Nandinho, novo treinador do Gil Vicente, lança nova época

Julho 9, 2018 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo

Em entrevista à Gil Vicente TV, Nandinho lançou a nova época, salientando aquilo que pretende para a equipa do Gil Vicente FC e deixando um apelo aos adeptos.



Fernando Manuel de Jesus Santos, conhecido no futebol por Nandinho, nasceu no Porto a 17-03-1973 (45 anos). Como jogador, atuou no Candal, Ataense, Castêlo da Maia, Salgueiros, Benfica, Alverca, Guimarães, Gil Vicente, tendo terminado a carreira ao serviço do Leixões. Participou no Campeonato da Europa de sub-21, em 1996, pela seleção nacional. Já como treinador, treinou os juniores do Gil Vicente, seguindo para os seniores, alcançando as meias finais da Taça de Portugal nesse ano, Famalicão e, agora, está de volta ao Gil Vicente.

Esta é uma casa onde “morou” durante oito anos e meio, enquanto futebolista e treinador. Para Nandinho, é bom “voltar a uma casa que conheço, onde fui feliz e, acima de tudo, é um clube que me diz muito. Foram oito anos e meio de ligação a este clube. Quatro e meio enquanto jogador, quatro enquanto treinador. É sempre bom voltar onde somos acarinhados. Isso não significa que as coisas são mais fáceis ou que temos a vida mais facilitada. A exigência é sempre a mesma, o rigor, a ambição, essa vai estar sempre presente. E não pode ser de outra forma. Apesar de ser um ano atípico, é um ano difícil para o clube mas também sabíamos, quando abraçámos este projeto, que as coisas são assim. Por isso mesmo, se calhar, a motivação também é grande para tentar dar a volta e tentar fazer com que esta equipa e este plantel cresça para outra dimensão, para acompanhar aquilo que vai ser o crescimento do clube, certamente, nos próximos anos.

“São jovens que têm um sonho” (Nandinho)

O plantel é constituído, maioritariamente, por jovens. O clube estará inserido num quadro competitivo totalmente diferente e “fora de normal”, com os jogos sem pontos em disputa. Como será o grau de exigência para com esses jovens?

Nandinho salienta que será “o máximo”. “A exigência, a motivação vai estar sempre presente. Tem que ser máxima. Não pode ser de outra forma. São jovens, é verdade, mas que têm um sonho e para alcançarem esse sonho só trabalhando nos limites, só dando o máximo, querer evoluir a cada treino, a cada jogo para chegarem a patamares que eles também ambicionam. Por isso mesmo, nós estamos aqui para ajudar, para lhes dar ferramentas para que possam crescer, para que possam evoluir, para atingirem aquilo que é a 1ª divisão, a 1ª liga, com este clube ou sem ser no clube. Mas essa é a exigência. Apesar de ser um quadro competitivo diferente para nós, como sabemos, essa exigência, ambição, até porque temos que honrar aquilo que é a história de um clube com quase 100 anos de existência, que tem um historial que fala por si e, por isso e por si só, já é exigência que nos obriga a ter, a cada dia, aqui no clube”.

Apesar dos oito anos e meio de Gil Vicente, Nandinho tem vontade de escrever uma nova página na história do clube gilista.

“Não sei trabalhar sem ambição, sem objetivos grandes e que sejam exequíveis, porque não estamos aqui para alimentar sonhos que não são alcançáveis, como é óbvio. Somos muito realistas e queremos continuar, acima de tudo, a pautar o nosso trabalho com muito profissionalismo, humildade e dedicação porque, independentemente de termos feito aquilo que fizemos aqui no clube, isso faz parte do passado, está feito. Queremos reescrever outra história, noutros contextos, e este ano é um contexto diferente. Por isso, por si só, temos tido, e foi o que disse ao grupo no balneário, que este é um ano bom, também, para escrevermos uma história porque é um ano difícil para o clube. É um ano em que o clube se está a reerguer e eles, porque vai haver um dia em que se vai falar que o Gil Vicente esteve um ano no CNS, que não valia pontos. Mas eu quero que se fale dessa equipa como uma equipa que ia para os jogos, mesmo não tendo pontos em disputa, mas que queria ganhar, que tinha ambição, que proporcionava bons jogos, que os jogadores mostravam, realmente, capacidade e valor. É isso que nós queremos. Por isso mesmo, voltar a reescrever a história é, a cada jogo, mostrarmos, realmente, a qualidade da equipa e que o clube está vivo e que vai voltar ao lugar que merece”, salientou Nandinho.



“É nestes momentos que se veem os verdadeiros adeptos do clube” (Nandinho)

Por fim, o novo técnico gilista deixou um apelo aos adeptos, no sentido de continuarem a apoiar a equipa, principalmente porque o clube está a passar por uma fase menos boa e conturbada da sua história.

Nandinho afirmou que o plantel conta com a presença dos adeptos nos jogos e nos treinos. “Que continuem a apoiar apesar de este ano ser um ano difícil. Acho que é nestes momentos que se veem os verdadeiros adeptos do clube. Aqueles que gostam mesmo do clube. Sei, também, que a direção fez um esforço para ir de encontro àquilo que são as exigências desta época, de forma a que os nossos sócios, os nossos adeptos, venham dar apoio. E também para criar uma dinâmica para aquilo que vai ser o ano zero. Eu acho que se conseguirmos este ano, juntamente com os nossos adeptos, criar realmente esta força, é muito mais fácil, depois, para aquilo que vem, que é o futuro do clube”, concluiu.

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Nova “era” Keizer

Bem-haja, caros leitores do BnH. Jogou-se a 12ª jornada do Campeonato Nacional,

Pin It on Pinterest

Shares
Share This

Partilha esta Notícia

Partilha com os teus amigos

Ir Para Cima