Tag archive

Associativismo

O Associativismo e os jovens, que futuro?

Março 16, 2021 em Ambiente, Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Pedro Rodrigues

Atualmente as associações sem fins lucrativos e de âmbito local como a que pertenço na qualidade de Presidente da Mesa da Assembleia Geral, debatem-se com inúmeras dificuldades a vários níveis, como por exemplo, a burocratização na sua criação, a sua manutenção legal e ao mesmo tempo e muito importante a falta de capital humano para integrar os seus órgãos sociais e participar nas atividades diárias.

Ao longo dos últimos 25 anos sempre fiz parte de várias associações de vários tipos, desportivas, voluntariado e agora a Associação Viver Macieira e tem sido recorrente a dificuldade de angariar jovens, pessoas que se disponibilizem para trabalharem por uma causa, tem sido uma realidade que os persistente e mais antigos membros tentam colmatar. Hoje em dia os jovens, dada a sua especificidade de vivências tecnológicas, têm dificuldade de se associarem em grupos além das suas rotinas na web, fruto de novos conhecimentos e uma informação mais rápida e descartável que os leva a abraçar outras causas, daí que os elementos que integram hoje as diversas associações na nossa localidade são sempre os mesmos desde há muito tempo. A revitalização o tecido humano das associações tende a persistir no tempo e é muito difícil convocar novas pessoas.

Nesta fase que vivemos, de incerteza por causa desta pandemia, vejo com apreensão o desaparecimento de várias associações que em virtude do cancelamento das suas atividades tendem a esmorecer a sua intervenção ou não manter as suas atividades fruto da falta de elementos, daí que o meu apelo seja para os resistentes, no sentido de se revigorarem e tentar motivar jovens. Definir atividades e metas de intervenção que vão ao encontro dos anseios, necessidades e gostos dos jovens é o desafio que se deve empreender para não deixar “morrer” estes grupos associativos.

Neste sentido e no propósito da associação a que pertenço, destaco a necessidade de revitalizar os costumes da freguesia, a preocupação com o meio ambiente e a necessidade de partilha de saberes intergeracionais. É de salientar a necessidade de apoio nas entidades municipais e nacionais para suportar as atividades que se definem e que visam o bem comum da população a que se destinam.

Por: Pedro Manuel Ferreira Rodrigues (Presidente da Mesa da Assembleia Geral Associação Viver Macieira )

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Foto: DR

O Associativismo em tempos de pandemia

Fevereiro 7, 2021 em Ação Social, Atualidade, Concelho, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Sergio Villas Boas


O Associativismo desenvolve funções de capital importância ao nível do exercício da democracia, nomeadamente, na promoção e participação cívica. As associações sem fins lucrativos tem como objetivo colmatar falhas do estado na oferta de cultura, ambiente, participação cívica e desportiva das comunidades civis.

Todos nós sabemos que a associações tem dificuldades das mais variedades formas, quer na estrutura, infraestruturas e principalmente na tesouraria, e com esta pandemia, existe impacto negativo na atual realidade, quer social, económica e particularmente nos relacionamentos sociais do dia a dia. O associativismo sofreu também deste flagelo como sendo privado da realização das suas atividades, festividades que provocou estreitamento nos relacionamentos interpessoais, o que provoca a inexistência de receitas que são essenciais e fundamentais para a sobrevivência do associativismo quer na manutenção de espaços físicos, veículos e principalmente para a criação e realização das suas atividades.

Neste contexto, cabe ao poder local auxiliar perante os seus recursos as associações para que o futuro seja risonho para as mesmas o que vai contribui e muito , nas suas atividades, quer ambientais, cívicas, culturais e desportivas, e onde as comunidades civis serão as mais beneficiadas com o trabalho associativo. A Viver Macieira – Associação Ambiental, Cultural e Desportiva de Macieira de Rates fundado em 16/3/11, no qual tenho orgulho em presidir, mas não fugimos às consequências e responsabilidades desta pandemia, e com um ano 2020 atípico nas atividades tivemos que nos reinventar na ação da realização de novas atividades na atuação cívica, ambiental e desportiva. Durante 2020 demos importância à Solidariedade com o projeto Macieira Solidária com a produção de viseiras solidarias que foram entregues e instituições e comércio da freguesia, também entregámos cabazes solidários a famílias de bebés carenciados.

No Ambiente, no projeto Macieira Limpa tivemos na execução de projetos ambientais e procedimentos da sua logística que foram aprovados pelo Município de Barcelos, onde no qual se destaca o “ Pomar Publico” implantado no caminho de Santiago que passa em Macieira, sendo um dos primeiros projetos provados pelo Orçamento Participativo do Município de Barcelos. Durante o confinamento, realizamos algumas limpezas Ambientais nas margens de ribeiros da freguesia, e esperamos que 2021 sejam um ano de viragem desta pandemia, onde a saúde dos cidadãos portugueses seja o principal trofeu nesta batalha final.

Por: Sérgio Villas Boas *(Presidente da Viver Macieira – Associação Ambiental)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Foto: DR

O associativismo e espírito comunitário no Concelho de Barcelos

Novembro 22, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora

Pedro Sousa

Caro leitor,

Quando iniciei esta empreitada de ser o diretor deste singelo e humilde jornal online, fazendo parte do conjunto de pessoas que o fundou, não me passava pela cabeça o tamanho das “fundações” que tinha que ajudar a criar.



Vamos por partes. Primeiro, quando digo “singelo”, estou, obviamente, a usar de comicidade para nos divertirmos um pouco! Segundo, “humilde” porque é um projeto em que nenhum dos seus participantes aufere qualquer tipo de remuneração e/ou ajudas de custo. Sim, nenhum! Nem o diretor – eu –, nem os editores, os colaboradores e, mesmo, os nossos colunistas, a quem aproveito o ensejo para agradecer imenso pela dedicação. Por isso, é usual e compreensível que alguns deles não escrevam de quando em vez, porque a vida pessoal e profissional deles a isso “obriga”…e quem sou eu para os “censurar”?!

É por isso, também, que ainda não conseguimos ter um corpo jornalístico que nos permita cobrir o máximo de eventos possível, jogos, campeonatos, festas, entre outros. Ou cobrir acidentes, assuntos de política e outros casos. Por tal, tenho vindo, de quando em vez, a fazer a nossa “contrição” por não conseguirmos mesmo noticiar e/ou fazer o que desejaríamos. Mas isso são problemas nossos com os quais temos que lidar e tentar, com tempo e sustentabilidade – sim, porque não daremos “passos maiores do que as nossas pernas”, hipotecando o futuro do projeto e, até, o nosso pessoal –, menorizar estes problemas e, mesmo, transpô-los.

Depois deste grande “desabafo”, intercalado entre o preâmbulo e o corpo do artigo, reentro no tema que me traz aqui: o associativismo e espírito comunitário barcelense.

Ao iniciar funções, decidimos enviar um e-mail de apresentação do jornal, com solicitação de colaboração, ao máximo de associações, clubes, instituições, grupos, entre outros. Muitos aceitaram…infelizmente, muitos ainda não o fizeram. “No que me fui meter”, pensei logo eu! São tantos, mas tantos os e-mails que ainda hoje não consegui terminar essa parte da “empreitada” (obviamente que tenho o meu emprego e não passo todo o dia a enviar!). Aliás, eu confesso: não conheço todas as associações, todos os clubes, todas as instituições, todos os grupos, todas as comissões…de Barcelos! Não me levem a mal, mas tenho quase a certeza de que nenhum barcelense conhece! Isso é, para mim, sinal do grande espírito associativo, clubístico e comunitário dos barcelenses, que aqui louvo e destaco. Mesmo que isso signifique que um dos meus objetivos enquanto diretor fique muitíssimo difícil de concretizar: dar a conhecer o nosso “Barcelos na Hora” a todas essas instituições! Acho que não vou conseguir…

Escrevi sobre as dificuldades com que nos deparamos (nós, “Barcelos na Hora”) e sobre o facto de ninguém dos que colabora e participa neste projeto auferir qualquer tipo de ganho financeiro porque, tal como no nosso caso, são imensas aquelas pessoas que, de uma forma, muitas vezes, abnegada e gratuita, lutam pelo melhor para associações/ clubes/ instituições/ grupos/ IPSS/ comissões…de que fazem parte, quer como dirigentes, quer como associados/simpatizantes. Por vezes, as coisas correm menos bem; por outras, os sucessos são mais do que os insucessos. Há dias em que chegam a casa de “coração cheio”; há outros em que chegam de espírito em baixo! Enfim, é o “dia a dia” destas pessoas, que escolheram esse caminho para a sua vida…

Não escrevo muito mais!

Termino com um muito obrigado a todos vocês, que tornam enorme o associativismo e o espírito comunitário barcelense! Mesmo que isso – reitero – dificulte imenso a concretização de um dos meus objetivos enquanto diretor deste jornal!

PS: Tinha muitas imagens para escolher para foto de destaque, mas senti que era impossível encontrar uma que retratasse todas as instituições barcelenses de que falei! Escolhi esta por representar um evento – Festa das Cruzes – onde muito do espírito retratado se evidencia.

Por: Pedro Sousa* (Professor e Diretor do Barcelos na Hora)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Festa da Juventude e Mostra Urbana regressam à Alameda das Barrocas

Julho 18, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Desporto Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Festa de Juventude e Mostra Urbana 2018, promovida pela Câmara Municipal de Barcelos, arranca já amanhã, dia 19 de julho, às 19h00, na Alameda das Barrocas.



O evento inclui atividades diferentes até domingo, dia 22, numa mostra onde participam 30 associações do concelho e onde haverá animação de rua.

Esta iniciativa do Município pretende mostrar o dinamismo associativo do concelho, promover e dar visibilidade às atividades e projetos das associações que atuam nas mais diversas áreas.

No primeiro dia, pelas 21h30, realiza-se o Festival de Bandas, integrado no Projeto Artístico, desenvolvido pelo Pelouro da Juventude, com as seguintes bandas: Gator- The Alligator, Acoustic Dive, DD Rock, Lazy Eye Society, Hull, Laranjinha Descascada Cortadinha e Little Boys from Hiroshima. A partir de sexta-feira e até domingo, a Mostra Urbana abre às 18h00.

No dia 20, a partir das 19h30, atua a Arts Academy Barcelos e, às 21h30, realiza-se uma aula de zumba com a dinamização da Barcelos Saudável.

No sábado, dia 21, a partir das 21h30, realizam-se concertos com João Dias, Jukebox e RJ e convidados. No domingo, às 18h00, decorre o Festival de Dança, com os seguintes grupos: Academia João Capela, Nico Dance Studio, H.A.D – Histórias da Arte e da Dança, Fisiofitness, Escola de Dança de Barcelos, Academia Rosália Ferreira e ARCA Dance Studio. A Mostra Urbana encerra às 21h30, com o espetáculo de Paulo Neiva.

Durante o tempo de realização da Festa da Juventude, decorrem atividades permanentes das associações da Mostra Urbana e animação de rua.

A Mostra Urbana e Festa da Juventude têm como objetivo, segundo o Município, “apresentar um conjunto diversificado de atividades, capazes de mobilizar as associações, grupos juvenis, os jovens e as suas famílias para momentos lúdicos, culturais e de convívio”.

O acesso a todas as atividades da Festa é livre.

Imagem: CMB.

Ir Para Cima