Em conferência de imprensa online, PSD Barcelos faz o seu balanço de “dois meses de COVID”

Maio 12, 2020 Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Política

O PSD Barcelos realizou, ontem, uma conferência de imprensa online, onde fez o seu balanço a dois meses de COVID-19 no concelho de Barcelos.



Os sociais-democratas agradeceram aos profissionais de saúde; às empresas e cidadãos, pelas dádivas de bens ao Hospital e outras instituições; aos Presidentes e Juntas de Freguesias pelo seu trabalho, “substituindo-se a uma Câmara que parece ter entrado em serviços mínimos”.

Salientou que o PSD “disse presente”, nomeadamente, com a apresentação de “56 sugestões e propostas de ajuda, para atenuar os efeitos da pandemia na economia dos Barcelenses”, criticando a “ausência da Câmara” e da Assembleia Municipal, afirmando que esta última se mantém “refém da postura de inoperância e incompetência da Câmara Municipal” e elencando um conjunto de exemplos que demonstram, na ótica do maior partido da oposição, a referida “ausência” do Município.

Segue, na íntegra, a comunicação inicial lida na conferência de imprensa:

«O PSD É UM PARTIDO DE COLABORAÇÃO E AJUDA PARA O BEM DOS BARCELENSES!

Desde o início da COVID-19 o PSD constituiu-se como Partido colaborativo e acrescentador de decisões minimalistas que foram sendo tomadas pelo executivo da Câmara, tardias, a reboque da oposição, nomeadamente do PSD.

Balanço de 2 meses COVID

1 – Queremos Agradecer

– Aos Profissionais de Saúde que nos Hospitais, Unidades de Saúde e Instituições de Saúde e Sociais, são incansáveis no combate à COVID, expondo a sua saúde e dos seus familiares.

– Às Empresas e Cidadãos pela generosidade e dádiva de bens ao Hospital e Instituições

– Aos Presidentes e Juntas de Freguesia porque têm tido uma postura irrepreensível e de muita nobreza, substituindo-se a uma Câmara que parece ter entrado em serviços mínimos (é caso para perguntar se os Vereadores executivos também entraram em lay-off).

2 – O PSD disse presente

O PSD contribuiu e contribui para o superior interesse dos Barcelenses, logo na reunião de 6 de março, o PSD colocou perguntas e até recebeu algum desdém e respostas imprudentes.

A seguir, o PSD contribuiu com 56 sugestões e propostas de ajuda, para atenuar os efeitos da pandemia na economia dos Barcelenses.

3 – Ausência da Câmara

O executivo não foi expedito em aproveitar os contributos de colaboração do PSD e suas propostas.

Constatamos a tomada de medidas em reação e nunca por opção estratégica, a falta de apoio da Câmara às Juntas, às Empresas, Escolas, Instituições, IPSS, a falta de orientações.

Exemplos:

1º Exemplo – Centro COVID-Drive de Rastreio e Testes

A instalação do Centro de Rastreio e Testes, veio com um mês de atraso em relação a outros Municípios vizinhos e da região, após a insistência do PSD e só o futuro dirá se esse atraso não vai trazer consequências negativas e quais para os Barcelenses.

Impunha-se uma instalação e funcionamento mais cedo, para preparar todos os setores de mais risco nas Instituições e na população.

Impunha-se uma intervenção rápida, a exemplo do que fizeram outros Municípios, para fazer Testes a profissionais do Município, IPSS, bombeiros e forças de segurança!

O Presidente da Câmara disse, repetidamente, que não era necessário CENTRO DE TESTES e depois disse o seu contrário em apenas 24 horas.

A Câmara não tomou decisões, apostou na sorte do CORONAVÍRUS não nos atacar, mas essa atitude não foi prudente nem sensata.

2º Ex – Instituições de Saúde

O Hospital de Barcelos não tem um “Hospital de retaguarda” preparado e equipado para um surto da COVID que possa acontecer em larga escala e a Câmara tem que o preparar.

Não basta ceder o Pavilhão Municipal vazio, até porque o Pavilhão vai continuar a ser necessário para a atividade desportiva.

Por outro lado, a reorganização que foi efetuada no Centro de Saúde e nas USF deve começar a regressar à normalidade e a Câmara tem que participar nesse processo para apoiar financeiramente na adaptação de instalações onde tal for necessário para cumprir normas de saúde.

A Câmara tem que se preocupar que a Urgência Pediátrica do Hospital regresse ao seu horário de funcionamento contínuo.

3º – Instituições IPSS com Lares

A Câmara não se preveniu atempadamente para proteger e defender os setores de mais risco, nas Instituições e na população barcelense, para tentar impedir ou neutralizar o surgimento de casos COVID.

O que aconteceu no Centro Social da Pousa é o exemplo cabal da falta de preparação, estratégia e liderança da Câmara no combate à COVID.

Agora aconteceu na Casa de Saúde de S. José de Areias de Vilar e no futuro não saberemos onde.

4º – Município

a) Até ao presente, a Câmara não aprovou qualquer isenção ou redução de taxas para beneficiar Cidadãos, Profissionais e Empresas que perderam ou baixaram rendimentos devido à doença da COVID.

Não obstante as sugestões de colaboração do PSD

Taxas dos Feirantes nas Feiras e Mercados

Taxas de estacionamento

Redução da taxa de IMI na parte variável do Município

Anulação da Derrama

Devolução da parte do Município no IRS às Famílias

Taxa RSU de resíduos sólidos a particulares e entidades

Taxa por ocupação de Quiosques na via pública

Taxa de ocupação do espaço público

b) O Grupo Operativo Municipal COVID não funciona, não emite orientações, não divulga informação.

c) A linha de apoio COVID limita-se a remeter para outras entidades – p.ex. a certificação de máscaras remete para o CITEVE.

5 – Juntas de Freguesia

No terreno, a Câmara tem sido substituída pelas Juntas de Freguesia:

– Na higienização e lavagem dos espaços públicos e locais de infeção

– No fornecimento de computadores e acessos à Internet que estão a disponibilizar a alunos de Famílias carenciadas

– No fornecimento de materiais para proteção da pandemia COVID-19

– No fornecimento de apoio alimentar a carenciados

– A Câmara atira para as Juntas o que é da sua responsabilidade

Impõem-se que a Câmara faça o pagamento integral e célere das despesas apresentadas pelas Juntas.

6º – Feira no Setor de Produtos Alimentares e Mercado

A Câmara anunciou o seu funcionamento no dia 16 de março e fechou-a no dia 19, quando a poderia ter reorganizado numa área maior e com mais espaço entre Feirantes e Visitantes, como o fez agora, conforme sugestão do PSD no dia 17 de março e proposta na reunião de 17 de abril.

E não preparou qualquer alternativa, antes do encerramento da Feira e do Mercado Municipal, para ajudar na comercialização de produtos agrícolas, florícolas e alimentares, por parte dos Produtores.

O encerramento da Feira no Setor de Produtos Alimentares e Mercado prejudicou imenso os Produtores e os Consumidores.

Quando noutros Municípios se manteve em funcionamento.

7º – Famílias

Falta um Gabinete de Apoio ao Cidadão, para ajudar e apoiar em situações de desemprego, salários em atraso, falta de rendimentos para pagar faturas de água, eletricidade, medicamentos, alimentos e esclarecimentos dos apoios disponíveis.

É necessária a comparticipação em faturas de água/saneamento / eletricidade, etc..

8 – Escolas

A Câmara anunciou o fornecimento de computadores a alunos de Famílias sem recursos económicos para apoio de estudantes no ensino à distância.

Mas atira para as Juntas a sua resolução.

E a escola reiniciou no dia 20 de abril, faz hoje 3 semanas.

Um elevado número de alunos, por ano escolar do ensino regular, ainda não receberam computador c/ Internet, nem alunos das Instituições de Formação.

Por outro lado, as Tarefeiras que trabalham nas Escolas EB1, Jardim de Infância e estabelecimentos CAF/AAAF do Concelho, ficaram numa situação laboral precária ou desemprego a partir do dia 13 de março e não se conhecem apoios ou soluções da Câmara.

9 – Empresas do Concelho

Não foi criado qualquer Gabinete Municipal de Apoio às Empresas do Concelho, em parceria e colaboração com o IEFP, Segurança Social e Associações empresariais, nomeadamente.

Não se conhecem diligências da Câmara para a criação de um Plano de Contenção de Danos na economia barcelense, para além das medidas aprovadas pelo Governo.

Não se conhece que o executivo possua um plano com as Empresas do Concelho que estão preparadas para produzir e distribuir materiais de consumo diário no combate a esta pandemia.

Não se conhecem intenções de compra pelo Município, de modo a promover a distribuição desses equipamentos pelas Instituições e pela população do Concelho.

Não se conhecem medidas de apoio da Câmara às Empresas, para manterem o emprego e a produção de riqueza para o Concelho.

10 – Apoio a Profissionais Independentes

Faltam apoios na isenção de pagamento de taxas e/ou outros serviços Municipais e a comparticipação de faturas de água/saneamento e energia, a Profissionais cujos rendimentos para sobrevivência foram e estão a ser prejudicados pela baixa de atividade económica devida à pandemia da COVID-19.

Para Comerciantes, Feirantes, Produtores Agrícolas, Artistas, Artesãos, Ornamentadores de Festas, Taxistas, Pirotécnicos, Vendedores Ambulantes, Tarefeiras, Empregadas domésticas, Costureiras, Advogados, Solicitadores, Empregados de limpeza, Assalariados, Outros…

Não se conhece a intenção da Câmara.

AM – Constatamos que a Mesa da Assembleia Municipal, em representação da AM, não toma qualquer iniciativa, mantendo-se refém da postura de inoperância e incompetência da Câmara Municipal.

Aos Srs. Jornalistas e aos OCS cabe a divulgação destas propostas para sensibilizar os poderes públicos à sua aprovação e implementação.»

Foto: DR.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima