Tag archive

Associação Intensify World

Presidente da Câmara assina memorando de entendimento com a Intensify World

Fevereiro 19, 2021 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, Miguel Costa Gomes, assinou um memorando de entendimento com a Intensify World – Associação tecnológica e Recreativa, sediada na freguesia de Macieira de Rates, no âmbito do Orçamento Participativo 2019/20. 


A Intensify World apresentou o projeto “TES – Criação de um sistema tecnológico, ecológico e solidário no concelho de Barcelos”, que foi um dos vencedores da primeira edição do Orçamento Participativo de Barcelos. A iniciativa consiste na recolha de material eletrónico e outros bens, como roupa, móveis ou livros, para depois serem redistribuídos e doados. O material eletrónico servirá também de suporte a equipas que participam no Festival Nacional de Robótica. No âmbito deste memorando, o Município de Barcelos cedeu uma carrinha àquela associação. O projeto tem um custo de 33.120,07€. 


Após a assinatura do documento, o Presidente da Câmara Municipal de Barcelos destacou o facto de o projeto “TES” ter sido o mais votado no Orçamento Participativo 2019/20, com 444 votos, e referiu a importância da participação dos jovens neste género de iniciativas: “É com agrado que vejo que os jovens participam ativamente no desenvolvimento e no futuro do concelho, com projeto válidos e que vão muito para além dos limites da freguesia onde está sediada a associação”. 


Inserido também no Orçamento Participativo, a Câmara Municipal vai avançar com melhoramentos na Escola Básica e Jardim de Infância (EB1/JI) de Fraião, em Tamel São Veríssimo, pelo valor de 38.813,51€ (IVA incluído). A empreitada terá um prazo de execução de 90 dias. Trata-se de uma obra de melhoramento da caixilharia do edifício escolar e da zona envolvente, de forma a melhorar as condições de comodidade e aprendizagem dos alunos e faz parte dos projetos vencedores do Orçamento Participativo de 2019/2020. 


Ao todo, Orçamento Participativo 2019/20 é composto por 12 projetos. Uma parte deles está já implementada, nomeadamente o “Tempo dos Afetos”, em Abade de Neiva, que se centra na contratação de um professor de meditação, com o objetivo de melhorar a aprendizagem e a concentração dos alunos; e o “Viver em rede no século XXI, os limites entre o público e o privado…”, com a plantação de 30 árvores, cujos frutos podem ser consumidos por peregrinos e habitantes, no início do troço do Caminho de Santiago, em Macieira de Rates. 


Entretanto, está já em curso o Orçamento Participativo 2021, com o tema “Felicidade”. As propostas podem ser apresentadas até 28 de fevereiro. Toda a informação disponível em participe.cm-barcelos.pt.

Fonte|Foto: MB

“Orçamento Participativo – A Associação Intensify World como parceira estratégica”

Fevereiro 4, 2021 em Atualidade, Concelho, Economia Por barcelosnahorabarcelosnahora
Dr. Manuel Mota

O coordenador do Orçamento Participativo do Município de Barcelos, é o convidado a partilhar a sua opinião no mês de fevereiro no nosso espaço. No âmbito da componente “Solidariedade” da Associação Intensify World, o Dr. Manuel Mota irá partilhar algumas informações sobre a 2ª edição do Orçamento Participativo do Município de Barcelos.

Na persecução da estratégia definida pelo atual executivo municipal para o mandato em curso a 2ª edição do Orçamento Participativo do Município de Barcelos pretende reforçar o enorme sucesso da 1ª edição que envolveu 4.603 barcelenses registados na plataforma do OPB, 4.065 votantes, em 38 projetos que estiveram a votação, das 61 propostas apresentadas e mais de 100.000 visualizações da página do OPB.

Salientamos que o projeto mais votado: TES – Criação de um sistema Tecnológico, Ecológico e Solidário, no concelho de Barcelos e já implementado, tem a Associação Intensify World como parceira estratégica na implementação das ideias apresentadas.

@DR Município de Barcelos

A 2ª edição do OPB pretende reforçar o exercício de uma participação informada, ativa e responsável dos barcelenses nos processos de governação local garantindo, assim, a intervenção dos mesmos na decisão de afetação dos recursos existentes às políticas públicas municipais.

Manter-se-á o incentivo ao diálogo entre eleitos, técnicos municipais, cidadãos e sociedade civil organizada, na procura das melhores soluções para os problemas, tendo em conta os recursos disponíveis;

Contribuir para a educação cívica, permitindo aos cidadãos aliar as suas preocupações pessoais ao bem comum, compreender a complexidade dos problemas e desenvolver atitudes, competências e práticas de participação;

Adequar as políticas públicas municipais às necessidades e expectativas dos barcelenses, para melhor a qualidade de vida no concelho de Barcelos;

Aumentar a transparência da atividade da autarquia, o nível de responsabilização dos eleitos e da estrutura municipal, contribuindo para reforçar a qualidade da democracia.

Para a 2ª edição do OPB o município disponibiliza a verba de 500.000 euros, para projetos com o valor máximo de 50.000 euros e que deverão versar sobre o tema: FELICIDADE. A escolha de um tema central das opções de políticas públicas mais avançadas da atualidade permitirá que os projetos a apresentar se concentrem no âmbito dos principais fatores definidos pela Rede de Soluções para o Desenvolvimento Sustentável das Nações Unidas, nomeadamente, aqueles que, promovam o desenvolvimento educacional para a inclusão social; preservem e promovam os valores culturais; estimulem a participação em atividades desportivas; promovam a igualdade de géneros e liberdade de pensamento; promovam a saúde como garantia da vida; promovam a resiliência ecológica na base do desenvolvimento sustentável; promovam o desenvolvimento sustentável para a inclusão e potencialização do nível de vida.

Por: Dr. Manuel Mota*

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

“Cancro da Mama em tempos de pandemia”

Janeiro 22, 2021 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Dra. Maria José Novais

Maria José Novais, natural e residente em Macieira de Rates, sócia n. º 75 da Associação Intensify World, é Médica Especialista em Medicina Geral e Familiar é a convidada para escrever o artigo de opinião do mês de Janeiro no nosso espaço. No âmbito da componente “Educação” da associação Intensify World a Dra. Maria José Novais irá partilhar algumas informações relativamente ao cancro da mama.

O cancro da mama é o cancro mais frequente na mulher. É um dos cancros mais temidos e com maior impacto na vida da mulher, tanto a nível físico como emocional, atingindo fortemente a sua autoestima. Apesar do enorme progresso na prevenção feito nas últimas décadas, estima-se que uma em cada nove mulheres irá desenvolver cancro da mama ao longo da sua vida. É a causa mais frequente de morte na faixa etária entre os 35 aos 55 anos de idade na União Europeia. Em todo o mundo, a cada 20 segundos uma mulher é diagnosticada com cancro da mama e a cada minuto alguém morre devido a esta doença. Contudo, mais de 85% destas doentes podem ser curadas, se diagnosticadas numa fase precoce e adequadamente tratadas.

Estes dados sublinham a importância de um investimento contínuo na educação, informação e investigação nesta doença. É inquestionável que o investimento na pesquisa e desenvolvimento de novos tratamentos desempenham um papel fundamental na melhoria da sobrevida destes pacientes, mas é igualmente importante a fomentação da instrução e conhecimento geral sobre o cancro da mama.

2020 será sempre recordado como o ano do início da Pandemia COVID-19, que levou à paralisação de inúmeros serviços e atos de rotina importantes. Os exames de rastreio oncológico são um desses graves exemplos: houve uma diminuição muito significativa de exames de rastreio do cancro da mama, do colo do útero e colo-rectal, o que provocou uma preocupante diminuição dos novos diagnósticos de cancro. Tal facto não significa que deixou de haver cancro, mas que serão diagnosticados numa fase mais tardia e grave da doença.

São conhecidos alguns fatores de risco para o cancro da mama, muito associados aos estilos de vida e a características reprodutivas inerentes à vida moderna e ocidentalizada da mulher. O aumento da idade, primeira menstruação precoce (11 a 14 anos), menopausa tardia (acima dos 55 anos), história familiar de cancro da mama, nunca ter engravidado, primeira gravidez depois dos 30 anos e tratamentos com terapia hormonal de substituição são fatores de risco não modificáveis que aumentam a predisposição para esta doença. Contudo, existem outros fatores de risco que são modificáveis, tais como o excesso de peso, o sedentarismo e a ingestão de álcool, que também aumentam o risco de cancro da mama. É por isso fundamental adotar um estilo de vida saudável, praticando exercício físico, ter uma alimentação equilibrada e não consumir bebidas alcoólicas, pois estas mudanças comportamentais podem reduzir o risco de vir a desenvolver a doença.

Existem ainda alterações para as quais deve estar alerta, nomeadamente a existência de um nódulo palpável, retração da pele ou do mamilo, espessamento cutâneo, escorrência mamilar sanguinolenta, mudança no tamanho ou forma da mama ou da aréola. Em caso de deteção de algum destes sinais deverá contactar de imediato o seu médico assistente.

O rastreio do cancro da mama tem como objetivo a realização de um diagnóstico precoce para que o tratamento melhore a sua evolução. Segundo o Programa Nacional para as Doenças Oncológicas da Direção Geral de Saúde, deve realizar-se a mamografia de 2 em 2 anos a todas as mulheres com idades compreendidas entre os 50 e 69 anos. Nas restantes faixas etárias, deverá ser ponderado com o Médico Assistente a necessidade de rastreio, tendo em conta eventuais sinais ou sintomas, fatores de risco ou história familiar de cancro da mama. A mamografia vai permitir visualizar se existem nódulos ou outras alterações na mama ainda antes de estas poderem ser palpadas ou sentidas pela mulher. É um exame pouco invasivo que utiliza uma dose de radiação mínima sem riscos para a saúde e é essencial para o diagnóstico desta doença. 

O combate ao cancro deve ser uma prioridade contínua, que não pode ficar em segundo plano face à pandemia COVID-19. Apesar de um diagnóstico de cancro da mama ser devastador, não é uma sentença de morte. Partilhe as suas dúvidas com o seu Médico, siga as suas recomendações e adote um estilo de vida saudável. Prevenir o cancro da mama é o primeiro gesto para o vencer!

Por: Dra. Maria José Novais (Médica Especialista em Medicina Geral e Familiar)

Imagem: DR

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Ir Para Cima