi atribuído a Patrícia Vieira Rodrigues, da EB1 de Ponte, e o terceiro lugar foi atribuído a Filipa Ribeiro Nibra, da EB1 de Aldreu. A entrega de prémios será brevemente agendada e os melhores poemas por escola serão expostos em data e local a informar em breve.

A forte adesão ao projeto trouxe a concurso poemas de alunos de todos os agrupamentos escolares do concelho e contou com o envolvimento de 42 escolas. A decisão do júri não foi fácil, pois, em avaliação, estiveram trabalhos de grande qualidade literária e reveladores do grande empenho das escolas e alunos na participação deste projeto.

Eis o poema vencedor:

“Água e Barcelos”

Há um bem preciso

Sobre o qual vamos falar

É fonte para a nossa vida

Que precisamos aprender a preservar

.

Está nos rios e nos mares

Cristalina e sem igual

Pode ser doce ou salgada

Mas sempre especial

.

Água é o seu nome

Do ambiente a brotar

Magnífico dom da Natureza

Que devemos respeitar

.

Em Barcelos ou Portugal

E no Mundo inteiro é preciso alertar

A água é presente, passado e futuro

Por isso a ordem é poupar

.

A todos sem exceção

Lançamos o alerta

É preciso respeitar a água

E gastar na dose certa

.

Na nossa escola

Temos um desejo profundo

Que juntos cuidemos do ambiente

Porque as crianças são o Mundo

.

Afonso Tomás P. Dias

EB1 Galegos – Santa Maria

O Concurso de Poesia sob o tema «Falar de Água com Amor» tinha como objetivo “fomentar, junto dos mais jovens o gosto pela escrita e pela leitura, desafiando os alunos dos agrupamentos escolares do concelho a assinalaram o Dia de São Valentim com um poema recheado de sentido”. O júri composto Bernardete Costa, Vítor Pinho e José António Serra, analisou os trabalhos com base na originalidade, criatividade, coerência e pertinência ao tema. Com ideias e vocabulários compatíveis à sua categoria, os poemas deveriam conter as palavras “Águas” e “Barcelos”.

Imagem: DR.

A Procura

Março 21, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Joana Martins

Procuro o cheiro

O abraço, o sabor

Da loucura a memória

A alegria e a cor.

.

Pinto de saudade

A alegria que vivi

E guardo a verdade

Do que nunca esqueci.

.

Escondo em mim

A resposta do que sei

Digo não, mas quero sim

Tirar do baú, o que guardei.

.

Não são diamantes

Mas têm muito valor

São sentimentos

Guardados com calor.

.

Procuro em mim

O que nunca esqueci

E sim, é verdade…

Nunca me esqueci de ti!

.

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Mais de 900 alunos do 1º Ciclo falam de “Água com Amor”

Março 19, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

Vencedores são conhecidos em breve

Depois do desafio lançado pela Águas de Barcelos, mais de nove centenas de alunos do 3º e 4º ano, do 1º Ciclo do Ensino Básico, assinalaram o Dia de São Valentim com um poema recheado de sentido. A concurso estão poemas de alunos das escolas públicas do concelho, que se encontram agora em análise por um júri composto por Bernardete Costa, Victor Pinho e José António Serra.



O entusiasmo das escolas refletiu-se numa forte adesão e satisfação, com a participação de todos os agrupamentos escolares do concelho de Barcelos, num total de 973 alunos (789 no ano letivo anterior).  Os critérios prendem-se com a originalidade, a criatividade, a coerência e a pertinência ao tema. Com ideias e vocabulários compatíveis à sua categoria, os poemas devem conter as palavras “Águas” e “Barcelos”.

Após a análise, os melhores poemas serão expostos em data a definir. Serão, ainda, atribuídos o primeiro, o segundo e terceiro prémios, sendo que o aluno vencedor receberá um tablet de oferta; o segundo classificado receberá um MP4; e o terceiro, um MP3. À escola vencedora (do aluno vencedor) será oferecido um vídeo projetor. Todos os participantes receberão diplomas de participação.

O Concurso de Poesia, sob o tema “Falar de Água com Amor”, tem como objetivo fomentar, junto dos mais jovens, o gosto pela escrita e pela leitura.

Sobre o júri, Bernardete Costa nasceu em Esposende, em 1949, tendo sido registada em Barcelos, onde residiu grande parte da sua vida. Em 1975, iniciou a carreira como docente no então ensino primário. Em 1984, muda-se para Vila Nova de Famalicão, onde se estreia na escrita jornalística e literária. O seu gosto pela escrita levou-a a publicar algumas obras literárias. Assim, em 2000, editou o primeiro livro de poemas “A Guardadora de Ausências”, com prefácio de Urbano Tavares Rodrigues. A boa receção da obra por parte da crítica, entusiasmou-a a continuar a escrever, especialmente poesia. Em 2001, publicou o segundo livro, “Lugares do Tempo” (prémio literário da Câmara Municipal de Barcelos); em 2002, “Insubmissão dos Afetos”; e, em 2004, “Cerejas aos Molhos”, poesia dedicada à infância, todos com a chancela da extinta Campo das Letras. Igualmente dedicado à infância, publicou; em 2009, o livro de contos “O Doce Canto da Sereia e Outras Histórias”. Publicou, depois, pela mão da “Atelier de letras”, o livro de Poemas para a juventude “Transpiração”, com a apresentação do jovem escritor, Valter Hugo Mãe. De novo para a infância, pela editora “Atelier de Letras”, em 2012, “A casa sol e o telhado poema”. Em 2013, agora pela mão da jovem editora Blossom Birds, apresenta novamente poesia em “Cânticos de Sedução”. Mais recente; em 2015, apresenta, de novo pela Atelier de Letras, o livro de poesia infanto/juvenil “A luz dos Animais e das Coisas”. Além destas obras, tem artigos dispersos em antologias várias e publica textos inéditos no seu blog: http://bernardetecosta.blogs.sapo.pt. Bernardete Costa retornou às origens e vive, atualmente, na avenida virada ao rio Cávado, em Esposende.



Licenciado em História pela Faculdade de Letras da Universidade do Porto, Victor Pinho possui o curso de especialização em Ciências Documentais pela mesma Universidade e é Chefe do Gabinete de Bibliotecas do Município de Barcelos. Técnico Superior do Câmara Municipal de Barcelos, dirige a Biblioteca Municipal há 33 anos, tendo proferido diversas conferências sobre Leitura Pública e História Local.  É ainda membro da Comissão de Toponímia e responsável pelo programa cultural da Feira do Livro.

Autor de diversos trabalhos de História Local, a maior parte dos quais publicados na “Barcelos Revista” e nos semanários “A Voz do Minho” e “Jornal de Barcelos”, onde tem vindo a publicar “Os Presidentes do Município de Barcelos”, desde o liberalismo até à atualidade. É ainda o Coordenador Científico dos Fascículos que este mesmo jornal está a publicar sob o tema “Concelho de Barcelos – Freguesias”. É autor do livro “Dicionário de Barcelenses”, publicado em 2017, e que foi Prémio Literário do Município de Barcelos, 2009, na modalidade de investigação. É coautor do livro “D. José Domenech: defensor do trabalho e prestante cidadão”, publicado em 1999, em que divulga a vida e obra deste industrial espanhol de serração de madeiras e que contribuiu para a fixação, em Barcelos, de muitos cidadãos espanhóis. No prelo, está o livro “Teatro Gil Vicente: um século de histórias”, que retrata a história cultural e social de Barcelos, antes e depois da fundação daquela casa de espetáculos. É membro do Rotary Clube de Barcelos, do qual foi presidente em 1998/1999 e presidente da Assembleia Geral da Tertúlia Barcelense, da qual foi presidente em 2000/2001. Foi Presidente do Definitório (Conselho Fiscal) da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos, de 2009 a 2014; da provedoria do Eng.º Mário Azevedo e do Dr. António Pedras; Presidente da Direção do IPIR – Instituto Português de Imprensa Regional, de 2002 a 2008; e Vice-Provedor da Real Irmandade do Senhor Bom Jesus da Cruz de Barcelos, de dezembro de 2003 a março de 2007, da provedoria do Dr. Vale Ferreira.

José António Serra é docente do Ensino Básico, geógrafo e urbanista, pela Universidade do Minho. Possui obras editadas, sobre o empreendedorismo da mulher, a defesa da igualdade de género. A par disso, tem incursões no mundo da poesia. De resto, um gosto que procura incutir nos seus discentes, quer na escrita criativa, quer na participação em concursos de poesia.

Em termos de jornalismo, colaborou em alguns órgãos de imprensa com o heterónimo Vítor Serra e outros. Possui inúmeros trabalhos de investigação publicados, dedicados quer a figuras locais: Garcia de Guilhade, Teotónio da Fonseca, António Ferraz, José Novais, Felgueiras Gayo, Gaspar Goes do Rego, Queirós Veloso, Pedro de Barcelos, Martins Lima, Miranda de Andrade, João Cardoso de Albuquerque, Gomes Pereira, Júlio Vieira Ramos, Jaime de Séguier, Augusto Soucasaux, Artur Roriz, Abade do Louro, Cardoso e Silva, Lapa Carneiro, Alfredo Carvalhais, João Macedo Correia, Cândido da Cunha, Gonçalves Torres, Jerónimo, Fernando Lopes entre outros; ao urbanismo; ao património paisagístico e natural; ao património arqueológico, arquitetónico, monumental e artístico; à literatura, entre outras.

Do mesmo modo, é autor de diversos artigos de opinião como cidadão do mundo. Foi vencedor do prémio literário atribuído pelo Município de Barcelos, na modalidade da investigação, ao trabalho “A Feira de Barcelos do Século XIII Até Ao Presente: evolução da fisionomia dos espaços”, em 2011.

Presentemente, trabalha no projeto “Águas, Fontes, Fontanários e Outras Tipologias”.

Imagem: DR.

Tempera o tempo

Fevereiro 16, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora
Joana Martins

Dá-lhe sabor

Dá-lhe cor

Deixa ferver

Deixa ser

Uma pitada de açúcar

Mexe sem parar

Junta-lhe água

Deixa chover

Estrelas cadentes

Rasgam o céu

Continua a mexer

Não pares no tempo

Que o tempo pare

Apenas para te lembrar

Do que valeu a pena

E deixou a saudade no ar

Mexe, mexe devagar

Um dia de cada vez

Deixa o sol aquecer

E fazer brilhar

O tempo que passou sem parar

Porque um dia vais olhar

O tempo como um conselheiro

Um professor.

E vais aprender

Que não fizeste tudo bem

Mas que falhaste no que não fizeste!

Faz!

Faz o tempo valer cada segundo.

Por: Joana Martins*.



(* A redação do poema é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

1 2 3 7
Ir Para Cima