Tag archive

Agricultura

Comissário Europeu do Ambiente desmentido por produtores pecuários da União Europeia

Maio 12, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Em causa, declarações que associam a COVID-19 à criação intensiva de animais

Onze organizações do setor agropecuário da União Europeia (UE), lideradas pela COPA / COGECA e FEFAC, instaram a Comissão Europeia a desmentir as declarações falsas proferidas pelo comissário europeu do Ambiente, Virginijus Sinkevičius, que associam a propagação da COVID-19 à produção intensiva de animais.



Os parceiros da cadeia de produção pecuária da UE destacaram a contribuição essencial dos criadores de gado e agentes da cadeia de valor para garantir a segurança alimentar aos cidadãos da UE neste difícil período de gestão da crise provocada pela COVID-19 e o papel do setor pecuário para fornecer nutrição equilibrada a milhões de consumidores.

A plataforma de criação de animais da União Europeia solicitou à Comissão (DG SANTE) que reforçasse os esforços para fornecer informações com base em evidências científicas, disponíveis sobre o alto nível de biossegurança nas fazendas de criação de animais da UE, exigindo investigações e medidas adicionais.

Numa reunião conjunta com a AFCC, a 30 de abril de 2020, e após a recente comunicação pública do comissário europeu do Ambiente, Virginijus Sinkevičius, que estabelecia uma relação entre a COVID-19 e a produção intensiva de animais, a DG SANTE explicou que está a dialogar com os gabinetes do comissário europeu do Ambiente e a comissária europeia da Saúde e Segurança dos Alimentos, Stella Kyriakides, de modo a evitar futuras falhas de comunicação.

O Secretário-geral da COPA / COGECA, Pëkka Pesonen, sublinhou que a declaração do comissário europeu para o Ambiente foram um “golpe”, que pode destruir o que a DG SANTE e o setor pecuário construíram ao longo dos últimos 20 anos para garantir a segurança alimentar no setor pecuário, após a BSE e outras crises na segurança alimentar como as dioxinas, incluindo o conceito One-Heath.

De acordo com as onze organizações do setor agropecuário, a DG SANTE deve proteger e defender o seu trabalho anterior em prol da segurança alimentar e o setor pecuário deve fornecer evidências e informações claras sobre os altos níveis de padrões de alimentação e segurança alimentar, incluindo medidas de biossegurança implementadas na atividade de criação de animais e de toda a cadeia de valor.

A DG SANTE comprometeu-se a abordar a questão nas perguntas e respostas revistas dedicadas aos animais e ao COVID-19.

Os factos atualmente conhecidos sobre a produção de animais, seus produtos alimentícios e COVID-19 referem que, de acordo com o estado atual do conhecimento, os animais usados para a produção de carne não podem ser infetados com SARS-CoV-2 e, portanto, são incapazes de transmitir o vírus aos seres humanos pela via do consumo (fonte: BfR). Até ao momento, os resultados preliminares de estudos sugerem que aves e suínos não são suscetíveis à infeção por SARS-CoV-2 (fonte: OIE). Atualmente, não há evidências de que os alimentos sejam uma fonte ou via provável de transmissão do vírus (fonte: AESA) e que sugiram que animais infetados por seres humanos desempenhem um papel na disseminação da COVID-19. Os surtos humanos são causados pelo contato de pessoa para pessoa (fonte: OIE). Embora haja investigações em curso sobre uma possível origem animal do Coronavírus (SARS-CoV-2), a disseminação e o desenvolvimento da atual pandemia humana devem-se à transmissão de humano para humano. Não há evidências atuais de que os animais desempenham um papel na disseminação do COVID-19 (fonte: FAO).

Foto: DR.

Recenseamento Agrícola 2019 de janeiro a maio de 2020

Abril 9, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Instituto Nacional de Estatística (INE) está a realizar o Recenseamento Agrícola 2019 (RA 2019) desde janeiro e que se prolongará até ao final de maio 2020.



Na sequência da suspensão de entrevistas presenciais , até ao final do corrente mês, em consequência da pandemia COVID-19 , o INE informa que os agricultores serão contactados telefonicamente por entrevistadores devidamente credenciados, sendo a sua colaboração na resposta ao questionário sobre as suas explorações fundamental para garantir a qualidade da informação recolhida e consequentemente dotar o país e as regiões de um ativo de conhecimento rigoroso sobre uma atividade que continua a ser fundamental na sociedade portuguesa.

A resposta ao Recenseamento é obrigatória e confidencial (Lei 22/2008, de 13 de maio). As informações individuais constituem segredo profissional para os entrevistadores e para todos os outros profissionais envolvidos no Recenseamento. A colaboração dos agricultores é indispensável.

As estatísticas corretas permitem a adoção de medidas mais adequadas a uma boa planificação e ao desenvolvimento do sector agrícola.

Para mais esclarecimentos, o INE tem disponível: Nº verde: 800 10 2019| E-mail: ra2019@ine.pt.

Fonte: CMB.

Foto: DR.

PAN pede ao Governo mais apoios à produção de culturas agrícolas

Março 27, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

O PAN (Pessoas-Animais-Natureza) pretende que o Governo promova a criação de apoios à produção de culturas agrícolas, na atual situação excecional em que o país se encontra afetado pelo surto da COVID-19.



Entre as propostas do PAN, conta-se, nomeadamente, a criação de apoios específicos destinados aos pequenos produtores e aos produtores com produção em modo biológico, cujas vendas são maioritariamente feitas em mercados de proximidade e de pequeno retalho que agora estão encerrados.

Assim, recomendou ao Governo que promovesse a criação de apoios à produção de culturas agrícolas, nomeadamente, a criação de apoios específicos destinados aos pequenos produtores e aos produtores com produção em modo biológico, cujas vendas são maioritariamente feitas em mercados de proximidade e de pequeno retalho, que agora estão encerrados; a definição de planos de contingência a adotar para garantir a segurança dos produtores e trabalhadores, que prevejam, nomeadamente, a criação de circuitos de trabalho que assegurem a ausência de contacto entre trabalhadores, assim como um plano de higienização das instalações mais rigoroso e eficiente e ainda de escoamento do produto e capacidade de abastecimento e circulação da cadeia de distribuição; a disponibilização de equipamentos de autoproteção aos produtores e trabalhadores que operam no sector, de acordo com as particularidades da função que se está a desempenhar; que a DGS defina boas práticas aplicáveis ao setor, com vista a promover uma maior proteção dos trabalhadores e dos alimentos, aliada à prevenção do contágio da COVID-19; promover incentivos para as cadeias de distribuição que fomentem a aquisição de produtos locais, diminuindo, por um lado, o trajeto dos alimentos e, por outro, evitar que haja escassez no abastecimento dos supermercados.

Foto: DR.

Barcelense “Quinoa Portuguesa” entre os 4 finalistas do Prémio Intermarché 2019

Setembro 13, 2019 em Atualidade, Concelho, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Produção agrícola distinguida na área de Produção Primária

A empresa agrícola Quinoa Portuguesa, sediada em Barcelos, e com produção exclusiva neste concelho, está entre os quatro finalistas do Prémio Intermarché Produção Nacional 2019, na área de Produção Primária.



Este projeto surgiu do sonho de quatro amigos, que pretendiam produzir, em Portugal, um dos alimentos com maior valor nutricional, considerado, mesmo, como um dos alimentos mais completos em nutrientes pela Academia de Ciências dos Estados Unidos da América e pela Organização das Nações Unidas.

Depois de várias tentativas que não correram bem, o grupo de amigos encontrou em Barcelos as condições ideais para a primeira produção de quinoa, como, aliás, já foi sobejamente divulgado por vários meios de comunicação social, e não só.

“A Quinoa Portuguesa é um produto 100% natural não adulterado, não contendo qualquer processo extra que adultere o produto original”, refere a empresa barcelense, sendo o seu principal objetivo “proporcionar ao consumidor um produto nacional, com excelente valor nutricional, a um valor mais acessível, contribuindo para um estilo de vida mais saudável”.

Sobre esta distinção, Filipe Figueiredo, uma das faces do projeto, salienta que “é um momento de alegria extrema, pelo reconhecimento dado na categoria de Produção Primária do Prémio Intermarché”, sendo, igualmente, “um momento de afirmação de um projeto inovador de produção de Quinoa em Portugal e, principalmente, no nosso empreendedor concelho de Barcelos, que fica, agora, ‘debaixo dos holofotes’ pela inovação agrícola e pelo empreendedorismo de três jovens”.

Na ótica deste empreendedor de Barcelos, a presença deste projeto agrícola em destaque neste reconhecido Prémio nacional, “é uma valorização concelhia e, acima de tudo, do Produto português, da sustentabilidade e da redução da pegada ecológica, tão importante para todos nós”.

Já o Prémio Intermarché Produção Nacional tem o objetivo de “valorizar e promover a produção nacional e sensibilizar a sociedade para a importância do Sector Primário português” e, ao mesmo tempo, “reconhecer e premiar os melhores projetos de produção sustentável, inovadora e tradicional, alinhando-se, desse modo, com o movimento de valorização nacional deste sector”.

A presença da Quinoa Portuguesa entre os 4 finalistas deste prémio, na área da Produção Primária, será alvo, inclusivamente, de reportagem da revista do jornal Expresso, a sair já amanhã.

Para se adquirir este excelente alimento, pode-se aceder à loja online (basta clicar no link e acede automaticamente), através de https://www.quinoaportuguesa.com/lojaonline.

Em lojas físicas, se aceder a https://www.quinoaportuguesa.com/minhoedourolitoral poderá ficar a conhecer locais onde pode adquirir Quinoa Portuguesa na zona de Barcelos e Minho.

Fotos: QPT.

Município de Barcelos promove workshop “Planear a Horta”

Fevereiro 5, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Educação Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Câmara Municipal de Barcelos, através do Pelouro do Ambiente, promove mais uma formação subordinada ao tema “Planear a Horta”, no próximo dia 16 de fevereiro. Nesta formação, de acordo com o Município, “pretende-se dar um panorama mensal das atividades a desenvolver na horta – sementeiras, plantações e colheitas – em consonância com o ciclo lunar numa reintegração de conceitos há muito utilizados pelos agricultores tradicionais”.



A Formação será orientada pelo Eng.º. José Pedro Fernandes, estando prevista para o próximo dia 16 de fevereiro de 2018, no auditório do Estádio “Cidade de Barcelos”, das 10h00 às 18h00, sendo dirigida à população em geral.

A participação é gratuita, embora com inscrição obrigatória e limitada a 40 formandos. Para efetuar a inscrição, os interessados deverão enviar e-mail com nome, morada e contacto telefónico para o seguinte endereço eletrónico: gambiente@cm-barcelos.pt. Serão aceites as 40 primeiras inscrições e será dada prioridade aos formandos que ainda não tenham frequentado a formação.

Fonte e imagem: AB.

Calendário Agrícola Solidário angaria fundos em favor da IPSS barcelense RECOVERY

Outubro 6, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura Por barcelosnahorabarcelosnahora

Numa iniciativa que se pode considerar como sendo “ousada”, um grupo de agricultores barcelenses, de nome “Grupo Agrícola de Barcelos”, decidiu seguir o célebre exemplo de um grupo de bombeiros de Setúbal e criar um calendário para 2018, onde surgem figuras masculinas em “poses de trabalho”, com o tronco desnudado, e alguns dizeres que servem de incentivo e promoção da agricultura de Barcelos.


O nome que deram ao projeto foi “Ao Serviço da Terra – Calendário Agrícola Solidário 2018”, e tem como objetivo, para além do solidário, o de chamar a atenção para um setor com muito peso na economia do concelho de Barcelos.

Ora, este calendário será apresentado e lançado, no próximo dia 13 de outubro, pelas 21h00, no Auditório 1 da Escola Superior de Gestão do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), estando, igualmente, em exposição na Expo Barcelos, que decorrerá, nesse mesmo fim de semana, no Estádio Cidade de Barcelos.

Mas mais do que as imagens “saudáveis” que surgem no calendário, este é um projeto com fins solidários, pois a totalidade da receita gerada pela venda dos calendários reverterá para a RECOVERY IPSS, presidida por Miguel Durães, que é uma Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos.

Em declarações a este jornal, o responsável pela IPSS começou por agradecer aos elementos do grupo que organizou esta iniciativa. “Em primeiro lugar, gostava, em nome de toda a família da RECOVERY IPSS, agradecer ao Grupo Agrícola de Barcelos pela iniciativa plena de energia positiva e solidária”, referiu Miguel Durães.

Miguel Durães

Sobre o destino das receitas resultantes deste projeto, Durães salientou que “irão reverter a 100% para a nossa atividade social, nomeadamente para as duas novas respostas da RECOVERY IPSS, as Unidades de Cuidados Continuados Integrados de Saúde Mental na Infância e Adolescência”.

Miguel Durães deixa, inclusivamente, um “apelo à participação de todos os barcelenses nesta iniciativa, que põe duas áreas da sociedade em destaque pela positiva e que, normalmente, estão em segundo plano: a Agricultura e a Saúde Mental”.

O Presidente da REVOVERY IPSS terminou as suas declarações com um novo agradecimento, “uma vez mais, aproveito a oportunidade para agradecer esta grande iniciativa de responsabilidade social, da sociedade civil, em torno dos que estão em situação de desvantagem social”, concluindo com um “Bem Hajam!”

Por fim, uma informação muito importante, principalmente para quem quer adquirir um destes mil calendários por forma a ajudar a RECOVERY IPSS. Assim, pode adquirir na cerimónia de lançamento (de participação livre e aberta); no local onde estarão expostos, na Expo Barcelos, durante esse mesmo fim de semana; nas instalações da IPSS em questão, sita na Rua Dr. Sebastião Matos, nº58/68, em Vila Frescaínha São Martinho (perto do Centro Escolar António Fogaça); e, nas semanas seguintes, estarão à venda em algumas lojas do comércio local.

Ir Para Cima