Arquivo Mensal

Outubro 2020

Município de Barcelos encerra Cemitério Municipal entre 31 de outubro e 01 de novembro

Atualidade/Concelho/Cultura/Política Por

Deixa apelo a que as pessoas não se desloquem aos cemitérios entre 31 de outubro e 02 de novembro

O Município de Barcelos lançou, hoje, um comunicado onde informa que o Cemitério Municipal estará fechado nos dias 31 de outubro e 01 de novembro, apelando, de igual modo, a que as pessoas não se desloquem aos cemitérios entre 31 de outubro e 02 de novembro.



Leia o comunicado na íntegra:

«COMUNICADO

No dia 1 de novembro, por tradição, há uma grande afluência aos cemitérios.

Este ano, a data ocorre ao domingo, sendo de esperar que, na véspera, também se verifique uma grande afluência de pessoas aos cemitérios, para limpeza e ornamentação de sepulturas e jazigos.

No passado dia 14 de outubro foi declarada a situação de calamidade no país, devido à pandemia do COVID-19, tendo sido definidas restrições quanto à presença simultânea e no mesmo local de um grande número de pessoas.

Também a Unidade de Saúde Pública do concelho considera que “as recentes alterações na difusão da pandemia, com aumento muito acentuado do número de novos casos e claro descontrolo nos seus contactos”, devem levar os cidadãos a redobrar cuidados para evitar a transmissão do vírus, não recomendando a abertura de espaços como os cemitérios.

Por outro lado, na reunião da Comissão Distrital da Proteção Civil de Braga, realizada hoje, foi decidido apelar aos cidadãos para não se deslocarem aos cemitérios nos dias 31 de outubro e 1 e 2 de novembro, como medida de proteção e de prevenção do COVID-19.

Também o Arcebispo de Braga não recomenda a realização de romagens e procissões religiosas nos cemitérios naquelas datas.

Assim, atentas as razões de saúde públicas e as tomadas de posição de algumas entidades civis e religiosas, a Câmara Municipal de Barcelos decidiu encerrar o Cemitério Municipal de Barcelos nos dias 31 de outubro e 1 de novembro, autorizando a abertura daquele espaço até às 19h00, entre os dias 26 e 30 de outubro, de modo a possibilitar a visita a quem não o possa fazer noutro horário.»

Fonte e foto: CMB.

Recital de Canto no Salão Nobre dos Paços do Concelho de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura Por

No próximo dia 23 de outubro, pelas 21h30, o Salão Nobre dos Paços do Concelho de Barcelos recebe um Recital de Canto, que conta com o apoio do Município de Barcelos.



Os espectadores poderão apreciar as interpretações de Diana Martins (mezzo-soprano), Orlando Martins (tenor) e de José Carlos Vilas Boas (piano).

A entrada é livre, mas o preenchimento da sala efetuar-se-á por ordem de chegada.

Cartaz do evento (Imagem: DR)

Imagem: DR.

Vai nascer um Parque de apoio ao Peregrino em Macieira de Rates

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo/Política Por

Foi aprovada a candidatura elaborada pela Viver Macieira e pelo Município de Barcelos de “Qualificação das experiências de touring cultural no Minho – De Passagem / Barcelos” e que integra a Estratégia de Eficiência Coletiva PROVERE MINHO INOVAÇÃO, no âmbito do Programa Operacional Norte 2020.



O investimento total é de 57.061,74€, sendo comparticipado em 46.374,46€ por aquele programa.

Trata-se de um projeto de promoção e valorização dos recursos e de apoio a infraestruturas turísticas voltados para o Caminho de S. Tiago no concelho de Barcelos e consiste na criação de uma infraestrutura de apoio ao peregrino, com parque de repouso, lazer e relação do peregrino de S. Tiago/turista com o território, a construir na freguesia de Macieira de Rates.

Na base deste projeto está a relevância e a diversidade dos recursos patrimoniais do concelho, materiais e imateriais, valorizando itinerários já existentes e estruturantes como é o Caminho de S. Tiago, dada a sua relevância para o turismo de Barcelos e para a divulgação da cultural local.

Está a decorrer o procedimento de contratação pública para a realização dos trabalhos.

Fonte: CMB.

Foto: DR.

[Ndr: notícia atualizada a 21.10.2020, pelas 15h05]

A Ascensão do Empreendedor

Atualidade/Concelho/Economia/Mundo/Opinião Por
Raúl Peixoto

O meu nome é Raúl Peixoto, tenho 24 anos e vivo na pequena freguesia de Tamel Santa Leocádia, em Barcelos.

Desde muito novo que sempre gostei de me envolver em atividades, sejam elas associativas, recreativas, religiosas ou desportivas. Com o tempo e após finalizar a minha licenciatura em Gestão em Viana do Castelo, onde criei algumas iniciativas no associativismo, decidi criar os meus projetos no mundo empresarial. Sou uma pessoa simples, humilde e muito ambiciosa. Considero-me um empreendedor.



Sou fundador e gestor de 2 empresas, a B&BI, uma agência de marketing digital e a Proximus, uma empresa de saúde ao domicílio. Sou fundador de uma comunidade de empreendedores, a Royal Network, e fundador de um grupo empresarial chamado Ana.Vi Group. Sou um estudante para sempre e um íman de pessoas de valor.

Uma longa caminhada está pela frente, muitos desafios para superar e muitas vitórias para conquistar, com uma certeza premente: Sempre acompanhado por muitas e muitas pessoas.

Como tal, inicio o desafio na escrita desta crónica com o objetivo de lançar alguns conceitos que considero relevantes com o que vou aprendendo nos livros que leio, nas aprendizagens que tenho, na experiência que vou adquirindo. Espero, profundamente, que seja um ponto de motivação para ação para o leitor que lê os artigos de opinião, e que tenha a ambição de ser empreendedor em tudo o que faz na vida.

Se o leitor tem como objetivo, na sua vida, ser uma pessoa feliz, de bem com a vida, que gosta de fazer o bem aos outros, que valoriza a sua família, que quer experienciar o melhor que a vida tem para nos dar, então eu identifico-me consigo. Nos artigos desta crónica irá encontrar várias reflexões que podem ajudar a tomar as melhores decisões com o objetivo de atingir esse modo de viver. Se à medida que lê esta apresentação se identifica com esta forma de pensar, então acompanhe os artigos porque irá gostar e será valioso para si.

Então vamos a isso!! 🙂

Mentalidade de longo prazo: O segredo para a prosperidade

Existe, na sociedade, um pensamento de curto prazo, que defende que aquilo em que nos envolvemos deve dar resultado num curto espaço de tempo. Defende, também, que se os resultados não aparecem passado esse pequeno intervalo de tempo, significa que não nascemos para aquele desafio, seja ele sermos um bom namorado, um bom colaborador, um bom vendedor, ou até um bom empreendedor. Este é um dos principais fatores que faz com que as pessoas iniciem algo e, pouco tempo depois, se deixem de esforçar da mesma forma que se esforçavam no momento inicial e, aos poucos, vão deixando cair por terra as suas ambições…E à medida que vão estando cada vez mais estagnados, a sua crença de que não nasceram para ser empreendedores, ou para vencer nos desafios que se propõem, vai aumentando, criando uma experiência negativa e um sentimento negativo no que diz respeito ao desafio. Isto que faz com que nunca mais queiram sequer aproximar-se, novamente, de serem empreendedores e ainda influenciando pessoas à sua volta para que não o façam, porque não tiveram a capacidade de o fazer.

A verdade é que o erro não está no conceito de se ser empreendedor, nem nas suas origens, a verdade é que o erro está na mentalidade da pessoa que ainda não sabe o que precisa de saber para levar avante os projetos em que se envolve.

Olhando para a história das pessoas mais bem-sucedidas, percebemos que existe quase um padrão de comportamento em todas elas. Em muitos dos casos, grandes projetos começaram pequenos, alguns deles numa garagem e, em muitos deles, esse projeto passa meses e anos a ter prejuízo, até que esteja no ponto chave para começar a ter resultados, em alguns casos, a ter resultados absolutamente estratosféricos. Se hoje em dia perguntassem aos fundadores do Facebook, da Coca-Cola, da Amazon, do Alibaba, da Microsoft, da Apple, se voltando com o tempo atrás, tomariam a mesma decisão em continuar com os seus projetos visionários, mesmo eles passando meses e meses sem dar resultado nenhum, qual acham que seria a resposta de cada um deles?

Pois bem, certamente que todos eles persistiriam, porque está na mentalidade deles persistirem na dificuldade e não desistirem até atingirem o que realmente pretendem. E estas mentes são as mentes que mudam o mundo, que inovam, que geram prosperidade para si próprios, para as suas famílias, e para as pessoas de quem gostam. Estas mentes que não desistem são as que experienciam a vida ao máximo e que são livres de tomarem as suas próprias decisões, porque não dependem de ninguém, dependem apenas e só de si próprios, porque conquistaram o seu próprio caminho.

Então, se tivesse que qualificar o primeiro passo que devemos dar para nos tornarmos empreendedores, é adotarmos um hábito de pensamento a longo prazo, que irá permitir-nos persistir perante a dificuldade e perante o fracasso, e não desistir quando convivemos com estes acontecimentos. As pessoas que pensam a longo prazo, têm escrito, no seu sangue, que o fracasso não faz delas fracassadas, o fracasso é apenas uma passagem no processo para serem pessoas bem-sucedidas (o que quer que seja, para cada um de nós, o sucesso). Pessoas que pensam a longo prazo, sabem que a dificuldade momentânea, ou que a falta de resultado momentâneo, significa que ainda existe algo mais a fazer para reverter a situação. Pessoas com esta mentalidade assumem que a responsabilidade pelo seu futuro depende, única e exclusivamente, delas e não têm a coragem de culpar os outros (quem quer que seja) porque estão bem cientes de que a responsabilidade está sempre do seu lado.

Somando a tudo isto, as pessoas que pensam desta forma programam-se para sacrificar o seu prazer momentâneo em prol do prazer MAIOR futuro. Isto significa que não se preocupam em faltar a uma festa, em comprar um telemóvel mais fraco, em faltar a um jantar dispendioso, em andar num carro mais fraco, em colocar a sua viagem de sonho em fila de espera, tudo em prol da construção do seu futuro. Pensam que, neste momento, a sua atenção terá que ser direcionada para a construção daquilo que a médio/longo prazo dará a liberdade para fazer tudo o que poderia fazer, mas com muita mais liberdade, com menos privações e com mais possibilidades para escolherem aquilo que querem, e fazerem-no quando bem entenderem.

Porque, afinal, o objetivo é sermos pessoas livres que tomam as suas próprias decisões, no momento que entendem que é mais indicado.

Adotando o pensamento de longo prazo, e fazendo a coisa certa HOJE, pode dirigir-se tranquilamente ao encontro de uma vida próspera, possibilitando dar segurança à sua família, experienciando, junto deles, as melhores coisas que a vida tem para dar.

Gostou do conteúdo deste artigo?

Então não pare por aqui…

Se o leitor gosta de ler, sugiro que leia os seguintes livros, que são duas bíblias que deve ter na sua mesa de cabeceira e que vão ajudar a adotar esta forma de pensar:

Pense e Fique Rico, Napoleon Hill

Capa do livro “Pense e fique rico” (Imagem: DR)

Pai Rico e Pai Pobre, Robert Kiyozaki

Capa do livro “Pai Rico e Pai Pobre” (Imagem: DR)

Por: Raúl Peixoto* (Jovem Empreendedor Barcelense)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Imagens: DR.

Campeonatos Nacionais de OriBTT em Barcelos

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo Por

Os Amigos da Montanha (AM), em parceria com a Federação Portuguesa de Orientação, e com o apoio da Câmara Municipal de Barcelos, organizaram, no passado domingo, os Campeonatos Nacionais de Distância Média e Estafetas de Orientação em BTT.

Um desporto para todas as idades (Foto: AM)



“Numa época muito difícil para o país é de salientar que há atividades de muito baixo risco que podem e devem continuar a ser praticadas”, referem os AM.

Medidas de prevenção (Foto: AM)

De facto, a orientação sempre foi praticada com distanciamento entre os competidores. Aliás, em competição, sempre que os atletas se agrupam, por diversos motivos, por exemplo, ir na “cola” de outro, isso é considerado falta de fair play desportivo e pouco ético. Por isso, nestes novos tempos, apenas foi necessário introduzir algumas regras de higiene e alterar alguns procedimentos.

Orientação e velocidade (Foto: AM)

Foi assim em Vilar do Monte, onde cerca de 130 atletas disputaram os títulos de Campeão Nacional nas diversas categorias. As matas que vão desde Monte Cutulo até ao Penedo Ladrão oferecem o cenário perfeito para esta modalidade: têm muitos trilhos cicláveis e possuem a dose de dureza física que faz a diferença, quando a leitura do mapa é perfeita.

A procura das “balizas” (Foto: AM)

Na manhã de domingo, disputou-se a Distância Média. Marisa Costa, da BTT LOULÉ | ELVIS, sagrou-se Campeã Nacional em femininos. A atleta considerou a prova “ao seu gosto, com piso irregular e bastante física”, tendo cometido poucos erros de navegação.

Pódio feminino (Foto: AM)

Em masculinos, sagrou-se Campeão Nacional Paul Roothans, do CLUBE DE NATUREZA DE ALVITO (Alentejo). Paul gostou do traçado “adequado para uma distância média, menos técnico e mais físico, ainda que nas zonas mais técnicas era necessário uma boa leitura do mapa”. Referiu, ainda, que “perdeu algum tempo, mas de uma forma geral, foi uma prova bem conseguida”. Em relação à situação de pandemia, Paul referiu que se sentiu bastante confortável. Agradeceu à organização por ter criado todas as condições de segurança e aos atletas por terem cumprido as regras de distanciamento.

Pódio masculino (Foto: AM)

A prova de Estafetas disputou-se durante a tarde. O CLUBE DE ORIENTAÇÃO DO CENTRO (COC Leiria) foi superior à concorrência, arrebatando os dois títulos coletivos do escalão sénior – masculinos e femininos.

Pódio de estafeta feminina (Foto: AM)

Daniel Marques, que integrou a equipa masculina, referiu, no final, que foi um fim de semana satisfatório para o COC. Referiu, ainda, que “a organização está de parabéns, não é fácil organizar nestas condições e o mapa e o terreno eram impecáveis para a modalidade”, agradecendo aos Amigos da Montanha pela organização.

A dureza do percurso estampada na face da atleta (Foto: AM)

Fonte e fotos: AM.

Mais um objetivo alcançado (Foto: AM)

Município de Barcelos recusa adesão ao programa “vacinação local”

Miguel Fernandes

A Câmara Municipal de Barcelos perdeu, uma vez mais, o comboio de boas políticas municipais a implementar. Num ano totalmente atípico, em que existe a possibilidade de o município garantir a vacinação gratuita a pessoas com idade igual ou superior a 65 anos, o executivo PS deixou escapar um protocolo que visa o alargamento e a diversificação dos locais de vacinação, como por exemplo, através da rede de farmácias comunitárias.  



O Ministério da Saúde garantirá o fornecimento de algumas vacinas para administrar nas farmácias, em condições de igualdade com os centros de saúde, permitindo assim abranger um maior território e promover a adesão à vacinação, evitando a sobrecarga do Serviço Nacional de Saúde (SNS), quer pela administração da vacina, quer por episódios de gripe que poderiam ser evitados com a vacinação. Contudo, a concretização do programa “Vacinação SNS Local” depende da decisão de cada município em promover a vacinação da sua população. 

Partindo de um exemplo concreto das vantagens que este programa poderia trazer aos barcelenses, particularmente aos que possuem idade igual ou superior a 65 anos. Na minha união de freguesias, Alheira e Igreja Nova, o centro de saúde local encontra-se encerrado, alegadamente por falta de pessoal administrativo. Caso o município tivesse aderido a este programa, o utente poderia deslocar-se a uma farmácia de proximidade, por exemplo Lijó, administrando sem custos a vacina da gripe. Se quisermos ser ainda mais abrangentes ou optar por outra alternativa à farmácia, podemos, à semelhança do que acontece noutros municípios, proceder ao agendamento da administração da vacina da gripe ligando para a junta da freguesia e, no(s) dia(s) agendados, o município disponibilizaria um enfermeiro para proceder à administração a este grupo prioritário.    

Como o Município de Barcelos não aderiu à iniciativa, uma franja da população tem de deslocar-se até à cidade para poder ser vacinada, expondo pessoas com uma saúde mais vulnerável a fatores de risco como a transmissão da COVID-19 ou condições climatéricas adversas, podendo originar outro tipo de doenças. Para além disto, existe uma dificuldade em agendar no centro de saúde e relembro a dificuldade de alguns idosos acederem aos transportes públicos, assim como, o seu receio em partilhar um espaço exíguo com outras pessoas, aumentando, uma vez mais, a probabilidade de transmissão da COVID-19.  

Assim, parece-me que teria sido útil para os cidadãos barcelenses que a Câmara tivesse aproveitado o protocolo e implementasse uma rede de administração de vacinas da gripe que permitisse uma maior cobertura territorial e adesão junto das populações, garantindo equidade na vacinação contra a gripe.  

As políticas municipais devem estar na vanguarda e melhor que ninguém devem colmatar as lacunas que existem no terreno e esmiuçar alternativas e soluções. O programa “Vacinação Local” foi uma iniciativa do Ministério da Saúde e da Associação Nacional das Farmácias, mas competia ao executivo municipal empenhar-se e realizar reuniões com as unidades de saúde locais e com as farmácias, ao invés de manifestar uma decisão negativa quanto à adesão ao programa.

Por: Miguel Fernandes* (Presidente da Comissão Política da JSD Barcelos)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Fotos: DR.

Últimos espetáculos do Festival de Teatro de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

O Festival de Teatro de Barcelos, organizado pel’ A Capoeira – Companhia de Teatro de Barcelos e pelo Município de Barcelos, chega ao último fim de semana de espetáculos.



Esta sexta-feira, dia 23 de outubro, pelas 21h30, o Centro de Teatro da Câmara Municipal de Cabeceiras de Basto apresenta “Circo Lar” [Ndr: imagem de destaque], um espetáculo que reinventa o imaginário do circo, outrora, lugar de celebração artística e de partilha comunitária. Um velho circo, outrora grandioso, encontra uma nova esperança quando surge Heitor, que se junta a esta companhia trazendo novas ideias para pôr este circo na ribalta, mostrando que o dia a dia se faz de reinvenções. Será que juntos vão ser capazes de transformar o seu próprio destino?

O encerramento do festival fica a cargo do Teatro de Balugas. Sábado, dia 24, pelas 21h30, o grupo barcelense apresenta “Raposos”. Eleito “Melhor Espetáculo Não Profissional 2020” pelo Guia dos Teatros, o espetáculo fala-nos da construção de uma barragem que “não passou o tamanho das portadas da igreja”. A aldeia foi salva pelo rio que secou, mas homens e bichos procuram a água e os esconderijos levados pelo corte das árvores.

“Raposos”, por Teatro de Balugas (Foto: DR)

Para garantir a segurança de todos, é de relembrar o uso obrigatório de máscara; já o distanciamento dentro da sala será garantido pelas bilheteiras.

Os bilhetes têm o custo de 3€ e podem ser adquiridos na bilheteira do Theatro Gil Vicente ou através do site www.gilvicente.bol.pt .

Imagens: DR.

Dos arrepios de Londres ao calor de Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo/Opinião Por
Christianne Daniel

Já alguma vez ouviste falar sobre alguém que pediu a demissão de um emprego que ainda está para começar? Foi uma das decisões mais loucas, mas ainda assim, emocionantes que já tomei. Há algo agradavelmente assustador em deixar tudo o que conheces para trás durante um ano. Quando tomei essa decisão, de me mudar para Portugal, durante um ano, tentei fazê-lo com o mínimo de expectativas possíveis para me permitir estar totalmente mergulhada na experiência.



Evidentemente, existem muitas diferenças entre Londres e Barcelos, sendo uma delas os preços maravilhosamente baixos do frango, que em Portugal custa 4,35€ e em Londres quase 9€; tal como podes imaginar, fiquei em êxtase. O tempo não passou de um sonho, parece a única semana de verão que temos em Londres, mas desta vez, durou um ano inteiro. Porém ao verdadeiro estilo britânico, assim que fica muito quente, eu reclamo, chamamos a isto de “Goldilocks Syndrome” – Síndrome Caracolinhos Dourados (Quando uma pessoa é excessivamente exigente quanto à procura da opção “perfeita” ou “certa” em qualquer situação, seja outra pessoa, lugar ou coisa, porque acredita que sempre terá um mar de opções para escolher). Aprendi, também, o quanto o clima afeta o meu humor, e embora tenha reclamado do calor, o sol faz-me querer aproveitar cada minuto da luz do dia e não tomá-la como garantida.

Um voluntária londrina nas “lides da terra”! (Foto: DR)

Há uma sensação completamente diferente quando vimos de uma grande cidade conhecida para uma muito mais pequena. Ao morar em Londres, segues uma rotina que consiste em dormir, comer, trabalhar e repetir este ciclo, podes acabar por nem socializar com os teus amigos e familiares. Eu passei um ano sem ver alguns dos meus amigos mais próximos por causa deste ciclo, mas em Barcelos existe um sentimento de união entre as pessoas locais. Quando o sol se põe, a família e os amigos reúnem-se e conversam acompanhados de uma cerveja ou um café. Cada vez que uso o autocarro, as senhoras mais velhas conversam com o motorista, sobre o seu dia, o clima, e como é obvio, o tópico global é…Coronavírus. Ver esta união foi lindo.

A única palavra que passou nos lábios de todos, inclusive nos meus, foi Coronavírus. Estar em Portugal, longe dos meus entes queridos durante uma pandemia foi difícil e assustador, além de que ter familiares com alguns problemas de saúde complexos foi muito preocupante para mim, e não ter nenhum familiar em Portugal foi difícil. Como o mundo parou, sou grata por ter a minha colega de apartamento e os meus amigos voluntários, é muito fácil para mim ir-me abaixo, mas mantivemo-nos ocupados e fomo-nos apoiando mutuamente. Conseguimos manter a nossa sanidade mental sã e continuamos com as risadas contínuas durante a quarentena, sendo por isso que lhes agradeço. Nunca esquecerei os meus dias de quarentena, em Portugal.

Nunca soube que Portugal tinha uma cultura de bebida tão grande, pensei que os britânicos gostavam de beber, mas estava muito enganada. Embora, quando o Portugal produz a melhor cerveja e vinho, tudo faz sentido. Quando estiveres no Norte, bebe como no Norte…Super Bock! Eu deveria ser a gerente de publicidade e entretenimento da Super Bock.

A oportunidade que tive de aprender um novo idioma foi algo que não pude tomar como garantido, apesar de todos os esforços da minha organização e das aulas de Português, tudo o que eu ainda sei é “Bom dia; Boa tarde/noite; Xau; Até já/logo/amanhã”, desculpa Elena 🙂 ! Apesar disto, a experiência que consegui adquirir é como nenhuma outra.

Christianne teve a oportunidade de apreciar belas paisagens portuguesas (Foto: DR)

No geral, a minha passagem por Portugal tem sido um montanha russa, muitos altos e muitos baixos, mas definitivamente, a melhor experiência que já tive, cheia de imensas memórias bonitas. Sempre quis morar no estrangeiro tal como trabalhar no exterior, agora eu posso, então fiz ambas as coisas. Se sonhaste, vai e vive, só não te arrependas, porque isso é pior.

Por: Christianne Daniel* (Voluntária na SOPRO, durante 1 ano, no Projeto Powerfull Volunteers)

Tradução: Ana Roriz (voluntária).

Fotos: DR.

JOM inaugura nova loja em Barcelos na próxima quinta-feira

Atualidade/Concelho/Economia/Mundo Por

A JOM, grupo empresarial português com mais de 20 anos de história, abre, no próximo dia 22 de outubro, em Barcelos, a sua nova loja, num investimento que ascende a 3 milhões de euros.



Tendo nascido pelas mãos do empresário vimaranense Joaquim Oliveira Mendes, a JOM comercializa produtos para o lar, como móveis, sofás, colchões, eletrodomésticos, decoração, têxteis e artigos de iluminação. Nas mais de duas dezenas de lojas físicas em território nacional e na operação online, a empresa faturou mais de 45 milhões de euros em 2019. A marca nacional tem produtos à venda que se ajustam a todos os gostos e carteiras, tendo como principal fornecedor a JOM Indústria, que produz mobiliário para ser comercializado nas lojas JOM.

A nova loja JOM Barcelos, localizada na Rua Dr. Aires Duarte, em Arcozelo, tem uma área próxima dos 3.000 metros quadrados, que se estende ao longo de dois pisos e parques de estacionamento, coberto e exterior, gratuitos para os clientes. “Trata-se de uma loja moderna, de proximidade e com disposição para que o cliente vivencie uma experiência de compra ímpar, percorrendo todo o espaço e conhecendo a variedade de artigos comercializados pela marca portuguesa”, refere a empresa em nota.

Uma das fachadas da loja de Arcozelo (Foto: JOM)

A abertura ao público da nova loja JOM Barcelos será às 10h00, seguindo todas as recomendações da Direção Geral de Saúde. Para marcar a data, a JOM realizará, de 22 a 26 de outubro, a promoção Oferta do Valor do IVA, válida em todas as lojas JOM e em www.jom.pt .

A JOM aponta agora para Caldas da Rainha, onde irá abrir uma loja, em novembro deste ano, de modo a alargar a sua rede para 24 lojas.

Fotos: JOM.

“História do liberalismo em Portugal” foi mote da 3ª sessão de conferências da Iniciativa Liberal Braga

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo/Política Por

Com o “intuito de desconstruir a nossa própria história e dar a conhecer a génese do Liberalismo em Portugal”, como refere em nota, o Núcleo Territorial de Braga da Iniciativa Liberal (IL) organizou, no passado dia 17 de outubro, às 10h30, uma conferência digital sobre a “História do liberalismo em Portugal”, integrado no ciclo de conferências “O que é o Liberalismo”.



Este evento, que contou com as intervenções de José Adelino Maltez e de Inês Gregório, teve uma enorme adesão popular, “relevando-se um verdadeiro sucesso, transformando esta iniciativa do Núcleo Territorial de Braga num evento nacional”, salienta a IL.

De salientar a visão de Inês Gregório, que defende que o liberalismo vive uma dicotomia entre duas tradições: tradição inglesa e francesa. “Portugal vivia numa tensão entre estas duas visões do liberalismo. No início do sec. XIX, Portugal parecia que se aproximava da tradição francesa, mas na Constituição de 1822 é notória a influência da tradição inglesa. O Liberalismo em Portugal viveu entre dois polos – conservadores e progressistas -, mas sempre na dependência do Estado”. Já Adelino Maltez destacou que “Friedrich Hayek, quando recebeu o nobel da economia em 1974, referiu que aquilo que pensa se deveu, em grande parte, aos jurisconsultos portugueses Francisco de Vitória e Francisco Suárez (que pelo seu pensamento político, influenciariam a Restauração de 1640)”.

Este ciclo de palestras, que pode ser consultado no canal de YouTube da IL de Braga, irá decorrer entre os meses de setembro e dezembro, com oito sessões e diversos convidados, sendo que a próxima decorrerá no dia 31 de outubro e terá como temática o “Liberalismo Clássico: Renascimento”, com a presença de José Manuel Moreira e de Carlos Guimarães Pinto.

Fonte e foto: IL.

1 2 3 12
Ir Para Cima