Tag archive

Barcelos

Economia Barcelense apresenta pequenos sinais de crescimento após choque fortíssimo

Outubro 11, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora

Breve análise ao relatório trimestral “Norte Conjuntura”

Alexandrino Ribeiro

Os números não enganam! O COVID-19 deixou a sua marca devastadora na economia. Será necessário recuar vários anos para se encontrar uma contração económica tão violenta e acelerada como esta. Já se sente o início da recuperação económica, mas os próximos meses serão críticos. A economia barcelense também evidencia sinais de recuperação económica, mas continua a ser o parente pobre do Quadrilátero Urbano em termos económicos e financeiros.

A atividade económica do concelho de Barcelos registou uma contração assustadora no 2º trimestre de 2020, muito na linha do que se previa e do que aconteceu a nível regional, nacional e internacional. O relatório trimestral, recentemente divulgado pela CCDRN, “Norte Conjuntura”, relativo ao 2º trimestre de 2020, evidencia que abril foi o mês mais problemático ao nível dos efeitos da pandemia nas variáveis macroeconómicas: taxa de desemprego, exportações, importações e crescimento económico.



A contração da atividade económica teve forte impacto no crescimento do desemprego. No caso particular de Barcelos, no passado mês de abril, acentuou-se o crescimento desse flagelo que afeta já muitas famílias barcelenses. O concelho de Barcelos apresentou, mesmo, em abril, o pior desempenho mensal neste indicador económico entre todos os Concelhos que compõem o Quadrilátero Urbano (Barcelos, Braga, Famalicão e Guimarães). Apesar da elevada subida na taxa de desemprego, o mesmo só não se tornou ainda mais problemático fruto do recurso acentuado ao lay-off por parte de muitas empresas. No final do 2º trimestre de 2020 existiam cerca de 823 mil trabalhadores em regime de lay-off a nível nacional, dos quais uma larga percentagem localizados na região Norte do País. O término do regime de lay-off tenderá a colocar várias empresas em dificuldades para se manterem no mercado, fazendo-me prever mais uma subida do flagelo do desemprego num futuro próximo, com potenciais agravamentos de problemas sociais nas famílias e que se tornará importante dar resposta com um reforço das políticas e apoios sociais a diversos níveis.

Em termos setoriais, a pandemia apresentou diferentes impactos nos setores de atividade na região Norte. A generalidade dos setores sofreu uma forte contração nas horas efetivamente trabalhadas, com especial destaque para os do turismo, do alojamento e restauração que praticamente pararam durante o período da quarentena. Contudo, merece destaque a subida verificada em setores relacionados com a informática e comunicações, assim como as atividades administrativas e serviços de apoio, setores de atividade que foram fundamentais nos tempos de quarentena que atravessámos. Salienta-se, ainda, que o setor turístico, fortemente penalizado pela pandemia, apresenta já uma lenta retoma no final do 1º semestre, assente, fundamentalmente, nos turistas nacionais, mas ainda muito longe dos níveis de atividade registados antes da pandemia, como explicita o relatório “Norte Conjuntura”.

A quarentena e o confinamento deixaram, ainda, marcas significativas nas exportações, sendo esta a variável económica analisada a evidenciar a queda mais acentuada no 2º trimestre de 2020. Os resultados do relatório “Norte Conjuntura” evidenciam que o concelho de Barcelos continua a apresentar um volume de exportações muito abaixo dos restantes Concelhos do Quadrilátero Urbano. Qualquer um dos restantes Concelhos apresenta um volume de exportações que se situa acima do barcelense em cerca de mais do dobro. Esta é uma tendência que nos deve preocupar e que urge inverter, sendo importante, para tal, a implementação de políticas Municipais que visem atrair mais empresas, apoiem o empreendedorismo e permitam atrair mais projetos de investimento (nacionais e internacionais) para o Concelho de Barcelos. A criação e dinamização, à semelhança do que já acontece nos restantes Municípios do Quadrilítero, de uma Agência Municipal de Investimento e de um Regulamento Municipal de apoio ao investimento é uma urgência para que Barcelos não continue a ficar cada vez mais para trás em relação aos outros Municípios do Quadrilátero em variáveis económicas e financeiras como o volume de empregos, volume de exportações, orçamento Municipal por habitante, etc…Está mais do que na hora de se implementar políticas Municipais que ajudem o concelho de Barcelos a deixar de ser o parente pobre do Quadrilátero Urbano em termos económicos e financeiros.

Por: Alexandrino Ribeiro* (Professor no IPCA).

Foto: DR.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

COVID-19: BTF lança comunicado com críticas à atuação da Câmara de Barcelos

Maio 19, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Em comunicado enviado às redações, o BTF – Barcelos, Terra de Futuro enunciou algumas propostas apresentadas pelo seu vereador, Domingos Pereira, em reuniões de câmara, nomeadamente, relacionadas com o combate à pandemia COVID-19.



Ainda no referido comunicado, o movimento independente critica o processo de aquisição e distribuição de máscaras, assim como, o da feira e mercado.

Segue-se, citado, o comunicado do BTF:

«Com o levantamento das restrições impostas pelo decretamento do Estado de Emergência primeiro e do Estado de Calamidade depois, com maior ou menor atividade, o governo pretende recuperar o tempo perdido para a recuperação económica possível já muito depauperada também no país.

De consequências ainda imprevisíveis, a abertura a quase todos os setores de atividade, embora ainda com restrições, é a tentativa de salvar, porventura, algumas empresas de todos os setores, porque, infelizmente, muitas delas poderão não resistir.

E diga-se, nesta fase em que nos encontramos, que já é tempo de fazermos um levantamento das decisões e apoios que o nosso município tomou na fase mais aguda da doença e das repercussões que a falta delas poderão provocar, prejudicando, desse modo, todos os que de ajuda necessitassem e necessitem.

O BTF anunciou publicamente que não cairia na tentação de chamar para si qualquer protagonismo político para poder tirar, eventualmente, alguns dividendos sempre à custa de quem sofre e de quem precisa de ser ajudado.

Não se pense, contudo, que o BTF suspendeu o seu exercício de cidadania e a sua intervenção política nos seus órgãos autárquicos (apenas o órgão executivo que tem reunido) para apresentar propostas, ideias e muitos contributos; também se disponibilizou para participar em equipas de trabalho no âmbito da COVID-19, para responder com maior celeridade e eficácia aos que deveriam ter sido ajudados. A COVID-19 não tem cor partidária, ideologia e, muito menos, o sectarismo político.

Não foi isso que aconteceu. Infelizmente, e pior ainda, é que a falta de medidas tomadas no tempo certo, vão acarretar prejuízos e desigualdades imperdoáveis.

Fizemos muitas propostas e todas foram rejeitadas. Uma das mais importantes teria sido a da constituição de um gabinete de crise, ou outro nome que lhe quisessem chamar, mas que tivesse sido constituído para responder a todos os processos durante a crise mais aguda, e projetarem-se medidas e decisões para o momento atual e futuro. Mas nada!

O BTF ficou, e fica, profundamente desiludido e preocupado, por não se ter feito o que se podia e devia. Foi um tempo perdido.

No dia 30 de março o vereador do BTF presentou um conjunto de propostas, abaixo descritas, e solicitou, ao senhor presidente, que as fizesse incluir na minuta da reunião de câmara de 3 de abril:

PROPOSTA – 1

1 – Que seja criado um Gabinete de Crise alargado que monitorize durante todos os dias as ocorrências e necessidades a suprimir, em função das carências e necessidades verificadas numa perspetiva pró-ativa e na contribuição de soluções que venham a ser solicitadas pelas diversas fontes institucionais ou não;

2 – Esse Gabinete de Crise é presidido pelo Senhor Presidente da câmara que o coordena e que toma as decisões sobre as ocorrências e solicitações relatadas pelos diferentes membros, a saber:

a) Serviço de ação social e saúde pública, numa relação com todas as instituições públicas e privadas com monitorização sistemática de acompanhamento de todas as situações com articulação, também, com as juntas de freguesia. Este acompanhamento deve ser orientado por duas pessoas do órgão executivo e demais pessoal de apoio;

b) Serviço de Proteção civil, que monitoriza todas as situações de emergência e logística nos pedidos efetuados, como viaturas, transportes de doentes e outros serviços análogos. Este acompanhamento deve ser orientado por duas pessoas do órgão executivo e demais pessoal de apoio;

c) Serviço económico e financeiro, que monitoriza e avalia todas as despesas financeiras a efetuar no âmbito da COVID-19 no apoio às instituições e às famílias que não estavam previstas do ponto de vista orçamental, bem como elaborar um relatório do impacto financeiro no orçamento pela isenção das taxas municipais a isentar/reduzir, e/ou a adiar; do ponto de vista económico, fazer um relatório pela perda da cobrança das receitas que a COVID-19 eventualmente provocará; estabelecer contatos com as associações comerciais e industriais no concelho para o acompanhamento da evolução nestes setores de atividade e tomadas de decisão.

PROPOSTA – 2

Que seja criado um hospital de campanha no pavilhão municipal de Barcelos em articulação com as autoridades locais de saúde de Barcelos e Braga, em colaboração com o Município de Barcelos e eventualmente Esposende;

PROPOSTA – 3

Que seja disponibilizado um espaço para receção de pessoas em caso da necessidade de isolamento, em situação de quarentena, sem estarem infetados, vindos de instituições ou famílias carenciadas. Por exemplo, a câmara reservar as camas existentes dos Irmãos do Espírito Santo do Seminário da Silva; no espaço da antiga escola de Minhotães, recuperada em tempos, mas nunca ocupada; outros espaços a mapear;

PROPOSTA – 4

Que seja atribuído, no imediato, um subsídio às corporações de Bombeiros para despesas de combustíveis e aquisição de material de proteção higiénico-sanitária, num valor de 25.000€ cada, bem como às IPSS que trabalham na rede de apoio às famílias, “Cruz Vermelha”, “GASC” e “Santa Casa da Misericórdia” para os mesmos fins, cujos valores devem ser avaliados pelo pelouro da Ação Social;

PROPOSTA – 5

Que a câmara antecipe o pagamento do subsídio de férias aos trabalhadores para os meses de abril e maio, de acordo com os que assim o pretendam;

PROPOSTA – 6

Que seja marcada uma reunião camarária para quarta ou quinta-feira, na modalidade que seja entendida como adequada, para deliberar sobre estes assuntos e outros que sejam entendidos por conveniente e sem recurso aos prazos para a convocação formal, desde que seja de acordo com todos os membros do executivo, visto não terem caráter público de acordo com a situação que o país vive;

PROPOSTA – 7

Que seja deliberado que aos feirantes e comerciantes do mercado municipal ficam isentos do pagamento das respetivas taxas da ocupação dos lugares no segundo semestre de 2020, atendendo a que o pagamento do primeiro semestre já ocorreu.

PROPOSTA – 8

Que sejam cancelados todos os eventos para 2020, designadamente, a Festa das Cruzes, Feira do Livro, Feira de Artesanato e outras.

Barcelos, 30 de março de 2020

De então para cá, continuou a apresentar, em nome do BTF, propostas de apoio às famílias carenciadas, nomeadamente na disponibilização de computadores para os alunos sem condições, no âmbito do ensino à distância entretanto criado.

Todas as medidas anunciadas pelo senhor presidente, em conferências de imprensa por videoconferência, eram medidas de apoio no âmbito da COVID-19, mas nunca implementadas.

A mais bizarra aconteceu na reunião da passada sexta-feira, dia 15, acerca da aquisição de 100 mil máscaras comunitárias para distribuição a toda a população barcelense. Esta medida já tinha sido anunciada há mais de 15 dias, mas ainda não concretizada.

Na dita proposta só é pedida a “A distribuição de 100 mil máscaras, numa primeira fase, para serem distribuídas diretamente aos munícipes, Juntas de Freguesias e União de Freguesias que posteriormente as distribuirão pelas suas comunidades.”

Ora, nunca esteve em causa a distribuição de máscaras a toda a população barcelense. E ainda menos a sua quantidade ou a quem as fornecesse, ou o seu valor final. O que estava em causa e questionou, foi saber o valor global da despesa, preço unitário e consulta ao mercado.

Aliás, o ponto 9 a declaração de voto sobre a proposta 30 diz “9. Pela do vereador do BTF só estará em condições de votar favoravelmente esta proposta desde que sejam disponibilizados os documentos suscitados. Se assim não acontecer, voto contra a presente proposta, com um único propósito: evitar qualquer clima de suspeição sobre a transparência na gestão dos dinheiros públicos como, infelizmente, muitas vezes, somos confrontados.”

Como se vê, apenas foi questionado os procedimentos e valores. E sobre isso nada foi esclarecido sabendo-se, apenas, que o contrato da aquisição foi assinado em 13 de maio pelo valor de 152.250,00€ de acordo com a publicação na plataforma base.gov.

E pergunta-se: já hoje são 18 de maio [Ndr: data deste comunicado]; as juntas de freguesia ainda não foram contactadas; não sabemos que levantamento foi feito em cada freguesia; não se sabe porque é que não foram distribuídas máscaras aos alunos; aos funcionários camarários; é o único município do distrito que ainda não entregou máscaras que manifestou a intenção de o fazer. Afinal, para quando a entrega das máscaras?

Foi com base nesta falta de planeamento e falta de transparência em todo o processo, e só termos sido chamados para aprovar um procedimento mal elaborado e sem nenhum acompanhamento anterior, que votei contra a proposta por considerar que não estavam esclarecidos todos os procedimentos. Não é suficiente votar a favor, é preciso sabermos o que votamos e em que condições. Respeitando, claro está, quem pensa e age diferente, porque, cada um assume as suas responsabilidades individualmente.

No tocante à gestão da feira e do mercado, nem dá vontade de falar. É um assunto mal gerido, sem soluções em tempo que se exige. O mercado não está em condições para ser transferido para o local já contratado. Estão a destruir o mercado e a defraudar os direitos dos comerciantes e dos seus utentes. Tantos meses para resolver um assunto simples demais. Como é agora a feira. Barcelos não merece tamanho marasmo!»

Foto: DR.

COVID-19: Direção Geral de Saúde confirma casos de infetados em Barcelos

Março 24, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

No Relatório de Situação lançado hoje pela Direção Geral de Saúde (DGS), com dados até 23 de março (24h00) e atualizado a 24 de março (11h00), surgem três confirmações de infetados por COVID-19 em Barcelos.



No entanto, não refere qual a sua origem e deve-se ter em conta uma discrepância de números, ou seja, a DGS informa que há 2362 casos confirmados na totalidade, mas na “Caracterização Demográfica dos Casos Confirmados”, por concelho, somando todos os números que nela constam, chega-se à quantia de 1287, ou seja, há uma diferença de 1075 entre o número total de confirmados e o número de confirmados por concelho.

Em relação aos restantes números, há 15.474 casos suspeitos (desde 01 de janeiro), 11.329 casos não confirmados, 1783 aguardam resultado laboratorial, há 22 casos recuperados e 11.842 contactos em vigilância pelas autoridades de saúde.

Conforme se pode comprovar pelo gráfico que se segue, no dia 23 de março, houve uma diminuição de casos confirmados em relação aos dias anteriores.

Pode consultar o Relatório de Situação em:

https://www.dgs.pt/em-destaque/relatorio-de-situacao-n-022-24032020-pdf.aspx

Imagens: DGS.

Turismo Criativo de Barcelos em destaque na FITUR

Janeiro 23, 2020 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Município de Barcelos marca presença na edição da FITUR 2020, a maior feira de turismo da Península Ibérica e uma das maiores do setor no mundo, estando esta a decorrer, em Madrid, de 22 a 26 de janeiro.



Com esta participação, “a aposta do Município incide sobre sua recente adesão à Creative Tourism Network, rede mundial que se dedica à promoção do turismo criativo e da qual Barcelos é membro desde outubro 2019, na qualidade de Creative Friendly Destination”, refere em nota.

De referir que a Presidente da Creative Tourism Network, Caroline Couret, esteve presente no stand de Barcelos, tendo procedido a entrega simbólica do certificado de adesão do Município na qualidade de Creative Friendly Destination e aproveitou, ainda, para realizar uma experiência criativa de pintura do tradicional Galo de Barcelos.

“Esta participação é, assim, mais uma ação da estratégia municipal para a promoção do turismo de Barcelos, numa vertente muito focada na criatividade, em diversos domínios, como são exemplo as artes e ofícios tradicionais, a gastronomia e vinhos, os eventos, o desporto, a natureza ou mesmo o turismo religioso”, continua.

Durante esta feira, no stand de Barcelos, irão decorrer diversas ações promocionais dirigidas a profissionais do setor, com vista a promover a oferta turística criativa que o Município tem vindo a desenvolver e para o público em geral, haverá lugar à prestação de informação turística à medida e diversos momentos de degustação de produtos típicos locais como vinhos e doces e ainda decorrerão diversos workshops de pintura do galo de Barcelos.

“A participação de Barcelos na FITUR constitui, assim, mais um momento relevante na internacionalização do turismo de Barcelos e da aposta na criatividade como elemento diferenciador do turismo local”, conclui o Município.

Fonte e fotos: CMB.

Corta Mato de Barcelos decide campeões do Norte, de Braga e de Viana do Castelo

Janeiro 21, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Elias Miranda, dos Amigos da Montanha, conquistou o título de Campeão do Norte e Campeão Regional de Braga

A quinta edição do “Campos & Lopes Corta Mato de Barcelos”, uma organização dos Amigos da Montanha com o apoio da Câmara Municipal de Barcelos, foi, no passado sábado, a prova que definiu os Campeões do Norte e os Campeões Regionais de Braga e de Viana do Castelo.



A prova, que teve cerca de 350 inscritos, conquistou, pelas características que tem vindo a demonstrar, a preferência das Associações de Atletismo de Braga, Porto, Viana do Castelo, Bragança e Vila Real.

Nos terrenos anexos ao Estádio Cidade de Barcelos, foi desenhada uma pista com uma volta pequena de 500 m e uma grande de 2000 m. As oito provas realizadas, definiram o número de voltas e respetivas distâncias de cada escalão, com subidas e descidas, curvas, terreno duro e mole, tudo num contexto e ao estilo do cross britânico.

Com uma excelente visibilidade, que permite observar todo o percurso desde a meta, o traçado, enlameado em algumas partes e seco noutras, é a tipologia mais aconselhada por parte das entidades federativas internacionais, dando o cariz essencial a esta especialidade.

As características do local escolhido para a realização, reunindo condições de excelência no mesmo espaço, quer ao nível do parqueamento, quer ao nível das instalações para a logística e balneários são, também, condições fundamentais à competição propriamente dita.

Globalmente, e apesar da chuva que se fez sentir antes da prova, mais uma vez, estiveram reunidos todos os fatores propícios a este evento, elogiado pela generalidade de atletas, treinadores, dirigentes e associações.

No tocante à competição, concorreram, em femininos e masculinos, os escalões de Benjamins, num percurso de 500m, e os infantis, com uma volta grande de 2000m. Os iniciados femininos completaram 2500m e em masculinos 3000m, a mesma distância dos juvenis femininos. Os juvenis masculinos correram 4000m e os juniores e seniores femininos disputaram a distância de 6000m. Em masculinos, os juniores fizeram o percurso de 8000m e os seniores de 10 0000.

Os Amigos da Montanha estiveram, também, em destaque nas classificações alcançadas pela equipa de formação, que contou com doze atletas em prova.

Elias Miranda conseguiu, em cima da meta, agarrar o título de Campeão do Norte de Corta Mato e Campeão Regional de Braga, com o tempo de 36m11s.

O benjamim, Gonçalo Azevedo subiu ao pódio para o terceiro lugar.

Nos resultados de equipas, os iniciados dos Amigos da Montanha/E.Leclerc, de Barcelos, conquistaram o título de Vice-Campeões, coletivamente.

Fonte e fotos: AM.

Vereadores da oposição abandonam reunião de câmara e pedem eleições intercalares

Outubro 20, 2019 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Troca de comunicados com duras críticas entre PSD e PS

A reunião da Câmara Municipal de Barcelos do passado dia 18 de outubro foi tudo menos pacífica, com os vereadores da oposição – PSD, CDS e BTF – a saírem, um a um, da reunião por entenderem não estarem reunidas as condições para que a reunião decorresse de forma normal. Após a chegada do Presidente da Câmara e dos restantes vereadores com pelouros atribuídos, e em seguida ao momento de cumprimentos – Miguel Costa Gomes recusou-se a cumprimentar os vereadores da oposição por, referiu mais tarde, não pretender cumprimentar o vereador José Novais, que o tem criticado constantemente, e, para não estar a não cumprimentar apenas um dos vereadores, decidiu não cumprimentar todos – os vereadores Mário Constantino, José Novais, Mariana Carvalho (PSD), António Ribeiro (CDS) e Domingos Pereira (BTF), saíram da sala, sendo informados pelo Presidente de que lhes seria marcada falta injustificada.



Mais tarde, o PSD Barcelos fez chegar às redações a declaração de votos dos seus vereadores, que passamos a transcrever na íntegra, onde elencam as suas justificações para saírem da reunião e exigem eleições intercalares:

«Reunião de Câmara de 18 de outubro – As posições dos Vereadores do PSD

Período de Antes da Ordem do Dia

Declaração Política dos Vereadores do PSD

Período Antes da Ordem do Dia – reunião 18.10.2019

O Partido Socialista ganhou, sem maioria, as eleições autárquicas de 2017. Meses mais tarde, viria a ter a maioria, através de um acordo individual e publicamente desconhecido, com um vereador da oposição. A maioria então obtida, embora conseguisse fazer aprovar algumas propostas em reunião de câmara, tem vindo a estar muito longe de garantir estabilidade ao executivo, sendo notório o desconforto e a falta de coesão dos vereadores que o compõem. Além disso, e muito mais crítico do que a falta de coesão, é a falta de conhecimento e/ou transparência demonstradas em vários assuntos graves e, por isso, de superior interesse, tais como: o caso da água, da linha de muito alta tensão, do novo hospital, do aluguer/compra do parque da Barreta, do aluguer/compra dos camiões do lixo, do futuro da EMEC, da perseguição a funcionários, das obras sem licenças, do desaproveitamento de financiamentos comunitários, entre outros, para os quais foi sendo usado abusivamente o argumento de (passo a citar) “ser um assunto de elevada complexidade” para não dar respostas ou para justificar o atraso ou inércia do executivo.

Toda esta situação viu-se agravada, aos olhos de todos, há cerca de 5 meses, com a detenção e consequente aplicação de medidas de coação impostas ao Presidente da Câmara. Desde então, vive-se a história mais triste e insólita da democracia barcelense. Isto porque, apesar de todas as limitações, o Presidente da Câmara entendeu que poderia manter-se em funções. As reuniões de câmara foram então presididas pela Vice-presidente que nunca prestou qualquer esclarecimento, in loco, sobre qualquer assunto urgente para o concelho. Nas assembleias municipais verificou-se um cenário semelhante.

Sempre entendemos ser inaceitável que se colocasse os interesses da legítima defesa do Presidente de Câmara à frente dos interesses de todos aqueles que representa. Por isso, nos momentos adequados, fomos exigindo, para o bem de Barcelos, ou a suspensão ou a renúncia do mandato.

A situação agudizou-se quando o Presidente da Câmara, ao invés de atribuir mais competências aos seus vereadores, privilegiou a delegação dos poderes em pessoal, por si nomeado, a exercer funções no gabinete da presidência, perante uma aparente e constrangedora passividade e silêncio cúmplice do executivo. A situação agudizou-se, também, quando autarcas e instituições se viram obrigadas a reunir com o presidente na sua residência. A credibilidade e dignidade do órgão Câmara Municipal ficaram irremediavelmente comprometidas.

Na semana passada, o Tribunal da Relação determinou, mediante caução, a restituição do cidadão Miguel Costa Gomes à liberdade. Contudo, a Relação manteve a proibição do Presidente contactar com os funcionários do município e reforçou os indícios fortes de corrupção passiva e prevaricação.

Incontestavelmente, a alteração daquela condição conduz a grandes mudanças no campo pessoal. No entanto, à luz da política e da própria operacionalidade da gestão do município (que é o que nos traz aqui), a limitação mantém-se. O Presidente não pode acompanhar uma obra com um técnico, não pode esclarecer-se com os Serviços Financeiros ou aferir necessidades e/ou constrangimentos com os Recursos Humanos.

Não conseguimos discernir que tipo de gestão é esta.

Além disso, a imposição da presença de um presidente com estas limitações na câmara causa desconforto e constrangimento a quem diária e livremente cá trabalha, sendo necessários malabarismos anómalos, como é manifesto nesta reunião, e que deveriam ser desnecessários se houvesse decência no desempenho de cargos públicos.

O desgaste é já óbvio e, estamos certos, não foi neste mandato, carregado de restrições, que os Barcelenses confiaram quando foram às urnas em 2017.

Aliás, é já esse, também, o sentimento que se vive no seio do partido socialista, basta atentar nas declarações públicas e posições vindas a público, feitas por destacados militantes do partido socialista, nomeadamente candidatos a deputados e membros do executivo camarário que anunciam e desejam uma alteração no rumo e na liderança dos destinos da Câmara de Barcelos.

Por todos os motivos enunciados, e para defesa da dignidade, estabilidade, confiança, credibilidade e normalização do funcionamento da Câmara Municipal de Barcelos desafiamos o Presidente da Câmara, o executivo e o Partido Socialista a devolverem a palavra aos Barcelenses através de eleições intercalares.

Porque queremos deixar claro que não permitiremos que se tente normalizar o que écompletamente exótico e disfuncional, por não pactuarmos com toda esta encenação que desprestigia Barcelos e os Barcelenses e porque temos sérias e fundadas dúvidas de como pode decorrer uma reunião que impeça a presença de funcionários municipais, mesmo que seja necessário algum esclarecimento técnico ou, no caso de uma reunião pública como a de hoje, em que os mesmos funcionários não possam participar na qualidade de cidadãos, não participaremos nesta reunião, até ser dada prova cabal da possibilidade legal de a mesma ocorrer nestes moldes.

Barcelos, 18 de outubro de 2019, Os Vereadores do PSD»

Entretanto, e ainda no dia 18 de outubro, o PS Barcelos, através da sua página na rede social Facebook, lançou um comunicado repudiando a atuação dos vereadores da oposição, incidindo mais nos do PSD, o maior partido da oposição. Segue-se o referido comunicado, na íntegra:

«PSD abandona os Barcelenses

Ao abandonar a reunião de hoje, sexta-feira, da Câmara Municipal de Barcelos, a oposição, mais particularmente o PSD, abandona, mais uma vez, os Barcelenses.

A coligação negativa constituída por todos os vereadores da oposição, mais preocupada com os seus interesses partidários e pessoais, tenta impedir que os problemas dos barcelenses, das juntas e uniões de freguesias e das suas instituições, sejam resolvidos.

Depois de termos assistido a um abandono que colocou em causa projetos comunitários, a resolução das questões de recolha de resíduos; o Barcelos Bus e outros projetos e apoios muito relevantes para o desenvolvimento do concelho, a oposição municipal e particularmente o PS, como principal partido da oposição, voltaram, hoje, sexta-feira, a mais uma atitude que comprova o seu desinteressar por Barcelos.

A coligação negativa da oposição diz defender o princípio de presunção de inocência, que imaginemos sirva apenas para os vereadores da oposição constituídos arguidos ou que se encontram sobre investigação dos meios judiciais, querendo impor ao Presidente da Câmara Municipal de Barcelos uma decisão que, objetivamente, não só viole esse princípio constitucional, como o faça, também, em relação ao princípio da separação de poderes.

O caso judicial em apreço, pelo seu mediatismo e sistemáticas violações do segredo de justiça é, hoje, por todos sobejamente conhecido e assume fortes contornos políticos. Um processo que esteve parado nos últimos meses e que após as eleições legislativas teve uma decisão do Tribunal da Relação do Porto, que permitiu perceber que a medida de coação era desajustada, desproporcional e desnecessária, faz referências a contratos cuja legalidade nunca foi colocada em causa e, como também é do conhecimento público, dos 28 contratos efetuados com a empresa em questão, 21 foram efetuados pelo atual vereador da oposição, Domingos Pereira.

“À Justiça o que é da Justiça. À política o que é da política.” Esta famosa frase do léxico político, não pode ser usada apenas na sua vertente retórica, devendo, antes, ser assumida em toda a sua plenitude.

PSD Barcelos pediu a suspensão ou a renúncia dos seus responsáveis envolvidos na operação Tutti-Frutti!?

O PSD Barcelos pediu a suspensão ou a renúncia do seu líder, então presidente de junta aquando das investigações e fortes indícios, segundo o ministério público, de dois crimes de peculato!?

O vereador da oposição e líder do BTF pediu a suspensão ou renúncia do seu mandato aquando da sua constituição como arguido!?

Consideramos que não o deveriam ter feito, até que se apurem os factos e que sejam julgados com sentença transitada em julgado, mas para a oposição há dois pesos e duas medidas, consoante o seu interesse particular.

Ao abandonar a reunião de Câmara de hoje, sexta-feira, a coligação negativa abandonou os Barcelenses e em particular os alunos dos jardins de infância e suas famílias, a delegação de Barcelos da Liga Portuguesa Contra o Cancro, a APACI, os Bombeiros de Barcelinhos, a Associação Clube Moto Galos, o IPCA, a ACIB, Óquei Clube de Barcelos, Núcleo Desportivo “Os Andorinhas”, a Associação de Patinagem do Minho, o grupo Folclórico de Barcelinhos, as freguesias de Perelhal, Galegos S. Martinho, Alvelos, União de Freguesias de Barcelos, Vila Boa e Vila Frescaínha, União de Freguesias de Chorente, Goios, Courel, Pedra Furada e Gueral, União de Freguesias de Durrães e Tregosa, União de Freguesias de Gamil e Midões, União de Freguesias de Viatodos, Grimancelos, Minhotães e Monte Fralães e a União de Freguesias de Alvito (S. Pedro e S. Martinho) e Couto, que merecidamente usufruirão das propostas aprovadas pelo executivo municipal do PS com o apoio do vereador José Pereira.

Da nossa parte, mantemos a profunda convicção de inocência do Presidente Miguel Costa Gomes, reforçada pela decisão do Tribunal da Relação do Porto e o sentido de responsabilidade conferido pelos Barcelenses para fazer mais e melhor por Barcelos.»

Talvez na tentativa de não deixar o PS Barcelos sem resposta, o PSD Barcelos enviou novo comunicado às redações, datado de 19 de outubro, onde refuta acusações dos socialistas e exige “responsabilidade política” aos dirigentes do PS Barcelos, ao Presidente da Câmara e aos Vereadores. Leia o referido comunicado, na íntegra:

«NÃO PARTICIPAR NA REUNIÃO PARA DIGNIFICAR BARCELOS – A resposta que se impõe ao PS

O PSD Barcelos repudia veementemente o COMUNICADO DO PARTIDO SOCIALISTA sobre a reunião da Câmara de ontem, dia 18 de outubro, a qual não teve a participação dos 5 Vereadores da Oposição pelos motivos sobejamente divulgados pelos meios de comunicação social.

1º Não é o PSD que tem um presidente de Câmara arguido, a quem foram aplicadas medidas absolutamente restritivas do exercício das suas funções – proibido de contactos com funcionários da Câmara e de empresas com as quais fez ajustes diretos, por suspeitas e fortes indícios de corrupção e prevaricação nas funções de Presidente da Câmara;

2º Não é o PSD quem andou num corridinho de nomeações de delegação de poderes, dentro do executivo PS, ora nos Vereadores, ora nos assessores, ora em agentes sem poderes para tal;

3º Não foi o PSD quem nos últimos meses colocou a Câmara de Barcelos à deriva, sem uma política de governação séria e estruturada, abandonou o concelho à sua sorte, permitindo que outros concelhos vizinhos galopassem à velocidade luz em políticas de crescimento e fomento, perdendo milhares de euros e oportunidades de acesso a fundos comunitários;

4º O comunicado do PS pretende fazer dos barcelenses pessoas ignorantes e incapazes, na medida em que de forma desonesta desvirtua completamente a posição tomada pelo PSD na reunião de 18/10, a saber:

a) O PSD tem vindo a pedir suspensão, renúncia e eleições intercalares, baseado na LIMITAÇÃO evidente do Presidente da Câmara (em não poder contactar com os funcionários) e não, como querem fazer crer, por causa da sua qualidade de arguido;

b) No entanto, e como é evidente, o facto de a limitação advir de suspeitas de condutas impróprias no exercício de cargos públicos e de obstaculizar de forma direta a possibilidade de uma gestão eficiente e transparente não pode ser considerado mero detalhe;

5º Quem mistura política com justiça é o próprio Partido Socialista com um comunicado muito pouco sério, que em nada dignifica a democracia – o Sr. Miguel Costa Gomes tem todo o direito a uma defesa cabal e séria, mas, também o dever de ser um político sério e, uma vez impedido de exercer as funções para que foi eleito – deveria ter a seriedade de colocar de imediato (tal qual o fez o Autarca de Santo Tirso) o seu cargo à disposição.

Exige-se dos Dirigentes do PS Barcelos, do Presidente da Câmara e dos Vereadores – responsabilidade política.

Barcelos, 19 de outubro de 2019.»

No final da reunião, Miguel Costa Gomes salientou que “não há qualquer impedimento legal” para continuar o exercício do seu mandato, sendo que tem apenas a limitação de não poder contactar com os funcionários, algo que levou a que fosse feito um ajustamento para se ultrapassar essa limitação. Mais, o edil afirmou estar de consciência tranquila e a aguardar o desenrolar do processo de uma forma “serena, confiante e tranquila”.

O vereador do CDS, António Ribeiro, questionou, igualmente, a legalidade da situação e lamentou a «anormalidade» que diz reinar na Câmara de Barcelos, desafiando Costa Gomes a suspender o mandato enquanto decorrer o processo judicial em que é arguido.

Já Domingos Pereira, vereador do BTF, afirmou que com esta situação, “não há condições políticas objetivas” para que o executivo possa continuar a exercer o seu mandato. Afirmou, ainda, que está num momento de “avaliação pessoal”, no sentido de decidir se continua como vereador ou se suspende ou renuncia ao seu mandato.

Estão abertas as inscrições para a 6ª edição da “Galo’s Urban Race – 3h Resistência BTT”

Agosto 14, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

Com partida e chegada na Avenida da Liberdade, as 3h Resistência de BTT, designada por “Galo’s Urban Race”, é um empolgante desafio dirigido aos amantes do ciclismo, nomeadamente de BTT.



Será disputada em circuito, com base no centro histórico da cidade, extensível às áreas verdes (jardins), à zona fluvial, às ruas de empedrado, recantos e locais recônditos, onde cada local está interligado à riquíssima História e Património Barcelenses.

Pelo segundo ano consecutivo, a “Galo’s Urban Race” estará integrada no “Troféu Urban Race”. Este Troféu é composto por 5 provas de resistência de BTT, que levará os participantes a desfrutar das magnificas paisagens urbanas do norte do país.

A “Galo’s Urban Race” será a 4ª prova deste Troféu, que decorrerá a 7 de setembro de 2019, no centro da Cidade de Barcelos.

As inscrições podem ser feitas no site oficial do “Troféu Urban Race”: https://www.trofeuurbanrace.pt/ ou diretamente no link https://plataformadeinscricoes.com/urbanrace/addinsc.php?id=NQ (basta clicar para aceder automaticamente).

Os preços são:

Solo – 12,50€

Duplas – 20€

Triplas – 30€.

Imagem: DR.

Caminhos de Fátima 2019: 2ª etapa (Barcelos a Rates) a 14 de julho

Julho 8, 2019 em Atualidade, Concelho, Cultura, Desporto Por barcelosnahorabarcelosnahora

Depois da 1ª etapa, realizada ontem, que ligou Balugães a Barcelos, com passagens por Aborim, Tamel São Fins, Lijó, Vila Boa e Abade de Neiva, num percurso de aproximadamente 15km, agora é a vez da 2ª etapa, que ligará Barcelos a Rates.



No próximo dia 14 de julho, pelas 12h00, os participantes terão pela frente novamente perto de 15km, passando por Barcelinhos, Carvalhal, Pereira, Pedra Furada, Courel, Gueral, Macieira de Rates e Rates. Haverá transporte de Rates de volta para Barcelos.

Tal como na etapa anterior, quem pretender, pode iniciar a etapa em diferentes pontos do percurso.

Imagem: CMB.

Joaquim Sousa vence Matosinhos City Race 2019

Abril 16, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

No último sábado, dia 13 de abril, realizou-se a Matosinhos City Race 2019, prova organizada pelo Grupo Desportivo 4 Caminhos, da Senhora da Hora.



Nesta prova com partida e chegada na casa da Arquitetura de Matosinhos, os atletas foram brindados com percursos que os levaram pelas várias zonas emblemáticas da zona, como foram os casos do porto de pesca, mercado municipal e os belíssimos jardins da cidade.

Em termos de resultados, o atleta barcelense conseguiu mais uma vitória e, assim, manteve o pleno de vitórias no Ranking de 2019.

A sua próxima prova será “em casa”, nos dias 27 e 28 deste mês, em Barcelos, nos Campeonatos Nacionais de Distância Longa e Sprint (provas organizadas pelos Amigos da Montanha).

Em nota, Joaquim Sousa agradeceu à Serfisio Barcelos e à Escola Pé de Dança pelo apoio.

Fotos: DR.

Natação dos Amigos da Montanha com 37 pódios no Torneio de Inverno

Janeiro 23, 2019 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

A equipa de natação dos Amigos da Montanha/Becri participou, no último fim de semana, no Torneio de Inverno Absolutos, realizado em Barcelos.



Destaque para os 37 lugares de pódio alcançados, com as medalhas a dividirem-se pelas: 14 de ouro, 14 de prata e 9 de bronze. Os 20 atletas presentes – 8 infantis, 4 juvenis e 2 seniores -, nesta que era uma prova de aferição e preparação, conseguiram 49 recordes pessoais em 75 provas nadadas, merecendo realce, ainda, o facto de sete atletas conseguirem alcançar o 1º lugar em pelo menos uma das provas nadadas.

De salientar as prestações de Nuno Coelho (júnior) e João Remelhe (Infantil A), que conseguiram três vitórias cada em quatro provas.

Em destaque estiveram, também, Beatriz Silva (Infantil A), que conseguiu o tempo de acesso (TAC) para os Campeonatos Zonais e Nacionais de Infantis, nos 100 costas, e para os Zonais, nos 400 livres, e João Remelhe (Infantil A), ao alcançar o TAC para os Campeonatos Zonais de Infantis aos 200 mariposa.

Foto: DR.

1 2 3 15
Ir Para Cima