Reciclagem: Barcelos no bom caminho, mas consegue ainda mais!

Julho 4, 2020 Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Opinião
Pedro Soares de Sousa

Caros leitores,

Antes de mais, espero que se encontrem bem ou, pelo menos, o melhor possível.

O artigo que hoje partilho convosco aborda a reciclagem, algo de que sou seguidor convicto, por vezes, quiçá, até em exagero. Mas sou-o com todo o gosto e isso faz-me sentir bem.



No início de junho, tive o prazer de ser recebido pelo Eng.º Rui Fernando Silva (Administrador Delegado) e pela Eng.ª Joana Cunha (Responsável pela Comunicação e Sensibilização) na sede da RESULIMA, em Vila Fria (Viana do Castelo), onde fiquei a conhecer melhor a empresa, assim como a central de separação e transferência. Desde já, agradeço por toda a atenção e amabilidade.

Esta empresa iniciou a atividade em 1998, com capital privado (51% – Grupo EGF) e público (6 municípios servidos pela empresa, sendo Barcelos, com 17,7%, o concelho com maior percentagem de capital). Serve uma área geográfica de 1.743 km2; 309,5 mil habitantes de população média anual residente; tem 99 colaboradores; e, em 2019, tratou 141 mil toneladas de resíduos. Encaminhou 14.506 toneladas de resíduos para valorização e reciclagem, resultando num crescimento da recolha seletiva de 16,9%. De 2018 para 2019, a retoma de recicláveis de vidro aumentou 11%, de papel/cartão 17%, de plásticos 7%, metais 18% e outros 14%. São dados que, certamente, nos agradam a todos!

Do aterro sanitário, que se encontra ao lado da referida central, resultou uma valorização energética de biogás, sendo vendidos 12 GWh de eletricidade à rede elétrica nacional. O valor da venda deste biogás, somado ao da venda (retoma) dos materiais para reciclar, ajuda a que a tarifa do lixo possa baixar, desde que permitido pelas entidades superiores que regulam, e bem, a RESULIMA, nomeadamente, o Governo e a ERSAR – Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos, assim como, pelos acionistas.

A nível pessoal, gostei imenso de ver os profissionais a separarem o lixo, principalmente, chegado dos ecopontos amarelos, onde se deposita uma maior gama de produtos. A “máquina” estava muito bem “oleada” e a cadência de produtos a cair nos cestos correspondentes era impressionante! Tal como a quantidade de fardos de material a ser reencaminhado para as empresas que tratarão do seu aproveitamento. De salientar, que, devido à pandemia, a empresa viu-se forçada a ter que deixar os resíduos recolhidos 72 horas em quarentena, antes de os colocar nas cintas para a sua separação e enfardamento.

O aterro sanitário é mesmo ao lado e posso garantir-vos que não se sentia, no ar, aquele mau odor a lixeira (e eu sei bem do que falo, por causa de algumas atividades que tive de realizar em emprego anterior…já lá vão uns bons anos). E estava um dia ventoso!

Os responsáveis que me receberam, nomeadamente, o Eng.º Rui Fernando Silva, fizeram questão de salientar que Barcelos melhorou na recolha e aumentou a quantidade (toneladas) de lixo enviado para separação e reciclagem. Este responsável fez questão, mesmo, de destacar que estavam muito agradados com estas melhorias por parte do concelho barcelense, ressalvando que esperam que melhore ainda mais, pois veem Barcelos como um concelho com imensas potencialidades e com grande margem de crescimento.

Também os empresários e comerciantes foram alvo de atenção, com o Administrador da RESULIMA a salientar que o serviço de recolha “porta a porta” do comércio barcelense tem atingido números muito bons, tão bons que, em breve, haverão novidades em relação ao reforço desse serviço. Algo que agradou, igualmente, foi a informação de que haverá um reforço de ecopontos no concelho de Barcelos, com a instalação de mais 139, sob responsabilidade da Câmara Municipal de Barcelos e da RESULIMA.

Em suma, estamos a melhorar, mas podemos – claro está – melhorar ainda mais.  Eu julgo que, com dedicação e empenho, Barcelos vai conseguir ainda mais e melhor. O carácter dos barcelenses diz-me que sim, que é possível!

Algumas dicas:

. As embalagens de leite (e similares) continuam a ser alvo de confusão por parte de muita gente, disseram esses responsáveis. Fiquei a saber que ainda chegam muitas nos lotes de papel/cartão, ou seja, do ecoponto azul. Estas embalagens devem ser depositadas no ecoponto amarelo.

. As cuvetes de alumínio, assim como os aerossóis (sprays) podem ser tratados e reciclados. Devem ser depositados no ecoponto amarelo, onde se depositam, também, as latas de refrigerantes e conservas, por exemplo.

. Infelizmente, os tubos vazios de pasta de dentes ainda não são alvo de separação e retoma.

. Cartão e papel que esteja um pouco sujo (mesmo com gordura – por exemplo, de pizas e comida) pode, e deve, ser depositado no ecoponto azul. É reciclável, tal como o papel e cartão com fita-cola, agrafos e pequenos vestígios de plástico.

. O óleo depositado nos oleões também é direcionado para o Centro de Vila Fria, de onde é direcionado para empresas que o reutilizam. Assim como o que escorre das embalagens de óleo e azeite que são separadas para retoma.

. O esferovite é passível de tratamento e reciclagem. Deve ser depositado no ecoponto amarelo.

. O vidro continua a ser depositado nos ecopontos em muita quantidade, talvez por questões sociológicas, já que este material foi o primeiro a ser alvo de separação. Quem não se lembra dos primeiros vidrões brancos, verdes e castanhos?

. Quase todo o material separado é prensado em fardos e enviado para as empresas responsáveis pelo seu reaproveitamento/reciclagem.

UCPT Paradela traz a reciclagem para o Século XXI

Segue-se o futuro. Muito se tem falado sobre a nova Central de triagem automatizada, mais concretamente, UCPT – Unidade de Confinamento, Preparação e Tratamento de resíduos urbanos, já em construção na freguesia de Paradela – Barcelos.

Esta Unidade vai trazer a recolha, tratamento, separação e reciclagem dos concelhos abrangidos pela RESULIMA para o século XXI, já que a existente é ainda de finais do século passado!

Aliás, com ela, a empresa, os concelhos abrangidos e suas populações, poderão atingir as metas PERSU 2020 (Plano Estratégico para os Resíduos Urbanos), estabelecidas pela Associação Portuguesa do Ambiente e pelo Governo.

Vai ser uma Unidade de alta tecnologia! Todo o lixo passará por uma máquina, numa cinta, que terá a capacidade, de uma forma automatizada, de separar o lixo por tipologia (plásticos, metais, papéis, cartões…). O lixo passível de compostagem será direcionado, igualmente, para um local onde essa será realizada, com o produto resultante a servir para, por exemplo, fertilizante. Apenas aqueles resíduos que não têm mesmo hipótese de serem tratados é que serão direcionados para aterro (espaços quadrados à direita na imagem que se segue), onde serão acondicionados e alvo de tratamento para prevenção de cheiros. Se já no atual aterro não se sentem cheiros (acreditem, estive lá ao lado e não senti, mesmo tendo sido num dia ventoso!), nesta Unidade, esses cheiros serão ainda mais difíceis de sentir. Para quem pensa que será igual à Unidade que “nasceu” na fronteira Laúndos – Barqueiros, desengane-se. Vai ser algo muito, mas mesmo, muito melhor, mais avançado e mais completo!

Compreendo que para as populações das zonas envolventes haja receios, que julgo serem quase todos infundados. Mas para mim, que ouvi as explicações destes responsáveis, esta Unidade deixou-me deveras agradado – também porque sou defensor acérrimo da reciclagem e tratamento do lixo e frontalmente contra os velhos aterros e as velhas lixeiras –, mais tranquilo e desejoso para que entre em funcionamento o quanto antes. Temos que entrar, finalmente, no século XXI!

Curiosidades:

Sabia que a RESULIMA “subcontrata” uma ave de rapina para afugentar outras aves, principalmente, as gaivotas, da zona do aterro para evitar que retirem lixo de lá e provoquem problemas sanitários? Eu não sabia e fiquei pasmo ao vê-la, quiçá, na sua hora de descanso, imponente, pousada no seu local de repouso!

Sabia que os funcionários da recolha, separação e tratamento de lixo, quer da RESULIMA, quer camarários, mantiveram-se sempre “na linha da frente”, não parando e continuando a ser dos profissionais que mais são expostos ao COVID-19? Mas a empresa garante que, por ora, ainda não teve um infetado sequer! Muito bem!!

Concluindo, deixo o apelo para que todos, quer barcelenses, quer de outras localidades, façam a separação do lixo e a sua correspondente deposição nos ecopontos, ilhas ecológicas ou outros locais destinados a isso. Vamos, todos juntos, lutar por um Ambiente melhor!

Por: Pedro Soares de Sousa* (Professor e Diretor do jornal Barcelos na Hora).

Deixe uma resposta

Your email address will not be published.

*

Últimas de

Vendas automáticas

As vendas automáticas encontram-se regulamentadas pelo Decreto-Lei nº 24/2014, de 14 de
Ir Para Cima