Arquivo Mensal

Agosto 2019 - page 2

Agosto fecha com mais um Arredas Folk Fest

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

Entre 29 e 32 de agosto, Tregosa recebe mais uma edição do Arredas Folk Fest, organizado pela Torgo – Associação de Apoio às Artes, com o apoio do Município de Barcelos e da União das Freguesias de Durrães e Tregosa.



Os festivaleiros participantes poderão assistir aos espetáculos de Daniel Pereira Cristo, Forró Miór, Bastards on Parade, Sérgio Mirra, Os Burricos, Sopas de Vinho, Crivo, Loba Galharda, Cataventos, Txiribit, Jahradio, Spirit Love, DJ Gaiteirinho e DJ Vonx.

Ao longo dos dois dias haverá oficinas de cavaquinho, de gaitas e de danças, caminhada ambiental e canoagem.

A entrada é livre, há campismo grátis e banhos de água quente.

Imagem: T-AAA.

Nova recolha de sangue e medula óssea em Roriz

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo port

A Barcelos Solidário – Benemérita Associação Humanitária dos Dadores de Sangue do Concelho de Barcelos realiza uma recolha de sangue e de medula óssea em Roriz, no próximo dia 25 de agosto.



Esta recolha terá lugar na Sede da Junta de Freguesia, entre as 9h00 e as 12h30, e contará com o apoio da referida Junta de Freguesia, da Paróquia e do Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

Imagem: BS.

13 anos depois…Estamos na Primeira Liga!

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Lucy Santos

Não poderíamos começar o campeonato da melhor maneira! Uma vitória…sobre um clube que luta por objetivos diferentes dos nossos! É caso para dizer: WOW! Que vitória! Mas, principalmente, que exibição!



Mas comecemos pelo início!

Passava pouco das 16h00 e já estava no estádio! O olhar atento pelos primeiros adeptos a chegar e pelo primeiro frenesim no primeiro jogo…Anos depois…Na Primeira Liga! Os adeptos portistas iam chegando e só mesmo isso…adeptos portistas! Porque camisolas do Gil Vicente, nem vê-las! A hora do jogo aproximava-se e já se ia notando alguns adeptos “da casa” nas longas filas que davam acesso ao estádio mais bonito: o estádio da minha cidade! Entrei no estádio…Aquela sensação de alívio da resolução do “Caso Mateus”, aquele friozinho na barriga de disputar um campeonato a sério (na época passada vi os jogos todos no estádio, sem contar pontos, sem contar para nada), o estádio cheio! Meu Deus…o estádio cheio!…Há tanto tempo que isso não acontecia!

Na primeira parte, vimos um Gil Vicente muito bom defensivamente e com rápidas saídas em contra-ataque. Na segunda parte, surgiu um Gil Vicente ainda mais destemido e aos 60’, um excelente golo, de qualidade, de Lourency! Nos 10’ seguintes, Rodrigo cortou a bola com o braço e o árbitro assinalou penalty, que foi batido por Alex Telles. O Gil Vicente continuou a fechar todos os espaços perante um FC Porto cansado e, aos 77’, Kraev fez o 2-1 para os Gilistas! Que ambiente no estádio! De repente, o estádio, que até então, parecia um “mar azul”, voltou a ganhar outras cores, lembrando que estávamos ali, na I Liga e que não era um sonho, era uma realidade!

Terminados os 90’, e mais 6 de descontos, o estádio vibrava com a vitória! Seria a vitória dos 13 anos à espera que a justiça fosse feita? Ou a vitória de um clube que ninguém esperava, com um adversário difícil? Uma equipa toda nova, feita de raiz, com 22 jogadores que custaram tanto como 1 do FC Porto, o Zé Luís…

Fiquei no estádio até todos saírem…Tinha uma felicidade que não cabia em mim…Não consigo descrever em palavras qual a melhor vitória deste jogo: a justiça feita 13 anos depois? A casa cheia? O vibrar do público, de pé, a aplaudir o clube da minha cidade?

Há coisas que não se explicam…Sentem-se!

Depois deste jogo, deixo só um apelo: tenham o clube que quiserem, pois cada um é livre, mas acho que deveríamos, primeiro, de defender o clube na nossa cidade! Quem sabe, se assim, não houvesse só 3 clubes e o campeonato estaria melhor dividido?

No passado sábado, o Gil Vicente jogou fora com o Moreirense. Tínhamos tudo para pontuar. A motivação com os 3 pontos conquistados em casa, estratégia bem definida, os jogadores preparados e o apoio! Nesse dia, e sendo um jogo fora, a bancada estava composta. A claque oficial puxava pelo público minutos antes dos jogadores entrarem em campo e via-se que estávamos todos à espera do renascimento do Gil Vicente, que outrora nos tinham empurrado para uma Segunda Liga! O futebol que vimos não foi o esperado, nem tão pouco o resultado! O Gil entrou em campo e ao intervalo já estava a perder por 2-0. Dois golos praticamente oferecidos! Na primeira parte, estavam perdidos e não fizeram nenhum remate à baliza! Na segunda parte, Vítor Oliveira tentou ir atrás do resultado, com duas substituições feitas ao intervalo, mas o Moreirense fez o 3-0 (fruto de um grande golo) e ditou, assim, o resultado final! Um resultado justo!

Nesta partida, vimos que ainda há um caminho longo a percorrer, perante um Gil Vicente ainda apático, com algumas afinações que terão de ser feitas!

Não nos subiram as vitórias à cabeça (Desportivo das Aves, para a Taça da Liga, e FC Porto, para o campeonato), mas pessoas não podem achar que o Gil Vicente tem a melhor equipa e são os melhores do mundo quando ganha e, quando perde, já somos os piores! Temos de estar cá, jogo a jogo, a apoiar a equipa, a defender Barcelos porque o caminho é longo, mas também é óbvio que não vamos ganhar os jogos todos (era bom se assim fosse) e também não os vamos perder todos!

Como diz o Mister Vítor Oliveira: “ganhar um jogo não é difícil, difícil é ganhar muitas vezes seguidas”!

Domingo, às 20h30, temos um grande jogo: Gil Vicente FC – SC Braga! Faço um apelo a todos os Barcelenses: quem puder, que se faça sócio do clube da cidade. O preço é acessível, são 25€ (valor único) e, depois, terá de pagar mais 5€ por mês! Jogar com um estádio cheio é mais motivador do que jogar para 500 ou 1000 pessoas!

Eu espero por ti, todos os jogos em casa, no Estádio Cidade de Barcelos!

Por: Lucy Santos*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

É Já”mor”

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Hugo Pinto

Que consolo é ver o nosso Glorioso jogar! Mesmo quando não estamos a ganhar por dois ou três, podemos sempre assistir a um futebol que entusiasma, que empolga, que apaixona. Ver o Benfica? É já”mor”…



Na última jornada, na qual defrontámos o Belenenses SAD, no… Jamor (se o trocadilho é baratucho, estar a explicá-lo é ainda pior, mas adiante…), tivemos a oportunidade de assistir a um belíssimo espetáculo de futebol. Que o nosso Benfica joga maravilhosamente, começa a ser um hábito. Mas tivemos um adversário que ajudou bastante ao espetáculo, no melhor dos sentidos. Quase sempre se sentiu a superioridade do Benfica. Porém, o Belenenses SAD nunca foi equipa de se encolher, defendendo bem e como pôde, e ainda procurando jogadas ofensivas capazes de surpreender. E quase o conseguiram, num ou outro lance, em que os centrais (sobretudo o Rúben Dias) facilitaram um pouco, talvez por excesso de confiança. Não fosse a virilidade dos seus vintes e poucos e seria um caso sério. Mas para já, ainda há pernas e velocidade para ganharem vantagem em lances em que partem em busca do prejuízo.

De mais a mais, todo o coletivo encarnado esteve muito bem, mais uma vez, com especial destaque para o Rafa, que acabaria por ser o homem do jogo. Logo desde o início, revelou uma enorme vontade de marcar, com lances ofensivos cheios de veneno e um ou outro pormenor de elevada categoria como aquele toque, meio de calcanhar, meio de lado, que daria um golo de belíssimo efeito. E aqui, nota de destaque para o guarda-redes “Burquino-Marfinense”, Hervé Koffi, que fez uma exibição fantástica! Não fosse ele e o Benfica teria feito mais cinco tentos.

E aproveito para deixar uma nota final de reflexão. Este tipo de jogadores, como Koffi, merecem uma oportunidade nos “grandes”. Quer o Porto, quer o Benfica…e mesmo o Sporting, bem precisavam de um guarda-redes deste calibre, a morder os calcanhares aos titulares. Mesmo que tivessem de o pagar bem pago, até pelo facto de obrigarem o Belenenses SAD a procurar outro guarda-redes, nesta fase, mas sempre se distribuía alguma riqueza e se atenuavam diferenças orçamentais entre os clubes. Parecendo que não, todos saíam a ganhar, pelo facto de a Liga se tornar mais competitiva. E dou um exemplo para cada caso. Como prova de que se reforçar no mercado interno pode ser bastante profícuo, veja-se o onze titular de Mourinho no FCP de 02/03 e 03/04. A desvantagem de uma Liga pouco competitiva, tem o seu melhor exemplo na Liga escocesa, que apesar da proximidade da Premier League, disputa um campeonato com apenas dois candidatos crónicos, que obriga o próprio campeão a disputar fases pré-eliminatórias da Liga dos Campeões.

Uma nota final para o discurso exemplar de Bruno Lage e a sua atitude de completo Fair Play, que devem ser exemplos a seguir urgentemente. Veja-se, em oposição (gostemos ou não), a atitude de “portismo-dos-anos-90” de Sérgio C. que não só está em absoluto desuso, como está (parece-me) a fazê-lo perder o respeito do próprio plantel. Mas isso é problema deles…Que o resolvam.

Viva o Benfica.

Venha o trinta e oito.

E pluribus unum.

Por: Hugo Pinto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Que tenhamos um “Porto de honra”

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Vítor Sá Pereira

Olá a todos os leitores do BnH!

Antes de começar, queria dar as boas-vindas à Lucy Santos (a “voz” do Gil aqui no jornal). Que comente muitas vitórias do Gil e, no final, a manutenção. 



Quanto ao meu FCP, parece que depois de várias semanas de tempestade, veio uma “bonançazinha”.

A vitória frente ao Setúbal foi justa e contundente. Exibição personalizada, dinâmicas interessantes e um querer visível.

Onde andava esta equipa contra o Krasnodar??…Zé Luís, com um, hat-trick, foi o MVP e mostrou o porquê de SC insistir na sua contratação. É impressionante a sua elevação e o seu jogo de cabeça! Luis Díaz e Marchesín mostraram, também, os seus créditos e capacidades.

Sábado jogamos contra o clube cujo presidente é o “dono disto tudo”…LOL

Eles são, atualmente, a melhor equipa em Portugal e não me custa admitir isso. São, claramente, favoritos e não sei que Porto se vai apresentar. 

Se perdermos, ficamos a 6 pontos da liderança e com apenas 3 jornadas disputadas! Confesso que não estou nada otimista, tenho receio da falta de atitude do Porto, receio do VAR e receio desta última campanha “de caça ao Rafa”! Não percebi esta campanha na semana do clássico, mas eles lá sabem a sua intenção.

Que tenhamos um “Porto de honra” e que, no final, brindemos à nossa vitória.  É que é tão bom ganhar na Luz e, ultimamente, tem sido uma constante…que assim continue.

Força Porto!

Sempre contigo, a ganhar ou a perder.

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Que seja a primeira de muitas

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo/Opinião port
Ricardo Moreira

Bem-haja Barcelenses e caros leitores do Barcelos na Hora.

Ao terceiro jogo oficial, foi de vez! AÍ está a primeira vitória oficial da época 2019/20, do meu Sporting Clube de Portugal! Sporting Clube de Portugal 2 – 1 Sporting Clube de Braga.



Após uma pré-época e um início nada promissor, eis que, 3 meses depois, regressámos às vitorias no nosso primeiro jogo oficial em Alvalade.

Contra uma boa equipa, que o é, inequivocamente, este S.C. Braga, vencemos, mas não convencemos. Valeu pelos 3 pontos, que, apesar de tudo, acho que foram justos!

Voltámos a entrar em campo sem um único reforço no onze titular! No defeso do verão, vieram: Eduardo Henrique, Luís Neto, Rafael Camacho, Rosier e Vietto. Quatro deles até estavam no banco de suplentes, mas o técnico não parece ter confiança suficiente em nenhum, para os colocar no 11 inicial!

Entrámos muito bem no jogo. Domínio absoluto nos primeiros 20 minutos. Relegámos o Braga para o seu reduto defensivo, com pressão muito alta, condicionando a saída da bola da equipa adversária. Bons lances coletivos neste período, tanto pelas alas, como pelo corredor central. A nossa superioridade foi coroada com o nosso primeiro golo, apontado aos 16′ por Wendel.

Depois veio o melhor momento do jogo, ocorrido aos 44′, com um golo de bela execução, do, mais uma vez, melhor em campo: Bruno Fernandes!

Na segunda parte, o S.C. Braga reduziu por Wilson Eduardo, jogador que se formou na Academia de Alcochete! (nós formamos, outros aproveitam, também tem acontecido muito)

A vencer pela margem mínima, veio o sinal de medo, transmitido pelo treinador. Keizer mandou sair um elemento da linha ofensiva (Diaby, uma nulidade diga-se!), trocando-o por um central (Neto). Passámos, assim, a jogar em nossa casa, com um bloco de 5 defesas?!? Para mim, é atitude de equipa pequena, “estacionando o autocarro”, o que em nada condiz com o nosso espírito leonino.

Vencemos pela margem mínima. Foi justo, mas voltámos a não convencer!

É este o “futebol de ataque”, que os rótulos da propaganda interna colaram ao técnico holandês quando chegou ao Sporting? Foi sol de pouca dura!!!

Como vamos ser equipa goleadora, se queremos “vender/dispensar” Bas Dost?

Mais uma “telenovela”, e desta feita, parece que vamos mesmo perder o nosso goleador, e por uma “pechincha”. Já se apresentaram mil e uma razões para tal saída, onde, para mim, a mais evidente de todas é Marcel Keizer. Bas Dost, ficou fragilizado desde o “ataque” à Academia? É um facto inequívoco que sim! Mas nunca vi, (ou raramente) enquadrar-se no Futebol que Marcel Keizer pretende. Com toda a sinceridade, neste momento, preferia mil vezes Bas Dost, que Marcel Keizer. Mas eu não mando nada na estrutura leonina! Apenas dou a minha opinião e sinto que voltamos aos “tiros nos próprios pés”! O foco tem sido tudo, e mais alguma coisa, e no que realmente nos devíamos focar, que é nos nossos jogos, nos nossos adversários, é o que se vê! Exibições paupérrimas, jogadores no 11 inicial sem categoria, para o que um clube como o Sporting Clube de Portugal devia exigir.

Reforços que simplesmente pouco tempo, ou nenhum, jogam, e jogadores como Bas Dost, com médias de 30 golos por época, a serem vendidos ao “desbarato”!

Um passo em frente…dois passos atrás!

Assim vamos andar muitos e bons anos a lutar por conquistas de Taças! Sim, porque, com esta pré-época sem exigência, com este início tão fraco e o nosso Presidente a achar que não é motivo de preocupação, o título nacional será uma miragem, cada vez maior, ano após ano!!! Falta estabilidade e ponto!

Que eu esteja tremendamente enganado…mas não me parece, de todo!!!!!

Quanto ao nosso Gil Vicente, vou deixar a opinião, e as boas-vindas, à nova cronista do BnH, a Gilista Lucy Santos!

Desporto é Vida! Viva o Desporto com Respeito e Fair-Play!

Por: Ricardo Moreira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

“Galo’s Urban Race” continua com as inscrições abertas

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Tendo partida e chegada na Avenida da Liberdade, as 3h Resistência de BTT, designada por “Galo’s Urban Race”, é um empolgante desafio dirigido aos amantes do ciclismo, nomeadamente de BTT.



Será disputada em circuito, com base no centro histórico da cidade, extensível às áreas verdes (jardins), à zona fluvial, às ruas de empedrado, recantos e locais recônditos, onde cada local está interligado à riquíssima História e Património Barcelenses.

Pelo segundo ano consecutivo, a “Galo’s Urban Race” estará integrada no “Troféu Urban Race”. Este Troféu é composto por 5 provas de resistência de BTT, que levará os participantes a desfrutar das magnificas paisagens urbanas do norte do país.

A “Galo’s Urban Race” será a 4ª prova deste Troféu, que decorrerá a 7 de setembro de 2019, no centro da Cidade de Barcelos.

As inscrições podem ser feitas no site oficial do “Troféu Urban Race”: https://www.trofeuurbanrace.pt/ ou diretamente no link https://plataformadeinscricoes.com/urbanrace/addinsc.php?id=NQ (basta clicar para aceder automaticamente).

Os preços são:

Solo – 12,50€

Duplas – 20€

Triplas – 30€.

Na imagem que se segue, mais informações necessárias:

Imagens: DR.

Centro Ciclista de Barcelos com cinco pódios em Santa Marta de Portuzelo

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

No passado feriado de 15 de agosto, realizou-se o 44º Circuito de Santa Marta de Portuzelo, uma organização do GDCP Santa Marta de Portuzelo e da Associação de Ciclismo do Minho, que contou com a presença de várias dezenas de jovens atletas e suas equipas, das categorias de Escolas, assim como, Juniores e Cadetes.



Uma das formações presentes foi o CENTRO CICLISTA DE BARCELOS | AFF | FLYNX | H.M. MOTOR | ORBEA | LB SEGUROS | MARTINS SEGUROS | BARCELOS MUNICÍPIO, que conquistou o 2º lugar coletivo em Escolas.

Individualmente, em Pupilos/Benjamins, Rodrigo Lopes venceu a categoria, com o seu colega Duarte Marques a conseguir o 3º lugar.

Francisco Cardoso, da equipa barcelense, conquistou o 1º lugar em Iniciados, com Rodrigo Assunção em 14º.

Nos Infantis, Paulo Bogo fez 10º lugar, com Maria Duarte a ser a 7ª em Femininos. Em Juvenis, Rodrigo Neves foi 3º, com Leonardo Neves a ser 9º.

Saindo das Escolas, em Juniores, Rui Alves fez 7º lugar, João Cacais 18º, Luís Leite 22º, Ricardo Machado 23º e David Duarte 35º. Coletivamente, a equipa conseguiu o 5º lugar.

Por fim, em Cadetes, Tomás Salgueiro foi 26º e Luís Ribeiro 28º

Fotos: DR.

Pedro Silva, da ACR Roriz, é campeão nacional de estrada (Juniores)

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Diogo Saleiro melhor minhoto em Cadetes

Pedro Silva, da ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT, sagrou-se, na tarde do passado domingo, Campeão Nacional de Estrada, em Juniores. O ciclista barcelense surpreendeu a concorrência com uma corrida decidida e de muita garra, que culminou com a vitória isolada em Rebordosa, juntando, assim, o título de Campeão Nacional ao da Taça de Portugal, que já tinha conquistado em maio.



Pedro Silva, que partiu do pelotão à passagem dos 40 quilómetros e assumiu a fuga na passagem pela última subida do percurso, percorreu os 116,2 quilómetros, que ligou Lordelo a Rebordosa, em 03h05m59s, deixando o segundo classificado, João Silva (BAIRRADA), a 02m03s.

No final de um dia de tantas emoções, Pedro Silva confessou, ao Desportivo do Minho, estar “orgulhoso por poder envergar a camisola de Campeão Nacional”, adiantando que “este sempre foi o meu objetivo e fico contente por poder levar esta alegria para Barcelos e poder dividir este sentimento com os meus colegas, treinadores, por todos quantos me acompanharam”.

Sobre a corrida, o jovem ciclista do clube rorizense salientou que “foi uma corrida muito movimentada, houve uma fuga muito cedo. Na última subida, tentei a minha sorte, arrisquei e felizmente consegui assegurar a vitória”.

Pedro Silva notou que partiu para a corrida com boas sensações: “Senti-me bem desde o início da corrida, tinha boas sensações e acreditei que podia vencer. Esse era o meu objetivo para esta prova e consegui”.

Pedro Silva acaba por ser o grande vencedor da época de Juniores, pois venceu a Taça de Portugal e o Campeonato Nacional, mas assegura que “a época ainda não acabou. Agora vem aí a Volta a Portugal e vamos ver como corre. O objetivo é sempre dar o melhor e se possível trazer a vitória para Barcelos”.

ACR Roriz com quatro atletas no Top 15

A ACR Roriz acabou por ter uma participação muito positiva nestes Campeonatos Nacionais. Na prova de domingo, a de fundo, conseguiu colocar quatro atletas no top 15: Pedro Silva foi campeão, Flávio Fernandes foi 10º, Daniel Dias, que sábado se sagrou vice-campeão de contrarrelógio, terminou na 13ª posição e João Silva foi 14º. Lucas Braga foi o outro atleta que concluiu esta exigente prova, desta feita no 23º lugar. João Almeida, Bruno Silva, Manuel Barbosa e Guilherme Santos não concluíram.

Diogo Saleiro foi o melhor minhoto em Cadetes

Diogo Saleiro foi, no domingo de manhã, o melhor ciclista minhoto na prova de fundo do Campeonato Nacional de Cadetes, ao terminar no 30º lugar, a 9m do vencedor, António Morgado (ANIPURA-GDM-ESCOLA ALEXANDRE RUAS).

A corrida dos Cadetes realizou-se durante a manhã e ligou Lordelo à Av. Dr. António Rangel, em Rebordosa, numa extensão de 75,9 quilómetros. Numa manhã marcada pela chuva, o que tornou o piso bastante escorregadio e originou muitas quedas durante o percurso, o atleta de Roriz gastou 02h13m46s para cortar a meta, nove minutos depois de António Morgado, ciclista que já no sábado tinha conquistado o título de contrarrelógio. No segundo lugar ficou Lucas Lopes (BMC/PÓVOA DE VARZIM/CDC NAVAIS), enquanto André Rocha (ACDRRBTT/LROPTICAS/RJGROUP) foi 3º

A equipa rorizense viu, ainda, Pedro Pinto terminar no 41º lugar, igualmente a 9m do campeão nacional. Já Sérgio Saleiro, Guilherme Rodrigues e João Serre não concluíram.

Sobre esta prova, Hélder Braga, diretor desportivo, começou por referir, igualmente ao Desportivo do Minho, que “a corrida não correu muito bem, houve muitas quedas.  As primeiras chuvas são sempre complicadas, tornou o piso muito escorregadio. Felizmente não foi nada de grave”.

Fotos: FPC.

Daniel Dias, da ACR Roriz, é vice-campeão nacional de contrarrelógio (Juniores)

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo port

Daniel Dias, da ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT, sagrou-se, na tarde de sábado, vice-campeão nacional de Contrarrelógio de Juniores durante os Campeonatos Nacionais de Estrada, que decorreram no concelho de Paredes.



Daniel Dias deu, dessa forma, a primeira medalha de prata no contrarrelógio de um Campeonato Nacional de Juniores à equipa de Roriz, ficando, para sempre, na história do clube. De relembrar que ele que sobe de escalão já no final da época.

O ciclista da equipa barcelense percorreu os 12,7 quilómetros do percurso em 17m39s, ultrapassando todos os principais candidatos à vitória final e assumindo o primeiro lugar da classificação júnior durante algum tempo. Melhor que Daniel Dias, apenas Fábio Fernandes, EFAPEL-ESCOLA DE OVAR, que fez um contrarrelógio irrepreensível e conseguiu retirar 10s ao tempo realizado pelo ciclista da equipa de Roriz.

Daniel Dias conquistou, assim, a medalha de prata no Contrarrelógio de Juniores nos Campeonatos Nacionais e, no final a prova, mostrou-se satisfeito com o resultado, em declarações ao Desportivo do Minho.

“Estou contente com a medalha de prata. É verdade que estive perto de conquistar a camisola de campeão nacional, mas tive uma pequena quebra na última subida e isso fez a diferença no tempo final. Um colega acabou por ser hoje mais forte, venceu e resta-me dar-lhe os parabéns”.

Daniel Dias, que tem tido bons resultados nas provas de contrarrelógio, lembrou que “o percurso deste contrarrelógio não me favorecia, era muito curto. Os contrarrelógios longos vão mais de encontro às minhas características”, mas “penso que aquela pequena quebra na última subida é que acabou por ditar a diferença”.

Com a medalha de prata ao peito, Daniel Dias assegura que “hoje levamos daqui a medalha de prata, mas amanhã é outro dia, há outra corrida e vamos tentar conquistar a medalha de ouro”.

Já no contrarrelógio, a formação de Barcelos viu, ainda, três atletas colocarem-se nos primeiros 15 lugares, com Bruno Silva a ser 13º e Pedro Silva 15º.

Em Cadetes, apenas esteve representada com um atleta, foi ele Pedro Pinto, que realizou uma boa prestação, tendo em conta que está no seu primeiro ano de ciclismo, terminando no 22º lugar.

Em nota, a equipa salienta que fazem “um balaço bastante positivo destes campeonatos Nacionais de Ciclismo de Estrada, onde conseguimos um Campeão Nacional e um Vice-Campeão de Contrarrelógio na categoria de Juniores, o que vem trazer uma motivação extra já para a próxima competição, a Volta a Portugal Júnior, que se inicia já esta quinta-feira com um prólogo na cidade da Guarda.

Fotos: FPC.

Ir Para Cima