Arquivo Mensal

Novembro 2020

APACI distinguida pelos Prémios BPI “La Caixa” Capacitar

Atualidade/Concelho/Mundo/Saúde Por

Foram anunciados os projetos vencedores dos Prémios BPI “La Caixa” Capacitar, tendo a barcelense APACI – Associação de Pais e Amigos das Crianças Inadaptadas sido uma das distinguidas.

Os Prémios destinam-se a “todas as instituições sem fins lucrativos, com sede ou delegação legalmente constituída em Portugal ou com núcleos com autonomia comprovada, há pelo menos um ano, com projetos que visem a melhoria da qualidade de vida e a igualdade de oportunidades de pessoas com deficiência em situação de vulnerabilidade social”, sendo que prémio consiste no apoio financeiro que poder ser de até 85% do custo total do projeto.



No caso da APACI, o seu projeto “Negócios à medida”, que visa apoiar pessoas com deficiência e/ou incapacidades, em situação grave de risco de exclusão social e de perigo de desenvolvimento/agravamento de doenças psiquiátricas, através de atividades produtivas na área da engomadoria. “O que diferencia este projeto de tantos outros é o complemento da atividade produtiva, com a atividade Sócio-Recreativa que irá promover a inclusão social e a diversificação/aumento da rede de relacionamentos sociais. Os utentes poderão usufruir, também, de apoio técnico especializado nas áreas da Psicologia e Serviço Social, bem como, de serviços de capacitação e suporte às suas famílias ou cuidadores informais”, refere a APACI em nota.

Para “capacitar para a vida ativa”, a APACI receberá 37.310€ para “Fomentar a aquisição de hábitos de trabalho, através de atividades produtivas na área da lavandaria e da floricultura” e “Oferecer apoio técnico especializado em psicologia e serviço social para apoio a pessoas com deficiência, famílias e cuidadores informais”.

Foto: APACI.

Localização atual: prego a fundo ou inversão de marcha!

Atualidade/Concelho/Economia/Mundo/Opinião Por
Raúl Peixoto

Um dia, alguém me contou a metáfora do GPS. Então, essa pessoa contava-me que o GPS mostra ao seu utilizador as várias opções que tem para se deslocar desde o ponto de partida (que geralmente é a sua localização atual) até ao ponto de chegada (que geralmente é o local onde tem o objetivo de chegar). Uma das curiosidades mais interessantes quando estamos a tratar de tecnologia é que, quando as informações são bem adicionadas, a possibilidade de falha é quase nula. Seguindo o mesmo raciocínio, quando alguma informação é mal introduzida, o resultado será errado com toda a certeza. E seguindo a mesma lógica, quando algum dado está em falta, não será possível obter nenhum resultado, pois não existe informação suficiente para ser gerada uma resposta.



Posto isto, e assumindo como premissa que a tecnologia irá funcionar na perfeição, indicando ao GPS a localização atual precisa, e qual o destino que pretende chegar, ele irá sugerir várias hipóteses de caminhos que deverá percorrer para chegar onde pretende. Alguns desses caminhos conseguimos identificar logo à partida, enquanto que outros temos mais dificuldade pois nunca os percorremos e ainda não estamos a visualizar de forma clara por onde é que o GPS nos está a querer levar, contudo a certeza que temos é que qualquer uma das hipóteses levar-nos-á onde pretendemos.

Percebendo que na nossa vida é muito desafiante identificar de uma forma muito concreta (apesar de ser possível), que fazendo as coisas de determinada maneira, conseguimos atingir a vida que pretendemos, torna-se mais simples quando fazemos o exercício ao contrário.

Então se o caro leitor me permitir, gostava de o colocar numa situação hipotética:

Tenho o prazer de o convidar a imaginar que tudo na vida é possível. Não existem limitações, nem condicionantes. Pode ser, ter e fazer tudo o que pretender, sem ofender a liberdade das outras pessoas. TUDO É POSSÍVEL! Pode, finalmente, escolher ter a vida dos seus sonhos.

Gostava que refletisse sobre como seria a sua vida nesse momento. Que tipo de pessoa é? Uma melhor ou pior pessoa? Qual é o seu estilo de vida? Como é a sua família? Como são os seus amigos? Como é a sua saúde? Quantas vezes por ano tira férias com a sua família e amigos? Quais são as viagens que faz?

Depois de o levar nesta viagem gostava de lhe fazer uma nova pergunta:

Enquanto imaginava a vida dos seus sonhos, sentia-se uma pessoa mais feliz?

Certamente que sendo uma pessoa normal, imaginando a vida dos seus sonhos, eu arrisco em responder por si: Garantidamente que SIM! Certamente que se sentiu uma pessoa mais feliz, mais realizada e mais próspera, e essa foi uma boa sensação.

Tendo em conta que continua a ler este artigo, gostava de lhe dizer que considero que é uma pessoa empreendedora. Sendo que falamos a mesma língua, sei que irá aceitar este novo desafio que lhe vou propor. Quero, então, desafiá-lo agora a embarcar numa nova viagem.

Esta é uma viagem que o leva exatamente ao momento em que se encontra agora, neste preciso momento da sua vida!

Reflita, durante uns segundos, sobre a sua vida. Pense no ponto de situação atual, na pessoa que é e naquilo que faz diariamente.

A pergunta que lhe deixo para refletir é a seguinte:

Fazendo aquilo que faz hoje, daqui a 1, 2 , 5, 10 anos, terá a vida dos seus sonhos que imaginou? Sente que estará mais próximo de a conseguir?

Caso a sua resposta tenha sido “sim”, aconselho-o a que acelere e coloque PREGO A FUNDO porque está no caminho certo e deve continuar a fazer aquilo que está a fazer. Mas, caso a sua resposta tenha sido “não”, então sugiro que faça INVERSÃO DE MARCHA e comece a fazer coisas diferentes do que está a fazer agora, porque a sua vida é só uma e não está preso a uma vida que sabe que não o irá levar onde sonha. Perceba que todos nós nascemos para concretizar os nossos sonhos, e se não estamos a caminhar rumo à sua concretização, então o que estamos a fazer? A viver a vida que nos permitem? A contentarmo-nos com o mediano?

Deus fez-nos na plenitude da sua magnitude, feitos da mesma matéria, com diferentes origens. Alguns de nós fomos programados para sonhar e concretizar o que nos propomos, e alguns de nós fomos programados para acreditar que devemos de nos subjugar às vontades de outros, porque somos seres inferiores. A verdade é que somos seres ilimitados, com cérebros compostos pela mesma matéria. Por isso mesmo, todos nascemos para ser prósperos e para embarcar numa busca incessante pela vida dos nossos sonhos, porque essa esperança nunca ninguém nos pode tirar!

Então, a analogia com o GPS leva-nos ao segundo ponto importante na ascensão do empreendedor. Para atingir os nossos objetivos devemos ter claro, na nossa mente, para onde queremos ir. Sabendo isso, devemos refletir acerca da nossa situação atual, e se aquilo que sabemos e o que fazemos diariamente nos está a levar ao encontro do nosso destino desejado.

Fazendo isto, certamente que terá uma vida repleta de concretizações, vivendo a felicidade no seu sentido mais puro, junto das pessoas que mais gosta. Sabendo onde se encontra hoje, fazendo a coisa certa agora, rumo onde quer estar no seu futuro, garantidamente que nos iremos cruzar no caminho dos sonhos.

Até breve!

Caso tenha gostado deste artigo de opinião, recomendo a que acompanhe os próximos. E se for adepto de uma boa leitura, recomendo a ler o seguinte livro:

  • DESPERTE O GIGANTE QUE HÁ EM SI, Tony Robbins
Capa do livro (Imagem: DR)

Por: Raúl Peixoto*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

PSD Barcelos defende urgência de um plano de apoio às empresas barcelenses

Atualidade/Concelho/Economia/Política Por

Conclusão resulta de reunião com ACIB

O PSD Barcelos reuniu, no passado dia 13 de novembro, com a ACIB – Associação Comercial e Industrial de Barcelos para se inteirar da realidade do Comércio, Restauração e Indústria do concelho.



“Após uma análise das características do nosso tecido empresarial, atravessando os sectores da indústria (com especial relevância da indústria têxtil) ao comércio em geral, serviços e com atenção ainda à restauração, ficou clara a enorme preocupação que, no presente contexto, assolam as organizações locais de industriais e comerciantes, e das perspetivas no futuro próximo”, referem os sociais-democratas em nota enviada às redações.

“Reiteramos a urgência da Câmara Municipal de Barcelos avançar com um plano de apoio ao comércio, restauração e indústria do concelho, sob pena de não se fazer tudo o que está ao alcance do poder autárquico para evitar a falência de muitas empresas, com o consequente desemprego em que cairão milhares de barcelenses”, continuam.

“Por todo o país, assistimos à tomada de decisão de municípios, dos mais variados quadrantes políticos, no sentido de apoiar as empresas face à crise económica derivada da pandemia. A nossa autarquia não pode continuar apática e com medidas avulsas. É preciso fazer mais. É possível fazer mais. Se nada mais for feito pelas nossas empresas, poderemos concluir que não existe vontade política, nem estratégia por parte da Câmara Municipal de Barcelos”, salienta o PSD Barcelos.

“Até ao momento, a Câmara Municipal resignou-se a apoiar a divulgação das empresas Barcelenses em ambiente digital, cuja bondade podemos aceitar, mas cuja utilidade é questionável. Da medida apresentada, conhecemos a plataforma de uma loja online para o comércio local já em desenvolvimento pela Associação Comercial e Industrial de Barcelos. Apelamos e propomos à Câmara Municipal que apoie um projeto já existente, local, e que pode assentar na ‘marca Barcelos’, pertencente a um parceiro, em vez de apoiar um projeto desligado da nossa realidade”, sugere o maior partido da oposição.

Bruno Torres (Presidente do PSD Barcelos) com João Albuquerque (Presidente da ACIB) (Foto: PSD Barcelos)

“Mas o comércio local necessita, no imediato, de muito mais, necessita de um apoio efetivo que aumente as transações junto dos comerciantes locais e que proporcione receitas a curto prazo. Só assim poderemos ‘atenuar’ o efeito avassalador no desemprego com o encerramento de centenas de lojas e espaços comerciais. Desse apoio, reiteramos a proposta do PSD de atribuir vales para compras no comércio local, à semelhança do que já se faz em várias localidades do País, algumas delas com alguma proximidade ao nosso concelho. O PSD encontra-se disponível para analisar, rever e apoiar a sua implementação, em conjunto com os intervenientes locais, nomeadamente a ACIB”, ressalva.

“Ultrapassando este momento difícil e conturbado, com aplicação de medidas fortes e orçamento adequado, o PSD propõe, ainda, uma revisão ampla do plano estratégico para a economia barcelense, com o objetivo de a revitalizar e reestruturar, captando novas indústrias para o concelho de Barcelos”, conclui o PSD Barcelos.

Fonte e fotos: PSD BARCELOS.

Amanhã há recolha de sangue e medula óssea em Barqueiros

Atualidade/Concelho/Mundo/Saúde Por

A Barcelos Solidário – Benemérita Associação Humanitária dos Dadores de Sangue do Concelho de Barcelos, realiza uma recolha de sangue e de medula óssea em Barqueiros, amanhã, dia 01 de dezembro.



Esta recolha decorrerá na sede da Junta de Freguesia, entre as 9h00 e as 12h30, e conta com o apoio da referida Junta, da paróquia de Barqueiros e do Instituto Português do Sangue e da Transplantação.

Cartaz da recolha (Imagem: Barcelos Solidário)

Imagem: BS.

Em memória de Vítor Oliveira, Gil Vicente FC vence Rio Ave FC

Atualidade/Concelho/Desporto/Mundo Por

Vila-condenses homenagearam, igualmente, treinador que faleceu ontem

O jogo de hoje, no relvado do Municipal de Barcelos, foi marcado pela dor da perda de Vítor Oliveira (1953-2020), o homem, o marido, o pai, o amigo, o treinador…



Vítor Oliveira merecia uma homenagem de bancadas cheias e um imenso aplauso por tudo aquilo que fez em vida e que continuará a representar na nossa memória coletiva. O Barcelos na Hora deixa a sua sentida homenagem a Vítor Oliveira, sua família e amigos.

Até sempre, Mister!

Agora, vamos àquilo que fazia vibrar o mister…o jogo, propriamente dito.

Com arbitragem de Luís Godinho (AF de Évora), coadjuvado Rui Teixeira e Valter Rufo, com Rui Lima (AF Viana do Castelo) como 4º árbitro, o jogo contou com os seguintes alinhamentos de equipas:

Gil Vicente FC – Denis, Rúben Fernandes, Rodrigo, Ygor Nogueira, Claude Gonçalves (Vítor Carvalho, 85’), Lucas Mineiro (Henrique Gomes, 94’), João Afonso, Joel Pereira, Lourency, Renan Oliveira (Léautey, 58’) e Samuel Lino (Miullen, 85’). No banco ficaram Daniel Fuzato, Boubacar Hanne, Fujimoto, Leandrinho e Ahmed Isaiah.

Rio Ave FC – Kieszek, Costinha (Jambor, 71’), Borevkovic, Aderllan Santos, Pedro Amaral, Lucas Piazón (Bruno Moreira, INT), Pelé (Meshino, 71’), Filipe Augusto (Francisco Geraldes, 70’), Carlos Mané, Diego Lopes e Gelson Dala. No banco ficaram Léo Vieira, Tarantini, Ronan, Gabrielzinho e André Pereira.

O inicio ficou marcado com muita emoção e sentimento, com as equipas a perfilarem-se em redor do circulo central do terreno (foto de destaque) e os capitães de ambas as equipas a encaminharem uma bonita coroa de flores, trazida pelo clube vila-condense até ao meio campo, onde foi realizado um minuto de silêncio em memória de Maradona, Reinaldo Teles e, principalmente, de Vítor Oliveira, que treinou o Gil na época transata, para além de noutros dois momentos da sua extensa carreira.

Ramo e camisola assinada, entregues pelo Rio Ave FC (Foto: Márcio Fernandes)

A imagem de Vítor Oliveira manteve-se no ecrã do estádio durante o minuto de silêncio e a equipa barcelense trajou com uma braçadeira preta no braço esquerdo, em homenagem ao “Rei das subidas”.

O início de jogo foi equilibrado, com os primeiros 15 minutos a serem disputados por ambas as equipas no miolo do terreno.

O Gil Vicente FC entrou melhor, com um autogolo de Filipe Augusto (Foto: BnH)

Aos 18 minutos, o Gil Vicente inaugura o marcador com a ajuda de um opositor. Lucas Mineiro desmarcou Lourency, que, no interior da área do Rio Ave, foi à linha de fundo, cruzou rasteiro e Filipe Augusto, na tentativa de corte, acabou por marcar na própria baliza.

Vila-condenses foram à procura do empate, mas a defesa gilista foi dando conta do recado (Foto: BnH)

Após o golo Gilista, o Rio Ave tentou reagir e subiu no terreno, mas o Gil Vicente, com contra-ataques perigosos, ia colocando os vila-condenses em sentido. À passagem da meia hora, os gilistas passaram a pressionar o Rio Ave à saída do seu meio campo, causando problemas de construção aos forasteiros. 

Ao intervalo, o marcador apontava a vantagem de 1-0 para os gilistas (Foto: BnH)

Ao intervalo, o marcador apontava o Gil Vicente em vantagem pela margem mínima: 1-0.

No segundo tempo, o Gil Vicente iniciou forte e, aos 46 minutos, poderia ter aumentado a vantagem, através de Lucas Mineiro, que aproveitou uma perda de bola do Rio Ave e rematou muito perto da baliza defendida por Kieszek.

O Rio Ave FC tentava o golo e o Gil Vicente FC apostava no contra-ataque (Foto: BnH)

Dois minutos volvidos, o Rio Ave dispôs de uma grande oportunidade de golo. Numa perda de bola infantil da defensiva gilista, os vila-condenses chegaram mesmo a mandar a bola ao poste da baliza de Denis.

Rio Ave FC não conseguia empatar o jogo (Foto: BnH)

Aos 56 minutos, um canto batido por Gelson Dala, da direita, causou calafrios à equipa gilista, uma vez que a bola andou perdida em ressaltos à entrada da pequena área gilista.

Aos 71 minutos, foi a vez de Denis provar que não estava lá apenas para assistir ao jogo e fez uma defesa tremenda, na resposta a um livre batido de forma exímia por Filipe Augusto. Pode dizer-se, mesmo, que levava selo de golo.

O perigo rondou a baliza gilista, mas foi o Gil Vicente FC quem “matou” o jogo (Foto: BnH)

Aos 81 minutos, Denis volta a aquecer as luvas, desta feita com um remate forte de Jambor, mas o guardião segurou a bola sem dificuldade.

O Rio Ave foi pressionando até ao final da partida para tentar chegar ao empate, foi tirando alguns cruzamentos, mas a defensiva gilista foi sacudindo o esférico.

Mas o momento do jogo chegou aos 90+4, quando Lourency rematou de fora de área, muito colocado, em que a bola entrou no ângulo da baliza de Kieszek.

Jogo bem disputado, com vitória dos gilistas, que já não venciam desde a 2ª jornada (Foto: Márcio Fernandes)

O Gil Vicente, que já não vencia desde a 2ª jornada do campeonato, voltou a vencer, desta feita na 8ª jornada. Agora soma 8 pontos na classificação e encontra-se no 11º lugar (provisório) da classificação. Na próxima jornada vai deslocar-se a Moreira de Cónegos para defrontar o Moreirense, no próximo sábado, dia 5 de dezembro, pelas 15h30.

Fotos: BnH e Márcio Fernandes.

Peça “Pão Nosso”, do Teatro de Balugas, selecionado para festival em Itália

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

Depois da seleção para o Red Apple International Theater Festival, no Sri Lanka, o espetáculo “Pão Nosso”, do Teatro de Balugas, foi, agora, selecionado para o Concorso Teatrale Internazionale “Città di Chivasso”, em Itália.



O trabalho é um dos 8 espetáculos finalistas de vários países, como Croácia, Itália e Portugal. A organização do festival é da Officina Culturale, com sede em Chivasso, Piemonte (Turim).

Cartaz (Imagem: DR)

O trabalho da companhia de teatro de Balugães (Barcelos) é, uma vez mais, premiado internacionalmente, depois de ter sido um dos três espetáculos finalistas nomeados para Melhor Espetáculo Internacional nos prémios ESCENAMATEUR da Confederação de Teatro Amador em Espanha, selecionado para o Festival Transfronteiriço de Teatro Amador PLATTA, e um dos representantes de Portugal no Festival Ibérico de Teatro Amateur, ambos festivais também realizados em Espanha.

Foto: TB.

“triciclo” apresenta “A Garota Não” em Barcelos

Atualidade/Concelho/Cultura/Mundo Por

A Garota Não sobe ao palco do Theatro Gil Vicente, na próxima quinta-feira, às 20h30. A cantautora natural de Setúbal apresenta, em Barcelos, o seu disco de estreia “Rua das Marimbas”. O concerto está inserido no ciclo de concerto “triciclo”, promovido pelo Município de Barcelos. 



A Garota Não é um projeto de Cátia Mazari Oliveira. Sem artifícios, canta uma reflexão deliciosamente interventiva sobre os nossos tempos, fazendo uma abordagem atual, genuína e doce. Chega de pé descalço, toca guitarra e toca piano. Com influências que vão desde o rap português ao folk americano, passando pela música popular brasileira e pelo pop britânico. A Garota Não canta o que dói por dentro, o que ri por fora, o que os dias trazem. São eles, os dias e a vida que neles se derrama, o que a inspira: delicadeza, relações, sonhos, o respeito por quem está e a falta dele, o amor.

A lotação está limitada a 99 espectadores e os bilhetes estão à venda no Theatro Gil Vicente e nos locais habituais. A programação de 2020 do “triciclo” termina a 18 de dezembro, com o concerto de Stereoboy, na Biblioteca Municipal de Barcelos.

Cartaz (Imagem: triciclo)

Imagens: TRICICLO.

CIED Minho evidencia as mais-valias de alguns “projetos” e “produtos” apoiados pela UE

De 24 a 27 de novembro

O Centro de Informação Europe Direct Minho (CIED Minho), um projeto do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave, em conjunto com a Representação da Comissão Europeia em Portugal, de 24 a 27 de novembro, dinamizou entrevistas/conversas no âmbito da iniciativa “Vitrine de “Projetos” e “Produtos” – “Caminhos da Coesão”, a empresários e ou responsáveis institucionais do Minho.



O principal objetivo desta iniciativa passou por exibir projetos cofinanciados pela União e que são considerados como boas práticas pela mais-valia no impacto económico relevante na nossa região. Através destas entrevistas, pretendeu-se apresentar projetos cofinanciados pela União Europeia (UE) que têm apoiado positivamente o desenvolvimento da sociedade e da economia da região do Minho.

Todos os “projetos” e “produtos” apresentados foram cofinanciados por um dos fundos da política de Coesão da UE: Fundo Europeu de Desenvolvimento Regional (FEDER), Fundo de Coesão (FC) e Fundo Social Europeu (FSE).

Foram convidados do CIED Minho, Nancy Oliveira, responsável pelo projeto Namorarte; José Canão, responsável pelo projeto Cognita; Raul Fangueiro, responsável pelo projeto Fibrenamics Green; e ainda, Maria José Fernandes, Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave.

Durante as conversas, moderadas por Alzira Costa, Coordenadora do CIED Minho, os cidadãos ficaram a conhecer o impacto da UE no nosso quotidiano e a importância dos fundos europeus para o desenvolvimento de ideias inovadoras de pequenas e médias empresas e de projetos no âmbito do Ensino Superior.

Cartaz (Imagem: CIED MINHO)

Imagem: CIED-MINHO.

COVID-19: “Os Verdes” exigem medidas de reforço do SNS nos Concelhos de Elevado Risco

Atualidade/Mundo/Política/Saúde Por

De Modo a Garantir a Vigilância e Controlo da Disseminação da Pandemia

A deputada Mariana Silva, do Grupo Parlamentar “Os Verdes”, entregou, na Assembleia da República, uma pergunta, questionando o Governo através do Ministério da Saúde, sobre as medidas que urgem ser tomadas para reforço do SNS e, em particular, das unidades de saúde pública para ser garantida a vigilância e controlo da disseminação da pandemia, principalmente nos concelhos de elevado risco situados, maioritariamente, a norte do país, onde estas unidades atravessam sérias dificuldades



Segue-se, na íntegra, a referida pergunta:

«A evolução do número de casos positivos, num momento em que se registam máximos de casos confirmados, adensa o número de acompanhamentos a pessoas infetadas e em isolamento por parte das autoridades de saúde que atuam no sentido de vigiar e controlar a disseminação na comunidade.

Este acompanhamento traduz-se em centenas de chamadas diárias e registos epidemiológicos, uma tarefa partilhada por delegados de saúde, médicos de família e enfermeiros que alteraram radicalmente o acompanhamento a outras áreas, estando muitos deles afetos exclusivamente à COVID-19.

Para os delegados de saúde, tal significa que outras funções ficaram praticamente suspensas, ou diminuídas, tais como, verificações e apoio aos lares, identificação e aplicação de medidas em empresas onde surgem casos de COVID-19, juntas médicas, vigilância de águas para consumo humano e estabelecimentos de restauração e bebidas, vistorias de projetos, vigilâncias epidemiológicas e sanitárias generalizadas, verificação das condições para que pessoas com limitações e motoristas de pesados possam conduzir, entre outras funções.

A falta de recursos humanos nas equipas de saúde pública, aliada à escassez de tempo em resultado da pressão imposta pela necessidade de manter a vigilância epidemiológica de milhares de casos de COVID-19, traduz-se, ainda, em atrasos significativos nos telefonemas realizados pelas autoridades de saúde aos infetados e aos contactos destes doentes positivos que se encontram em isolamento profilático.

Por conseguinte, há situações de infetados que são contactados 7 a 14 dias após iniciarem o isolamento. Consequentemente, os trabalhadores deparam-se com atrasos na emissão da declaração de isolamento profilático, para apresentar junto das entidades empregadoras, implicações no processamento salarial e adiamento do prazo para receção da remuneração da segurança social pelos dias em isolamento profilático.

A demora na obtenção de alta pelas autoridades de saúde, após cumprimento dos 14 dias de isolamento levou a que alguns trabalhadores regressassem ao trabalho sem a devida documentação, tendo havido falha no controlo dos sintomas e expostos terceiros a risco de contaminação.

A par dos concelhos limítrofes de Fafe, Vizela, Felgueiras, Lousada e Santo Tirso, Guimarães está entre os 10 concelhos com risco mais elevado e regista, à data de hoje, 1886 pessoas com COVID-19 por cada 100 000 habitantes.

O mesmo delegado de saúde afeto ao ACES Alto Ave – Guimarães, Vizela e Terras de Basto, tem a responsabilidade sobre os concelhos de Cabeceiras de Basto, Fafe e Vizela.

Os contactos da delegação de saúde tardam e dada a necessidade de obtenção de declarações comprovativas do isolamento profilático, algumas pessoas optaram por estabelecer ligação telefónica com a Unidade de Saúde Pública de Guimarães, instalada no Centro de Saúde de Urgezes, mas também por esta via não obtêm o atendimento necessário.

Anunciada em outubro pela Direção Geral de Saúde, a contratação de 150 enfermeiros, maioritariamente alunos de enfermagem, para reforçar as equipas de saúde pública na realização dos inquéritos epidemiológicos, não vêm reforçar efetivamente a capacidade de resposta do SNS, pois como reconheceu o Secretário de Estado e Adjunto da Saúde trata-se de inquéritos acionados pontualmente o que “não justificaria um vínculo”.

“Os Verdes” exigem esclarecimentos sobre as medidas que urgem ser tomadas para reforço do SNS e em particular das unidades de saúde pública para ser garantida a vigilância e controlo da disseminação da pandemia, em particular nos concelhos de elevado risco situados maioritariamente a norte do país, onde estas unidades atravessam sérias dificuldades.

Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, solicito a S. Exª O Presidente da Assembleia da República que remeta ao Governo a seguinte pergunta, para que o Ministério da Saúde possa prestar os seguintes esclarecimentos:

1. Quantos enfermeiros, dos 150 enfermeiros anunciados para o reforço nas unidades de saúde pública foram integrados nos ACES dos 10 concelhos de risco elevado?

1.1 – Qual a distribuição por estas unidades de saúde?

2. Qual o número médio de dias para estabelecimento do primeiro contacto pelas autoridades de saúde aos doentes COVID-19 em isolamento e contactos de casos positivos em isolamento profilático nos concelhos supramencionados?

3. O Ministério da Saúde confirma atrasos de 7 a 14 dias nas situações de acompanhamento, pelas autoridades de saúde, a infetados COVID-19 e de contactos em isolamento profilático?

4. O Governo tem conhecimento de falhas ou dificuldades no atendimento telefónico nas unidades de saúde pública? Continua a ser assegurado o serviço de atendimento telefónico nestas unidades para outras situações de saúde pública?

5. Qual o rácio de delegados de saúde e de coordenadores por número de habitantes designados nos ACES destes 10 concelhos?

6. O Ministério da Saúde pondera o reforço da contratação de administrativos clínicos, delegados de saúde, médicos e enfermeiros para responder às dificuldades enfrentadas pelas unidades de saúde pública e pelas unidades locais de saúde no combate à pandemia?»

Fonte: PEV.

Foto: DR.

Lionismo e diabetes

Atualidade/Concelho/Mundo/Opinião/Saúde Por

O Lionismo é um Movimento de Serviço Internacional, que está em mais de 200 países, com um leque de serviços amplo, desenvolvido através dos mais de 48 000 Clubes Lions no mundo, com ações que englobam a promoção da saúde na diabetes, na cegueira, no cancro infantil e em outras doenças que afligem a humanidade, a promoção da cultura, da saúde ambiental, o combate à fome, a prevenção da delinquência infantil e juvenil com programas orientados para essas idades, etc.



E, através da Fundação Lions Internacional, (LCIF), o movimento lionístico está sempre presente onde a catástrofe e a necessidade acontece como, atualmente, na pandemia do COVID-19.

Os clubes seguem os programas orientadores de Lions Internacional e da Governadoria do Distrito Lion a que pertencem, com ações de iniciativa própria, consoante as necessidades das comunidades em que assentam: organizam-se eventos de angariação de fundos, rastreios, colheitas de sangue, entrega de bolsas de estudo, bolsas de alimentação e outras, concursos literários, concursos de música, de fotografia, ações de apoio à velhice, e muitas outras.

O mês de novembro é dedicado à Diabetes, essa doença crónica que atinge 463 milhões de pessoas no mundo e se carateriza por demasiado açúcar (glicose) em circulação, consequência da não (ou pouca) produção de insulina pelo pâncreas, que não sendo diagnosticada atempadamente e controlada, pode provocar lesões graves no coração, nos olhos, nos rins, nos vasos sanguíneos, nos nervos, causando pouco a pouco a falência de todo o organismo.

O diabético precisa de aprender a manter a sua doença controlada. Dependerá disso o ter uma vida feliz, normal, ou uma vida de sofrimento. Ele deverá ser doente e médico no controlo da sua doença.

A Diabetes manifesta-se sob dois tipos: diabetes tipo1, que atinge especialmente jovens e crianças, mas pode atingir todas as idades. Os seus portadores terão de tomar, diariamente, a insulina, que o seu pâncreas não produz, e controlar a glicose em circulação; e a diabetes tipo 2, que atinge, preferencialmente, pessoas de meia-idade, mais ou menos obesas e sedentárias. Mas também, e cada vez mais (pensa-se que devido ao tipo de alimentação e à vida sedentária das crianças e jovens de hoje), jovens e crianças. Todavia, diagnosticada, seguindo disciplinadamente o tratamento e tendo uma alimentação saudável e exercício moderado, quer os diabéticos Tipo1, quer os do Tipo2 poderão levar uma vida ativa e feliz.

Durante o mês de novembro, cujo dia 14 é o Dia Mundial da Diabetes, os clubes Lions desenvolvem nas suas comunidades atividades decontrolo e promoção da saúde do diabético, com a organização de palestras sobre alimentação saudável, caminhadas, rastreios de glicose, colesterol, tensão arterial, índice de massa corporal, distribuição de panfletos alertando para as consequências de uma Diabetes descontrolada, etc.

E o Lions Clube de Barcelos, desde há anos, juntamente com os seus parceiros, organiza no dia 14 de novembro “As Jornadas da Saúde”, que englobam rastreios a esses valores diversos, importantes na saúde de todos nós, mas ainda mais na saúde do diabético.

Este ano foram adiadas, há dias, para quando o COVID-19 permitir a sua concretização.

Por: CL Jeracina Gonçalves*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Foto: DR.

1 2 3 16
Ir Para Cima