Tag archive

Apresentação de livro

Vera de Melo apresenta o seu livro “Como Sobreviver a Um Chefe Idiota” em Barcelos

Dezembro 6, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A psicóloga Vera de Melo apresentou, em Barcelos, o seu primeiro livro “Como Sobreviver a um chefe Idiota”. A apresentação teve lugar no dia 30 de novembro, na livraria Bertrand, e contou com a presença da estilista Ana Sousa e do empresário Jorginho, sócio do restaurante Turismo.



“Não estão em vias de extinção e multiplicam-se todos os dias, afetando todos os que estão ao seu redor, tendo efeitos diretos na motivação, produtividade e competitividade”. Vera de Melo sabe que esta é uma realidade comum no panorama empresarial português e por isso decidiu escrever um verdadeiro manual para ultrapassar as adversidades no ambiente de trabalho.

Nas suas palavras, “um mundo empresarial sem idiotas é tão improvável quanto impossível” e por isso a autora identifica os vários tipos de chefes idiotas e os efeitos nocivos que estes podem ter não só na estrutura empresarial como nos seus liderados. A autora pretende, assim, fornecer ferramentas e desenvolver estratégias para que todos os liderados saibam como sobreviver a um chefe que dificulta a convivência no trabalho e a concretização dos seus objetivos profissionais.

“Como Sobreviver a um Chefe Idiota” também ajuda os líderes a não se transformarem eles próprios em chefes idiotas. E se todas as estratégias falharem Vera de Melo acredita que desistir não deve ser considerado um fracasso e dá dicas de como seguir o melhor caminho rumo a uma nova experiência mais recompensadora.

Para lançar este “manual de sobrevivência”, Vera de Melo baseou-se nos seus 15 anos a exercer psicologia clínica e na sua experiência enquanto CEO/Partner da SET GOALS- Human Consulting, onde ajuda organizações a atingir objetivos e a inspirar pessoas a mudar mentalidades, conseguindo resultados surpreendentes em várias empresas.

Enquanto CEO/Partner da SET GOALS, Vera de Melo é responsável pela consultoria de recursos humanos, gestão e formação de grandes empresas públicas e privadas, prevendo faturar meio milhão de euros até ao final do ano.

Mais conhecida pelo público através da sua presença regular como comentadora no Programa da Cristina e na Rádio Renascença, no Programa “Nunca é Tarde”, tem também presença pontual em outros programas, como o “Alô Portugal” e o “Curto Circuito”. Vera de Melo escreve também de forma regular para vários meios como a Visão, Dinheiro Vivo, Observador, MOOD, entre outros.

“Como Sobreviver a um Chefe Idiota” conta com o prefácio de João Paulo Petiz, colaborador da empresa Set Goals, e posfácio do ator Manuel Marques.

O livro está disponível ao público em várias livrarias do País.

Foto: DR.

Barcelense Fernanda Pereira apresenta o seu livro em biblioteca de Braga

Outubro 13, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Obra com o título “A Titulação dos Negócios: Aspetos Jurídicos Fiscais e Registais”

Fernanda Pereira, transmontana adotada por Barcelos, Licenciada e Mestre em Solicitadoria, sendo oficial de registos no front office do Espaço Registos de Barcelos, apresenta o seu livro “A Titulação dos Negócios: Aspetos Jurídicos Fiscais e Registais”, no próximo dia 25 de outubro, pelas 18h30. De salientar que a autora já foi alvo de distinção como “Barcelense Inspiradora” por este jornal.



A apresentação e debate, com tema “Titulação dos Negócios”, terá lugar na Biblioteca Lúcio Craveiro da Silva, localizada na Rua de S. Paulo, nº 1, em Braga. No debate participarão Virgílio Machado (Conservador), Aida Sousa (Notária), Suzana Costa (Advogada) e Delfim Costa (Solicitador).

Imagem: DR.

[Ndr: notícia atualizada a 13.10.2019, pelas 21h45]

Barcelense Ana Barroso apresenta “Sina da mulher cigana? Um complexo processo de autonomização”

Junho 25, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Obra tem por base tese de mestrado reconhecida pela Cáritas Portuguesa

No próximo dia 29 de junho, pelas 16h00, a Biblioteca Municipal de Barcelos é o espaço escolhido pela barcelense Ana Barroso para a apresentação do seu livro “Sina da mulher cigana? Um complexo processo de autonomização”.



Este livro resulta de uma investigação levada a cabo, em 2015, no âmbito do Mestrado em Serviço Social, da Faculdade de Ciências Sociais, da Universidade Católica Portuguesa (Braga). A escolha do tema deve-se, por um lado, ao seu interesse pessoal pela cultura cigana e pelo modus vivendi dos elementos que a compõem. Por outro lado, trata-se de um assunto ainda relativamente pouco investigado, apesar de haver um conjunto cada vez mais significativo de estudos e relatórios sobre a matéria. Com esta obra, a autora pretende dar o seu contributo para a “desmistificação de alguns estereótipos seculares em relação à comunidade cigana”.

Ana Barroso nasceu na freguesia de Faria, conselho de Barcelos, a 4 de agosto de 1992. Licenciou-se em Educação, em 2013, pela Universidade do Minho. Posteriormente, ingressou na Universidade Católica Portuguesa – Centro Regional de Braga, onde concluiu o Mestrado em Serviço Social, em 2015, com a dissertação “A autonomização feminina no grupo sociocultural cigano português. Estudo de caso no concelho de Braga (Programa Escolhas)”. Nesse mesmo ano, voluntariou-se na PSI-ON – Associação para a Educação, Desenvolvimento e Intervenção, como Técnica de Apoio à Vítima de Violência Doméstica e Mentora para Migrantes. Esta foi uma experiência enriquecedora que terminou com a sua entrada na APACI – Associação de Pais e Amigos das Crianças Inadaptadas para realização de um estágio profissional. Pelo meio, ainda fez parte de uma equipa que fundou um Grupo de Ação Social (GAS) na freguesia de Faria. Este grupo realizou algumas campanhas de recolha de roupas, medicamentos fora de prazo e exames clínicos para reciclagem, rastreios visuais e aulas gratuitas de apoio ao estudo durante as férias escolares da Páscoa. Infelizmente, o GAS terminou muito cedo por não conseguirem um espaço físico para se fixarem.

No ano de 2019, a sua referida dissertação foi eleita uma das melhores teses de mestrado de temática social e recebeu o prémio “Padre David de Oliveira Martins” pela Cáritas Portuguesa. Com este prémio nasceu o livro “Sina da mulher cigana? Um complexo processo de autonomização”.

Ao Barcelos na Hora, Ana Barroso refere que “a edição do livro é, sem dúvida, um momento de muita realização pessoal e profissional. Sinto-me muito feliz por esta conquista que culmina um trabalho desenvolvido no âmbito do Mestrado em Serviço Social, da Universidade Católica Portuguesa, em Braga. Este livro é o culminar de um percurso em que fui sempre acompanhada por pessoas importantes, sem as quais nunca poderia ter chegado até ao fim”.

Com as suas próprias palavras, a autora dá-nos a conhecer sua obra: “Esta obra permite-nos um conhecimento mais aprofundado sobre a comunidade cigana pois procurámos compreender a sua cultura, desfazer alguns mitos e preconceitos persistentes, mas, acima de tudo, dar voz à mulher cigana e projetá-la para a sociedade maioritária. A observação dos cursos de educação escolar e profissional na idade adulta mostrou-nos que, apesar de não darem frutos no imediato – ou seja, contrariamente ao que se pretende, não constituem uma porta de acesso ao mercado laboral –, não deixam, porém, de ser importantes para as mulheres ciganas. Na verdade, apercebemo-nos que lhes permite ganhar consciência das suas capacidades e do seu papel enquanto mulher nos espaços comunitário e público, o que pode vir a refletir-se na educação que transmitem aos seus filhos. A frequência escolar em idade adulta permite-lhes ter maior consciência da importância da educação escolar para os seus filhos em geral e para as suas filhas em particular – por razões culturais as meninas ciganas continuam a ser retiradas do percurso escolar ainda mais cedo do que os seus irmãos –, começando a olhar mais para a instituição escolar como uma oportunidade para as gerações mais novas e não apenas como uma entidade cultural concorrente à cultura cigana”.

Por ser uma obra baseada numa investigação, fica no ar quais as conclusões da mesma. Ana Barroso salienta que “as conclusões desta investigação constituem um apelo junto dos responsáveis pela integração das minorias étnicas e pelos processos de integração – mas também junto da opinião pública em geral – para a necessidade premente de se implementar uma política de integração de cariz mais global. Não basta investir em projetos centrados apenas na comunidade cigana. É também essencial apostar na formação de uma sociedade maioritária que, hoje em dia, continua a colocar de parte aqueles que são diferentes. Não basta apostar na formação se não houver oportunidades de emprego na área ou em áreas semelhantes ou qualquer abertura das entidades empregadoras. É fundamental criar oportunidades reais de trabalho e de integração”.

Questionada sobre o facto de estar a apresentar a sua obra em Barcelos, Ana Barroso explica que “a apresentação deste livro na minha cidade, Barcelos, é mais uma conquista neste percurso. Barcelos tem dado passos importantíssimos no apoio à comunidade cigana local e esta obra é mais um pequeno contributo para a sensibilização da sociedade portuguesa relativamente à discriminação da comunidade cigana em geral e ao papel da mulher cigana, de forma a favorecer a sua autonomia intra e extracomunitária”.

Imagens: DR.

José Manuel Fernandes apresenta livro “Pela Nossa Terra – Minho 2019”

Março 24, 2019 em Atualidade, Mundo, Política port barcelosnahorabarcelosnahora

No passado dia 22 de março, o Eurodeputado José Manuel Fernandes apresentou o livro “Pela Nossa Terra – Minho 2019”, que teve lugar em Vila Verde.



Sem nunca abdicar do compromisso de proximidade e da prioridade à coesão social e territorial, o Eurodeputado José Manuel Fernandes assume-se determinado em “continuar a dar o máximo, para ajudar as pessoas, as populações e o desenvolvimento das nossas terras”.

Na sessão pública de apresentação do livro, José Manuel Fernandes deixou, mesmo, o desafio para que todos se mobilizem para “darem o máximo pelas suas terras e comunidades”.

“Todos são importantes nesta missão e neste trabalho. Como tenho feito, sabem que não vos vou enganar nem desiludir: podem continuar comigo para dar o máximo. E conto com todos para continuarmos a trabalhar pela nossa terra”, assumiu o Eurodeputado, no lotado auditório da Casa das Artes e Cultura de Vila Verde.

José Manuel Fernandes reiterou as vantagens em cumprir o compromisso de proximidade, até porque, além de ser “um dever e obrigação, é sobretudo uma mais valia para o trabalho” a desenvolver.

“Quando um político se desprende das suas raízes e foge do contacto com a realidade, não estará em condições para encontrar as melhores soluções”, vincou, perante uma plateia repleta de autarcas e pessoas de “diferentes sensibilidades políticas”, incluindo líderes de comunidades intermunicipais, o presidente da ATAHCA, Mota Alves, e o provedor da Misericórdia de Braga, Bernardo Reis.

Em defesa da Europa e das suas regiões e territórios, José Manuel Fernandes sublinhou que, a par do trabalho de proximidade, nomeadamente no Minho, foi possível obter grandes vitórias no Parlamento Europeu na defesa dos fundos europeus e do financiamento da política de coesão, assim como de programas para a juventude, para a investigação e inovação.

O Eurodeputado – que se orgulha de conciliar as condições de “minhoto, português e europeu” – destacou, ainda, a satisfação pelos resultados conseguidos nas negociações do “Plano Juncker” e do programa de investimentos “InvestEu”, para 2021-2027, de importância vital para a dinamização económica e para as empresas.

“Só com uma economia forte e competitiva, com estímulos para as PME, o empreendedorismo e a iniciativa privada, podemos ter melhores salários e empregos todos, melhor serviço público na saúde, na educação, nos transportes e no apoio aos mais carenciados e necessitados”, sustentou José Manuel Fernandes.

Fonte e fotos: JMF.

Livros sobre exilados políticos apresentados na Biblioteca Municipal

Novembro 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Realiza-se no próximo sábado, 24 de novembro, às 16h00, na Biblioteca Municipal de Barcelos, a apresentação dos livros “Exílios1” e “Exílios2”, que relatam testemunhos de exilados políticos portugueses na Europa entre 1961 e 1974.



Os livros contam memórias e recordações de um passado de perseguição e exílio e pretendem dar a conhecer as vivências dos exilados e desertores portugueses. Falam das dificuldades, dos momentos dolorosos e dos momentos felizes, da festa, da revolta, do medo, e da saudade de uma pátria triste e violenta.

Vão ser apresentados por Fernando Cardoso, José Dias e José Luís Torres e procuram contribuir para a libertação da memória e para relançar a discussão pública sobre estes assuntos.

A publicação do livro “Exílios1”, de memórias de antigos camaradas e amigos, veio catalisar as vontades de quem pensava que as suas histórias não tinham valor e não eram contributos para a história do tempo presente, mas apenas coisas pessoais das quais raramente se falava.

Assim, surgiu o livro “Exílios2”, com 29 testemunhos de mulheres e homens, de exílios diversos, de vidas interrompidas, de vidas reencontradas e de percursos acidentados. São testemunhos fortes e transparentes para que não se esqueça que, em Portugal, a guerra colonial, a perseguição e o exílio existiram.

Fonte e foto: CMB.

Biblioteca Municipal de Barcelos recebe duas apresentações de livros

Novembro 15, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

Realiza-se, nos dias 16 e 17 de novembro, na Biblioteca Municipal de Barcelos, o lançamento de dois livros.



O primeiro, intitulado “Enterro da Loba”, do barcelense António Gaspar Cunha, será apresentado por José Moreira da Silva, no dia 16, às 21h30. Trata-se de um livro de ficção, editado pela Editorial Novembro, sobre as praxes académicas, com a história de uma aluna universitária.

António Gaspar Cunha começou por escrever poesia, dando expansão ao saber e, sobretudo, ao viver acumulados durante os seus 50 anos de vida. Escrever é, para si, não só uma emancipação, mas também uma expressão do seu pensamento acerca do mundo atual, fazendo-o através de uma “tormentosa serenidade”, expressa quer na sua escrita poética, quer na narrativa.

“Yang Sheng” é o título do livro de Wenqian Chen, que será apresentado no dia 17 de novembro, às 15h00, e que fala dos fundamentos da Medicina Tradicional Chinesa e como podemos aplicá-los no nosso dia a dia.

Wenqian Chen, fundadora e diretora do Centro de Terapias Chinesas em Lisboa, partilha a sua experiência quotidiana com doentes portugueses para nos oferecer conselhos práticos e fáceis de seguir e revela os segredos de uma ciência milenar, a medicina tradicional chinesa, que cada vez conquista mais adeptos entre os ocidentais.

Fonte e foto: CMB.

António Gaspar Cunha apresenta “Enterro da Loba” na Biblioteca Municipal

Novembro 14, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 16 de novembro, pelas 21h30, a Biblioteca Municipal de Barcelos será palco da apresentação da obra “Enterro da Loba”, da autoria de António Gaspar Cunha.



A obra, tal como o autor, será apresentada por José Moreira da Silva. Este é um livro de ficção editado pela Editorial Novembro, que retrata a história de uma aluna universitária – Ana – convicta de que certo tipo de praxe são desvios ausentes da humanidade. Ela não é contra as praxes, é contra a falta de humanidade e a violação dos direitos humanos que se perpetuam nesses rituais.

O “Enterro da Loba” é o segundo romance deste autor barcelense, nado em 1964, depois de ter publicado: “O menino de África e outros contos” (contos), 2017; “A Fronteira do Amor”, (romance), 2016; “Tormentosa Serenidade” (poesia), 2015; “Amo a Ideia de Ti” (poesia – com o pseudónimo de João Raphaël), 2014; e “O Triunfo dos Cucos & Outros Contos” (contos), 2014.

António Gaspar Cunha nasceu em Barcelos, tendo-se licenciado na Escola de Engenharia da Universidade do Minho em 1991. Desde então é docente do Departamento de Engenharia de Polímeros dessa mesma Universidade, onde fez o Doutoramento em 2000 e as provas de agregação em 2014.

No âmbito do seu trabalho científico/técnico foi editor de 4 livros, autor e/ou coautor de cerca de 17 capítulos de livro, de cerca de 40 artigos científicos com revisão pelos pares e de mais de 100 artigos publicados em conferências internacionais.

Imagem: DR.

Casa de Saúde S. José encerra comemorações dos 60 anos

Outubro 24, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura port barcelosnahorabarcelosnahora

Apresentação de livro e vídeo comemorativos

A Casa de Saúde S. José, instituição que presta cuidados na área da saúde mental no concelho de Barcelos, encerra esta sexta-feira as comemorações dos seus 60 anos de atividade com uma sessão de apresentação do livro e do filme «60 anos da Casa de Saúde S. José».



A obra, que celebra o 60º aniversário, relata, através do recurso a entrevistas a diversas personalidades que passaram pela casa, a história vivida ao longo destes anos. De recordar que nos primeiros anos de funcionamento, o Hospital Granja S. José, como era designado, situava-se numa quinta agrícola, e como tal, a componente ergoterápica era a atividade principal de ocupação dos doentes. Uma prática inovadora à época e que serviu de modelo a outras instituições.

Mais tarde, a ergoterapia deu lugar à terapia ocupacional, tal como hoje é conhecida, não só porque a população era já do setor terciário, mas também porque o projeto de reabilitação passava já por uma individualização do doente e do seu plano de reabilitação psicossocial.

Desde o início e até hoje, a Casa de Saúde S. José é uma unidade de saúde de referência no Norte do País no que diz respeito ao tratamento de utentes portadores de doença e de deficiência mental.

Recentemente, a instituição alargou a sua área de atuação aos concelhos de Caminha, com a Unidade de Saúde da Gelfa, com duas respostas de Cuidados Continuados, nas tipologias de Média Duração e Reabilitação e Longa Duração e Manutenção, respetivamente, e também ao concelho de Melgaço, igualmente com respostas nas duas tipologias.

Programa:

16h00 – Receção aos convidados

16h30 -Apresentação do livro «60 anos da Casa de Saúde S. José»

17h00 – Apresentação do vídeo documental «60 anos da Casa de Saúde S. José»

17h30 – Verde de honra

Fonte e foto: CSSJ.

Escritor barcelense António Magalhães apresenta livro na Biblioteca Municipal

Setembro 14, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

A Biblioteca Municipal de Barcelos recebe hoje, pelas 21h30, a apresentação do livro de narrativas “Então foi assim”, do barcelense António Magalhães.

História e ficção, lenda e realidade, cruzam-se neste pequeno livro, baseado em acontecimentos ou personagens das terras da freguesia de Negreiros, “tradições e costumes que percorreram gerações”.



O livro e o autor vão ser apresentados pelo professor Mário Patrão, da Escola Secundária Alcaides de Faria, e conta com a participação de Armindo Cerqueira e do pianista António Godinho.

António Martins Magalhães nasceu na freguesia de Negreiros, concelho de Barcelos, em 23 de junho de 1935. Frequentou os seminários franciscanos, onde estudou Humanidades, Filosofia e Teologia. Iniciou a atividade docente em 1976.

Frequentou, de 1978 a 1980, o curso de Línguas e Literaturas Modernas na Faculdade de Letras da Universidade do Porto. De 1980 a 1982, profissionalizou-se nas disciplinas de Português, Latim e Grego na Escola Secundária Oliveira Martins, no Porto. Interrompido o curso de Letras, frequentou e concluiu o curso de Humanidades na Faculdade de Filosofia de Braga, em 1987. Foi professor de Português na Escola Secundária Alcaides de Faria até julho de 2000, onde orientou o estágio pedagógico ligado à Universidade do Minho, durante cinco anos.

Em 1972, ganhou o “Prémio Capitão Simões Vaz”, de reportagem, instituído pelo “Notícias”, de Lourenço Marques.

Tem colaboração dispersa por diversas publicações, nomeadamente nas revistas “Amanhecer”, “Avenida do Minho” e jornal “A Voz do Minho”. “O Galo da Lenda”, um dos contos vencedores do concurso literário promovido, no ano de 1994, pela Câmara Municipal de Barcelos, integra a coletânea “Pedras no Rio do Tempo”.

Imagem: CMB.

António Júlio Trigueiros apresenta III volume de “Apontamentos para a História de Barcelos”

Junho 12, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo port barcelosnahorabarcelosnahora

No passado dia 8 de junho, o Auditório da Misericórdia de Barcelos recebeu a apresentação do III volume do livro “Apontamentos para a História de Barcelos”, de António Almeida Ferraz, conceituado médico barcelense e ilustre provedor da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos entre 1877 e 1878.



A apresentação esteve a cargo do Pe. António Júlio Trigueiros, que frisou que “A grande mais-valia deste volume está na transcrição de manuscritos medievais que pertenciam ao arquivo do Solar dos Pinheiros e da Casa dos Azevedos, onde aparecem algumas cartas inéditas de S. Nuno de Santa Maria, no qual se apresentam algumas novidades”.

O evento contou, para além do referido Padre, com a presença do Provedor Firmino Silva, da Presidente da Assembleia Geral da SCMB, Manuela Dantas, e da Vereadora da Câmara Municipal de Barcelos, Armandina Saleiro, perante uma vasta plateia, na qual se encontravam também os descendentes do autor.

Ao longo de mais de trezentas páginas são apresentados temas desde Barcelos, Freguesias, Famílias/casa, património religioso, administração pública, vida militar, Rio Cávado, caminho-de-ferro, curtas biografias de barcelenses e outros.

Estes manuscritos foram redigidos por António Almeida Ferraz ao longo de cerca de 22 anos, entre 1894 e 1916. Este é considerado o maior trabalho que alguma vez se escreveu sobre Barcelos. Ao longo da sua pesquisa, o autor foi tratando centenas de temas, sem uma ordem aparente, que compõe a história de Barcelos, o seu património, as suas tradições e nomes das gentes de Barcelos.

À semelhança das edições anteriores, a fixação do texto foi da responsabilidade do Pe. António Júlio Trigueiros e as fotografias de José Eduardo Reis, numa coedição da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos e da Câmara Municipal de Barcelos.

O evento encerrou oficialmente o programa comemorativo dos 518 anos da Santa Casa da Misericórdia de Barcelos.

Este III volume encontra-se à venda nos Serviços Centrais da Santa Casa e, em breve, nas livrarias barcelenses, pelo valor de 30€.

Fonte e fotos: SCMB.

Ir Para Cima