O caminho marítimo para o mercado de transferências

Outubro 8, 2020 Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Opinião
João Dias

À terceira jornada, o Porto já conhece o sabor da derrota. Não é nenhum indicador alarmante, no ano passado perdemos em Barcelos na 1ª jornada e o final do campeonato foi glorioso. Contudo, a equipa parecia estar a atravessar um bom momento e não era, de todo, expectável que o Porto perdesse este jogo frente ao Marítimo.



Não tenho muito interesse em abordar o jogo, é daqueles jogos onde a minha opinião esbarra na de alguns adeptos. Não considero que perder seja sinónimo de jogar mal, devemos avaliar as nuances de cada jogo e, assim, tentar explicar melhor o que lá ocorre. Foi, claramente, aquele típico jogo em que o Porto poderia ter ganho a partida, fez o suficiente, o problema é que do outro lado esteve uma equipa que também o fez (dentro do seu estilo de jogo defensivo, ao qual já estamos habituados). Foi o melhor jogo do Porto? Não! Mas uma bola (duvidosa) em cima da linha de golo e um penálti falhado são mais do que fatores suficientes para afirmar que o jogo poderia ter contornos diferentes. E por falar em penálti, cabe-me também admitir, em rigorosa análise, que o Porto foi mais beneficiado do que prejudicado pela equipa de arbitragem, que não esteve ao nível da 1ª Liga (ainda que grande parte dos casos do jogo sejam de difícil análise).

Houve empurrões na área, não houve empurrões; a bola entrou toda, a bola não entrou; era penálti, não era penálti…pouco importa, o Porto perdeu e perdeu bem, contra uma equipa que veio muito bem organizada para fazer o seu jogo. Parabéns ao Marítimo.

Assino por baixo o discurso do final do jogo, do Sérgio Conceição, baixar a cabeça, perceber o que esteve mal, trabalhar e voltar já (!) às vitórias.

E a primeira vitória veio de fora das quatro linhas. Creio que o Porto fez um excelente mercado de transferências dentro da realidade do clube. Não dou muito crédito a quem criticou a saída de Brahimi e Herrera a custo zero e agora também criticou a saída de Alex Telles por achar o valor demasiado baixo. Temos que perceber que o futebol mudou, como ouvi algures: “hoje em dia, os jogadores mandam nos clubes, os clubes são nada mais que montras para os atletas”. Portanto, escolham: ou temos os atletas e o seu rendimento desportivo até que finde o contrato; ou temos nos nossos cofres o valor de mercado que eles representam (que é definido também em função do tempo de contrato que lhes resta). E é esta a realidade, em dois meses, o Alex assinaria livremente por qualquer outro clube. Assim, beneficiamos de bons anos com o atleta nos quadros e ainda nos rendeu uns bons 20M.

Danilo foi explicado taxativamente pelo presidente, não poderei encontrar palavras que definam melhor o negócio. Diogo Queirós no Famalicão é um caso à parte…peço que aguardem pela próxima época e perceberão esta “jogada do Diogo”, poderá chegar alguém interessante daquele clube, para além do Porto garantir uma boa parte do passe do jogador.

Entradas. Para percebermos melhor o que de bom e mau pode fazer um empréstimo, pergunto-vos o seguinte: gostavam que o Zé Luís tivesse sido emprestado ao Porto ao invés de vendido? Olhem os milhões que teríamos poupado! Pois esta é a realidade do Porto, não se pode dar ao luxo de contratar “Imbulás”. Empréstimos de Felipe Anderson, Grujic e Sarr, caso corram mal, no final do ano voltam ao clube mãe; se correr bem, é bom sinal, quer dizer que os críticos de bancada estarão nos Aliados a “criticofestejar”.

Esperem para ver! Sejam exigentes e atentos como sempre fomos, mas confiem em quem lá está. Confiem no Sérgio…as contas fazem-se no final. E alerto para uma última coisa, quando eu tenho um problema familiar trato-o dentro de minha casa, não vou para a rua (Facebook) gritar alertando tudo e todos. O Porto é a nossa grande família, apareçam nas assembleias, sejam construtivamente críticos, mas no local certo. Só assim evitaremos títulos de CMTV´s a dizer que há tensão/insatisfação no clube.

Um bem-haja a todos os amantes do desporto, aos Barcelenses e outros possíveis leitores por este mundo fora.

Viva o F.C.Porto! Viva o F.C.Porto!

Por: João Dias*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Ir Para Cima