Tag archive

CDS

Distrital de Braga do CDS PP: Eleições participadas e eleitos focados nas autárquicas

Julho 23, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Diferentes estruturas Concelhias do CDS PP elegeram, no decorrer da última semana, novos líderes concelhios, com mandato que se estende nas estruturas até 2022.



“É neste contexto que o, agora, eleito tem como principal foco no ciclo político as eleições autárquicas que se realizam em 2021”, refere a estrutura centrista. Os atos eleitorais foram convocados pelo presidente da Distrital de Braga, Nuno Melo, que está certo de “um trabalho exemplar de todos os eleitos na promoção dos valores e das propostas do partido, assim como, no reforço do CDS PP nas autárquicas de 2021”.

Vítor Ribeiro em Amares, Filipe Pinheiro em Barcelos, Nuno Vieira e Brito em Guimarães e Francisco Correia em Vizela são os novos presidentes concelhios eleitos. Na Póvoa de Lanhoso e em Terras de Bouro, Firmino Lopes e Michel Machado foram reconduzidos na liderança das estruturas locais. Por fim, em Fafe apresentaram-se duas listas a votação, com Rui Flórido a ser eleito presidente da estrutura para os próximos dois anos.

Fonte: CDS PP – BRAGA.

Fotos: DR.

“O papel da Comunicação Social em tempo de pandemia” em webinar organizado pela Distrital de Braga do CDS

Junho 1, 2020 em Atualidade, Cultura, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Conferência online com Carlos Magno, José Manuel Fernandes, Rui Freitas e Nuno Melo

A Distrital de Braga do CDS PP continua a promover o debate sobre questões em tempo de pandemia e esta terça-feira promove mais um Webinar, desta vez com um olhar sobre “O papel da Comunicação Social”.



O eurodeputado do CDS PP, Nuno Melo, é o anfitrião do debate, conduzido por Durval Tiago Ferreira, e onde são convidados Carlos Magno, jornalista e ex-Presidente do Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social; José Manuel Fernandes, fundador e publisher do jornal online Observador; e Rui Freitas, Presidente do Conselho de Administração do Jornal ECO.

Desde há várias semanas que a distrital de Braga, em articulação com as estruturas concelhias, tem promovido, nas noites de terça-feira, reflexão política sobre diferentes temas. “O papel da comunicação social tem sido relevante, desde sempre, e não o foi e é de maneira diferente neste tempo. Vamos refletir sobre a importância da informação e sobre a construção da opinião pública neste tempo em que muitos buscaram na imprensa informação credível para acompanhar a evolução da pandemia”, diz o líder distrital, Nuno Melo.

O debate realiza-se esta terça-feira, depois das 21h30 horas, e pode ser acompanhado online com transmissão na pagina do Facebook https://www.facebook.com/cdsppfazsentidoembraga/.

“A Distrital de Braga do CDS PP pretende, desta forma, contribuir para o esclarecimento público e acrescentar perspetivas relevantes para os grandes desafios que todos temos no futuro”, refere em nota.

Imagem: CDS-PP-B (alterada).

“A relação transatlântica da União Europeia e o peso da Ásia na economia mundial” em webinar organizado pela Distrital de Braga do CDS

Maio 25, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Conferência online com Nuno Melo, Nuno Rogeiro e Francisco Assis

Amanhã, 26 de maio, pelas 21h30, a Distrital de Braga do CDS-PP promove mais um webinar, desta vez com o debate centrado nas relações comerciais da União Europeia e o peso da Ásia na economia mundial.



O eurodeputado do CDS-PP, Nuno Melo, é o anfitrião do debate, conduzido por Durval Tiago Ferreira, e onde são convidados o ex-deputado europeu Francisco Assis e o comentador e especialista em política e geopolítica internacional, Nuno Rogeiro.

Desde há várias semanas que a distrital de Braga, em articulação com as estruturas concelhias, tem promovido, nas noites de terça-feira, reflexão política sobre diferentes temas. “Temos procurado fazer uma abordagem sobre várias matérias, dar perspetivas diferenciadoras e assim contribuir para a reflexão e para o debate político e sobre politicas” diz o líder distrital Nuno Melo. “O Francisco Assis foi eurodeputado e teve contributos no debate sobre as relações dos mercados, em especial com a América do Sul, e o Nuno Rogeiro é, de há muito, uma referência quando se discute política internacional e geopolítica, um dos focos desta nossa conversa sobre o futuro das relações internacionais e entre os Estados”.

O debate pode ser acompanhado online com transmissão na pagina do Facebook www.facebook.com/cdsppfazsentidoembraga.

“A Distrital de Braga do CDS PP pretende desta forma contribuir para o esclarecimento público e acrescentar perspetivas relevantes para os grandes desafios que todos temos no futuro”, refere em nota.

Imagem: CDS-PP.

Sessão webinar “O desconfinamento político. Que futuro para o centro/direita em Portugal”

Maio 18, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Conferência online com Nuno Melo, Francisco Mendes da Silva, Leitão Amaro e Miguel Morgado

Amanhã, dia 19 de maio, pelas 21h30, realiza-se uma conferência online, em forma de sessão webinar, que debaterá o “desconfinamento político” e o “futuro do centro/direita em Portugal”, contando com as intervenções de Nuno Melo, Francisco Mendes da Silva, Leitão Amaro e Miguel Morgado.



A organização está a cargo da Distrital do CDS-PP, que pretende abordar “uma perspetiva do centro/direita, com a visão de políticos do CDS-PP, mas trazer também a visão de dois quadros do PSD, Leitão Amaro e Miguel Morgado”. A transmissão da conferência será feita na página do Facebook: www.facebook.com/cdsppfazsentidoembraga/ .

“Em sequência de outros debates realizados, este webinar tem como objetivo central, discutir e promover o debate sobre questões de política nacional, com a visão distinta de quem está no centro/direita”, salienta a referida Distrital.

“A Distrital de Braga do CDS PP pretende, desta forma, contribuir para o esclarecimento público e acrescentar perspetivas relevantes para os grandes desafios que todos temos no futuro”, conclui.

Imagem: CDS-PP/Braga.


CDS PP considera que resultado das Legislativas ficou “abaixo dos objetivos”

Outubro 7, 2019 em Atualidade, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Partido mantém representação parlamentar com eleição de Telmo Correia

Terminado o escrutínio e analisados os resultados eleitorais da eleição legislativa deste domingo, a Distrital do CDS PP fez um balanço desses resultados, “que se situaram muito abaixo da expectativa inicial, que apontava à manutenção dos dois deputados eleitos pelo CDS PP no distrito de Braga”, refere o partido em nota.



“Numa primeira análise, e face à expressão nacional da votação no CDS PP, a eleição de um deputado no distrito de Braga é uma responsabilidade acrescida, pela importância que o Telmo Correia terá na defesa das políticas e ideais do partido, assim como dos compromissos com os eleitores do distrito, que honrará na legislatura”, continua.

“Temos a convicção de que fizemos uma campanha positiva, com aquelas que são para nós as melhores propostas para o País e para as pessoas. É assim que entendemos fazer sentido. Foi uma campanha feita de aproximação às pessoas e com as pessoas, com um envolvimento e empenhamento de todas as concelhias do partido, e saberemos representar de forma convicta o voto dos eleitores, pelo País e pelo distrito de Braga. Como sempre fez neste distrito ao longo de 45 anos da Democracia”, conclui.

O CDS PP e a sua estrutura Distrital reunirão, no decorrer das próximas semanas, com todas as estruturas concelhias, para uma análise pormenorizada dos resultados eleitorais.  

Foto: CDS PP.

Assunção Cristas em arruada por Barcelos

Outubro 4, 2019 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Telmo Correia apelou ao voto no CDS PP para a defesa das propostas de direita no distrito

O dia de Campanha do CDS PP no distrito de Braga foi acompanhado pela Presidente do Partido Assunção Cristas, que veio a Barcelos acompanhar Telmo Correia e a lista de candidatos em ação na feira semanal, ontem, dia 03 de outubro.



“Fomos muito bem-recebidos, com entusiasmo e sentimos a confiança das pessoas”, começou por dizer Assunção Cristas. A líder do CDS apontou, depois, para o dia de domingo, data das eleições. “É muito importante que as pessoas vão votar e expressem o seu voto no CDS porque o que está em questão, aqui no distrito, é a eleição de um deputado entre o CDS e os partidos mais à esquerda. A eleição do Durval Ferreira, famalicense e que bem conhece o distrito, será importante para o equilíbrio de forças e para a defesa das propostas do CDS e do distrito”, rematou Assunção Cristas.

Depois da arruada pela feira, a comitiva seguiu para um almoço de campanha com representantes de todas as concelhias do Partido, em Braga. Telmo Correia, cabeça de lista pelo distrito realçou a importância de manter a votação no CDS. “Queremos continuar a fazer um trabalho de defesa do distrito, e há aqui muitas questões, como a mobilidade, o estado social de parceria, a defesa do investimento público em obras necessárias e identificadas ao longo da campanha, de que não abdicaremos de defender Braga e todos os seus concelhos”.

Deputado eleito pelo distrito desde 2009, Telmo Correia agradeceu, ainda, o empenhamento dos militantes nesta campanha. “Desde o líder distrital Nuno Melo até os presidentes de concelhia e aqueles que, diariamente, nos acompanharam nesta viagem, concelho a concelho, num contacto direto com as pessoas, com as suas realidades e com os seus problemas. A nossa mensagem é muito clara e o nosso compromisso é não esquecer nada do que registamos que exige mudança”.

O último dia de campanha do CDS PP será passado em diversas cidades do distrito, com ações junto das pessoas, mas sem qualquer caravana em respeito pela morte de Diogo Freitas do Amaral, fundador do partido.

Fotos: CDS.

Em comunicado Câmara responde a críticas da Oposição sobre Opções do Plano e Orçamento para 2018

Fevereiro 3, 2018 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Através de um comunicado, datado de ontem e enviado às redações, a Câmara Municipal de Barcelos responde às críticas levantadas pela Oposição camarária e apresenta a sua versão dos factos.



De relembrar que PSD, CDS e BTF foram muito críticos em relação à proposta das Opções do Plano e Orçamento para 2018, com, por exemplo, José Novais, segundo eleito do PSD, em conferência de imprensa, a acusar o Presidente da Câmara socialista de alterar o documento, publicando um diferente do que tinha sido aprovado. Também Domingos Pereira, primeiro eleito pelo Barcelos, Terra de Futuro, fez a mesma acusação. Entretanto, toda a vereação reuniu com os Serviços e o assunto parece ter ficado resolvido.

No entanto, quer em conferência de imprensa, quer num longo texto plasmado na sua página no Facebook, o PSD Barcelos acusou a Câmara de falta de ambição e de apresentar um documento “medíocre”, com “opções insuficientes”, “repetitivo, com erros, com projetos que transitam desde 2009 (saneamento em várias freguesias), sem ideias novas, cheio de lugares comuns…”. Também Domingos Pereira alegou que, apesar de viabilizarem o documento, este chegou tardiamente.

Outro assunto “quente” que a Oposição levantou foi relativo à interpretação de um ponto do documento, que, na ótica de José Novais, autorizaria, de forma automática, a delegação de competências no Presidente, sendo que Mário Constantino, primeiro eleito pelo PSD, discordou dessa leitura, divergindo, por tal, de Novais. Todas as forças políticas representadas na vereação camarária acusaram o PS e o Presidente de não mostrarem abertura às suas propostas, com o PSD, na referida publicação, a elencar um extenso rol de propostas e projetos que deveriam, na perspetiva dos sociais-democratas, constar no documento.



Segue-se, na íntegra, o comunicado da Câmara Municipal de Barcelos enviado às redações:

«Esclarecimento

Face às afirmações públicas dos senhores vereadores do PSD e do BTF acerca do documento das Opções do Plano e Orçamento para 2018, incluído na proposta de submissão à Assembleia Municipal, deliberada na reunião ordinária do executivo municipal no passado dia 26 de janeiro, cumpre esclarecer o seguinte:

  1. A Câmara Municipal apresentou, dentro dos prazos legais, a sua proposta das Opções do Plano e Orçamento para o ano de 2018, a fim de ser submetida à apreciação e votação da Assembleia Municipal;
  2. Os senhores vereadores dispuseram do tempo legalmente previsto para a análise da referida proposta, estando, por isso, na posse de todas as informações necessárias conducentes à votação da submissão das Opções do Plano e Orçamento à Assembleia Municipal;
  3. Durante a apresentação da proposta, os senhores vereadores tiveram oportunidade de legitimamente se pronunciarem sobre a mesma, tendo referido a existência de lapsos no documento, detetados no texto das propostas do PSD e nas Normas de Execução Orçamental;
  4. Confirmados os lapsos de paginação, concordaram os senhores vereadores proceder à votação da proposta e deixar para dia posterior a assinatura e a rubrica da proposta das Opções do Plano e Orçamento para 2018, em documento revisto e depurado de qualquer lapso;
  5. No dia 29 de janeiro, ao fim da manhã, a versão final, revista, foi colocada na plataforma eletrónica acessível aos senhores vereadores, estando, também, disponível para assinatura e rubrica;
  6. A revisão do documento implicou, naturalmente, a sua repaginação, que incluía a alteração dos textos acima mencionados: o texto das propostas do PSD, agora na íntegra (antes estavam apenas parte das propostas); o texto das Normas de Execução Orçamental, agora na íntegra (antes continha alguns artigos repetidos da proposta de Orçamento para 2016);
  7. Perante as dúvidas quanto à versão final, corrigida, o Presidente de Câmara Municipal reuniu com os senhores vereadores, tendo estes apenas manifestado questões de interpretação acerca do ponto 2. do artigo 17.º (Atualização de Taxas e Isenções). O referido ponto 2. pretendia seguir o sentido da deliberação da Assembleia Municipal, tomada em abril de 2017, de conceder autorização de isenção de taxas ao órgão executivo e este, se assim o entendesse, delegar essa competência no Presidente da Câmara. A redação proposta era a seguinte: “A Câmara Municipal pode conceder isenções de taxas previstas nos regulamentos até ao valor de 800.000 euros, podendo esta competência ser delegada no Presidente da Câmara”.
  8. Entenderam alguns senhores vereadores do PSD e do BTF que, com aquela redação, o artigo permitiria ao Presidente da Câmara isentar taxas municipais. Ora tal leitura é incorreta, já que a competência para o Presidente da Câmara isentar só poderia ser atribuída por delegação de competências do órgão executivo;
  9. Para afastar qualquer dúvida quanto à interpretação do artigo, o Presidente da Câmara propôs e foi aceite pelos vereadores retirar a parte final do mesmo artigo, ficando este com a seguinte redação: “A Câmara Municipal pode conceder isenções de taxas previstas nos regulamentos até ao valor de 800.000 euros.”
  10. Com este esclarecimento cabal, na altura apresentado aos senhores vereadores, é inaceitável estes virem agora afirmar publicamente que houve “alteração de fundo” ao documento e “adulteração, abuso de confiança e de boa-fé”. São acusações graves que se justificam apenas pela inconsciência e má preparação política de quem as profere;
  11. Os senhores vereadores têm todo o direito de se pronunciarem sobre os documentos apresentados em reunião de Câmara e, sobre eles, fazer as declarações políticas que entendam. Mas não podem fazer acusações que põem em causa o trabalho dos colaboradores do Município, a legalidade das propostas e a lisura e a transparência dos documentos apresentados para apreciação e votação em reunião de Câmara, como as que foram proferidas publicamente pelos vereadores senhores José Novais e Domingos Pereira;
  12. Ao optar por este tipo de atitude, aqueles senhores vereadores mostraram claramente o que pretendem: manter, a qualquer custo, a pressão política sobre os serviços municipais e sobre o executivo, sobrevalorizando as suas ações e valendo-se da sua posição no executivo municipal para a própria sobrevivência política.

Barcelos, 2 de Fevereiro de 2018.»

Foto: DR.

Socialista Horácio Barra eleito Presidente da Assembleia Municipal de Barcelos

Outubro 27, 2017 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Foi com “casa cheia” que o Auditório dos Paços do Concelho de Barcelos recebeu a sessão da Assembleia Municipal com o intuito de tomada de posse do executivo municipal e dos membros da referida Assembleia.



Tendo decorrido dentro da normalidade a parte concernente à tomada de posse do reeleito Presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes, e dos restantes vereadores, assim como dos novos deputados municipais, foi no ponto relativo à eleição da Mesa da Assembleia que surgiram mais “atritos”, polémica e um “incidente regimental”.

Após esse “incidente”, concretizou-se o processo de eleição da Mesa, à qual concorriam duas listas, uma encabeçada por Horácio Barra, saída do Partido Socialista, e outra, encabeçada por Adélio Miranda, saída de um acordo entre a coligação de direita (PSD e CDS) e o movimento independente Barcelos, Terra de Futuro, liderado por Domingos Pereira.

A contagem dos votos acabou por ser, para surpresa de muitos que assistiam, surpreendentemente favorável à lista socialista, vencendo esta com 74 votos. A lista oponente recolheu apenas 47 votos, sendo que não houve votos nulos e em branco, num total de 121 votos contados. O tal “incidente” levou a que da parte dos eleitos pela coligação de direita houvesse menos dois votantes.

Nos discursos, o teor dos mesmos andou à volta da perda da maioria absoluta por parte do Partido Socialista, tendo o recém-empossado Presidente da Câmara Municipal, Miguel Costa Gomes, feito um discurso duro e muito crítico, deixando “nas entrelinhas” a ideia de estar a “visar” mais o seu antigo vice-presidente, Domingos Pereira.

Câmara e Assembleia Municipal tomam posse na próxima quinta-feira

Outubro 23, 2017 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 16 de outubro, pelas 21h30, no Auditório dos Paços do Concelho, realiza-se a cerimónia de tomada de posse do novo elenco da Câmara Municipal de Barcelos, assim como da Assembleia Municipal.



Assim, Miguel Costa Gomes tomará posse como Presidente da Câmara Municipal de Barcelos, assim como os restantes quatro Vereadores eleitos pelo Partido Socialista, os quatro eleitos pela coligação “Mais Barcelos” (PSD+CDS) e os dois eleitos pelo movimento “Barcelos, Terra de Futuro”.

Em relação à Assembleia Municipal, tomarão posse os eleitos para a mesma, assim como os Presidentes de Junta, por inerência. Será, igualmente, eleito o Presidente da Assembleia Municipal.

Sameiro Serra:«O meu trabalho não acaba aqui»

Setembro 17, 2017 em Atualidade, Concelho, Entrevistas, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Agora que se avizinha o dia 1 de outubro, dia de eleições autárquicas, o Barcelos na Hora decidiu dar voz a quem tem que, por imposição legal, deixar o seu cargo de Presidente da Junta. E por imposição legal, compreenda-se por limitação de mandatos. Ao final de três mandatos consecutivos, o detentor do cargo de Presidente (de Câmara e/ou Junta) não pode recandidatar-se para um 4º mandato.



A primeira Presidente de Junta com quem falámos foi Sameiro Serra. Apesar de se ter candidatado para este último mandato numa coligação de direita, em 2013, é a única militante CDS que ocupa um cargo como este, no concelho de Barcelos. A autarca acedeu, muito gentilmente, à nossa solicitação de entrevista, por escrito, respondendo a algumas perguntas que lhe colocámos.

Empresária, de 49 anos, nasceu e vive em Carvalhal. É casada e mãe de quatro filhos. Na sua freguesia, fomentou a criação da Associação de Pais da Escola Básica de Carvalhal, que presidiu por quatro anos e à qual pertenceu desde a sua criação até sair para se candidatar à Junta de Freguesia. Enquanto cidadã foi sempre uma pessoa atenta às necessidades das pessoas e às “movimentações” políticas, nacionais e locais, levando a que, em 2005, enveredasse por uma candidatura à Junta, candidatura essa que saiu vencedora, tinha então 37 anos. De lá até aos nossos dias, exerceu a sua função de Presidente da Junta de Freguesia de Carvalhal e sobre esse trajeto, mas não só, Sameiro Serra deixou-nos as suas palavras.

1 – Fazendo um exercício de memória, consegue dizer-nos o que a levou a candidatar-se pela primeira vez? E o que sentiu ao saber que tinha conquistado a Junta?

O que motivou a minha candidatura foi a minha indignação em relação ao trabalho que faltava ser feito na minha freguesia. Sendo eu uma cidadã atenta e preocupada com o meio onde vivo, senti que, a determinada altura, podia ser útil. Desse modo, candidatei-me, predispondo-me a tentar fazer melhor do que teria sido feito até então.

Quando me candidatei, jamais pensei que fosse vencer. Pensava apenas que iria “agitar” um pouco com quem detinha o poder e retirar alguma da apatia em que se vivia. Na altura, a freguesia era liderada pelo PSD, desde o 25 de abril, pelo que pensei que fosse impossível vencer, ainda para mais, por um partido com pouca visibilidade na freguesia. No entanto, como para mim, perder não é vergonha nenhuma, mas sim, não ir a jogo com medo de perder, avancei com a minha candidatura e no dia das eleições, para grande surpresa minha, acabei por vencer. Na altura pensei: “e agora?”. Mas a boa vontade e paixão pela causa pública são coisas que não me faltam. Logo no dia posterior já tinha imensas ideias e uma enorme vontade de as pôr em prática.

“Se nos tivéssemos mantido unidos a freguesia teria ganho muito mais” (Sameiro Serra)

2 – Ao longo dos seus mandatos teve, certamente, momentos altos e momentos baixos. Consegue nomear qual o mais alto e qual o mais baixo?

Felizmente, lembro-me muito melhor dos momentos altos, do que dos baixos. Os momentos altos foram todos muito bons, pelo que me é difícil nomear um. No entanto, a requalificação da Escola Básica/Jardim de Infância (EB/JI) de Carvalhal foi a obra que mais me marcou. Para além disso, o que me dá maior satisfação é poder contribuir, todos os dias, para o bem-estar dos idosos da minha freguesia, bem como contribuir para o sorriso das crianças que frequentam a EB/JI de Carvalhal.

Os momentos baixos passaram-se em períodos de campanha eleitoral, ao ver pessoas próximas de mim, diria até meus amigos, deixarem-se levar por estratégias partidárias e interesses pessoais, em detrimento daquilo que eram os interesses da freguesia, pois estou certa de que se nos tivéssemos mantido unidos, tal como no primeiro mandato, a freguesia teria ganho muito mais.

3 – A Freguesia de Carvalhal é conhecida pelas boas condições que proporciona aos seus habitantes. Sente que contribuiu para esse facto?

Fico muito feliz pela freguesia ser reconhecida pelas boas condições que proporciona aos seus habitantes. Quando era mais nova, e me perguntavam onde eu vivia, eu dizia com muito orgulho que era de Carvalhal. Logo de seguida ficava triste, pois aquilo que dizia da minha freguesia não era motivo de orgulho. E, claro que sim, sinto-me responsável por esta nova conotação, já que fui eu que iniciei a prestação desses serviços à população, que melhoram, todos os dias, a qualidade de vida dos habitantes de Carvalhal.

4 – Se pudesse voltar atrás, mudaria alguma coisa do que fez?

Se voltasse atrás não mudaria absolutamente nada, nem no que disse, nem no que fiz. Considero-me de princípios e coerente comigo mesma. Sempre que falei publicamente foi para defender, acima de tudo, os interesses da minha freguesia. Nunca usei o meu cargo na Junta para obter favores pessoais. Estive doze anos num dos sistemas mais “lamacentos” que eu conheço. Um sistema que, já está provado, não serve da melhor maneira o povo mas que interessa continuar porque serve para muitos viverem, faustosa e irresponsavelmente, à custa da desgraça de milhares de cidadãos indefesos, que todos os dias são vítimas dessa irresponsabilidade. É com imenso orgulho que saio desse mesmo sistema sem me confundirem com ele. Por isso, melhor não poderia ter sido. Apesar das circunstâncias difíceis em que me encontro, consegui sempre salvaguardar a minha liberdade de pensamento e o meu carácter. Isso, para mim, foi a minha grande vitória.

Quanto ao meu trabalho pela freguesia, de todos os apoios e serviços que implementei, às obras que executei, também não mudaria nada. Simplesmente pelo facto de se revelarem, ainda hoje, de extrema importância e utilidade para os Carvalhenses e muitas delas, até, para o concelho de Barcelos. Estou a lembrar-me das inúmeras associações e instituições que beneficiaram do nosso autocarro, que orgulhosamente comprámos, sem qualquer tipo de apoio da Câmara, apenas e só com o esforço e união da freguesia.

“Até posso tentar compreender mas jamais alguém me irá obrigar a aceitar” (Sameiro Serra)

5 – A opinião pública achou “estranho” o CDS não se coligar com o PSD numa candidatura à Junta de Freguesia de Carvalhal. Pode esclarecer os nossos leitores sobre, afinal, o que se passou?

É uma pergunta complicada e na qual eu teria muito a dizer. No entanto, vou resumir o que foi a minha interpretação dos factos. Para dizer, apenas, que mais uma vez a estratégia partidária e o caciquismo do maior partido da coligação, com a benevolência do meu partido, se sobrepôs ao respeito e à consideração pelo trabalho efetuado pelas pessoas e ao que seria o interesse da população de Carvalhal. Como sempre nestas situações, dizem-me que a política é assim e que eu tenho que aceitar. Eu até sei que, infelizmente, assim é. E até posso tentar compreender mas jamais alguém me irá obrigar a aceitar.

6 – Como mandatária da candidatura CDS à Junta de Freguesia de Carvalhal, quais as suas expectativas para o próximo ato eleitoral autárquico?

Como mandatária da candidatura do CDS à Junta de Freguesia de Carvalhal, e tendo fomentado a formação da lista do CDS, mantenho sempre a mesma expectativa. Sei que temos na lista pessoas de bem que, tal como eu, não visam servir-se do cargo que ocupam mas, sim, servir da melhor maneira a população, sem qualquer tipo de descriminação, seja ela política ou social. Tudo o que fazemos na Junta, para nós, não é trabalho, é satisfação do nosso dever cívico cumprido.



“Dei sempre o melhor de mim, muitas vezes, com custos elevados para mim” (Sameiro Serra)

7 – Por fim, e pedimos desculpa, quer pelo número de questões, quer pelo teor mais pessoal desta última, … e agora? Vai continuar na “vida política”? Ou vai deixá-la?

Quem me conhece e acompanhou nestes doze anos em que exerci o cargo de Presidente da Junta, sabe que estive, sempre e só, nesta causa pela enorme vontade de contribuir com a minha forma de ser para melhorar a qualidade de vida de todos. Sei que com o meu trabalho fiz a diferença na vida das pessoas. Dei sempre o melhor de mim, muitas vezes, com custos elevados para mim. Mas os sorrisos que o meu trabalho provocou nos rostos das pessoas valeram tudo e foram sempre o motivo do meu próprio sorriso. Por isto, e muito mais, tenho a certeza que o meu trabalho não acaba aqui e para desistir só se for obrigada. Posso até nem ter um cargo ativo dentro do sistema mas vou continuar sempre, enquanto cidadã, atenta às necessidades daqueles que mais precisam. E para terminar, parafraseando Baden Powell “Sei que deixo o lugar onde vivo um bocadinho melhor do que o encontrei “.

Foram estas as respostas da Presidente de Junta de Carvalhal, Sameiro Serra, neste momento em que está prestes a deixar o cargo. A ela, o Barcelos na Hora deixa um enorme agradecimento pela simpatia e por ter aceite responder, por escrito, a todas as nossas questões.

Fotos: DR.

Ir Para Cima