COVID-19: Técnicos de Análises Clínicas temem que possam não haver testes de diagnóstico suficientes

Março 30, 2020 Atualidade, Concelho, Mundo

De acordo, com o STSS – Sindicato Nacional dos Técnicos Superiores de Saúde das Áreas de Diagnóstico e Terapêutica, a alocação de testes, ao setor privado, para diagnóstico da COVID-19, está a preocupar os Técnicos Superiores de Diagnóstico e Terapêutica (TSDT) da área das Análises Clínicas e Saúde Pública, pois temem que a “indústria farmacêutica não tenha capacidade de resposta para todas as solicitações e que, dessa forma, o Serviço Nacional de Saúde (SNS) fique sem resposta e tenha também que recorrer ao setor privado”.



Para as estruturas representativas do setor – o referido Sindicato e a Associação Portuguesa dos Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública (APTAC) – “perante a crise sanitária que assistimos, é fundamental que todos os stakeholders estejam convocados a participar e que o SNS estabeleça parcerias com todos os setores de forma a otimizar a sua resposta face às necessidades da população, contudo, sem nunca perder a liderança do processo”.

As entidades consideram fulcral que as colheitas de amostras biológicas sejam realizadas apenas por profissionais competentes e experientes, devido às especificidades do diagnóstico da COVID-19. “Lamentamos que perante esta catástrofe sanitária, a que todos estamos expostos, se verifique um aproveitamento social de alguns grupos profissionais, que não são profissionais de saúde, como os Biólogos e os Bioquímicos, que, por via da Ordem Profissional, façam chegar à opinião pública informação errónea sobre as suas competências nesta matéria”. Alertando, “estes profissionais não têm competências para o exercício deste ato e a sua eventual integração em centros de rastreio pode pôr em causa a fiabilidade dos resultados analíticos, resultantes de amostras inválidas por má prática. Por outro lado, consideramos que a alocação massiva dos nossos profissionais na recolha dos produtos biológicos, quer nos hospitais, quer nos centros de despistagem, permitem uma otimização dos recursos humanos, com ganhos em saúde, libertando outros profissionais, como médicos e enfermeiros, para outros cenários onde a sua atividade é mais relevante”.

Os Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública, alertam ainda, pela sua elevada exposição ao vírus, para a necessidade urgente de garantir a proteção individual dos profissionais, bem como, de assegurar as normas de biossegurança aplicadas aos laboratórios da qual dependem resultados analíticos fidedignos. Outra das preocupações dos Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública é a garantia de recursos humanos no SNS, disponíveis não só para a realização dos testes COVID-19, bem como para a manutenção da resposta laboratorial necessária às exigências da população para além do diagnóstico ao COVID-19.

Quem são os Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública?

Integrados em equipas multidisciplinares, os Técnicos de Análises Clínicas e Saúde Pública são fundamentais no apoio ao diagnóstico e à decisão clínica, essenciais na caraterização e controlo da pandemia por COVID-19. Enquanto profissionais de saúde, com qualificação superior, assumem todas as fases da cadeia analítica desde a recolha dos produtos biológicos em hospitais ou centros de despistagem/rastreio, até ao processamento analítico do qual resulta a produção de resultados analíticos, em cumprimento com as normas de biossegurança, exigidas pelas autoridades nacionais e internacionais. Estão presentes em todos os serviços de patologia clínica dos hospitais públicos e privados, nos laboratórios clínicos da rede de laboratórios do sector privado e com uma forte e significante participação no Laboratório de Referência, Dr. Ricardo Jorge (INSA), no qual intervêm diretamente no diagnóstico do COVID-19, assim como na realização de testes que permitem a validação de novas metodologias, disponibilizando mais e variada oferta para o mercado.

Criada Bolsa de Recursos Humanos: licenciados em Análises Clínicas e Saúde Pública e Ciências Biomédicas Laboratoriais

Para fazer face a uma possível escassez de recursos humanos dos profissionais, dada a potencial exposição à infeção em curso e de situações de esgotamento dos profissionais, a APTAC disponibilizou um formulário para a constituição de uma bolsa de voluntários para licenciados em Análises Clínicas e Saúde Pública e Ciências Biomédicas Laboratoriais, profissionais e estudantes, que se mostram disponíveis em regime de voluntariado, contribuir para os serviços de patologia clínica, caso seja necessário.

Foto: DR.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima