Arquivo Mensal

Outubro 2019 - page 3

Festa de Halloween em Barcelinhos

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

Pelas 21h00 do próximo dia 31 de outubro, realiza-se uma Festa de Halloween, organizada pelas Festas Populares de Barcelinhos, com o apoio do Grupo Folclórico de Barcelinhos e da Junta de Freguesia de Barcelinhos.



A festa terá lugar no Pátio Barcelinense e terá o preço de 2 euros para a entrada, com oferta de uma bebida. As crianças terão entrada gratuita, insufláveis e pinturas faciais.

Esta atividade tem como principal intuito a angariação de fundos.

Imagem: DR.

Peregrinos da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos chegam a Santiago de Compostela

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

“Saborear a chega­da é importante, mas viver o Caminho é a verdadeira meta”

Cerca de cinquenta pessoas, dos 20 aos 72 anos – entre Irmãos, colaboradores, familiares e mesários da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos – chegaram, este sábado, a Santiago de Compostela.



“Uma Misericórdia de Fé – Caminhos de Santiago por etapas” é a iniciativa, inserida no programa comemorativo do 519.º aniversário da instituição, que, desde junho, mobilizou a instituição, numa cami­nhada de renovação, transformação e Fé.

São diferentes as motivações e muitos os que, desde o início do século IX, percorrem os caminhos, rumo a Santiago de Com­postela, à Catedral onde são veneradas as relíquias do Após­tolo Santiago o Maior. “O que me motivou a participar nesta atividade foi a Fé, o convívio e verificar a minha superação”, conta Manuela Dantas, vice-provedora da Misericórdia de Barcelos e também uma das participantes que, este sábado, concluiu as oito etapas da iniciativa. “Quem faz os Caminhos de Santiago tem que saber que a Fé supera todo o obstáculo que surge. Temos que estar preparados para etapas mais agradáveis e outras mais complicadas”, considera ainda, partilhando uma das “aprendizagens” do Caminho.

Já Paulo Silva é um dos participantes mais experientes do grupo. Desde 2012 que faz, anualmente, um caminho de Santiago, com maior frequência para o Caminho Português Central. “Depois de percorridos alguns milhares de quilómetros, o que me motiva age com tanta intensidade, que não só me move em direção a Santiago de Compostela, mas também me faz nunca esquecer da caminhada diária, contribuindo para aumentar o desejo de, um dia, fazê-la novamente”, partilha o colaborador da Santa Casa, na área da Informática, para, logo depois, completar: “Para além de ser um desafio que me faz querer estar perto da sua história e tudo que envolve a experiência”.

Cláudia Faria, também colaboradora da instituição, conta que relatos de amigos, conhecidos e a própria comunicação social fizeram com que lhe despertasse “uma vontade de um dia experienciar esta vivência de que todos falam com tanta emoção”. A possibilidade chegou, através da Misericórdia de Barcelos, e não pensou duas vezes. “Tem sido muito gratificante viver esta experiência com um leque tão variado de pessoas. Partilhar lições de hu­mildade, alegria, companheirismo, tolerância e su­peração com quem nos acompanha, e são muitos, tem sido um enorme prazer”, sublinha a educadora de infância. “Saborear a chega­da é importante, mas viver o Caminho é a verdadeira meta”, conclui.

Em linha, Maria do Céu Fernandes, colaboradora na área das Pessoas Idosas, destaca que “fazer os Caminhos de Santiago não é uma simples caminhada”. E explica: “São experiências, escolhas, desafios, motivações, curiosidades, conhecimento, partilha, percalços”, que constituem “uma experiência única e inesquecível”.

No final, dirigindo-se aos participantes deste “Uma Misericórdia de Fé, pelos Caminhos de Santiago”, o Provedor, Nuno Reis, enalteceu o exemplo de Fé dado por todos e fez votos de que “também nos Caminhos da Vida, se encontre o mesmo espírito de Irmandade vivido nesta Peregrinação”.

Fotos: SCMB.

Barcelenses Inspiradores: Luciana Silva

No passado sábado, Quito Arantes deu-se a conhecer melhor aos seus conterrâneos. Hoje, Luciana Silva é a barcelense inspiradora.

Se tiver interesse em participar ou em sugerir alguém inspirador para esta rubrica, escreva para o email: barcelensesinspiradores@outlook.pt.



Luciana Silva, nasceu em Barcelos no dia 6 de julho de 1977. Aos 13 anos era a mais nova a competir no campeonato nacional de aeróbica que decorreu no Porto e aos 14 anos voltou a competir em Lisboa.

Apesar de desde nova ter uma grande apetência pelo desporto, frequentou, no secundário, o curso de Quimicotecnia. Posteriormente, licenciou-se em Engenharia Cerâmica no IPVC. Durante cerca de três anos exerceu a sua atividade profissional em Águeda, como responsável da secção de vidragem e de laboratório, mas as saudades apertavam e resolveu regressar à terra natal.

Profissionalmente, além de formadora e explicadora, foi chefe de equipa de outbound na PT (telemarketing) e, depois, na Tele2 chegando, por vezes a conciliar três trabalhos.

Em 2001, participou num programa de televisão e explorou um bar numa discoteca no Porto juntamente com outros colegas dos “reality-shows”.

 Em 2002 casou e, passados cinco anos, teve a “princesa” Eliana (o seu orgulho). Mas o “bichinho” do desporto e da dança sempre a acompanharam.

Há cerca de 8 anos, aceitou o desafio de dar aulas de dança a crianças!! Para além disso, tirou o curso de Técnica Especialista em Exercício Físico, que lhe permitiu colmatar mais uma paixão…as aulas de grupo.



Quem és tu? Conta-nos quem és apenas como tu te conheces.

Quem sou eu? Sou a Luciana. Sou uma mulher/menina que adora dançar, ouvir música, ir à praia (é a minha fonte de energia), viajar, que acredita no próximo e vê sempre o que de melhor ele tem.

Adoro estar com a minha família e amigos, mas também valorizo a minha companhia. Adoro sentar-me no chão, andar descalça, sentar na varanda a beber chá e olhar para o céu, ver filmes de comédia, romances, mas os meus preferidos são os bibliográficos.

Sou uma eterna romântica e valorizo as pequenas ações e atitudes. Os valores humanos em detrimento dos materiais.

Sou uma mulher de emoções! Muito mimalha, mas extremamente forte. Uma antítese.

Sou simples e de fácil acesso, amiga do amigo. Como digo várias vezes, “estou aqui para o que der e vier”. Falo sozinha!! Pois é! Faço parte daquela pequena percentagem de pessoas que fala com elas próprias, canto alto no carro e falo para o espelho. Sou a minha própria conselheira e psicóloga.

Apesar de socialmente ativa e de ter uma profissão que, por vezes, exige muita exposição, sou uma pessoa reservada e tímida (quando digo isto poucos acreditam!!)

Sou muito observadora relativamente a posturas, atitudes e comportamentos, mas totalmente “desligada” de pormenores materiais. E, como é notório, “falo” muito.

O que fazes é uma extensão de quem és?

Eu digo sempre que sou abençoada por fazer o que amo. E é verdade! Em todas as profissões que tive, sempre dei o meu melhor e sempre a tornei como sendo parte de mim.

Amo o que faço. Amo dar aulas! Amo as pessoas e tudo o que me dão, sem terem noção disso.

Muitas vezes, questionam-me sobre a minha profissão e, inicialmente, hesitava devido à complexidade do que faço. Atualmente, respondo assertivamente que sou professora!

De manhã dou aulas de ginástica sénior nos lares e dança/ginástica nas creches; à tarde dou explicações e apoio escolar de matemática e física e química e à noite dou aulas de grupo (zumba e localizada).  

Todas elas associadas a pessoas, a partilha, a entrega, a alegrias, a emoções e a aprendizagem. E nesta vida estamos em constante aprendizagem, por isso considero que o que faço é uma extensão de quem sou.

De que forma impactas a vida do próximo?

Essa é uma pergunta que o próximo deveria responder.

O que posso afirmar é que, independentemente da situação, do local e de quem esteja, eu sou sempre EU! Todas as pessoas têm sempre algo a dizer, a partilhar, a ensinar, pode não ser diretamente através da linguagem verbal, mas através da linguagem não verbal, com os seus comportamentos, posturas e atitudes.

Estou sempre disposta a absorver tudo que de positivo me dão. Os sorrisos e o brilho no olhar que recebo nas aulas. O “click” que é feito nos alunos aquando das explicações e a sensação de bem-estar é, com certeza, a maior gratificação de todas.

Quando recebo o feedback dos pais, que os filhos dizem que falo a “língua” deles, que dou exemplos práticos facilmente percetíveis; quando uma aluna de zumba diz que veio à minha aula para se sentir melhor; quando ouço dos meus “velhinhos”: -”Chegou a nossa alegria!”; quando sou abordada na rua por um dos meus “meninos” a chamarem “Uxiana” e a correr na minha direção para me abraçar e dar um beijinho…são reflexos do quanto recebo e talvez uma explicação da forma que os “impacto”.

Se pudesses ter a atenção do mundo durante 5 minutos, o que dirias ou farias?

Cinco minutos podem ser eternos ou instantâneos! O que diria ou faria? Esta é uma pergunta difícil de tão ambígua e utópica que é.

Sempre que rezo peço…”Paz no mundo!”, mas, infelizmente, outros valores são sobrepostos. Uma vez, o Papa Francisco disse: “Quando virem um estranho na rua, deem-lhe um sorriso, pois poderá ser o único sorriso que ele verá durante o dia!”

Então, respondendo à questão, diria para que fossem melhores pessoas! O que pressupõe o respeito pelo próximo, a partilha, a entrega, permitir que o próximo tenha uma vida tão digna quanto a sua, com direitos, mas também com obrigações.

Uma vez vi o filme “Favores em cadeia”, penso ser este o nome. É com o mesmo menino/ator do “Sexto sentido”, e seria isso que faria…favores em cadeia.

Ao longo da tua vida, quem foram algumas das pessoas que mais te influenciaram?

O meu pai!

A minha FAMÍLIA! Os meus amigos! As pessoas que cruzam e cruzaram o meu caminho.

As diferentes culturas e etnias que já tive a possibilidade de conhecer, de vivenciar e privar. 

As crianças, os adultos e os idosos com quem trabalho e trabalhei que, ao encontrarem-se em diferentes estágios da vida, permitem-me crescer e valorizar o que realmente é importante: a família, a amizade, a relação humana, o respeito, a atenção, o cuidado, a capacidade que temos em nos erguer e tornarmo-nos mais fortes e o AMOR.

Por isto, e mais, de uma forma sucinta, citando Antoine de Saint- Exupéry: “Aqueles que passam por nós, não vão sós, não nos deixam sós. Deixam um pouco de si, levam um pouco de nós.” 

Atualmente, que figuras de influência tomas como exemplo?

 Sem dúvida o Papa Francisco. Por ser um visionário, HUMANO, por defender a aceitação das pessoas pelo que são, independentemente das raças, crenças, etnias, estado civil e orientações sexuais. Por acreditar que este pode ser um mundo melhor! São estes e outros fatores, que o tornam um exemplo da humanidade e alguém com quem me identifico.

Diz-nos um barcelense que te inspire e porquê?

A minha irmã! Por ser das pessoas mais humanas e corretas que conheço. Pela sua determinação e garra com que defende o que acredita. Pelos valores que tem e por defendê-los. Por contagiar todos que com ela privam, com a sua luz, a sua visão otimista e a proatividade que lhe é característica. Principalmente, por lutar SEMPRE pelo que acredita!

Como gostarias de ser recordada?

Gostaria de ser recordada como uma boa pessoa. Como alguém que aproveitou tudo de bom que a vida teve para lhe dar, que tentou sempre aprender com todas as adversidades com que se deparou e reter a parte positiva das mesmas.

Gostaria de ser recordada como uma AMIGA! Pois pelos amigos guardamos sempre um carinho e admiração.

Por: Sandra Santos (Poeta e Tradutora) e Iara Brito (Criminóloga)*.

(* A redação do artigo é única e exclusivamente da responsabilidade das autoras)

Óquei de Barcelos perde, pela primeira vez no campeonato, em Oliveira de Azeméis

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo Por

“Bolas paradas” decidem jogo com resultado enganador

A 3ª jornada da 1ª Divisão do Campeonato Nacional de Hóquei em Barcelos teve mais um jogo a envolver o Óquei Clube de Barcelos (OCB), que se deslocou ao terreno da UD Oliveirense, saindo derrotado por 7-3, mas com o resultado a desnivelar-se, apenas, nos minutos finais.



Com arbitragem de João Duarte (AP Lisboa) e Teófilo Casimiro (AP Ribatejo), as equipas alinharam de seguinte forma:

UD Oliveirense – Xevi Puigbi, Marc Torra, Jorge Silva, Jordi Bargalló e Henrique Magalhães (cinco inicial); Nélson Filipe, Xavi Barroso, Vítor Hugo, João Almeida e Ricardo Barreiros (banco inicial); Renato Garrido (treinador).

OCB – Ricardo Silva, Ezequiel Mena, Luís Querido, Alvarinho e Gonçalo Nunes (cinco inicial); Joka, Zé Pedro, Gonçalo Meira e Franco Ferruccio (banco inicial); Paulo Pereira (treinador).

O jogo começou frenético, mas frenético, frenético foi mesmo o 3º minuto de jogo, que conteve o 0-1, por Luís Querido, e o 1-1, por Jorge Silva. Zé Pedro colocou o OCB na frente do marcador, mas Torra empatou, na marcação de um livre direto, a penalizar um azul a Ferruccio, empatou o jogo a 2, sendo este o resultado com que se seguiu para a 2ª parte.

A 2ª parte trouxe mais momentos de destaque. Nos primeiros 10 minutos, a saber:

Ferruccio falha livre direto a penalizar azul para Bargalló, aos 2’; Torra falha livre direto a penalizar azul para Mena, aos 3’; pelo meio, houve azuis para Magalhães e Ferruccio; Barreiros falha livre direto a penalizar azul para Ricardo Silva, que foi, por isso, substituído por Joka, aos 4’; Alvarinho falha livre direto pela 10ª falta dos da casa, ainda dentro dos 4’; Gonçalo Nunes falha penalidade, aos 5’; Mena falha livre direto a penalizar azul para Torra; ainda no minuto 6, Ricardo Barreiros coloca os da casa na frente do marcador; dois minutos depois, Mena recoloca o marcador numa igualdade, por 3-3; Torra marca o 4-3, de livre direto, a penalizar por novo azul para Ferruccio, e consequente vermelho, aos 18’; a 37 segundos do final, de novo Torra a marcar, e de novo de livre direto, a penalizar azul para Gonçalo Nunes; a 15 segundos do final, 6-3, com novo livre direto de Torra, pela 10ª falta do OCB; e a 2 segundos do final, Jorge Silva a bisar e a fechar o marcador nuns enganadores 7-3, resultado final.

Com esta primeira derrota, o OCB desce para o 7º lugar. A 2 de novembro, recebe o Paço de Arcos, pelas 21h30.

Uma palavra para a claque Kaos Barcelense, que foi inexcedível no apoio à equipa de Barcelos.

“Halloween Barcelos” no Pavilhão Municipal a 31 de outubro

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

Evento inicia pelas 23h00 e tem entrada gratuita

O Pavilhão Municipal de Barcelos prepara-se para uma noite fantástica e fantasmagórica.

A partir das 23h00 da próxima quinta-feira, dia 31 de outubro, fantasmas, bruxas, duendes e personagens assustadoras espreitam na noite do “Halloween Barcelos”, uma iniciativa H.M. Motor que conta com a colaboração do Município de Barcelos.

Para além dos fantasmas, a festa inclui muita música e diversão, contando-se, entre os artistas em cartaz, os DJ’s Pette & Fábio Vasquez, All in DJ’s, Santos e Lee Faria.

A entrada é gratuita e há vários prémios para os melhores mascarados.

O Halloween radica na tradição pagã céltica que colocava o ano novo no dia 1 de novembro, durante as festas do Samain, de 30 de outubro a 2 de novembro, comemorativas do fim do verão celta.

Mais informações em www.cm-barcelos.pt.

Fonte e imagem: CMB.

Gil Vicente com empate caseiro frente ao Portimonense

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo Por

Golos marcados na primeira parte

Na tarde solarenga deste sábado, dia 26 de outubro, o relvado do Estádio Cidade de Barcelos recebeu mais um jogo a contar para a Liga NOS, a opor o Gil Vicente FC ao Portimonense SC, com o resultado a ditar um empate.



A contar para a 8ª jornada e sob arbitragem de Gustavo Correia (AF Porto), auxiliado por Inácio Pereira e Jorge Fernandes, com Rui Lima como 4º árbitro, o jogo contou com o seguinte alinhamento das equipas:

Gil Vicente FC – Denis, Henrique Gomes (Arthur Henrique, 47’), Rúben Fernandes, Ygor Nogueira, Fernando Fonseca, Kraev, Soares, Claude Gonçalves, Baraye (Naidji, 65’), Lourency (João Afonso, 65’) e Sandro Lima. No banco ficaram Bruno, Juan Villa, Leonardo e Lino.

Portimonense SC – Ricardo Ferreira, Hackman, Jadson, Lucas Possignolo, Fernando, Rodrigo, Pedro Sá, Lucas Fernandes, Aylton Boa Morte (Moreno, 82’), Jackson Martínez (José Gomes, 52’) e Bruno Tabata. No banco ficaram Samuel, Rômulo, Anderson, Luquinha e Cevallos.

O jogo ficou decidido, em termos de golos, logo na primeira parte. Marcaram primeiro os forasteiros, por Aylton Boa Morte, aos 40’, num grande passe de rotura de Pedro Sá para Boa Morte, que à saída de Denis, colocou em jeito para o fundo das redes. O Gil Vicente FC empatou na marcação de uma grande penalidade, por Sandro Lima, aos 45+6’, a penalizar falta sobre Baraye. Ao intervalo o resultado estava fechado: 1-1.

Na segunda parte não houve mais lances de relevo, a não ser a expulsão, por acumulação de cartões, de Claude Gonçalves, aos 89’. Estatisticamente, o Portimonense SC teve mais remates (7-5), mais posse de bola (55%-45%) e mais cantos (3-2); já os gilistas tiveram mais faltas cometidas (22-20), mais cartões amarelos (3-2) e mais vermelhos (1-0).

A próxima jornada traz uma deslocação gilista ao terreno do FC Famalicão, na próxima quarta-feira, dia 30 de outubro, pelas 21h00.

“Raposos”, do Teatro de Balugas, encerra o Festival de Teatro de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura Por

A estreia de “Raposos” marca, por outro lado, o encerramento do Festival de Teatro de Barcelos. O novo espetáculo do Teatro de Balugas, com texto e encenação de Cândido Sobreiro, realiza-se no dia 3 de novembro, pelas 16h00, no Theatro Gil Vicente.



A peça é um alerta sobre a propriedade da terra e os seus elementos naturais. A história fala-nos de uma barragem abandonada na construção, que não passou o tamanho das portadas da igreja da localidade, ao contrário das grandes barragens que engoliram aldeias inteiras; aqui o rio, pressentindo tamanha clausura, secou.

Entre as árvores cortadas e a aldeia abandonada, os que ficaram, entre homens e bichos, tudo tentam para encontrar o rio novamente, algum sinal de água. Esta é uma procura efabulada sobre esconderijos, animais e homens antigos.

Imagens: TB.

Comunidade da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos em peregrinação a Santiago de Compostela

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

Irmãos, colaboradores, familiares e mesários da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos chegam, este sábado, a Santiago de Compostela. São cerca de cinquenta pessoas, dos 20 aos 72 anos, entre Irmãos, colaboradores, familiares e mesários da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos que realizaram esta peregrinação ancestral.



“Uma Misericórdia de Fé – Caminhos de Santiago por etapas” é a iniciativa que tem mobilizado a Misericórdia de Barcelos, numa caminhada, por etapas, de renovação, transformação e Fé.

Neste sábado que se avizinha, os últimos 25 quilómetros são os que os levam até Santiago de Compostela, “onde chegaremos, por certo, num misto de Fé, alegria e emoção”, conforme afirma o provedor da instituição, Nuno Reis.

Fotos: SCMB.

Lucas Braga, da ACR Roriz, é Campeão do Minho de BTT-XCO

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo Por

Escolas vencem última prova do campeonato minhoto de BTT-XCO

O júnior Lucas Braga, da ACR RORIZ SEISSA | KTM-BIKESEVEN | MATIAS&ARAÚJO | FRULACT, sagrou-se, no passado domingo, Campeão do Minho de BTT-XCO depois de ser 2º classificado no BTT-XCO ACRAP, sexta e última prova do calendário minhoto de Cross Country, que se disputou em Prozelo – Arcos de Valdevez.



O atleta junta, assim, o título de Campeão do Minho de BTT-XCO ao título de Campeão do Minho de ciclocrosse que já havia conquistado esta temporada.

Ainda nesta prova, destaca-se o 7º posto de Diogo Carreiras, em Cadetes; o 12º lugar de João Braga, em Sub-23, sendo que José Ribeiro não concluiu em Master 40 devido a avaria.

Escolas saem vitoriosas na última prova do Campeonato do Minho de BTT-XCO

Também no domingo, as escolas da equipa rorizense encerraram a sua época desportiva, conquistando, em Prozelo, o lugar mais alto do pódio Coletivo.

Nas classificações Individuais, destaca-se a vitória de João Martins, em Juvenis, ele que foi acompanhado no pódio por Bruno Lopes, na 3ª posição, sendo que em juvenis, Paulo Fernandes foi 6º, o Gabriel Baptista 9º e Afonso Coelho 10º.

Nos Infantis, Leandro Martins foi 3º; em Iniciados, Rui Lopes foi 4º, Dinis carreiras 5º, Rodrigo Quintas 6º e Rodrigo Fernandes 7º. Já em Iniciados Femininos, Adelaide Palmeira foi 3ª classificada.

Samuel Gomes foi o vencedor em Pupilos/Benjamins; Matilde Fernandes e Daniela Fernandes foram 1ª e 2ª, respetivamente, em femininos.

Fotos: DR.

Teatro Popular de Carapeços e O Branselho encenam uma Visita Teatralizada por Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura Por

No próximo dia 26 de outubro, pelas 21h30, realiza-se mais uma “Barcelos Mágico – Visita Teatralizada”, com o grupo a concentrar-se no Largo do Moutilhão, em Barcelinhos (junto à escultura de São João).



Esta é uma organização do Gabinete de Turismo da Câmara Municipal de Barcelos e contará com a encenação de dois grupos de teatro barcelenses, o TPC – Teatro Popular de Carapeços e O Branselho.

Os participantes poderão, envoltos na mística da noite, descobrir sítios e monumentos iluminados por histórias e lendas, protegidos por agasalhos. Desde o referido Largo, o percurso segue para o burgo medieval, percorrendo o centro histórico, o Caminho de Santiago, ficando a conhecer histórias, personagens e lendas através da atuação teatral do elenco de atores destes dois grupos.

As inscrições são gratuitas, mas limitadas aos primeiros 50 inscritos. A marcação prévia é obrigatória, através do e-mail turismo@cm-barcelos.pt  ou tlf. 253 811 882.

Fotos: CMB.

Ir Para Cima