Barcelenses Inspiradores: Susana Pinto

Dezembro 7, 2019 Atualidade, Concelho, Cultura, Entrevistas, Opinião

A jovem Andreia Fonseca foi a nossa última entrevistada, dando agora vez e voz à escritora Susana Pinto.

Se tiver interesse em participar ou em sugerir alguém inspirador para esta rubrica, escreva para o email: barcelensesinspiradores@outlook.pt.



Susana Pinto nasceu no dia 20 de novembro de 1975, sendo natural de Galegos S. Martinho. Desde muito nova que as suas paixões são a escrita e a fotografia. No ano 2000, participou no lançamento do livro de poemas “Antologia dos Jovens Poetas do Baixo Minho”, com o pseudónimo Beatriz Castelhana. Em 2008, publicou o livro infantil “Nini, a ovelha Corajosa”, com a apresentação da Associação Às Artes e do Dr. Victor Pinho, a quem agradece. Promoveu o livro nas escolas primárias de Barcelos e Vila Nova de Famalicão. Em 2015, a título particular, escreveu um livro dedicado à sua querida avó materna com as suas histórias e fotografias. Uma biografia. Ela adorou. Atualmente, está a escrever um livro, a publicar no próximo ano, onde relata histórias reais vividas pelos adolescentes e seus pais. Um livro de afetos e dilemas que vão surgindo. A fotografia é um hobby que a inspira. Com ele tem ganho alguns concursos que lhe dão muitas alegrias.



Quem és tu? Conta-nos quem és apenas como tu te conheces.

Considero-me uma pessoa simples, de bem com a vida. Sou muito descontraída. Facilmente, crio empatia com as pessoas que me rodeiam. Tento sempre ver o lado positivo de tudo. Dos maus momentos, aprendo sempre algo e, dos bons, fico com as recordações. No fundo, sou uma mulher resiliente. Considero-me alguém com um bom sentido de humor. Adoro viver e tudo o que faço tento fazê-lo com paixão e dedicação. E, raramente, desisto dos meus sonhos. Sou muito sonhadora, mas tenho os pés bem assentes na terra.

O que fazes é uma extensão de quem és?

Claramente. São paixões que me mantêm viva e com elas registo momentos, não só meus como de outras pessoas que vão aparecendo na minha vida. Não me imagino sem a escrita e a fotografia, porque já as considero como grandes companheiras.

De que forma impactas a vida do próximo?

Gostaria de acreditar que tenho influência positiva na forma como os que lidam comigo encaram a vida com alegria e determinação. Nem tudo é fácil, mas também não precisa de ser muito difícil. Gostaria de ser um bom exemplo de alguém que luta pelos seus objetivos.

Se pudesses ter a atenção do mundo durante 5 minutos, o que dirias ou farias?

Eu diria para viverem o momento, aproveitando o melhor que a vida nos possa dar e usufruir dos nossos talentos. Lutem pelos sonhos, com garra e paciência. Fazer acontecer é trabalhar com paixão para nos sentirmos realizados pessoal e profissionalmente. E banir a palavra DESISTIR do nosso vocabulário, pois se nos faz feliz estamos no caminho certo.

Ao longo da tua vida, quem foram algumas das pessoas que mais te influenciaram?

As pessoas que mais me influenciaram foram os meus pais, a minha irmã e as minhas avós. O que aprendi com eles ajudou a moldar a pessoa que sou hoje. Quero também destacar o meu marido, que sempre me apoiou neste sonho de escrever e fotografar. Os meus filhos, que me ensinam bastante. Os meus amigos, que me apoiam. Todos me transmitem boas sensações.

Atualmente, que figuras de influência tomas como exemplo?

Gosta da escritora Helena Sacadura Cabral, que escreve com tanta espontaneidade que me fascina. Também é mãe e transmite-me uma sensação de paciência e naturalidade com questões relacionadas com os filhos.

Diz-nos um barcelense que te inspire e porquê.

Os meus filhos, porque me inspiram a ser boa mãe. Ensinam-me diariamente o valor dos afetos e da importância que estes têm para nos melhorar. Inspiram-me a transmitir amor e bons sentimentos.

Como gostarias de ser recordada?

Gostaria de ser recordada como uma mulher simples que adora viver. Gostaria que dissessem que é muito fácil gostar de mim e que vivo cada momento de uma forma autêntica e genuína.

Por: Sandra Santos (Poeta e Tradutora) e Iara Brito (Criminóloga)*.

(* A redação do artigo é única e exclusivamente da responsabilidade das autoras)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

“La Manita”

Gostaria de começar esta crónica e esta nova etapa, cumprimentando, cordialmente, todos
Ir Para Cima