Gil Vicente FC perde na Madeira pela margem mínima: 2-1

Junho 15, 2020 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo

Viagem do Gil Vicente FC até à Madeira onde, em pleno Estádio dos Barreiros “às moscas”, por força das medidas de restrição derivadas à pandemia, defrontou o CS Marítimo, tendo…



Com arbitragem de João Bento (AF Santarém), coadjuvado por Rodrigo Pereira e Carlos Covão, com Hugo Silva (AF Santarém) como 4º árbitro, o jogo contou com os seguintes alinhamentos:

CS Marítimo: Charles, China (Kerkez, 75’), René Santos, Zainadine, Nanu, Vukovic, Bambock, Xadas (Maeda, 71’), Rodrigo Pinho (Pelágio, 60’), Correa (Edgar Costa, 71’) e Tagueu (Getterson, 75’). No banco ficaram Abedzadeh, Kibe, Erivaldo e Milson.

Gil Vicente FC: Denis, Alex Pinto, Rodrigo, Rúben Fernandes, Henrique Gomes (Arthur Henrique, INT), Claude Gonçalves, Soares, Kraev (Samuel Lino, 70’), Lourency (Hugo Vieira, 69’), Rúben Ribeiro (Baraye, 69’) e Sandro Lima. No banco ficaram Bruno, João Afonso, Naidji, Vítor Carvalho e Edwin Vente.

Os gilistas não poderiam começar melhor a partida, com o internacional búlgaro Kraev a marcar o primeiro golo do jogo, logo aos 8 minutos. Bola recuperada pelo Gil Vicente FC no seu meio campo, o lance decorre pela direita do ataque gilista, com centro para a área maritimista. A partir daqui, o lance fica caricato, com a bola a ser intercetada pela defesa da casa, sendo que, no entanto, ficou “parada”, em “terra de ninguém”, “redondinha” para quem a quisesse rematar. Foi mais expedito Kraev que a rematou para as redes da baliza de Charles.

Aos 30 minutos, e com recurso ao VAR, o Marítimo empatou por intermédio de Rodrigo Pinho, a recargar um cabeceamento de Tagueu, que se suspeitou estar em fora de jogo antes do seu cabeceamento. No entanto, na repetição vê-se que o camaronês está em linha com o último defesa. Quando todos pensavam que o jogo ia para intervalo empatado, surge o autogolo de Rodrigo. Na marcação de um canto, aos 45’+3’, Denis – que também fica mal na fotografia – deixa passar a bola e esta embate num estático e desamparado Rodrigo, que aponta um golo na baliza errada. Ao intervalo, 2-1 para os da casa.

No segundo tempo, para além das inúmeras substituições, o Marítimo continuou a ter mais lances de perigo. Perto do final, os homens de Barcelos tiveram uma grande oportunidade para empatar, mas Charles superiorizou-se a Sandro Lima, parando o penálti por ele cometido. Tendo em conta o cômputo geral do jogo, os maritimistas foram mais eficientes e felizes, lutando pela vitória. Já os gilistas entraram bem, com golo, mas o autogolo mesmo a fechar a primeira parte parece ter desmotivado os homens de Vítor Oliveira. É sempre mau sofrer um golo; é pior sofrer um autogolo; é ainda pior sofrê-lo mesmo, mesmo antes do intervalo, sendo que ainda denotaram melhorias, culminadas na grande penalidade falhada.

Com esta derrota, os gilistas mantêm o 11º lugar, mas provisoriamente. Domingo, 21 de junho, pelas 21h00, o Gil Vicente FC recebe o CD Aves.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Encontro às Cegas

Imagina, por um dia, que ficarias cega. Deixarias de ver tudo o
Ir Para Cima