José Manuel Fernandes defende que “União Europeia precisa de estratégia urgente para a natalidade”

Maio 4, 2019 Atualidade, Mundo, Política

O Eurodeputado José Manuel Fernandes defende que a União Europeia (EU) precisa de avançar, com urgência, para uma estratégia comum direcionada para a natalidade. Numa conferência rotária sobre a evolução demográfica na Europa, que teve lugar na noite de quinta-feira, em Braga, José Manuel Fernandes alertou para as ameaças que pendem sobre o modelo social e desenvolvimento da UE, face aos impactos negativos das baixas taxas de natalidade.



“Temos urgência em contrariar e inverter o ‘inverno demográfico’ que está a atingir toda a UE, e de modo particular Portugal, com potenciais impactos negativos de enorme gravidade para a sustentabilidade do modelo social europeu, que é o mais desenvolvido e humanista do planeta”, afirmou o Eurodeputado.

Face à situação, José Manuel Fernandes sustentou que se impõem iniciativas políticas, designadamente, nas áreas da saúde, segurança social e educação, com “impacto efetivo” no apoio às famílias e à infância, acesso às redes escolar e pré-escolar, saúde infantil e parental, a par das políticas para promover a conciliação da vida familiar e profissional, a flexibilidade laboral de pais e cuidadores, e incentivos fiscais à responsabilidade social das empresas.

No âmbito do próximo mandato para o Parlamento Europeu, José Manuel Fernandes vincou o compromisso do PSD para concretizar uma estratégia europeia para a natalidade, com envolvimento também do Conselho Europeu.

Na conferência promovida pelos cubes rotários Braga e Braga-Norte, o Eurodeputado sublinhou que a União Europeia apresenta, hoje, as menores taxas de natalidade do planeta, embora sendo uma das maiores economias do mundo e a região que mais investe na área social – de tal forma que os europeus, que são apenas 6,5% da população mundial – têm acesso a metade de todas as despesas sociais do planeta.

Para o futuro, o cenário apresenta-se mais grave. José Manuel Fernandes frisou que, segundo as estimativas publicadas pela ONU, a população da União Europeia terá uma média de idades de 49 anos – acima dos 46 anos apontados para a globalidade dos países desenvolvidos.

A situação portuguesa é das mais graves no contexto europeu. O Eurodeputado apontou que a média de idades em Portugal é atualmente de 44,4 anos – uma das mais altas e apenas atrás da Alemanha -, quando em 1960, a média de idades em Portugal era de 27,8 anos – que era uma das baixas da Europa, apenas superada por Polónia e Eslováquia.

Fonte e fotos: DR.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima