Conquista saborosa

Agosto 11, 2020 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião
Vítor Sá Pereira

Olá, caríssimos leitores do BnH!

Espero que se encontrem bem, protegidos e, se for o vosso caso, “Boas férias” com máxima segurança e responsabilidade.

Depois do título de Campeão Nacional, agora vencemos a mítica “Taça de Portugal”, nove anos depois da última conquista.



Esta tem um sabor bastante especial porque ganhar ao clube dos “milhões” é sempre saboroso, nem que fosse no Torneio do Guadiana.

Cedo se percebeu que iríamos ter um FCP focadíssimo e agressivo, mas num preciosismo total do Sr. Soares Dias, ficámos a jogar contra 10 muito cedo. Sinceramente, pensei que com a expulsão de Díaz o jogo estivesse inclinado para a vitória das Águias e o zero a zero ao intervalo foi fundamental para a equipa relaxar e discernir.

SC, ao seu estilo, foi também expulso, e bem. Apesar de ter razão, perdeu-a na forma como protestou! A questão da expulsão certamente uniu o grupo no descanso e a atitude e foco foram ainda mais fortes.

Em dois lances de bola parada “matámos” os “milhafres”. Na bola parada, o FCP é implacável, com Mbemba a fazer, duas vezes, de Zé Luís, Soares, Marega, Aboubakar e Fábio Silva!

Estes golos, além de darem o título ao FCP, foram um prémio justo para o MBemba, sempre humilde, paciente e trabalhador. Aquele sorriso disse tudo.

Soares Dias queria ser um dos destaques da partida e decidiu inventar um penalty para animar o jogo. Mas só com esses “esquemas” o Porto sofria golos. A defesa estava intransponível e até podiam ser dois “Benficas” a atacar, ou até as suas novas aquisições e o seu novo treinador a tentar, que não levavam nada.

Vitória justa de uma equipa que, sempre que eleva os valores Porto, não perde!

Quem diria que uma época que começou com a eliminação da Champions numa fase precoce, a perda de milhões, o controlo do fair-play financeiro, a derrota na primeira jornada, a “casa a arder” em janeiro com a derrota na final da Taça a da Liga, a desvantagem de 7 pontos a certa altura no campeonato, iria ter este desfecho?!

Os especialistas dizem que foi demérito de alguém. Eu talvez ache, até, mais incompetência.

Dei o campeonato por perdido na derrota em Famalicão e no empate nas Aves, mas a partir daí, o Porto parecia uma locomotiva. Mérito de SC? Sim, mas só. Acredito no “Midas touch” de Pinto da Costa e na união do plantel. Parabéns a todos, sem exceção. Foi magnífico e uma tremenda alegria em tempo de pandemia. Os adeptos mereciam um festejo “à séria”, mas a saúde pública está em primeiro lugar.

Agora é tempo de arrumar a casa e espero que o façam com a porta fechada. Terá de haver um grande equilíbrio entre manter a equipa competitiva e as contas do clube.

Deixem os canais e jornais arranjarem 500 jogadores para o rival e falarem do JJ 24 horas por dia, que eu acredito na gestão da estrutura.

Já agora, essa jogada de falarem do SLB 24 horas é ótima para desviar atenções e o fim dos programas com comentadores na SIC e TVI é uma tática feliz para as eleições do Benfica…LOL!

Se SC ficar, fico contente, se sair, fico feliz. É a minha opinião e estou grato pela sua raça e portismo.

Agora é tempo de descansar e disfrutar porque o sucesso é efémero.

Obrigado por me lerem e desculpem qualquer coisinha. Nunca quis ter razão, apenas falei com o coração.

Até à próxima!

Cuidem-se…

Por: Vítor Sá Pereira*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

“La Manita”

Gostaria de começar esta crónica e esta nova etapa, cumprimentando, cordialmente, todos
Ir Para Cima