Tag archive

Sport Lisboa e Benfica “B”

Gil Vicente vai ao Seixal derrotar o Benfica B por 1-2

Março 18, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

O Caixa Futebol Campus, no Seixal, recebeu mais um jogo da Ledman LigaPro, a contar para a 30ª jornada. No caso, o SL Benfica B vs. Gil Vicente FC, que terminou com a vitória barcelense por 1-2.



Arbitrado por Bruno Rebocho (AF Lisboa), coadjuvado por António Franco e Luís Diogo, sendo António Godinho (AF Setúbal) o 4º árbitro, a equipa B benfiquista alinhou de início com Zlobin, Heriberto Tavares, Parks (Carter, 86’), Ferro, Pedro Amaral, Gedson, Lystcov, João Félix, Alex Pinto, Florentino (Chrien, 71’) e José Gomes (Willock, 64’). No banco ficaram Fábio Duarte, Kalaica, Diogo Mendes e Sandro Ramírez.

Já o Gil Vicente alinhou com João Costa, Ricardinho, Vítor Tormena, Sandro, Gabriel, Jonathan Rubio, Alphonse (Miguel Abreu, 77’), André Fontes (Frédéric Maciel, 88’), Camara (Fall, 69’), James Igbekeme e João Vasco. No banco ficaram Rui Sacramento, Dimba, Rui Faria e Henrique Brito.

Os benfiquistas começaram melhor, com o russo Lystcov a abrir o marcador, logo aos 6 minutos. Os gilistas equilibraram e empataram, por intermédio do guineense Camara, aos 26 minutos. O jogo manteve-se equilibrado e ao intervalo o marcador apontava um empate a 1 golo.

O reinício de jogo trouxe uma equipa gilista mais acutilante, com o ponta de lança João Vasco a colocar os gilistas na frente do marcador. A partir daqui, a equipa gilista esteve sempre mais por cima do jogo, controlando os poucos “fogachos” benfiquistas. Mesmo quando teve que substituir Alphonse por lesão, a equipa não se desfigurou e continuou a controlar os acontecimentos, levando a vitória até ao final do jogo, por 1-2.

A estatística ditou um Gil Vicente mais rematador (14-12) e com mais cantos a favor (7-5). O Benfica B teve mais posse de bola (51%-49%) e mais faltas cometidas (21-13).

Na disciplina, Heriberto Tavares (81’) e Ferro (90’) pelos benfiquistas; João Costa (82’) pelos gilistas, foram os admoestados com a cartolina amarela. Já o capitão benfiquista Ferro, aos 95’, é expulso com cartão vermelho direto.

Vítor Tormena salientou, na flash interview à Benfica TV, que a união e o espírito de sacrifício da equipa foi a chave para a vitória.

No próximo domingo, 25 de março, pelas 16h00, o Gil Vicente recebe um dos candidatos à subida, o Arouca, num jogo em atraso a contar para a 29ª jornada.Com esta vitória, os gilistas somam 30 pontos, colam-se aos lugares de salvação, ficando a apenas 1 e 2 pontos desses lugares, mas com um jogo a menos em relação a União da Madeira e Sporting B, respetivamente.

Imagem: BTV (alterada).

Pedro Ribeiro (treinador do Gil Vicente): “Também temos os nossos argumentos, a nossa qualidade”

Março 17, 2018 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Na passada quinta-feira, em conferência de imprensa difundida pela GVTV, o treinador do Gil Vicente, Pedro Ribeiro, lançou o jogo do próximo domingo, no Seixal, onde os gilistas defrontam a equipa B do SL Benfica, pelas 16h00.



Sobre a semana de trabalho, o treinador gilista salientou que está a corre bem e que o grupo está a trabalhar bem em todos os aspetos. “O grupo está motivo e sabe o que tem que fazer para conquistar os três pontos”, ressalvou.

Instado a comentar a atual situação da equipa e a derrota em Guimarães, frente à equipa B vitoriana, Pedro Ribeiro referiu que esta não é a melhor mas a derrota em Guimarães não significa que “tenhamos feito um mau jogo, pelo contrário. Nós fizemos um bom jogo. Progredimos bastante enquanto equipa e melhorámos muitos comportamentos. Claro que o resultado final não nos agradou. Depois de analisar o jogo, a sensação é que, apesar da derrota, aquilo que aconteceu em campo dá-nos esperança de que nos próximos jogos o resultado seja diferente”. A equipa tem vindo a adquirir uma série de comportamentos que agradam ao técnico gilista e em Guimarães não foi exceção. “É evidente que cometemos um ou outro erro e fomos muito penalizados nos nossos erros. Reagimos aos erros, fizemos um bom jogo com bola. Não conseguimos definir o último passe, o remate, termos clareza nessas ações. Mas em tudo o resto fizemos um muito bom jogo”, ressalvou. Para o técnico, a derrota em Guimarães não foi um percalço. “Faz parte do crescimento desta equipa, destes jogadores. Não queríamos esse resultado mas acreditamos que foi mais uma etapa para estarmos melhores para os próximos jogos e é isso que vai acontecer”, concluiu.

Abordando mais particularmente o próximo jogo, frente à equipa B benfiquista, Pedro Ribeiro salientou que se trata de uma equipa bem organizada, com bons jogadores e que procura jogar um bom futebol. “Tem vários jogadores que transitam entre a equipa A e a B. É sinal de que existe qualidade na equipa B senão isso não iria acontecer. Conhecemos bem e temos estudado o adversário. Temos preparado os treinos considerando isso. Estou à espera de um jogo competitivo, difícil. Ainda ontem [ndr: dia 14 de março] venceram o União da Madeira por 4-0. Estamos a falar de uma equipa que está estável na tabela classificativa, está estável em termos de jogo, tem qualidade individual mas nós também temos os nossos argumentos, a nossa qualidade”, salientou.

A posição do Gil Vicente na tabela classificativa, onde está no penúltimo lugar, está bem presente nos pensamentos da equipa. “Os jogadores têm noção que o real valor deles não é condicente com a posição que o clube tem na tabela classificativa. Sinto-os revoltados com isso” mas “para sair disto temos que ganhar jogos. A confiança vem com os resultados. A equipa venceu o Leixões depois de 4 meses sem ganhar e ‘respirou’ um bocadinho. Em Guimarães não fomos felizes”. A pressão não entre no balneário mas a responsabilidade sim. “Sentimos a responsabilidade de honrar o emblema que representamos e de ganhar os três pontos em todos os jogos. Esta é a nossa responsabilidade e o grupo sente essa responsabilidade”, afirmou Pedro Ribeiro.

No último jogo, o técnico gilista optou por Rui Faria para ocupar um lugar numa das alas defensivas, ele que é central de origem. Para Pedro Ribeiro, “ter opções e boas opções nunca é problema. Vou escolher aqueles que são os melhores para este jogo mas tenho noção que, até porque o plantel é extenso, terei que deixar de jogadores que, neste momento, mereciam estar, no mínimo, nos 18 convocados e mesmo alguns deles mereciam estar a jogar no 11 inicial”, retorquiu.

Sobre o tempo de trabalho e a assimilação, pelos jogadores, das suas ideias, Pedro Ribeiro salientou que, na opinião dele, os jogadores ainda não interiorizaram a 100% as suas ideias mas no tempo em que estão a trabalhar juntos, têm trabalhado bem. “Os jogadores têm tido a capacidade e a motivação para todos os dias quererem aprender e mostrar que estão dentro do caminho pretendido. Acho que é uma questão dos resultados também aparecerem para a confiança também aparecer cada vez mais notória e o grupo vai conseguir aquilo que conseguiu em Guimarães, mas com golos. Uma exibição positiva, forte, com personalidade. A única questão que é muito importante e que falhou foi a parte da definição e de conseguirmos fazer golos. Porque o resto, não tenho nada a dizer aos jogadores. Cumpriram a 100% aquilo que lhes foi pedido”, referiu.



Porque no próximo jogo, os gilistas enfrentam mais uma equipa B, depois da do Vitória de Guimarães, e porque está na ordem do dia o possível fim de algumas dessas equipas B, que passarão para a nova competição de sub-23, Pedro Ribeiro salientou que concorda com o atual quadro competitivo da segunda liga. “É natural que as equipas que têm equipas B, possam transitar jogadores. Estamos a falar de jogadores jovens, quem em nada interfere com questões regulamentares. Não vejo problema absolutamente nenhum nisso. Quando referi que eles vão intercalando entre equipa A e equipa B, são situações normais. Estava a reportar-me, até, a uma lógica de qualidade porque se um jogador da equipa B, neste caso do Benfica, é convocado e é opção na equipa A, é sinónimo, obrigatoriamente, de qualidade. Mas mesmo aqueles que não têm tido oportunidades na equipa A do Benfica são jogadores quem têm qualidade e que é uma equipa que joga um bom futebol. Mesmo estando a perder, tentam jogar. É uma equipa que é competitiva mas vamos tentar ser mais competitivos do que eles. A ideia passa por aí. Por respeitar mas sermos nós a sermos mais competentes”, finalizou.

Gil Vicente dá “chapa 4” ao Benfica B

Outubro 28, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Este sábado, dia 28 de outubro, pelas 11h15, o Gil Vicente recebeu e venceu o Benfica “B”, para a LEDMAN LigaPRO, por 4-0.



Os Barcelenses iniciaram a partida com todo o fulgor e logo aos 6 minutos Jonathan Rubio fez o primeiro para o Gil. Aos 13, James Igbekeme marca o 2-0 e aos 20 minutos Reko faz o 3-0 para a turma da casa.

Mesmo a ganhar por 3 golos de diferença, o Gil continuou sempre ambicioso e à procura de mais golos. Com um futebol dinâmico, “perfumado”, bastante atrativo, apoiado e apostando num bloco alto, com bastante pressão à saída de bola do Benfica.

O Gil dominava a seu belo prazer um Benfica “B” muito aquém das expectativas, que defraudou algumas centenas de adeptos, que se deslocaram ao Estádio Cidade de Barcelos com camisolas e cachecóis alusivos à turma Lisboeta.



O intervalo chegou e sentia-se a tranquilidade que os adeptos Barcelenses transpareciam.

Na segunda parte, o Benfica “B” entrou com mais vontade e a realizar uma pressão bastante alta, da qual resultou de uma clara ocasião de golo, com Zé Gomes a aparecer na cara do guardião gilista, com Rui Sacramento a responder com uma bela defesa.

Mas foi “sol de pouca dura”, porque o Gil rapidamente percebeu a forma de jogar do Benfica no segundo tempo e Casquilha ajustou a sua equipa e aos 51 minutos os Barcelenses criam a melhor oportunidade da segunda parte. James Igbekeme, de livre descaído sobre a direita do ataque gilista, atirou ao poste e, na recarga, Fall atirou por cima do travessão.

Aos 73 minutos, o Gil chegou ao 4-0, por intermédio de James Igbekeme, que bisou na partida, respondendo com “SIM” a um excelente cruzamento de Camara, vindo do lado direito do ataque gilista.

Já aos 86 minutos, Luiz Eduardo foi expulso por duplo amarelo, por falta cometida à entrada da área gilista. A falta originou livre para o Benfica “B”, com Matheus Leal a atirar ao poste da baliza de Rui Sacramento.

Final do Jogo: Gil Vicente 4 – Benfica “B” 0.

Constituição das equipas:

Gil Vicente: Rui Sacramento, Henrique, Luiz Eduardo, Vítor Tormena, Ricardinho, Reko (André Fontes, 72’), Miguel Abreu, Jonathan Rubio (João Pedro, 82’), Camara, James Igbekeme e Fall (Tiger, 78’). No banco ficaram Júlio Neiva, Rui Faria, Gonçalo Duarte e Valdeir.

Benfica “B”: Zlobin, Kalaica, Pedro Pereira, Willcock, Chrien (João Félix, 55’), Matheus Leal, Florentino Luís, Zé Gomes (Jota, 75’), Gedson, Heri (Alan Júnior, 69’) e Ferro. No banco ficaram Fábio Duarte, Lystcov, Pedro Amaral e Cele.

Na estatística do jogo, o Gil Vicente teve mais remates (9-5), menos posse de bola (45%-55%), o mesmo número de faltas (16-16), mais cantos (4-0), menos cartões amarelos (2-4, sendo os dois ao mesmo jogador) e mais vermelhos (1-0).

O jogo foi arbitrado por Bruno Paixão (AF Setúbal), coadjuvado por Rodrigo Pereira e Paulo Ramos, com o 4º árbitro a ser Leonardo Marques.

Por: Gonçalo Santos.

Gil Vicente empata em casa com o Benfica “B”

Janeiro 28, 2017 em Atualidade, Concelho, Desporto port barcelosnahorabarcelosnahora

O Gil Vicente empatou 1 -1,  esta tarde, com o Benfica “B” no Estádio Cidade de Barcelos.

A equipa Gilista entrou bem no jogo mas o Benfica, com alguns contra-ataques venenosos, criou as melhores oportunidades da primeira parte. Num desses contra-ataques, a equipa lisboeta chegou ao golo. Aos 23 minutos, lance na direita do ataque do Benfica, Buta fez um passe de rotura para a zona central, onde se desmarcava Zé Gomes que, na cara do guarda-redes Gilista, não perdoou.

Até ao intervalo, o jogo manteve-se equilibrado, com uma ligeira superioridade da equipa da casa, que tinha Paulinho a criar algum pânico junto da defesa do Benfica.

Na segunda parte, o Gil Vicente entrou muito forte e aos 52 minutos de jogo chegou ao golo por intermédio de Paulinho, que respondeu ao cruzamento de Ricardinho da melhor forma, com um cabeceamento mortífero, colocando a bola ao segundo poste, sem hipótese de defesa para o guarda-redes.

O Gil manteve a toada e desperdiçou mais duas boas oportunidades para chegar à vantagem. O Benfica beneficiou de duas grandes penalidades, ambas defendidas por Vozinha.

 

gil 2

O Guardião Gilista defendeu com grande classe os dois penaltis, sendo que um foi o último lance da partida.

No final do jogo, na conferência de imprensa, ambos os técnicos consideraram injusto o resultado para as suas equipas.

 

Por: Gonçalo Santos.

Ir Para Cima