Tag archive

CDS

Autárquicas: Ex-deputado José Paulo Areia de Carvalho é o candidato do CDS a Esposende

Junho 8, 2021 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

O ex-deputado José Paulo Areia de Carvalho é o candidato do CDS-PP à câmara de Esposende, tendo como objetivo tornar o concelho uma terra “de oportunidades para todos”, através da politica fiscal e mobilidade.

Numa sessão de apresentação, que contou com o líder do partido, Francisco Rodrigues dos Santos, o candidato à câmara de Esposende afirmou que “sonha com um concelho diferente” e prometeu “governar para o dia a dia mas sempre a pensar em grande, com o foco no que o concelho por vir a ser daqui a 10, 15 anos”.

O CDS-PP apresentou também o cabeça de lista à Assembleia Municipal, João Carlos oliveira Martins.

“Somos forçados a concluir que continua a faltar uma estratégia definida de desenvolvimento para a nossa terra. Lamentavelmente nenhum dos ativos é estrategicamente aproveitado”, disse.

Para o candidato, a Esposende “falta criar uma nova centralidade onde as famílias possam desenvolver, onde os jovens vejam oportunidade de emprego qualificado, onde os casais jovens possam constituir família e ter um lugar digno para morar a preços aceitáveis, onde os empresários tenham espaço para investir e trabalhar”.

O futuro do concelho passa, para o candidato do CDS, por uma fiscalidade atrativa, aderir ao projeto do metro de superfície com os concelhos vizinhos, por um pavilhão multiúsos e por uma “aposta cultural”.

“Temos que ser fiscalmente atrativos. Viver em Esposende tem que ser bom, mas temos que mostrar a todos a bandeira de que aqui se paga menos impostos que os concelhos vizinhos (…) Assumimos o compromisso de reduzir a receita de IRS gradualmente ao longo de cinco anos”, adiantou José Paulo Areia de Carvalho.

O candidato a suceder Benjamim Pereira (PSD) frente à autarquia de Esposende, defendeu que se “impõe acabar com a periferia” de Esposende em matéria de transportes.

“Esposende não consegue resolver este problema sozinho, não haja ilusões. Mas ainda vamos a tempo de nos associarmos ao projeto de fundo de criação de um metro de superfície que abrange os concelhos vizinhos de Guimarães, Braga, Famalicão e Barcelos”, disse.

O futuro passa também por ter um “espaço adequado de multiúsos, com capacidade para largas centenas” de pessoas: “Não queremos fazer uma obra faraónico, de custos descontrolados e de dimensão desproporcionada ao nosso concelho, faremos com bom senso”, garantiu o candidato.

Para o advogado “falta criar uma nova centralidade onde as famílias se possam desenvolver, onde os jovens vejam oportunidade de emprego qualificado, onde os casais jovens possam constituir família e ter um lugar digno para morar a preços aceitáveis, onde os empresários tenham espaço para investir e trabalhar”.

Em 2017, o PSD ganhou a autarquia de Esposende com 60,45% dos votos (seis mandatos), a coligação Juntos Pela Nossa Terra ficou em segundo, com 19% (1 mandato), o PS teve 9,73% e o CDS-PP 3,71%, seguido pelo PCP-PEV com 3,54%.

Fonte: Lusa

Foto: Facebook jose.p.carvalho

Crimes de violação, coação sexual e abuso de pessoa incapaz podem vir a ser públicos

Abril 14, 2021 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

O parlamento vai discutir na quinta-feira em plenário a transformação dos crimes de violação, coação sexual e abuso sexual de pessoa incapaz de resistência em crime público, através de projetos de lei de vários partidos.

Bloco de Esquerda e Iniciativa Liberal apresentam projetos de lei no sentido de consagrar a natureza de crime público dos crimes de violação, de coação sexual e de abuso sexual de pessoa incapaz, o que significa que bastaria haver denúncia por parte de qualquer pessoa mesmo que não a própria vítima e que o processo corre os seus tramites mesmo contra a vontade dos ofendidos.

A deputada não inscrita Joacine Katar Moreira alinha no mesmo pedido, “garantindo a conformidade deste diploma com a Convenção do Conselho da Europa para a Prevenção e o Combate à Violência Contra as Mulheres e a Violência Doméstica”, mais conhecida como Convenção de Istambul.

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) apresenta também um projeto lei que vai no mesmo sentido, mas que inclui também o crime de fraude sexual e o crime de procriação artificial não consentida, pedindo também o alargamento dos prazos de prescrição de crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual de menores e do crime de mutilação genital feminina, procedendo à respetiva alteração ao Código Penal e ao Código de Processo Penal.

No caso do alargamento dos prazos de prescrição, o PAN pede que nos crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual de menores e mutilação genital feminina o procedimento criminal nunca se extinga antes de a vítima ter 40 anos nos casos em que o menor tem menos de 14 anos. Nos casos em que a vítima tenha mais de 14 anos, pedem um prazo de prescrição de 20 anos que “nunca poderá, no entanto, ocorrer antes de o ofendido perfazer 35 anos”.

A deputada não inscrita Cristina Rodrigues apresenta um projeto de lei no sentido de transformar em crime público todos os crimes contra a liberdade e autodeterminação sexual, sustentando que “os crimes contra a liberdade sexual estão a aumentar progressivamente em Portugal”, apesar de se ter vindo a assistir a “uma diminuição da criminalidade violenta e grave”.

Além deste projeto de lei, a deputada apresenta outro, para alteração do Código Penal, desta vez para que seja incluída a violência económica ou patrimonial no crime de violência doméstica, “em respeito pela Convenção de Istambul”.

O CDS-PP leva a discussão um projeto de lei para consagrar como crime público os crimes de ameaça e de coação, para que sejam equiparados ao crime de violência doméstica.

O CDS dá como exemplo o caso, que aconteceu em 2019, de uma avó e neta mortas pelo genro e pai, respetivamente, depois de as vítimas terem sido sinalizadas e de a PSP ter classificado a queixa como uma situação de “alto risco”.

“Não obstante, o inquérito viria a ser arquivado pelo Ministério Público, ainda em 2017, por desistência da queixosa, em virtude de os factos terem sido enquadrados nos crimes de coação e ameaça, em vez de um crime de violência doméstica”, aponta o partido.

No entender do CDS, importa, por isso, refletir sobre “o alcance e razoabilidade do atual regime dos crimes de ameaça e coação, tendo em atenção os números apresentados e a sua evidente conexão com a violência doméstica”.

O tema da violência doméstica justifica a apresentação de um outro projeto de lei pelo Bloco de Esquerda, que pede mais medidas de proteção das vítimas no âmbito dos direitos laborais, da segurança social e da habitação.

O Partido Ecologista os Verdes (PEV) apresenta um projeto de resolução com vista a mais medidas que previnam e combatam o crime de violência doméstica.

O PAN tem ainda um outro projeto de resolução no sentido de recomendar ao governo que assegure a adoção de um código de conduta adaptado à Convenção de Istambul, “visando uma adequada cobertura noticiosa de casos de violência doméstica e impedir um expectável efeito de contágio”.

Por último, o Parlamento irá também discutir a aprovação de uma petição entregue pelo Coletivo Mulheres de Braga, que recolheu mais de oito mil assinaturas, com medidas de prevenção e proteção das vítimas.

Fonte: LUSA

Foto: @mbaumi|unsplash

  • Atualização 14/04/2021 às 15:03

Distrital de Braga do CDS PP: Eleições participadas e eleitos focados nas autárquicas

Julho 23, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Diferentes estruturas Concelhias do CDS PP elegeram, no decorrer da última semana, novos líderes concelhios, com mandato que se estende nas estruturas até 2022.



“É neste contexto que o, agora, eleito tem como principal foco no ciclo político as eleições autárquicas que se realizam em 2021”, refere a estrutura centrista. Os atos eleitorais foram convocados pelo presidente da Distrital de Braga, Nuno Melo, que está certo de “um trabalho exemplar de todos os eleitos na promoção dos valores e das propostas do partido, assim como, no reforço do CDS PP nas autárquicas de 2021”.

Vítor Ribeiro em Amares, Filipe Pinheiro em Barcelos, Nuno Vieira e Brito em Guimarães e Francisco Correia em Vizela são os novos presidentes concelhios eleitos. Na Póvoa de Lanhoso e em Terras de Bouro, Firmino Lopes e Michel Machado foram reconduzidos na liderança das estruturas locais. Por fim, em Fafe apresentaram-se duas listas a votação, com Rui Flórido a ser eleito presidente da estrutura para os próximos dois anos.

Fonte: CDS PP – BRAGA.

Fotos: DR.

“O papel da Comunicação Social em tempo de pandemia” em webinar organizado pela Distrital de Braga do CDS

Junho 1, 2020 em Atualidade, Cultura, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Conferência online com Carlos Magno, José Manuel Fernandes, Rui Freitas e Nuno Melo

A Distrital de Braga do CDS PP continua a promover o debate sobre questões em tempo de pandemia e esta terça-feira promove mais um Webinar, desta vez com um olhar sobre “O papel da Comunicação Social”.



O eurodeputado do CDS PP, Nuno Melo, é o anfitrião do debate, conduzido por Durval Tiago Ferreira, e onde são convidados Carlos Magno, jornalista e ex-Presidente do Conselho Regulador da Entidade Reguladora para a Comunicação Social; José Manuel Fernandes, fundador e publisher do jornal online Observador; e Rui Freitas, Presidente do Conselho de Administração do Jornal ECO.

Desde há várias semanas que a distrital de Braga, em articulação com as estruturas concelhias, tem promovido, nas noites de terça-feira, reflexão política sobre diferentes temas. “O papel da comunicação social tem sido relevante, desde sempre, e não o foi e é de maneira diferente neste tempo. Vamos refletir sobre a importância da informação e sobre a construção da opinião pública neste tempo em que muitos buscaram na imprensa informação credível para acompanhar a evolução da pandemia”, diz o líder distrital, Nuno Melo.

O debate realiza-se esta terça-feira, depois das 21h30 horas, e pode ser acompanhado online com transmissão na pagina do Facebook https://www.facebook.com/cdsppfazsentidoembraga/.

“A Distrital de Braga do CDS PP pretende, desta forma, contribuir para o esclarecimento público e acrescentar perspetivas relevantes para os grandes desafios que todos temos no futuro”, refere em nota.

Imagem: CDS-PP-B (alterada).

“A relação transatlântica da União Europeia e o peso da Ásia na economia mundial” em webinar organizado pela Distrital de Braga do CDS

Maio 25, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Conferência online com Nuno Melo, Nuno Rogeiro e Francisco Assis

Amanhã, 26 de maio, pelas 21h30, a Distrital de Braga do CDS-PP promove mais um webinar, desta vez com o debate centrado nas relações comerciais da União Europeia e o peso da Ásia na economia mundial.



O eurodeputado do CDS-PP, Nuno Melo, é o anfitrião do debate, conduzido por Durval Tiago Ferreira, e onde são convidados o ex-deputado europeu Francisco Assis e o comentador e especialista em política e geopolítica internacional, Nuno Rogeiro.

Desde há várias semanas que a distrital de Braga, em articulação com as estruturas concelhias, tem promovido, nas noites de terça-feira, reflexão política sobre diferentes temas. “Temos procurado fazer uma abordagem sobre várias matérias, dar perspetivas diferenciadoras e assim contribuir para a reflexão e para o debate político e sobre politicas” diz o líder distrital Nuno Melo. “O Francisco Assis foi eurodeputado e teve contributos no debate sobre as relações dos mercados, em especial com a América do Sul, e o Nuno Rogeiro é, de há muito, uma referência quando se discute política internacional e geopolítica, um dos focos desta nossa conversa sobre o futuro das relações internacionais e entre os Estados”.

O debate pode ser acompanhado online com transmissão na pagina do Facebook www.facebook.com/cdsppfazsentidoembraga.

“A Distrital de Braga do CDS PP pretende desta forma contribuir para o esclarecimento público e acrescentar perspetivas relevantes para os grandes desafios que todos temos no futuro”, refere em nota.

Imagem: CDS-PP.

Sessão webinar “O desconfinamento político. Que futuro para o centro/direita em Portugal”

Maio 18, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Conferência online com Nuno Melo, Francisco Mendes da Silva, Leitão Amaro e Miguel Morgado

Amanhã, dia 19 de maio, pelas 21h30, realiza-se uma conferência online, em forma de sessão webinar, que debaterá o “desconfinamento político” e o “futuro do centro/direita em Portugal”, contando com as intervenções de Nuno Melo, Francisco Mendes da Silva, Leitão Amaro e Miguel Morgado.



A organização está a cargo da Distrital do CDS-PP, que pretende abordar “uma perspetiva do centro/direita, com a visão de políticos do CDS-PP, mas trazer também a visão de dois quadros do PSD, Leitão Amaro e Miguel Morgado”. A transmissão da conferência será feita na página do Facebook: www.facebook.com/cdsppfazsentidoembraga/ .

“Em sequência de outros debates realizados, este webinar tem como objetivo central, discutir e promover o debate sobre questões de política nacional, com a visão distinta de quem está no centro/direita”, salienta a referida Distrital.

“A Distrital de Braga do CDS PP pretende, desta forma, contribuir para o esclarecimento público e acrescentar perspetivas relevantes para os grandes desafios que todos temos no futuro”, conclui.

Imagem: CDS-PP/Braga.


CDS PP considera que resultado das Legislativas ficou “abaixo dos objetivos”

Outubro 7, 2019 em Atualidade, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Partido mantém representação parlamentar com eleição de Telmo Correia

Terminado o escrutínio e analisados os resultados eleitorais da eleição legislativa deste domingo, a Distrital do CDS PP fez um balanço desses resultados, “que se situaram muito abaixo da expectativa inicial, que apontava à manutenção dos dois deputados eleitos pelo CDS PP no distrito de Braga”, refere o partido em nota.



“Numa primeira análise, e face à expressão nacional da votação no CDS PP, a eleição de um deputado no distrito de Braga é uma responsabilidade acrescida, pela importância que o Telmo Correia terá na defesa das políticas e ideais do partido, assim como dos compromissos com os eleitores do distrito, que honrará na legislatura”, continua.

“Temos a convicção de que fizemos uma campanha positiva, com aquelas que são para nós as melhores propostas para o País e para as pessoas. É assim que entendemos fazer sentido. Foi uma campanha feita de aproximação às pessoas e com as pessoas, com um envolvimento e empenhamento de todas as concelhias do partido, e saberemos representar de forma convicta o voto dos eleitores, pelo País e pelo distrito de Braga. Como sempre fez neste distrito ao longo de 45 anos da Democracia”, conclui.

O CDS PP e a sua estrutura Distrital reunirão, no decorrer das próximas semanas, com todas as estruturas concelhias, para uma análise pormenorizada dos resultados eleitorais.  

Foto: CDS PP.

Assunção Cristas em arruada por Barcelos

Outubro 4, 2019 em Atualidade, Concelho, Mundo, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Telmo Correia apelou ao voto no CDS PP para a defesa das propostas de direita no distrito

O dia de Campanha do CDS PP no distrito de Braga foi acompanhado pela Presidente do Partido Assunção Cristas, que veio a Barcelos acompanhar Telmo Correia e a lista de candidatos em ação na feira semanal, ontem, dia 03 de outubro.



“Fomos muito bem-recebidos, com entusiasmo e sentimos a confiança das pessoas”, começou por dizer Assunção Cristas. A líder do CDS apontou, depois, para o dia de domingo, data das eleições. “É muito importante que as pessoas vão votar e expressem o seu voto no CDS porque o que está em questão, aqui no distrito, é a eleição de um deputado entre o CDS e os partidos mais à esquerda. A eleição do Durval Ferreira, famalicense e que bem conhece o distrito, será importante para o equilíbrio de forças e para a defesa das propostas do CDS e do distrito”, rematou Assunção Cristas.

Depois da arruada pela feira, a comitiva seguiu para um almoço de campanha com representantes de todas as concelhias do Partido, em Braga. Telmo Correia, cabeça de lista pelo distrito realçou a importância de manter a votação no CDS. “Queremos continuar a fazer um trabalho de defesa do distrito, e há aqui muitas questões, como a mobilidade, o estado social de parceria, a defesa do investimento público em obras necessárias e identificadas ao longo da campanha, de que não abdicaremos de defender Braga e todos os seus concelhos”.

Deputado eleito pelo distrito desde 2009, Telmo Correia agradeceu, ainda, o empenhamento dos militantes nesta campanha. “Desde o líder distrital Nuno Melo até os presidentes de concelhia e aqueles que, diariamente, nos acompanharam nesta viagem, concelho a concelho, num contacto direto com as pessoas, com as suas realidades e com os seus problemas. A nossa mensagem é muito clara e o nosso compromisso é não esquecer nada do que registamos que exige mudança”.

O último dia de campanha do CDS PP será passado em diversas cidades do distrito, com ações junto das pessoas, mas sem qualquer caravana em respeito pela morte de Diogo Freitas do Amaral, fundador do partido.

Fotos: CDS.

Em comunicado Câmara responde a críticas da Oposição sobre Opções do Plano e Orçamento para 2018

Fevereiro 3, 2018 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Através de um comunicado, datado de ontem e enviado às redações, a Câmara Municipal de Barcelos responde às críticas levantadas pela Oposição camarária e apresenta a sua versão dos factos.



De relembrar que PSD, CDS e BTF foram muito críticos em relação à proposta das Opções do Plano e Orçamento para 2018, com, por exemplo, José Novais, segundo eleito do PSD, em conferência de imprensa, a acusar o Presidente da Câmara socialista de alterar o documento, publicando um diferente do que tinha sido aprovado. Também Domingos Pereira, primeiro eleito pelo Barcelos, Terra de Futuro, fez a mesma acusação. Entretanto, toda a vereação reuniu com os Serviços e o assunto parece ter ficado resolvido.

No entanto, quer em conferência de imprensa, quer num longo texto plasmado na sua página no Facebook, o PSD Barcelos acusou a Câmara de falta de ambição e de apresentar um documento “medíocre”, com “opções insuficientes”, “repetitivo, com erros, com projetos que transitam desde 2009 (saneamento em várias freguesias), sem ideias novas, cheio de lugares comuns…”. Também Domingos Pereira alegou que, apesar de viabilizarem o documento, este chegou tardiamente.

Outro assunto “quente” que a Oposição levantou foi relativo à interpretação de um ponto do documento, que, na ótica de José Novais, autorizaria, de forma automática, a delegação de competências no Presidente, sendo que Mário Constantino, primeiro eleito pelo PSD, discordou dessa leitura, divergindo, por tal, de Novais. Todas as forças políticas representadas na vereação camarária acusaram o PS e o Presidente de não mostrarem abertura às suas propostas, com o PSD, na referida publicação, a elencar um extenso rol de propostas e projetos que deveriam, na perspetiva dos sociais-democratas, constar no documento.



Segue-se, na íntegra, o comunicado da Câmara Municipal de Barcelos enviado às redações:

«Esclarecimento

Face às afirmações públicas dos senhores vereadores do PSD e do BTF acerca do documento das Opções do Plano e Orçamento para 2018, incluído na proposta de submissão à Assembleia Municipal, deliberada na reunião ordinária do executivo municipal no passado dia 26 de janeiro, cumpre esclarecer o seguinte:

  1. A Câmara Municipal apresentou, dentro dos prazos legais, a sua proposta das Opções do Plano e Orçamento para o ano de 2018, a fim de ser submetida à apreciação e votação da Assembleia Municipal;
  2. Os senhores vereadores dispuseram do tempo legalmente previsto para a análise da referida proposta, estando, por isso, na posse de todas as informações necessárias conducentes à votação da submissão das Opções do Plano e Orçamento à Assembleia Municipal;
  3. Durante a apresentação da proposta, os senhores vereadores tiveram oportunidade de legitimamente se pronunciarem sobre a mesma, tendo referido a existência de lapsos no documento, detetados no texto das propostas do PSD e nas Normas de Execução Orçamental;
  4. Confirmados os lapsos de paginação, concordaram os senhores vereadores proceder à votação da proposta e deixar para dia posterior a assinatura e a rubrica da proposta das Opções do Plano e Orçamento para 2018, em documento revisto e depurado de qualquer lapso;
  5. No dia 29 de janeiro, ao fim da manhã, a versão final, revista, foi colocada na plataforma eletrónica acessível aos senhores vereadores, estando, também, disponível para assinatura e rubrica;
  6. A revisão do documento implicou, naturalmente, a sua repaginação, que incluía a alteração dos textos acima mencionados: o texto das propostas do PSD, agora na íntegra (antes estavam apenas parte das propostas); o texto das Normas de Execução Orçamental, agora na íntegra (antes continha alguns artigos repetidos da proposta de Orçamento para 2016);
  7. Perante as dúvidas quanto à versão final, corrigida, o Presidente de Câmara Municipal reuniu com os senhores vereadores, tendo estes apenas manifestado questões de interpretação acerca do ponto 2. do artigo 17.º (Atualização de Taxas e Isenções). O referido ponto 2. pretendia seguir o sentido da deliberação da Assembleia Municipal, tomada em abril de 2017, de conceder autorização de isenção de taxas ao órgão executivo e este, se assim o entendesse, delegar essa competência no Presidente da Câmara. A redação proposta era a seguinte: “A Câmara Municipal pode conceder isenções de taxas previstas nos regulamentos até ao valor de 800.000 euros, podendo esta competência ser delegada no Presidente da Câmara”.
  8. Entenderam alguns senhores vereadores do PSD e do BTF que, com aquela redação, o artigo permitiria ao Presidente da Câmara isentar taxas municipais. Ora tal leitura é incorreta, já que a competência para o Presidente da Câmara isentar só poderia ser atribuída por delegação de competências do órgão executivo;
  9. Para afastar qualquer dúvida quanto à interpretação do artigo, o Presidente da Câmara propôs e foi aceite pelos vereadores retirar a parte final do mesmo artigo, ficando este com a seguinte redação: “A Câmara Municipal pode conceder isenções de taxas previstas nos regulamentos até ao valor de 800.000 euros.”
  10. Com este esclarecimento cabal, na altura apresentado aos senhores vereadores, é inaceitável estes virem agora afirmar publicamente que houve “alteração de fundo” ao documento e “adulteração, abuso de confiança e de boa-fé”. São acusações graves que se justificam apenas pela inconsciência e má preparação política de quem as profere;
  11. Os senhores vereadores têm todo o direito de se pronunciarem sobre os documentos apresentados em reunião de Câmara e, sobre eles, fazer as declarações políticas que entendam. Mas não podem fazer acusações que põem em causa o trabalho dos colaboradores do Município, a legalidade das propostas e a lisura e a transparência dos documentos apresentados para apreciação e votação em reunião de Câmara, como as que foram proferidas publicamente pelos vereadores senhores José Novais e Domingos Pereira;
  12. Ao optar por este tipo de atitude, aqueles senhores vereadores mostraram claramente o que pretendem: manter, a qualquer custo, a pressão política sobre os serviços municipais e sobre o executivo, sobrevalorizando as suas ações e valendo-se da sua posição no executivo municipal para a própria sobrevivência política.

Barcelos, 2 de Fevereiro de 2018.»

Foto: DR.

Socialista Horácio Barra eleito Presidente da Assembleia Municipal de Barcelos

Outubro 27, 2017 em Atualidade, Concelho, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora

Foi com “casa cheia” que o Auditório dos Paços do Concelho de Barcelos recebeu a sessão da Assembleia Municipal com o intuito de tomada de posse do executivo municipal e dos membros da referida Assembleia.



Tendo decorrido dentro da normalidade a parte concernente à tomada de posse do reeleito Presidente da Câmara, Miguel Costa Gomes, e dos restantes vereadores, assim como dos novos deputados municipais, foi no ponto relativo à eleição da Mesa da Assembleia que surgiram mais “atritos”, polémica e um “incidente regimental”.

Após esse “incidente”, concretizou-se o processo de eleição da Mesa, à qual concorriam duas listas, uma encabeçada por Horácio Barra, saída do Partido Socialista, e outra, encabeçada por Adélio Miranda, saída de um acordo entre a coligação de direita (PSD e CDS) e o movimento independente Barcelos, Terra de Futuro, liderado por Domingos Pereira.

A contagem dos votos acabou por ser, para surpresa de muitos que assistiam, surpreendentemente favorável à lista socialista, vencendo esta com 74 votos. A lista oponente recolheu apenas 47 votos, sendo que não houve votos nulos e em branco, num total de 121 votos contados. O tal “incidente” levou a que da parte dos eleitos pela coligação de direita houvesse menos dois votantes.

Nos discursos, o teor dos mesmos andou à volta da perda da maioria absoluta por parte do Partido Socialista, tendo o recém-empossado Presidente da Câmara Municipal, Miguel Costa Gomes, feito um discurso duro e muito crítico, deixando “nas entrelinhas” a ideia de estar a “visar” mais o seu antigo vice-presidente, Domingos Pereira.

Ir Para Cima