Tag archive

Rádio Popular-Boavista

Volta a Portugal: Domingos vence etapa e fica no top-10; João “dá nas vistas”

Agosto 13, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Depois de lhe termos contado, sumariamente, o que se passou na 80º Volta a Portugal em bicicleta, vamos fazer o mesmo em relação à segunda parte desta prova.



Após o dia de descanso, a 7 de agosto, a Volta regressou à estrada, com os ciclistas a cumprirem a 6ª etapa, ligando Sernancelhe a Boticas, numa distância de 165,4km, com três metas volantes, três prémios de montanha de 3ª categoria e um de 1ª.

O grande vencedor desta etapa foi o barcelense Domingos Gonçalves (RÁDIO POPULAR-BOAVISTA), que terminou a etapa isolado, com o tempo de 4h09m09s, 20 segundos à frente do pequeno grupo, onde vinha o camisola amarela.

Por isso, Boticas ficará, certamente, na memória do ciclista barcelense pois foi nessa localidade que ele conseguiu a sua primeira – e única – vitória em etapas da Volta deste ano.

A cerca de 20km da meta, estava um pequeno grupo adiantado, onde se encontrava o camisola amarela Raúl Alarcón. Domingos Gonçalves vinha num grupo perseguidor, conjuntamente com os principais posicionados da geral. Depois da recolagem dos dois grupos, e sensivelmente a 13km da meta, o atleta barcelense arrancou, escapou e não mais foi alcançado, tendo chegado em 1º na meta de Boticas.

Em declarações à imprensa, Domingos Gonçalves referiu que “consegui atacar na altura certa e estou muito contente por ter conseguido. Foi muito complicada esta parte final”. No entanto, “consegui vencer e isso é que interessa”. O barcelense não esqueceu a equipa. “A equipa está de parabéns, trabalhámos e conseguimos”, concluiu.

O outro barcelense em prova, João Matias, da VITO | FEIRENSE | BLACKJACK, terminou em 85º, a 14m58s do seu conterrâneo.

Na classificação geral, Domingos Gonçalves subiu a 9º (era 11º), ficando a 3m47s de Alarcón. Já João Matias desceu para 59º (era 55º), ficando a 35m59s do camisola amarela.

A Volta a Portugal “deslocou-se” para estas bandas, tendo mesmo passado por Balugães. A 7ª etapa, a 9 de agosto, ligou Montalegre a Viana do Castelo (Santa Luzia), numa distância de 165,5km, com três metas volantes e um prémio de montanha de 3ª categoria.

A etapa decorreu a um ritmo frenético. Após a dificuldade de montanha, um grupo de 23 ciclistas escapou e fez “estoirar” a confusão na prova. Nesse grupo encontravam-se Domingos Gonçalves e João Matias. Depois de tudo voltar à normalidade, a cerca de 50km da meta, João Matias decidiu que esse era o momento para mostrar, novamente, a sua valia e escapa, na companhia de mais 3 ciclistas. A fuga durou até ao início da subida para Santa Luzia, tendo sido alcançada devido ao trabalho impressionante da W52-FC PORTO, que foi controlando as operações.

Enrique Sanz (EUSKADI | BASQUE COUNTRY | MURIAS) foi o vencedor ao sprint, com Domingos Gonçalves a ser 12º, com 3h45m02s, o mesmo tempo do vencedor.

João Matias, talvez devido ao esforço que despendeu para manter a fuga, tendo mesmo sido dos que mais lutou para tal, acabou por “rebentar” na subida e terminou na 92ª posição, a 8m17s do 1º.

Na classificação geral, Domingos Gonçalves mantinha a 9ª posição, a 3m47s do líder da prova, enquanto João Matias descia para 62º, a 44m16s do 1º.

O dia 10 de agosto trouxe o tão ansiado início de etapa em Barcelos, que levou os ciclistas até Braga, numa distância de 147,6km, passando por três metas volantes, dois prémios de montanha de 3ª categoria, um de 2ª e um de 4ª.

Foi mais uma etapa a “alta velocidade”. Foram formando-se grupos, com os principais candidatos a terminarem juntos e isolados, na segunda passagem pela meta, com a vitória a recair em Vicente García de Mateos (AVILUDO | LOULETANO | ULI).

Domingos Gonçalves “deu o ar de sua graça”, ao escapar na segunda subida ao Sameiro. Ultrapassou os escapados do dia, mas, com a W52-FC PORTO a “puxar” lá atrás, foi alcançado ainda longe do cimo e da contagem para o prémio de montanha. Conseguisse passar aí isolado e dificilmente o apanhariam.

João Matias descolou no início dessa subida. A prova de que o ciclista barcelense já não era um desconhecido, um “anónimo” nesta prova, foi dada aquando da sua “descolagem”, que foi logo assinalada pela transmissão televisiva. João Matias começa a cimentar o seu nome nos notáveis da Volta.

Finda a etapa, Domingos Gonçalves terminou em 19º, 3h41m29s, a 45s do vencedor. João Matias foi 46º, a 3m55s de De Mateos.

Na Geral, o primeiro manteve a 9ª posição, a 4m32s de Alarcón, enquanto o segundo subiu para 60º, a 48m11s do espanhol da W52-FC PORTO.



Chegava, então, a etapa rainha da segunda parte da Volta deste ano. Com uma distância de 155,2km, a ligar Felgueiras a Mondim de Basto (Senhora da Graça), com três metas volantes e três prémios de montanha de 1ª categoria.

O vencedor da etapa foi, novamente, Raúl Alarcón, da W52-FC PORTO, tendo cimentado a sua liderança.

Domingos Gonçalves fez uma boa subida, tendo terminado em 14º, a 1m41s do espanhol. João Matias, cujo “calcanhar de Aquiles” ainda são as subidas, terminou em 68º, a 29m14s do vencedor da tirada.

Na classificação geral, Domingos Gonçalves desceu para 10º, a 6m13s do 1º lugar, e João Matias desceu para 65º, a 1h17m25s.

Finalmente, a última etapa. Um contrarrelógio individual, em Fafe, com a distância de 17,3km. O vencedor foi, de novo, Vicente García de Mateos mas Raúl Alarcón (3º na etapa) foi o vencedor, pelas segunda vez consecutiva, da Volta a Portugal em bicicleta, com a sua equipa – a W52-FC PORTO – a ultrapassar in extremis a do SPORTING-TAVIRA e a sagrar-se, novamente, vencedor da geral coletiva.

Domingos Gonçalves fez o 8º tempo, a 57s do vencedor; João Matias faz 28º, a 2m18s do 1º.

O ciclista da RÁDIO POPULAR-BOAVISTA termina num ótimo 9º lugar, dentro do top-10 e a 6m36s de Alarcón, enquanto do da VITO-FEIRENSE-BLACKJACK termina em 63º, a 1h19m09s do vencedor.

Fotos: PODIUM/Paulo Maria.

 

Barcelense Domingos Gonçalves conquista 6ª etapa da Volta a Portugal

Agosto 8, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Boticas ficará, certamente, na memória do ciclista barcelense Domingos Gonçalves, formado na ACR Roriz, pois foi nessa localidade que hoje, 8 de agosto de 2018, o atleta da RÁDIO POPULAR | BOAVISTA conseguiu conquistar pela primeira vez uma etapa desta 80ª Volta a Portugal em bicicleta.



Ligando Sernancelhe a Boticas, com 165,4km, esta foi uma etapa muito dura, com três prémios de montanha de 3ª categoria e um de 1ª. A cerca de 20km estava um pequeno grupo adiantado, onde se encontrava o camisola amarela Raúl Alarcón. Domingos Gonçalves vinha num grupo perseguidor, conjuntamente com os principais posicionados da geral.

Depois da recolagem dos dois grupos, e sensivelmente a 13km da meta, o atleta barcelense arrancou, escapou e não mais foi alcançado, tendo chegado em 1º na meta de Boticas.

Em declarações à imprensa, Domingos Gonçalves referiu que “consegui atacar na altura certa e estou muito contente por ter conseguido. Foi muito complicada esta parte final”. No entanto, “consegui vencer e isso é que interessa”. O barcelense não esqueceu a equipa. “A equipa está de parabéns, trabalhámos e conseguimos”, concluiu.

Foto: DR.

Volta a Portugal: Domingos e João com momentos de destaque

Agosto 7, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Iniciou no passado dia 1 de agosto mais uma edição da Volta a Portugal em bicicleta, no caso, a 80ª edição da competição maior do ciclismo nacional. São 19 equipas e 133 ciclistas que disputam até dia 12 as 10 etapas e o prólogo.



Como hoje é o “dia de descanso” desta Volta, fazemos aqui um pequeno resumo do trajeto dos dois ciclistas barcelenses presentes: Domingos Gonçalves e João Matias.

O primeiro, atual campeão nacional de estrada e de contrarrelógio, participa integrado na equipa RÁDIO POPULAR | BOAVISTA, conjuntamente com Daniel Silva, David Rodrigues, Luís Gomes, Óscar Pelegrí, Filipe Cardoso e João Benta.

Já João Matias integra a VITO | FEIRENSE | BLACKJACK conjuntamente com Edgar Pinto, Hugo Sancho, Luís Afonso, Ricardo Vale, Soufiane Haddi e Xuban Errazkin.

O primeiro dia de prova trouxe-nos o prólogo inicial em Setúbal, com uma distância de 1,8km que mal dava para “aquecer os motores” destas “máquinas” ciclísticas.

Domingos Gonçalves conseguiu a 5ª posição, com 2m22s, ficando a 4s do vencedor, Rafael Reis, da CAJA RURAL | SEGUROS RGA. Por coincidência, João Matias “rulou” ao nível do seu conterrâneo, conseguindo a 8ª posição, exatamente com o mesmo tempo que este.

A 1ª etapa ligou Alcácer do Sal a Albufeira, numa distância de 191,8km, com 3 metas volantes e 3 prémios de montanha de 4ª categoria. O calor foi o “inimigo” destes atletas – levando, por exemplo, ao abandono de Joaquim Silva (CAJA RURAL), devido a um golpe de calor –, que chegaram à turística Albufeira em pelotão, com chegada ao sprint. O vencedor foi o italiano Riccardo Stacchiotti, da MSTINA FOCUS. João Matias conseguiu a 8ª posição – curiosamente a mesma do prólogo – com o mesmo tempo do vencedor: 5h14m43s. Domingos Gonçalves, porque chegou integrado no pelotão, terminou em 18º, mas também com o mesmo tempo do vencedor. Na classificação geral, Domingos Gonçalves ficava em 4º e João Matias em 6º, ambos a 4 segundos do camisola amarela, Rafael Reis.

O calor tornou a ser o “companheiro indesejado” na aventura alentejana da Volta, com a 2ª etapa a ligar Beja a Portalegre, numa distância de 203,6km, com 3 metas volantes.

Domingos Gonçalves foi protagonista de um momento caricato, quando a cerca de 20km da meta é vítima de um furo. O seu carro de assistência passa por ele nesse preciso momento, mas não se apercebe da sua paragem, de nada valendo a intercomunicação entre ciclista e carro. Felizmente, num gesto de fair-play, o carro da VITO-FEIRENSE apercebeu-se do “desespero” do barcelense – que já tinha pontapeado a roda com o pneu furado –, parou e cedeu uma das suas rodas de trás. Claro que este percalço fez com que Domingos Gonçalves tivesse que despender mais energia para se recolocar no pelotão, sendo que no final, isso não se iria notar.

Depois, chegou mais um momento caricato desta etapa. Após o final da mesma, o ciclista da RÁDIO POPULAR-BOAVISTA terminou em 9º, integrado no sprint final, vencido pelo espanhol Vicente García de Mateos (AVILUDO | LOULETANO | ULI), com o tempo de 5h47m25s – o mesmo do vencedor. Este resultado colocava Domingos Gonçalves como líder da prova e com a camisola amarela porque Rafael Reis viu-se envolvido numa queda coletiva, a cerca de 500 metros da meta, tendo chegado depois do primeiro grupo a terminar. No entanto, o colégio de comissários decidiu que a queda teria ocorrido dentro da chamada “zona de proteção”, recolocando os ciclistas vítimas dessa queda com o mesmo tempo do grupo que finalizou antes, ou seja, com o mesmo tempo do atleta de Barcelos. Dessa forma, Rafael Reis mantinha a amarela por 4 segundos.



Esta foi, também, uma etapa que não correu bem a João Matias, que terminou em 103º, com 5h51m08s, a 3m43s do vencedor. Na geral, Domingos Gonçalves mantinha a 4ª posição enquanto João Matias descia para a 96ª, a 3m47s do camisola amarela.

Na 3ª etapa, o pelotão ligou Sertã a Oliveira do Hospital, em 177,8km de estradas. A etapa teve, para além do muito calor, 3 metas volantes, 2 prémios de montanha de 4ª categoria, 2 de 3ª e 1 de 2ª. Aliás, o calor foi tal que a organização da prova decidiu encurtar a etapa seguinte, a etapa rainha.

Desta feita, o vencedor isolado foi o espanhol Raúl Alarcón, da W52-FC PORTO, vencedor da Volta do ano passado. Domingos Gonçalves chegou nos primeiros lugares (9º), “puxando” mesmo pelo sprint final desse grupo, terminando a 1m05s do vencedor e novo camisola amarela.

João Matias, que dentro dos últimos 20km de prova tinha uma “claque” de apoio, com direito a tarja e enfoque da transmissão televisiva, via helicóptero, terminou em 22º, integrado no pelotão, tal como o seu conterrâneo, ficando, assim, igualmente a 1m05s do vencedor.

Como referido, a organização da prova decidiu encurtar a 4ª etapa em 27km, não passando pela Torre e terminando nas Penhas da Saúde (Covilhã). A etapa ligou a Guarda à Covilhã, numa distância de 144,3km, com 3 metas volantes, 1 prémio de montanha de categoria especial, 1 de 1ª e 1 de 3ª.

O vencedor tornou a ser Raúl Alarcón, com Domingos Gonçalves a chegar em 11º, a 3m07s do vencedor. Já João Matias, que rolou perto de Belmonte, terra de seu pai, António Matias, terminou na 72ª posição, a 20m30s do vencedor.

Na geral individual, Domingos Gonçalves ficava em 11º, a 4m07s de Alarcón, e João Matias colocava-se em 55º, a 21m30s do camisola amarela.

Ontem, 6 de agosto, decorreu a 5ª etapa, que ligou Sabugal a Viseu, numa distância de 191,7km, com 3 metas volantes e 2 prémios de montanha de 3ª categoria.

A chegada foi ao sprint, em pelotão, com a vitória a sorrir, novamente, ao italiano Riccardo Stacchiotti (MSTINA FOCUS). Desta feita, João Matias esteve em destaque, lutando até ao final pela vitória, conseguindo um grande 3º lugar, com o mesmo tempo do vencedor.

Como a chegada foi em pelotão, Domingos Gonçalves também terminou com o mesmo tempo, mas em 37º. Ele que ainda apareceu pela frente da corrida já no último quilómetro.

Esta etapa ficou marcada pelo violento acidente de Rui Vinhas (W52-FC PORTO), que foi aconselhado a desistir pelos médicos, não o tendo feito e terminando estoicamente a etapa ainda dentro do controlo. De louvar, não só Rui Vinhas, mas todos os atletas deste desporto que é bem duro.

Na geral, Domingos Gonçalves manteve o 11º, agora com 24h55m46s, a 4m07s de Raúl Alarcón. Já João Matias manteve o 55º, agora com 25h13m09s, a 21m30s do líder.

Hoje foi dia de descanso e a próxima etapa, amanhã, liga Sernancelhe a Boticas, numa distância de 165,4km.

Fotos: PODIUM/Paulo Maria.

Barcelense Domingos Gonçalves conquista 22ª Clássica da Primavera

Março 4, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Ao final de 3h37m18s, o barcelense Domingos Gonçalves, da Rádio Popular-Boavista, conquistou a 22ª Clássica da Primavera, chegando à frente do pelotão, na Póvoa de Varzim, numa corrida marcada pela muita chuva, vento e mau tempo.



Já conhecido pelas suas capacidades de corredor de clássicas, Domingos Gonçalves conseguiu surpreender os velocistas, que esperavam conseguir a vitória ao sprint. No entanto, o plano saiu-lhes “furado”, com o ciclista barcelense a deixar em 2º lugar Samuel Caldeira, da W52-FC Porto, e Rafael Silva, da Efapel.

A corrida teve animação através de nove corredores que, em grupo, andou adiantado quase toda a prova. Desses, sete ainda entraram na última volta (foram sete) ao circuito poveiro na frente da corrida, com cerca de um minuto de vantagem sobre o pelotão.

As equipas que tinham interesse numa chegada ao sprint criaram o habitual “comboio” e aumentaram o ritmo da corrida e conseguiram recolar o pelotão aos da frente. Quando se esperava que os sprinters brilhassem, eis que Domingos Gonçalves surpreendeu tudo e todos e terminou em primeiro lugar, de braços bem erguidos.

Eis os dez primeiros da tabela classificativa:

Póvoa de Varzim – Póvoa de Varzim, 145,2 km

1.º Domingos Gonçalves (Rádio Popular-Boavista), 3h37m18s
2.º Samuel Caldeira (W52-FC Porto), a 2s
3.º Rafael Silva (Efapel), mt
4.º Daniel Freitas (W52-FC Porto), mt
5.º Alejandro Marque (Sporting-Tavira), mt
6.º Daniel Mestre (Efapel), mt
7.º Óscar Hernández (Aviludo-Louletano-Uli), mt
8.º Edgar Pinto (Vito-Feirense-BlackJack), mt
9.º Aleksandr Grigorev (Sporting-Tavira), mt
10.º Ángel Sánchez (W52-FC Porto), mt .

Foto: UVP-FPC.

Os barcelenses na Volta, por Hélder Braga (II)

Agosto 17, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Viseu acolheu, na passada terça-feira, a etapa final da 72ª edição da Volta a Portugal em Bicicleta, onde se realizou um contrarrelógio individual, com 20 km de extensão, que pouco ou nada veio acrescentar à classificação final dos três barcelenses em prova.



De facto, todas as atenções estiveram na etapa anterior, dita “rainha”, que ligava as cidades de Lousã à Guarda, numa extensão de 184 km, e que destronou o, até então “Rei da Montanha”, João Matias (LA METALUSA BLACKJACK). Na verdade, o João Matias teve uma estreia de sonho nos 90 anos da Volta a Portugal, ao vestir a Camisola Azul, símbolo do líder dos trepadores, durante 6 dias seguidos. Foi na terceira etapa que o João assumiu a liderança desta classificação, num dia que ficou marcado pela queda do seu “Chefe de Fila”, Edgar Pinto, já nos quilómetros finais em Bragança. Com este desfecho, a camisola da Montanha passou a ser um dos objetivos para a LA METALUSA BLACKJACK, dando” liberdade” ao João para continuar a conquistar os pontos necessários, na verdade com bastante mestria, para, dia após dia, alegrar os barcelenses ao apresentar-se no pódio final.

O final deste “sonho” acabaria por chegar na 9ª etapa durante a subida à Torre, onde a fortíssima formação da W52-FC PORTO, através do Amaro Antunes, Ricardo Mestre e do Camisola Amarela, Raúl Alarcón, dizimou praticamente todo pelotão, sentenciando, assim, as aspirações do João. Ao vencer as 4 contagens de montanha que faltavam, o Amaro Antunes conquistou, dessa forma, a respetiva camisola Azul.

Fica o brilhantismo e a maturidade com que o João se apresentou ao longo dos 11 dias de competição, dignificando a sua equipa, os seus amigos, seguidores e todos os barcelenses.

Também em destaque, mas com menos “liberdade” nas suas equipas, estiveram o Domingos Gonçalves (RP-BOAVISTA) e o Hélder Ferreira (LOULETANO-HOSPITAL DE LOULÉ).

O Ciclismo, apesar de ser um desporto individual, pois todos os ciclistas são classificados individualmente, tem pouco de individual. Na realidade, nestas competições, o coletivo tem um papel primordial na execução de tarefas e de estratégias com vista ao resultado final de um ou outro atleta. É neste contexto que falo do Domingos (31º classificado) e do Hélder (59º classificado), pois ao analisarmos as suas classificações finais, podemos ser induzidos em erro quanto ao verdadeiro “valor” de cada atleta. De facto, ambos estiveram presentes, com bastante veemência, no “trabalho de equipa”, sacrificando-se em prol dos seus líderes.

Na minha opinião, tivemos o Hélder Ferreira ao seu melhor nível, como já nos habitou no passado, principalmente na etapa da Senhora da Graça, etapa esta onde ficava bem à organização ter-lhe atribuído o ”prémio da combatividade”, depois de ter estado na fuga do dia, colaborado e ser o último atleta a ser alcançado pelo fortíssimo “TGV” da equipa W52-FC PORTO, já nos 3 km finais do Monte Farinha. No final, todo trabalho e sacrifício do Hélder foi recompensado com a conquista da Camisola Verde (classificação dos Pontos) pelo líder da sua equipa, o espanhol Vicente de Mateos.

Quanto ao Domingos Gonçalves, teve uma entrada quase perfeita nesta volta, ao ser segundo classificado, a escassos dois segundos do gaulês Damian Gaudin (ARMÉE DE TERRE), no prólogo inaugural de Lisboa. A partir desse momento, esteve muito ativo no pelotão e na estratégia da equipa, aparecendo em alguns momentos cruciais da Volta junto dos principais atletas do pelotão nacional. Na minha opinião, um dos atletas em melhor forma ao longo do ano, com vários resultados de destaque obtidos, entre os quais o título de Campeão Nacional de Contrarrelógio Individual, o que nos fazia sonhar para a etapa final de Viseu…

Em jeito de síntese, é com muito gosto e orgulho que vejo estes três jovens barcelenses, que deram as suas primeiras pedaladas na Escola de Ciclismo da ACR RORIZ, a dar espetáculo e a abrilhantar esta Volta a Portugal, “Volta do Povo” ou “Grandíssima”, como lhe prefiram chamar, que é apenas e só, um dos maiores eventos desportivos do país, mas que tem perdido competitividade nos últimos anos, ao não conseguir atrair as principais formações dos escalões superiores do ciclismo internacional.

Por: Hélder Braga.

Fotos: DR.

Ciclista barcelense Domingos Gonçalves é campeão nacional de contrarrelógio

Junho 23, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O barcelense Domingos Gonçalves, ciclista da equipa Radio Popular-Boavista, sagrou-se, hoje, campeão nacional de contrarrelógio, na categoria de elite.

O corredor de Roriz, irmão gémeo de José Gonçalves, que também teve uma grande vitória no último domingo, surpreendeu a concorrência, numa prova onde regressou após dois, quando terminou no 12º lugar, terminando os 33,9km em 42m19s. O contrarrelógio disputou-se em Santa Maria da Feira.

Domingos Gonçalves deixou em 2º lugar Rafael Reis, da Caja Rural-Seguros RGA, a 5s, e em 3º, Sérgio Paulinho, da Efapel, a 20s.




Já outro barcelense, João Matias (LA Alumínios-Metalusa), terminou dentro do top 10, num muito bom 8º lugar, com 44m14s.

Foto: Facebook de DG.

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima