Tag archive

Sopro

SOPRO faz angariação de Material Escolar para crianças necessitadas

Setembro 7, 2018 em Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A SOPRO estará amanhã, dia 8 de setembro, entre as 9h00 e as 20h00, no E. Leclerc de Barcelos a fazer a Campanha de Recolha de Material Escolar, a favor das crianças carenciadas.



Com esta campanha, a SOPRO está a angariar mochilas, cadernos, blocos de desenho, marcadores, lápis de cor, canetas, porta lápis, borrachas, afias, cola, tesouras, esquadros, réguas e outro material que possa der doado.

As pessoas que não tiverem a oportunidade de doar nesta Campanha podem passar na Casa da SOPRO, na Travessa de Santo António nº 236, em Barcelinhos, ao lado do Colégio La Salle e doar livros, material e manuais escolares em bom estado de conservação que serão entregues em Barcelos para as crianças mais desfavorecidas e/ou serão também enviados para Moçambique, para a Escola João XXIII, para os 150 alunos apadrinhados pela SOPRO.

Todas as informações podem ser encontradas no site da SOPRO, em www.sopro.org.pt (basta clicar no link para aceder diretamente) ou pode contatar pelo 253 837 259 ou 965 659 916.

Imagem: SOPRO.

SOPRO procura voluntários para a Letónia e Itália

Agosto 25, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A SOPRO está à procura de dois jovens voluntários, com idades entre os 18 e os 30 anos, para realizarem voluntariado. Um para a Letónia, durante 5 meses, e outro para Itália, para um projeto de 10 meses.



Estes projetos são totalmente financiados pelo Programa Erasmus+, que garante aos jovens

uma viagem de ida e volta, alojamento, alimentação, dinheiro de bolso e o certificado YouthPass, reconhecido pela União Europeia.

Pode encontrar todas as informações no site da SOPRO (www.sopro.org.pt) ou pode contactar pelo 253 837 259 ou 965 659 916.

Imagem: SOPRO.

SOPRO disponibiliza para todos o Banco de Manuais e Material Escolar

Agosto 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No Banco de Manuais Escolares, qualquer pessoa pode fazer a troca de manuais escolares de forma gratuita, independentemente de ter escalão escolar ou não, ou de receber qualquer subsídio.



Está disponível a todos, do 5º ao 12º ano. Para que o Banco de Manuais Escolares possa funcionar é importante que as pessoas doem os seus manuais escolares. Os manuais que estiverem de acordo com as regras das Escolas, serão disponibilizados para troca. Os manuais que sejam relativamente recentes e que já não possam ser utilizados em Portugal, serão enviados para a Beira, em Moçambique, para a Escola João XXIII e Centro Assistencial de La Salle.

Os manuais mais antigos que não possam ser utlizados serão enviados para a reciclagem e os fundos angariados serão para comprar material para incluir no kit de material escolar.

As famílias carenciadas podem candidatar-se ao kit de material escolar do Banco de Material Escolar. Para isso, devem levar a cópia de todos os documentos, como despesas mensais, renda de casa e outros documentos que possam ser importantes para o processo. Em setembro, após a aprovação do processo, o aluno receberá um kit com diverso material escolar de acordo com o ano em que se encontra.

Em caso de dúvida, pode contatar a SOPRO pelos números 253 837 259 ou 965 659 916.

Imagem: SOPRO.

SOPRO muda-se para a Casa da SOPRO

Agosto 3, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A SOPRO tem um novo espaço onde sediará as suas valências. Trata-se da Casa da SOPRO, que está localizada junto ao Colégio La Salle, na Travessa de Santo António, nº236, em Barcelinhos.



A nova Casa da SOPRO foi um projeto que demorou um ano a restaurar, pois o edifício estava em avançado estado de degradação.

A partir de 6 de agosto, a Casa da SOPRO terá as mesmas valências, como o Gabinete de Apoio à Vítima de Violência Doméstica, o Banco de Material Escolar e Voluntariado.

Em caso de dúvida pode contatar a ONGD pelos números 253 839 259 ou 965 659 916.

Imagem: SOPRO.

Sobre a mobilidade internacional

Julho 25, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora

A União Europeia (UE) nasceu no dia 25 de março 1957, com o nome de Comunidade Económica Europeia (CEE), por um projeto dos líderes europeus, que esperavam criar um contexto de paz e compreensão no território após as grandes guerras da primeira metade do século XX.

Desde aí, esta instituição cresceu e o seu âmbito de ação já inclui muitos contextos diferentes: âmbito da economia e da política monetária; relações internacionais com outros países e entidades; política agrícola; proteção dos direitos humanos; proteção do meio ambiente; educação; cooperação; proteção civil; cultura; saúde humana e social…e muito mais!



Na União Europeia, cada cidadão faz parte de uma comunidade enorme, tem direitos e obrigações e dispõe de possibilidades irrepetíveis. É por isso que as instituições da UE trabalham para a chamada integração europeia, que quer criar uma comunidade de cidadãos conscientes e informados, que se sintam representados pelos princípios dessa entidade.

É assim que a UE oferece tantas oportunidades aos jovens, que são o futuro da comunidade europeia e mundial, aqueles que determinarão a paz e a guerra, o meio ambiente saudável ou poluído, os direitos para todos ou para poucos. Conhecermo-nos um com o outro, ver outras culturas, outras sociedades e aprendê-las, percebê-las…É essa a estrada para um futuro melhor.

Portanto, a União Europeia criou projetos de intercâmbio para jovens e educadores, como o Erasmus, o SVE, o Erasmus Traineeship, o European Solidarity Corps e muitos mais. Existem entidades com função de Eurodesk (como a SOPRO), que podem reunir todas as informações necessárias sobre as possibilidades de mobilidade para jovens. Recomendamos consultar o site www.eurodesk.eu para mais informações e acompanhar as últimas notícias em tema de mobilidade internacional.

Há alguns aspetos a considerar para entender a importância e os benefícios de participar nestes projetos. Além das questões teóricas a aprender nos manuais, digamos, é essencial perceber que há outra maneira de chegar à igualdade, ao pluralismo, à não discriminação, ao respeito, que é a aprendizagem não-formal e informal. Resumido, simplesmente, na fórmula “aprender fazendo”. Por isso, não é preciso livros nem teorias, cada indivíduo terá o seu livro a preencher, a tirar ou acrescentar palavras, a pôr um ponto ou mudar de linha, aliás o seu olhar, o seu ouvido, pois serão as suas teorias.

A componente que não deve faltar nesse processo natural é a comunicação e mesmo uma comunicação clara e certa, até porque já sabemos que os mal-entendidos existem também entre pessoas falantes da mesma língua! E no sentido de língua como meio de comunicação, dentro de um contexto internacional, ter apenas uma língua veícular é extraordinário! Apesar de ter sido escolhido o inglês para assumir este papel (não o italiano, português, espanhol, francês, alemão, etc, etc), temos sorte por ser uma língua bastante fácil e acessível a todos: basta pensar nos filmes e cursos disponíveis on-line, a possibilidade de estudá-lo na escola ou de fazer uma troca das línguas com falantes nativos. Logo, tudo torna-se mais fácil, de perceber e integrar-se num país, sentir-se em casa, fazer a sua própria vivência, conhecer mais pessoas, partilhar a própria cultura.

Não será isso uma das coisas que nos faz sentir melhor: compreender e ser compreendido? Sejamos sinceros!

Por: Anete Tambaka, Laura Truffarelli e Gabriella Riglia*.

(Voluntárias do Serviço Voluntário Europeu em ação no Colégio La Salle e na SOPRO)

* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade das autoras.

Banco de Material Escolar da SOPRO está aberto a doações

Julho 14, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

O Banco de Material Escolar (BME) da SOPRO já iniciou a preparação do novo ano letivo (2018/2019).



O BME tem como principal objetivo apoiar o acesso à escolaridade. Assim, o projeto está orientado para a recolha de manuais e materiais escolares e encaminhamento dos mesmos para crianças, jovens e famílias devidamente sinalizadas. Este apoio pretende abranger as famílias mais desfavorecidas e, também, prevenir situações de abandono escolar, visto muitas dessas famílias terem dificuldade em manter as crianças devido às suas enormes carências.

Para o desenvolvimento deste projeto, a SOPRO precisa da colaboração de todos. Para isso, basta doar manuais em vigor e/ou material escolar (novo ou usado) ao Banco de Material Escolar.

para mais e melhores informações, pode contactar a Coordenadora do Projeto, Joana Miranda, através do contacto telefónico 96 565 9916 ou do e-mail geral@sopro.org.pt. Pode, igualmente, consultar as páginas da SOPRO na Internet e na rede social Facebook (basta clicar nos links para aceder automaticamente): https://www.facebook.com/soproongd/ e http://www.sopro.org.pt/.

Imagem: SOPRO.

Caminhada solidária em Pereira

Julho 12, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo domingo, dia 15 de julho, realiza-se uma caminhada solidária, organizada pela ACULDEPE – Associação Cultural e Desportiva de Pereira.



Esta caminhada tem fins solidários, com uma parte do valor de inscrição a rever para a SOPRO – Solidariedade e Promoção. Os valores de inscrição constam da imagem de destaque e cada inscrição dá direito a uma t-shirt e água.

A concentração realiza-se pelas 9h00, na sede da Junta de Freguesia de Pereira.

Para mais informações e inscrições, pode utilizar os contactos telefónicos 93 892 0516 (Joaquim Guimarães) e/ou 91 663 4296 (José Gonçalves).

Imagem: ACULDEPE.

Projeto CHEGA promove ação de sensibilização contra a violência no namoro e/ou de género

Junho 28, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 10 de julho, entre as 9h00 e as 12h00, no Colégio La Salle, em Barcelos, o projeto CHEGA promove uma Ação de Sensibilização para Agentes Educativos no domínio da Violência no Namoro/Género.



Esta ação tem como população alvo professores, pessoal não docente, técnicos de instituições, entre outros profissionais interessados na temática, tendo como objetivo “facilitar a consciencialização e a sensibilização relativamente à violência de género/namoro e promover uma melhor compreensão do fenómeno, das dinâmicas e processos associados, dotando os agentes educativos de diferentes formas e estratégias de intervenção junto dos jovens, assumindo-se como um elemento pertinente na capacitação destes, salientando as estratégias de perceção, aquisição e desenvolvimento de competências de despistagem e atuação perante situações de violência no namoro por parte dos jovens”, refere o projeto em nota.

Apesar de se tratar de uma ação gratuita é necessária a realização de inscrição prévia para assegurar a vaga neste evento. As inscrições podem ser realizadas através do seguinte link (basta clicar para aceder automaticamente): https://goo.gl/forms/BzR2Ueidztrrl2g13.

Para mais informações, pode, igualmente, consultar www.chega.sopro.org.pt ou enviar e-mail para chega@sopro.org.pt. Ainda pode consultar a página do projeto no Facebook, em www.facebook.com/projetochega ou usar os contactos 96 366 7175 / 253 837 259.

Fonte e imagem: CHEGA.

Barcelos na visão de três voluntárias

Junho 27, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo, Opinião port barcelosnahorabarcelosnahora

Já há muitos meses que moramos aqui, na linda “cidadezinha” de Barcelos. Observamos muitas coisas: as pessoas, a vida urbana, a cultura, os hábitos populares…Eis aqui a nossa opinião sobre algumas características dos barcelenses!



Anete: Todas as vezes que vejo os pares idosos dançar no centro de Barcelos, isso faz-me sorrir e dá-me a sensação que o amor está no ar. Estava à espera de que também os jovens fossem dançar ativamente aos bares, à noite. Mas quando fomos ao Concilium Bar, onde o DJ toca boa música, o local estava cheio de gente e todos estavam de pé, parados, na frente do DJ! Só umas mulheres estavam mover-se um bocado! Eu senti-me como um extraterrestre numa floresta cheia de “homens-árvores”, que não se podiam mover! Por que não dançam?! Por que não se sentem livres de se expressar?! Esta é um síndrome da cidade pequena, onde todos se conhecem e ninguém quer parecer estúpido à frente dos outros? É muito comum, em todos os lados, que os homens sejam mais tímidos para dançar. Ou estarão eles a guardar as energias para o próximo festival ou celebração? Os Portugueses celebram muito aqui! E aquilo de ficar lá parados e mover os olhos já é muito! Só encontrei um rapaz que dançava breakdance e fez uma “batalha de dança” comigo. Eu, pessoalmente, prefiro cooperar com as pessoas que estão a dançar, não fazer uma competição. É tão lindo quando estamos a gostar da música e do movimento do nosso corpo à nossa maneira pessoal.

Apesar disso, os pares idosos inspiram-me muito. Podemos aprender muito com eles. Aquela é a maneira linda de se conhecer um ao outro. Eu vi, também, que os Portugueses expressam-se mesmo através das palavras. Às vezes, falamos muito mas dizemos muito pouco. Um toque pequeno pode ser tudo o que precisamos para demonstrar o que queremos dos outros e resolver os problemas no ar. Com uma dança, articulamos muito mais sentimentos do que o que pode ser colocado em palavras.

Tenho um projeto na cabeça, onde um par, que dançou uma dança de casamento na cerimónia do seu casamento, vai partilhar as suas memórias daquela dança numa entrevista e vai tentar recriá-la uma vez mais. Melhor cenário possível: o par vai poder ser documentado enquanto dançar uma vez por ano.

Se é par casado e gostaria de dançar a vossa dança de casamento, uma vez mais, não perca esta oportunidade e contactem-me pelo e-mail: anete.tambaka@gmail.com.

Gabriella: Até os 19 anos de idade, vivi na minha pequena comuna. Chama-se Monasterace, no sul de Itália, e logo mudei-me para Roma, com uma pausa de 3 meses em Barcelona, e agora estou Barcelos, desde de outubro passado. Depois de tantos anos numa grande cidade, a primeira reflexão que tive foi: “Então, tenho demasiado tempo livre e não estou acostumada. E agora, como é que vou lidar com isso?” Depois, passo a passo, tudo começou a tomar forma. A cidade acabou por ser familiar ao meu olhar, até sentir-me em casa. O tempo é todo necessário, não sobra! É para aprofundar o conhecimento de mim mesma, até fazê-lo devagar, com o meu tempo. Isso é algo que nunca tinha feito, por causa do ritmo rápido da grande cidade, onde, sem querer, acabei por ser contagiada. E, da mesma forma, uma vida mais calma foi essencial para entrar em contacto com Barcelos, a sua gente, as atividades que oferece.

Há uma coisa que sempre adorei: o rio! Acho que é uma das coisas mais lindas e positivas de Barcelos! É um lugar íntimo, calmo, de extrema beleza, um lugar mágico, natural! Aliás, é o lugar perfeito para fugir da cidade e, ao mesmo tempo, ficar e conetar-se a ela. Para já, obrigada Barcelos!

Laura: Quando cheguei a Barcelos, estava cansada das grandes cidades e feliz por morar numa cidade pequena, mas ainda bastante perto de uma linda cidade como o Porto. Morar numa grande cidade, como Milão ou Roma, significa que sair do ponto A e chegar ao ponto B vai demorar, no mínimo, uma meia hora. Significa que as pessoas ao teu redor andam depressa e têm tantas coisas na cabeça, que ser simpático com quem está à beira deles é ainda mais um esforço no dia. Para não falar dos preços das coisas da vida quotidiana.

Em Barcelos, tudo me parece fácil: a cidade é pequena, limpa e linda; posso chegar a qualquer lugar em pouco tempo; encontrei atividades que adoro e consigo fazer, a um preço normal; e consigo, facilmente, decidir o que fazer à noite, porque não há muitas opções entre as quais escolher…

…E é aqui que o sonho da cidade pequenina começa a ser um bocado menos sonho. Eventos culturais e concertos há, mas não acontecem todos os dias. Sem carro, ver um filme no cinema fica um “bocado impossível”. E, a coisa pior, ser vegetariana numa cidade que tem uma cultura culinária muito “carnívora”, não é nada de fácil!

Realmente, ser vegetariana em Portugal não é nada fácil: cada vez que pedes para comer algo sem carne, a maioria das pessoas olha para ti como se fosses uma pessoa “meia louca”, que não tem a consciência das coisas boas da vida. Mas, pelo menos, há restaurantes vegetarianos e vegan em muitas cidades! A opção vegetariana “tristinha” que têm muitos restaurantes aqui em Barcelos não nos dá muita variedade entre a qual escolher! E quando vais a um bar ou ao padeiro, nunca encontras uma “coisinha” salgada que não tem carne, nem peixe (se não queres mais um pão com queijo, que é muito bom mas, depois de um certo tempo, já chega)!

Portanto, querida Barcelos, abre um restaurante vegetariano para todos os turistas e voluntários “meio loucos” que vêm visitar-te!

Por: Anete Tambaka, Laura Truffarelli e Gabriella Riglia*.

(Voluntárias do Serviço Voluntário Europeu em ação no Colégio La Salle e na SOPRO)

* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade das autoras

SOPRO apela aos Padrinhos e Madrinhas para escreverem cartas para Afilhados de Moçambique

Maio 31, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Em nota, a SOPRO apela a todos os Padrinhos e todas as Madrinhas com Afilhados/as da SOPRO em Moçambique que escrevam a sua carta para o seu Afilhado/a até 14 de junho. A correspondência vai ser entregue aos Afilhados/as pelos/as voluntários/as que vão partir em missão no mês de julho.



A SOPRO solicita a todos os Padrinhos/Madrinhas que tenham em conta as seguintes regras para redigir as cartas aos seus Afilhados/as, tornando o processo justo e igualitário para todos/as.

1.Correspondência:

– A carta não pode ultrapassar mais do que 1 folha em tamanho A4; Caso o tamanho da carta exceda o previsto, talvez não seja possível o envio;

– Não podem fornecer contactos, nem fazer promessas;

– Não devem enviar outro tipo de documentos ou ofertas;

2.Prazos e Envios

– Devem enviar a correspondência para a SOPRO até ao dia 14 de junho de 2018;

Envio da correspondência pode ser efetuado por:

*Carta

Travessa Celestino Costa, loja 10

4755 – 058 Barcelos

*Email: geral@sopro.org.pt

3. Outros

– Quem não enviar a correspondência, será entregue ao Afilhado/a uma carta-tipo, elaborada pela SOPRO.

Fonte e imagem: SOPRO.

Pin It on Pinterest

Ir Para Cima