Foi bom enquanto durou, Darwin!

Outubro 23, 2020 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião
Ricardo Esteves

Sim, porque esta relação (Darwin – Benfica), infelizmente, não vai ser muito duradoura. Cinco jogos, 5 assistências, 3 golos! Qual Cavani, qual quê! Isto, sim, é o futuro! Provavelmente, não o nosso, mas sim o futuro de outra equipa…Como diz o mister: Darwin não vai ser um grande jogador, vai ser um jogador BIG! E, t€ndo em conta a m€ntalidad€ que p€rdura nos corr€dores da Luz e do S€ixal, jogadores como o uruguaio, Waldshmidt e Everton podem não vestir de vermelho e branco dourado por muito mais tempo. Espero que, depois do dia 30 (dia em que, supostamente, decorrem as eleições), essa mentalidade sofra uma grande e merecida alteração. Mas isso será conversa para outra altura.



Vamos ao que interessa, à análise dos últimos 2 jogos.

Em Vila do Conde, deslocação tradicionalmente difícil, tivemos um pequeno passeio à beira mar, tal como o Vieira gosta, com uma vitória por 2 bolas a 0. Resultado, esse, que não foi mais avultado devido ao VAR. Alguém que diga aos responsáveis do Rio Ave que têm as linhas do relvado um pouco tortas…ou, então, ensinem um pouco de geometria ao VAR. Tirando esse pormenor, a equipa fez um jogo muito bem conseguido, tendo sufocado o adversário inúmeras vezes, causando, por consequência, inúmeros erros. Não percebo esta teimosia das equipas tentarem sair sempre a jogar…Às vezes, um chute de força para a frente não faria mal a ninguém.

Já o jogo em território polaco foi um pouco diferente. Como diz a expressão, foi uma faca de dois gumes. O “chip” europeu dos últimos anos prevaleceu no eixo defensivo, sendo este colmatado pela enormíssima qualidade ofensiva e, principalmente, pela grandíssima exibição de Darwin. Sem este poderio ofensivo, que irá resolver muitos jogos, a história desta 1ª jornada da Liga Europa teria sido muito diferente. Já que a transição defensiva deixou muito a desejar. Quer seja devido ao facto dos laterais atacarem como Deuses e “defenderem” como jogadores da distrital; quer seja por causa da lentidão dos centrais; ou quer seja pelo buraco no meio campo, Jorge Jesus tem muito trabalho pela frente. O facto de Jardel ter entrado para segurar a defesa, diz muito acerca desta.

Domingo há mais.

AH, já agora. Sou o Ricardo, novo representante do Benfica no Barcelos na Hora. Sou licenciado em Ciências da Comunicação desde 2017 e licenciado em benfiquismo desde 1994. Nunca joguei futebol profissional, mas tenho muitas horas no Football Manager e problemas de tensão por causa do meu clube. Por isso, acho que tenho os requisitos suficientes.

Obrigado e até para a semana.

Por: Ricardo Esteves* (Licenciado em Ciências da Comunicação)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima