Gil Vicente: Pedro Ribeiro garante que “vamos lutar, com tudo, para ganhar os jogos”

Março 23, 2018 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo

No próximo domingo, dia 25 de março, o Gil Vicente recebe o Arouca, pelas 16h00, em jogo a contar para a 29ª jornada. Em conferência de imprensa, o treinador gilista, Pedro Ribeiro, abordou, não só, esse jogo, como a atualidade do clube e da equipa.



Depois de uma importante vitória, no Seixal, frente ao Benfica B, a semana de trabalho decorreu de melhor forma. “Trabalhar em cima de vitórias é sempre melhor do que trabalhar em cima de qualquer outro tipo de resultados. Mas isso não quer dizer que a rotina semanal e a boa disposição não tenham acontecido na semana anterior, que começou com uma derrota em Guimarães. Não foi o resultado que queríamos mas foi na mesma uma semana alegre, que teve boa disposição, compromisso no trabalho. É evidente que nesta semana, depois de uma vitória, o grupo está bem-disposto, está alegre, está a sentir-se muito bem. É uma semana que está a decorrer de forma muito boa”, afirmou Pedro Ribeiro.

Depois de melhorar os resultados, a perceção sobre a equipa e os jogadores parece estar a mudar mas Pedro Ribeiro salientou que a qualidade da equipa é mesma. “O que faltava, na minha opinião, era os jogadores sentirem-se confortáveis, confiantes, acreditarem na ideia de jogo, onde se sentem mais cómodos a jogar. Eles estão a fazer tudo o que podem fazer para, rapidamente, mudarem a situação da classificação. A motivação intrínseca é determinante e eles sentem-se motivados para reagirem. Quando assim acontece, é normal que os resultados comecem a aparecer, que as boas exibições aconteçam e como têm acontecido”, ressalvou.

Nos próximos jogos, o Gil Vicente recebe dois candidatos ao título e à subida: Arouca e Penafiel. A equipa gilista vem de resultados mais positivos e, por tal, o treinador foi questionado sobre se este seria o melhor momento para defrontar essas equipas. “Nós temos que nos preocupar connosco. Não temos que nos preocupar com os adversários. Temos que os respeitar, perceber claramente que o Arouca e o Penafiel são, neste momento, equipas que ambicionam subir à Primeira Liga. São equipas que têm qualidade, que estão bem trabalhadas, que têm todo o mérito. Mas temos que nos preocupar connosco e em continuarmos com o mesmo tipo de comportamento enquanto equipa, união de grupo e humildade. Vamos continuar a acreditar que estamos a fazer bem o nosso trabalho e respeitar os nossos adversários. Vamos jogar contra boas equipas. Cabe-nos ser mais competentes. Independentemente de ser o Arouca, ou o Penafiel, ou o Famalicão, nós queremos, em casa ou fora, impor o nosso jogo, sermos uma equipa com personalidade, impor as nossas ideias. É nisso que acreditamos e o grupo está alegre porque se sente confortável com isto tudo. O grupo quer ser protagonista, quer honrar o clube histórico que estamos a representar. Queremos que os jogadores sejam protagonistas individualmente. Isso só resulta se, coletivamente, formos uma equipa forte. Estamos a caminhar para nos tornarmos uma equipa com estes traços de personalidade”, respondeu.

Mais particularmente sobre o adversário de domingo, Pedro Ribeiro salientou que “o Arouca está recheado de bons jogadores. É um clube que nos últimos anos esteve na Primeira Liga e está bem estruturado. Tem um padrão de jogo bem definido. Temos estudado muito bem o Arouca e eles, possivelmente, também o fazem em relação a nós. Conhecemos claramente os pontos em que eles são mais fortes e os pontos que podemos tentar explorar. Mas nós temos é que acreditar na nossa ideia de jogo e impô-la no jogo. Temos que ser nós a controlar o presente e o futuro. Nós não temos que reagir a nenhuma equipa. Temos que as conhecer, que perceber como é que nos podemos ajustar estrategicamente a uma ou outra situação mas temos que impor o nosso jogo”.

O treinador tem alternado entre jogadores ofensivos e esquemas de jogo. Instado a analisar essa forma de atuar, Pedro Ribeiro foi claro: “não vou expor muito daquilo que é a nossa ideia de jogo porque estaria a dar trunfos a todas as equipas que poderão jogar contra nós. Sei que somos alvo de análise como nós analisamos as outras equipas. É pelas dinâmicas, associadas às estruturas de jogo, que as equipas jogam. Tem jogado o Camara na direita e o André [ndr: André Fontes] na esquerda mas isso é um ponto de partida. Depois, a dinâmica ofensiva da equipa resulta de muitas outras movimentações, muitas outras situações que acontecem no jogo. O André tem características diferentes do Camara. O Fred [ndr: Frédéric Maciel] tem características diferentes das do Aldair, do Gonçalo Abreu, dos jogadores que poderão jogar pelas alas. Neste momento, as opções têm sido essas. Não sei se domingo serão as mesmas”, sendo que em relação à estratégia de jogo, Pedro Ribeiro “já disse aos jogadores que eles não jogam o jogo do treinador, jogam o jogo do treinador e o deles”. De uma forma convicta, afirmou que “até ao final da época, queremos corrigir a imagem que ficou da primeira parte da temporada”.



Por falar nesse momento da temporada, o treinador gilista foi questionado sobre o que pensava do trabalho dos técnicos anteriores e o que poderão esperar os adeptos do futuro mais próximo. No entanto, Pedro Ribeiro salientou que tem muito respeito pelos seus colegas de profissão e pelos treinadores que estiveram no Gil Vicente anteriormente. “Nunca viria aqui criticar nada, nem ninguém. Não vou entrar nas suposições. Vou abordar aquilo que posso e devo, que é o meu percurso desde que cá estou. Aquilo que podemos fazer até ao final da época é disputar os três pontos em todos os jogos. Temos essa ambição, essa responsabilidade e sentimo-nos cómodos com essa responsabilidade. Queremos abordar o jogo do Arouca conforme abordámos o do Vitória ou o do Benfica. Com intenção clara de ganhar os três pontos. Onde vamos chegar? Não sei precisar a cem por cento mas tenho a certeza que, mantendo o comportamento, a atitude, a entreajuda, a humildade, vamos conseguir estar em condições de disputar os três pontos nos jogos todos e tentar ganhar, ser mais competentes que os adversários, respeitando-os sempre porque do outro lado está sempre uma equipa e a Segunda Liga é uma competição muito característica, em que jogar contra os primeiros e jogar contra os últimos, são sempre jogos muito difíceis, muito competitivos. É isso que eu sei que vai acontecer nos jogos que faltam”.

E que equipa tem o técnico agora? Pedro Ribeiro afirmou ter uma equipa “que confia em si, que se sente motivada” para que os jogos sejam o quanto antes. “Quem joga, quer competir. Eu sou competitivo. Os jogadores só reagem bem na competição. Nós queremos competir. Queremos jogar contra toda a gente. Não vou desrespeitar e dizer que vamos ganhar todos os jogos porque não sei, depende de muitas coisas. O que garanto é que vamos lutar, com tudo, para ganhar os jogos. Isso posso prometer, o grupo de trabalho pode prometer”, fazendo questão de salientar a importância dos adeptos e apelando à sua presença no jogo de domingo. “Contamos, porque é muito importante, com os nossos adeptos, que domingo venham ao estádio, que nos apoiem, que acreditem na equipa. A equipa está a lutar muito, diariamente, para lhes dar alegrias. Se puderem, venham ao estádio ajudar-nos a ter mais condições para disputar os três pontos”.

Outro assunto que tem estado na “ordem do dia” dos adeptos gilistas, e do futebol português em geral, é como se resolverá o imbróglio jurídico resultante do “Caso Mateus” e que competição irá o Gil Vicente disputar no próximo ano. Pedro Ribeiro ressalvou que pensa o menos possível ou quase não pensa nisso. “Habituei-me a preocupar-me com aquilo que controlo ou que posso controlar. O que não controlo, não me desgasto. Não é à equipa técnica, não é aos jogadores que cabe intervir nesse aspeto. Acredito que será tomada uma decisão justa para o Gil Vicente e para o futebol português. Mais do que isso, não interfiro, não me meto. Preocupo-me, porque já tenho muitas preocupações, é com aquilo que posso controlar e posso ajudar, que é ajudar os jogadores a serem, cada dia, mais fortes, a estarem cada dia mais preparados, treinarem bem, jogarem bem e é essa a minha preocupação. Em relação a questões burocráticas, administrativas, decisões do futebol português, tenho a minha opinião mas nem sequer me desgasto com isso”.

Por fim, Pedro Ribeiro foi questionado sobre se vencendo o Arouca a equipa poderia criar condições para estar ao seu alcance sair da zona de despromoção. “Claramente. Queremos sair rapidamente da zona de despromoção. O primeiro objetivo foi voltar a marcar golos, que não conseguíamos. O segundo foi voltar a ganhar em casa, que já não conseguíamos há quatro meses. O terceiro foi voltar a ganhar fora, que já não ganhávamos há sensivelmente seis meses. O próximo objetivo é sair da zona de despromoção. É evidente que se estiver ao nosso alcance no próximo jogo, ótimo. É isso que nós queremos, rapidamente. É degrau a degrau, chegar aos objetivos mais altos que conseguirmos. É evidente que sabemos que o que resta para jogar desta época não nos permite lutar pela subida de divisão mas permite-nos sair da zona de despromoção e tentar alcançar a melhor posição possível na tabela classificativa”, sendo que “queremos sair da zona de despromoção e, saindo, não queremos voltar a entrar lá. Queremos é progredir na tabela”. Para terminar, reafirmou, “com o máximo de respeito pelo Arouca, por todas as equipas, e eu sei que eles também têm por nós, mas queremos atingir os nossos objetivos e vamos lutar por isso. O jogo de domingo é importante para os nossos objetivos e vamos encará-lo dessa forma”.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima