Tag archive

Cláudia Velez

Toda a mudança é baseada apenas em uma decisão

Agosto 27, 2021 em Atualidade, Concelho, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Passamos grande parte do tempo, reclamando e protestando contra a vida e contra o que dela faz parte. Queremos que algo mude como por magia, mas nada fazemos para que tal aconteça.
Colocamos em causa, as experiências pelas quais passamos e achamos muitas vezes que temos pouca sorte ou que o mundo está contra nós.

A maior parte das vezes, tomamos “aquela decisão” que foi adiada por muitos meses, talvez anos e chegamos ao nosso limite. Porquê que para tomarmos uma decisão, temos que ir além limites? O que tanto nos limita e não nos deixa tomar uma decisão, que sabemos ser crucial para que a nossa vida mude e prospere.

O preço da mudança não é de todo fácil. Tens de largar o que não te serve mais, o que não acrescenta mais nada à tua vida. É olhar para o desconhecido e não saber o que está mais além, mas é ter a certeza que o que eu tenho hoje não é mais para mim.

“Embora não saiba o que aí vem, eu prefiro o que vem, do que o que tenho hoje. Nada muda na tua vida até tomares a decisão”.
“A mudança que muitas vezes buscamos, está na decisão que não conseguimos tomar”.

Será que somos ousados o suficiente para mudarmos a nossa vida, para sermos quem realmente queremos ser?

Certamente que não, muitas pessoas chegam até mim tristes e angustiadas, porque não têm a vida que ambicionam ter. Não são o que queriam ser e não mostram o que realmente são.

Observo muitas vezes, pessoas que escondem o que sentem, por receio do que os outros pensam, pelas inseguranças, medos e receios e porque necessitam de ser aceites por algo que as transcende a elas próprias. Sempre vai haver alguém insistindo para tu seres quem não és, por isso não percas tempo esperando seres quem o outro espera.

“A vida não muda, enquanto tiveres desculpas constantes”.

É preciso ser ousado o suficiente para dar um primeiro passo, para fazer somente uma escolha. A escolha de mudar e enfrentar o desconhecido, acreditando que tudo vai correr bem. E quando a vida te dá outra oportunidade de recomeçar, estarás a honrar a vida que queres ter e sabes porquê? Por teres tentado mudar para melhor, por estares a lapidar o teu caminho.

Quando tomas a decisão, nasces de novo, libertas-te de um EU que idealizaste, para passar a ser o EU que tanto desejas e anseias ser. Ao fazeres a tua vida valer a pena, já estás a cumprir com o teu propósito. Não percas mais tempo…

“A intensidade do teu caminho é igual ao valor do teu propósito”.

Por:

Especialista em Perfis Comportamentais, Enfermeira & Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica

Sabias que o corpo também fala?

Julho 25, 2021 em Atualidade, Concelho, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Acredito vivamente que as doenças nascem de emoções mal geridas.

Para quem tem a crença de que as doenças são meramente ao nível físico, passo a explicar a minha visão desta temática, que atinge todos em uma altura da nossa vida.

  • O corpo fala por si:
  • Quando engoles o choro;
  • Quando uma discussão te incomoda de tal maneira que só pensas em fugir;
  • Quando sentes aquele aperto no coração;
  • Quando sentes um nó na garganta;
  • Quando te doi a cabeça e nem sabes porquê;
  • Quando as insónias te assombram durante a noite;
  • Quando a ansiedade te leva ao serviço de urgência e sais de lá, sem qualquer diagnóstico;
  • Quando sentes uma culpa avassaladora e ao fim de uns anos aparece um cancro;
  • Quando tens 40 anos e aparentas ter 50 anos;
  • Quando a angústia te consome e desculpas-te dizendo “está tudo bem”;
  • Quando dizes todos os dias “amanhã é que vai ser”;
  • Quando queres mudar algo há anos e ao fim de 10 anos, parece estar tudo na mesma;
  • Quando sentes que estás a viver uma vida sem propósito;
  • Quando te revoltas contra a tua própria vida…


Então ainda duvidas de onde vêm as doenças?

São originárias do cultivo da semente e da plantação de emoções mal geridas.

Como aliviar esta dor e expressá-la dando-lhe voz?

Lê um livro, escreve um poema ou até um livro. Expressa-te através da dança, do yoga ou da meditação. Dá uns mergulhos no mar, faz umas caminhadas ou umas corridas.

Liberta a dor que sentes dentro de ti.

Olha o horizonte, contempla a natureza e observa as estrelas. Cheira uma flor, sente o seu olfato, abraça uma árvore e transforma este momento de dor, num momento em que fechas os olhos e “olhas para dentro de ti” e dizes internamente “está tudo bem” e se não estiver, chegou o momento em que tenho de pedir ajuda.

“Muda a tua mente, muda o teu corpo”.

Especialista em Perfis Comportamentais, Enfermeira & Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

O que nunca te disseram…

Maio 24, 2021 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Na constante busca pela perfeição, vivemos num mundo que não se aceitam falhas. Esforçamo-nos em cada momento em mostrar que somos capazes e esperamos o reconhecimento por cada passo dado. Dia após dia esta ambição se torna a nossa prisão, como se a nossa vida dependesse disso. Ouvimos inúmeras vezes que é com os erros que se aprende, porém, o erro não é tolerável.

Acredito que esta busca pela perfeição se resume na ambição de querermos ser perfeitos connosco e com o mundo, na expectativa de ser aceite, amado e respeitado, ocultando as nossas sombras e fraquezas, para somente mostrar ao mundo as nossas virtudes, não nos permitindo sermos como somos. Mostramos apenas algumas partes de nós, aquelas que consideramos ser aceites aos olhos da sociedade. Sim, porque existe o padrão da sociedade, que é somente a opinião em que todos se baseiam. Contudo, se por acaso fores aquele que não segue o padrão da sociedade, possivelmente serás seguido, porque criaste o teu próprio caminho e não porque seguiste o caminho que não era o teu.

O grande propósito é tomarmos consciência das nossas partes rejeitadas ou reprimidas, que simbolizam a linguagem não reconhecida da personalidade, o que nos leva a passarmos grande parte do nosso tempo a corrigir experiências, criando assim um ideal do ser humano e do mundo, baseado no nosso ego.

Muitas são as pessoas que temem olhar para dentro de si mesmas e o medo levanta muros tão espessos que perdemos a noção de quem realmente somos. É como se andássemos em círculo em busca da perfeição e entrássemos num labirinto procurando a aprovação. Numa tentativa interminável de agradar, o resultado vai ser sempre “quase consegui” e porquê? Porque “quase fui quem não sou”.

Somos feitos de dualidade. Somos seres imperfeitos que vive em busca da perfeição e da aceitação.

É possível sermos perfeitos sem sermos imperfeitos?

É possível ver a luz sem reconhecer a escuridão?

É possível eu reconhecer o que é o bom, sem saber o que é o mau?

Somos humanos e ser humano é ser perfeito com as nossas imperfeições, aceitando e reconhecendo cada parte de nós.

Tendo a coragem de eu ser imperfeita pergunto-vos:

Aceitas as tuas imperfeições ou vives escondendo as tuas “sombras” e a tua máscara da perfeição, tornou-se a tua maior prisão?

“Muda a tua mente, muda o teu corpo”

Especialista em perfis comportamentais, Enfermeira & Terapeuta em saúde integrativa e sistémica

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Imagem: DR

A coragem para enfrentar o desconhecido

Fevereiro 22, 2021 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Muitos sãos os momentos em que queremos ser fortes, queremos nos sentir capazes, queremos nos sentir super-heróis, como se nada nos derrubasse ou nos fragilizasse.

Queremos mostrar a nós mesmos que somos perfeitos e líderes da nossa própria vida.

Mas muitos sãos os momentos de âmago, incerteza, imperfeição e solidão.

Confrontamo-nos com as nossas próprias fraquezas, crenças enraizadas de um passado idealista, que nos leva ás nossas próprias inseguranças.

Recordo um momento da minha vida, quando decidi ter um filho, apesar dos riscos que corria por ter uma patologia de base, pois corria o risco de ter um surto após o parto, mas apesar do medo sentia-me mais forte do que nunca, pois tinha confiança que tudo iria correr bem. Foi um dia em que encontrei a coragem que existia dentro de mim, talvez desde sempre e que eu própria desconhecia.A minha coragem arrancou-me o medo dentro de mim e fez-me acreditar que tudo é possível. E hoje em dia quando sinto medo e com coragem de enfrentar o desconhecido, volto a este momento marcante da minha vida, que me faz recordar que nunca estou sozinha e faz-me ir buscar a coragem que sempre esteve em mim.

Acredito verdadeiramente que todas as experiências sejam elas positivas ou negativas, nos mostram a nossa parte vulnerável e fortalecedora. São os desafios que nos parecem problemas, que nos mostram a oportunidade de evoluirmos e de nos CONECTARMOS COM A NOSSA FÉ e termos a coragem de seguir em frente.

(Especialista em Perfis Comportamentais, Enfermeira & Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Fotos: DR

Será que conseguiremos descobrir a Vacina para a Alma?

Janeiro 19, 2021 em Atualidade, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

Cláudia Velez

Quantos de nós esperam desesperadamente que a vacina para o Covid-19, irá salvar a humanidade, a vacina que nos levará de volta à normalidade.

Acredito vivamente que precisamos de descobrir uma vacina para a alma, para voltarmos a viver verdadeiramente. Não sei se será para voltarmos à normalidade, pois os padrões de normalidade, talvez, não se encaixem na sociedade atual. É necessário imunizar a alma, pois esta tem de estar alinhada com o nosso coração. As doenças da alma, antecedem ás doenças do corpo físico.

Segundo a Medicina Vibracional, a doença é causada não apenas por bactérias, vírus, substâncias químicas ou traumas físicos, mas também por disfunções crónicas dos padrões de energia emocional, dificuldade nas relações interpessoais e dificuldade no relacionamento consigo mesmo.  Sendo uma condição da espécie humana, na evolução humana, mascaramo-nos com  comportamentos  perfeccionistas, de  orgulho e egoísmo, criando-se assim um campo favorável ao aparecimento de  patologias do foro físico e mental, em que uma vacina para a alma, será o recurso que poderá manter a nossa sanidade mental.

Focados na perfeição do corpo, esquecemo-nos de cuidar da alma, através da oração, amor e gratidão, humildade, bondade, caridade e perdão.

A imunização da alma, refletir-se-á através do corpo físico, pois este demonstra o estado da nossa alma.

Que se façam esforços para a descoberta da vacina para a alma.

“Muda a tua mente, muda o teu corpo”.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Por:

Especialista em Perfis Comportamentais, Enfermeira & Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica

O que fazer para ter uma saúde mental saudável e sobreviver à pandemia?

Dezembro 23, 2020 em Atualidade, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Este momento inédito que estamos a viver, esta guerra invisível em que todos nos queremos salvar, aguardamos ansiosamente por uma cura milagrosa.

Algo tem de ser feito, para que nessa espera, a nossa mente não enlouqueça, nem nos faça desistir.

Como enfermeira, observo muitas vezes o desespero e o desamparo, o que por vezes pequenos atos ou palavras, confortam o coração de quem mais precisa. Acredito vivamente que manter o controlo emocional é algo que se trabalha internamente, como quem vai ao ginásio, para trabalhar o corpo.

Buscamos a felicidade e o equilíbrio fora e a felicidade está dentro de nós. Tudo o que colocamos na nossa mente, refletir-se-á nas nossas atitudes, para connosco e com os outros.

Vivo isso diariamente e sinto o apelo e o dever de contribuir com o meu apoio, na ajuda a melhorar o estado emocional de quem precisa. Enquanto pessoa, faço o meu trabalho interno diário, para que psicologicamente me mantenha saudável e assim tenha a capacidade de ajudar o outro a se manter também saudável.

Nesta busca, em me ajudar a mim… para poder ajudar o outro, criei estratégias internas, que busco como uma necessidade básica diária. Aceitar todas as minhas fragilidades, não me torna menos que ninguém, torna-me humana.

“Não somos super-heróis, somos pessoas”.

Este momento pelo qual todos passamos, é a verdadeira oportunidade de tirar o melhor de todas as lições. O melhor e o pior vem ao de cima e a parte que nós alimentarmos será a que sobreviverá. Se eu alimentar a minha melhor parte, será essa que prevalecerá. Sem dúvida alguma, o nosso melhor é o que todos queremos que sobressalte em nós, mas enquanto não tivermos consciência que todos os momentos, são oportunidades de nos melhorarmos, deixaremos sempre o nosso melhor para amanhã.

Nesta busca, precisava que tudo se encaixasse e fizesse sentido, muito aprendi e muito tenho para aprender e tal como diz o grande filosofo Sócrates: “Só sei que nada sei”, todos os dias é um novo dia para aprender.

Estratégias para te ajudar a afastar do medo e te levar para o lado positivo da vida:

  • Sorri, a vida passa a correr;
  • Se hoje o dia foi mau, amanhã será melhor;
  • Dá significado aos pequenos gestos, se o fizeste foi porque alguém precisou de ti;
  • Agradece o dia de hoje, sempre;
  • Aproveita cada oportunidade para ajudares quem mais precisa. A lei do retorno é sábia;
  • Põe a tua fé à prova “ela” tem estado à tua espera;
  • Mesmo que tenhas medo, vai e não olhes para traz;
  • Se tiveres num dia mau, chora, limpa a tua alma;
  • Quando tiveres vontade de desistir, pede ajuda;
  • Vê tudo o que já conseguiste ultrapassar até ao dia de hoje;
  • Quando não aguentares mais, respira profundamente e continua. A tua alma ficará mais calma;
  • Aproveita os pequenos momentos para cantares ou dançares, a tua mente e o teu corpo, precisam de se expressar;
  • Entra em contato com o teu coração, faz algo que te apaixone verdadeiramente e usa a tua criatividade;
  • Celebra cada passo, como uma conquista;
  • Telefona ás pessoas que mais amas;
  • Usa o humor, sempre que possas;
  • Agradece todos os dias pela pessoa que és, não há mais ninguém igual a ti;
  • Silencia a tua mente à noite, encontra a tua paz;
  • Antes de adormeceres coloca a tua mão no coração e agradece o teu dia.

“Eu respiro fundo e agradeço estares aí desse lado”.

Juntos vamos vencer esta batalha, vamos todos ficar bem.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Enfermeira, EneaCoach (Especialista em Perfis Comportamentais) e Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica (SIS)

Fotos: DR

Esperança em tempos de pandemia

Novembro 24, 2020 em Atualidade, Concelho, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Quantos de nós vivemos na esperança que o amanhã seja melhor. Mas se, hoje, nada fizermos, amanhã continuará a ser o mesmo, com a mesma desesperança de hoje.

Podes estar em confinamento em casa, mas a liberdade de pensamento ninguém te pode tirar.



Perante esta nova realidade, muitas são as pessoas que dizem sentir-se presas na sua própria vida. Adiam sonhos, objetivos, projetos e até a esperança, porque dentro delas, a vida está presa a algo invisível e que muitos acreditam, que adiar a sua própria vida é a única saída.

Uma coisa é certa: a tua alma, a tua verdadeira essência, ninguém ta pode prender. Não devemos adiar a liberdade de pensamento, a liberdade de podermos sobreviver a uma guerra, em que a única arma que temos é a liberdade de escolher como enfrentar esta guerra. Posso escolher reclamar, não aceitar, até me revoltar e a guerra continuará na mesma. Ou, então, escolher aceitar, ajudar no que estiver ao nosso alcance e acreditar que amanhã será um novo dia. Na esperança em que passará e será uma memória guardada na nossa alma, em que, mais tarde, iremos contar aos nossos netos que vencemos esta batalha e, afinal, ainda continuamos vivos.

Não será motivo suficiente para agradecermos?

Conto-vos, em segredo, eu agradeço todos os dias por estar viva. Já estive infetada com o COVID-19 e continuo, como enfermeira, a cuidar de quem precisa.

Sinto-me grata por ter a liberdade de escolher vencer esta batalha, com todas as armas que tenho, a maior de todas, a liberdade em poder escolher os meus pensamentos e poder geri-los à minha maneira.

Imagem de destaque em formato original (Imagem: DR)

Eu escolho acreditar que, juntos, vamos vencer esta batalha. Com coragem para viver, com generosidade para conviver e com prudência para sobreviver.

Por: Cláudia Velez* (Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica)

Encontro às Cegas

Outubro 24, 2020 em Atualidade, Concelho, Cultura, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Imagina, por um dia, que ficarias cega. Deixarias de ver tudo o que te rodeia. Deixarias de ver o mundo como o conheces e passarias a ver tudo negro, sem qualquer brilho ou cor.



Fecha os olhos por um segundo e experimenta…qual a sensação…sentiste? Eu sei que sim! Não é uma sensação nada agradável, pois não? Agora imagina teres essa sensação durante uma vida inteira. A sensação de ver tudo escuro, de sentir tudo escuro, porque o mundo, aos teus olhos, é todo escuro. Vives uma vida que não te faz feliz, vives um emprego que não te preenche, vives uma relação que não é para ti, que nem sequer te sentes amada, vives a mostrar aos outros aquilo que não és e, fundamentalmente, vives uma vida que parece que nem é a tua vida. Vives, diariamente, à espera que o dia de amanhã seja melhor e é assim que muitos vivem…

Vives como se os teus olhos não conseguissem ver mais além. Vives numa total escuridão, porque tu não acreditas que há mais além daquilo que tu conheces.

E se eu te disser que há mais além? E se eu te disser que por trás da cegueira há uma pérola que tu ainda não descobriste?

Mas, para isso, tens de ter a coragem de te encontrares com a tua própria cegueira.

A cegueira que muitos de nós vivem e não têm a coragem de a enfrentar, porque escolheram viver numa luz ilusória e que, aos olhos dos outros, fazem acreditar que somos felizes.

Deixo algumas questões para refletires:

– Quem te tiveste de tornar pelo que te aconteceu?

– Quem gostarias de ser, se aceitasses o teu problema?

– Se pudesses descobrir o que te beneficiou ao teres vivido o que viveste, o que estarias disposto a fazer?

– Imagina o que seria a tua vida se descobrisses que, por detrás do teu maior problema, está o teu maior presente.

“Muda a tua mente, muda o teu corpo”.

Por: Cláudia Velez* (Eneacoach Transformacional & Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Imagem: DR.

Sabias que existe um trauma por trás da doença?

Setembro 30, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora
Cláudia Velez

Já te questionaste porquê que o cancro de uma pessoa é diferente do cancro de outra pessoa? Porque a causa emocional é diferente de pessoa para pessoa.

Uma das peças mais profundas de conhecimento que podem mudar o que nós experimentamos é que a qualidade de vida é determinada pela qualidade das nossas emoções.

Com o objetivo de fazer as mudanças necessárias na nossa vida, precisamos de reconhecer as emoções que estão por trás da situação que estamos a viver, para assim mudar os comportamentos que levam à situação que queremos mudar. Resumindo, mudando a tua emoção, mudas o teu comportamento.

Para compreenderes um pouco melhor…

“Toda a emoção liberta uma resposta bioquímica e toda a doença começa no campo energético”.

 “Tudo é energia e isso é tudo que há, é preciso sintonizar na frequência que você deseja e, inevitavelmente, essa é a realidade que você terá. Não tem como ser diferente. Isso não é filosofia, isso é física!”

Albert Einstein

Segundo a medicina chinesa, cada órgão possui uma energia/frequência, quando está baixa significa que o órgão não está a funcionar bem ou então está doente.

Com as nossas emoções acontece o mesmo. Dr. David Hawkins, médico Psiquiatra, estudou a tabela de consciência, que é a medição dos níveis de consciência dos seres humanos. Cada emoção tem uma frequência, se vibrares em padrões emocionais mais altos, podes atingir a escala acima de 200Hz da Coragem; se vibrares num padrão emocional mais baixo, podes atingir a tristeza, até à depressão. Esta escala consegue avaliar em que área estamos a vibrar menos e, então, mudar essa vibração, através do teste dos estados emocionais.

Escala de Consciência de Hawkins (Imagem: DR)

Hawkins descobriu que o nível de consciência de 200 Hz é um nível critico em que todas as pessoas doentes estão abaixo deste valor.

Então, o que fazer para elevar o nosso nível de consciência? O que podemos nós fazer?

Só desenvolvendo a nossa consciência podemos melhorar a nossa saúde.

Abaixo do nível de 200 Hz estão os campos de atração de vergonha, culpa, apatia, aflição, medo, desejo, raiva e orgulho.

No nível critico de 200 Hz vem a coragem e a sua habilidade para fortalecer o ego, para retirá-lo da condição de vítima inerente às baixas frequências emocionais. Aqui é quando a pessoa se depara com a doença, deixa de se vitimizar e tem coragem de a enfrentar.

A um nível de 300 Hz, a pessoa elevou-se acima de muitas emoções de conflito, para alcançar o otimismo.

No nível de 400 Hz, a pessoa alcança a aceitação e o perdão, trazendo também a compreensão e o significado para a vida.

Para alcançar o nível de 500 Hz, a pessoa precisa de estar espiritualmente consciente. Neste nível, o amor e o perdão incondicional está muito presente.

Para alcançar o nível de iluminação acima de 700 Hz, o nível mais alto da consciência humana. É a união do ser com o todo, o fim do eu, o fim do ego, sendo extremamente raro alcançar este nível.

Será necessária uma razão mais forte para quereres trabalhar as tuas emoções? Vê o que podes alcançar no avanço de cada nível de consciência. Vê o que pode trazer à tua saúde. Antes de quereres tratar o teu corpo físico, terás de tratar o teu corpo emocional, mental e espiritual. Não podemos separar a mente do corpo. As emoções estão interligadas, com as doenças físicas. Traumas, eventos de valência emocional negativa, influenciam o nosso corpo físico, gerando as doenças.

A doença é sempre para transcender alguma coisa, vem sempre na tentativa de ser eliminada, como se estivesse a pedir socorro para nós.

A emoção pede ao corpo físico uma forma de ser eliminada. E o corpo fica retendo, retendo, retendo até provocar uma inflamação crónica, até dar origem a uma doença.

Na medicina oriental, a doença nada mais é do que a manifestação de algo que está impedindo o curso natural da vida. É a consciência que se exprime, através de um traumatismo físico ou de uma doença, na tentativa de eliminar a origem do problema e alertar a pessoa para mudar de rota.

“Todas as doenças começam num processo de não aceitação, levando a uma luta interior”.

Os grandes problemas que geram as nossas doenças é a não aceitação do que nos acontece, então vivemos lutando contra o que nos acontece. O resultado desta luta manifesta-se no corpo físico e o local diz-nos contra o que estamos lutando.

Recordo uma utente que acompanhei que estava num estado emocional de apatia, tinha uma alergia generalizada no corpo, tinha episódios em que se coçava o tempo todo. As alergias são reações de defesa excessivas do organismo, perante um agente externo, em que o organismo, reage violentamente para se proteger.

Era uma pessoa muito submissa ao marido e muitas vezes era vítima de violência psicológica. Quando percebeu que tinha de se libertar de uma pessoa que lhe era tóxica e dizer “basta” à alergia, começou a melhorar significativamente. Ao ter compreendido que foi uma forma de proteção inconsciente que o seu corpo arranjou, compreendeu que, na vida, tinha de se libertar do que lhe era tóxico de uma forma saudável, sem prejudicar o seu corpo. Ao tomar consciência do que estava a acontecer na sua vida, hoje, com os recursos que tem, libertou-se do que a estava a pôr doente.

Desafio-te a imaginares um dia ser possível descobrires porque és como és, porque ages e te comportas dessa maneira que só tu sabes e é exatamente essa maneira que mostra a pessoa que tu és. Imagina que seria possível mudares algumas coisas que não gostas em ti.

Escala das Emoções (Imagem: DR)

Agora, imagina que tens uma doença em que tens dificuldade em lidar com ela ao ponto de poder condicionar o teu dia a dia. Imagina ser possível descobrires a causa da tua doença e aprenderes que mudanças tens de fazer na tua vida para teres mais saúde. Não falo só de saúde física, falo da saúde emocional, mental e espiritual.

O que estarias disposto a fazer para mudares as tuas emoções negativas, conheceres-te profundamente e melhorares a tua saúde como nunca imaginaste?

Conto no meu E-BOOK 6 secretas verdades para desbloqueares a tua mente, para enfrentares a tua doença e as adversidades do dia-a-dia”, o caminho que eu escolhi, espero que te inspire.

Para aceder ao meu site, clica no link https://coachingtransformacional.pt, onde terás todas as informações necessárias, desde o trabalho que desenvolvo e o programa que criei “Desbloqueia a tua mente e encontra o teu caminho”.

“Muda a tua mente, muda o teu corpo”.

Por: Cláudia Velez* – Enfermeira, EneaCoach (Especialista em Perfis Comportamentais) e Terapeuta em Saúde Integrativa Sistémica (SIS)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Será que podemos nos auto curar?

Agosto 22, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

“Saúde não é tudo, mas tudo é nada sem saúde”.

Cláudia Velez

Quando a doença está presente, pode ser um instrumento altamente pedagógico e até transcendental.  A doença “foi criada” para transcender algo e se tens algum problema de saúde é fundamental refletires sobre isso.



“Não existe doença, existe doente”.

Após 18 anos como enfermeira, tenho dado primazia em compreender as causas que levam um ser humano ao desequilíbrio do seu sistema, ao ponto de sofrer com doenças físicas e emocionais ao longo da sua vida.

Não existe doença, existe doente, porque tudo vai depender do “terreno biológico” da pessoa. O problema físico é só a ponta do iceberg, é preciso imergir no que está submerso a nível dos 4 domínios do ser humano: físico, mental, emocional e espiritual.

Temos de ir além da queixa inicial, ou sintoma. É necessário identificar em que domínio foi “criada” a doença. Identificar o gatilho, como padrões de pensamentos e emoções. Pode ter sido uma traição, um abuso, uma rejeição, teres sido desvalorizado, abandonado, etc. Por isso ser fundamental identificar as baixas emoções ou emoções negativas, pensamentos autodestrutivos, crenças limitadoras, o evento traumático que deu origem à tua doença.

A minha experiência como Coach e especialista em perfis comportamentais, tem mostrado que há certos padrões emocionais e fisiológicos que levam as pessoas a criarem níveis enormes de energia ou níveis insuportáveis de desmotivação, que mais tarde dão origem a uma doença. Eu própria descobri as minhas limitações físicas e emocionais e isso deu-me a força para entrar num processo de busca interior para o equilíbrio da minha mente, para que o meu corpo físico não manifestasse doença e entrasse num processo de aceitação da minha própria doença e, finalmente, entrasse em remissão, história que eu conto no meu E-book “6 secretas verdades para desbloqueares a tua mente”.

As doenças são uma maneira de provar a nossa fé. Se reclamas, achas injusto, as hipóteses de te curares serão menores. Pensa, porque é injusto para ti e é justo para outra pessoa?

Estudos indicam que 90% dos genes das doenças estão adormecidos e são acordados através do nosso estado emocional. Se estás doente, pergunta-te: que emoções eu tive ou tenho tido frequentemente? Em que momento da minha vida eu tive um trauma ou conflito emocional, uma abertura que acordou os genes adormecidos da doença?

As toxinas vêm dos padrões de pensamentos, emoções e comportamentos. Se acreditas que as toxinas vêm, exclusivamente, dos alimentos e do ambiente, confirmo-te que estás enganada. Tal como relacionamentos tóxicos com algum parente, amigo, chefe e até contigo mesmo, o teu crítico interno.

Saber a origem da doença a nível das 4 vertentes do ser humano, será determinante para recuperares a tua vida.

“Temos de aprender a ser feliz no momento presente”.

Excesso de pensamentos no passado causa depressão, excesso de pensamentos no presente gera stress e excesso de pensamentos no futuro causa depressão. Por isso ser tão importante alimentarmos a nossa mente com bons pensamentos, para que a qualidade da nossa mente se reflita através da qualidade da nossa vida.

“Quando a saúde está ausente, a sabedoria não consegue se manifestar, a força não consegue se revelar, a riqueza se torna inútil e a inteligência não pode ser aplicada”.

Este é o meu trabalho, ajudar-te a identificar a causa emocional da tua doença.

Será que podemos nos auto curar? Podes procurar a resposta.

“Muda a tua mente, muda o teu corpo”.

Por: Cláudia Velez* (EneaCoach Transformacional)

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Imagem: DR.

Ir Para Cima