Tag archive

COVID-19

Serviços públicos essenciais em tempos de pandemia: Direitos excecionais e temporários terminam a 30 de setembro

Setembro 25, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora

A DECO alerta todos os consumidores para o término dos direitos excecionais e temporários relativos aos serviços essenciais no próximo dia 30 de setembro. Estas medidas foram publicadas perante o estado de pandemia provocado pela COVID-19 para apoiar todos os consumidores e garantir o seu acesso aos serviços públicos essenciais, como são o fornecimento de eletricidade, gás natural, água e os serviços de telecomunicações.



A DECO relembra que o fornecimento de eletricidade, gás natural, água e os serviços de telecomunicações não podem ser cortados, ainda que por falta de pagamento das faturas, em caso de situação de desemprego, de quebra de rendimentos do agregado familiar igual ou superior a 20% ou de infeção por COVID-19.

Para todas as faturas que estejam em atraso desde 20 de março, o consumidor poderá solicitar um plano de pagamentos em prestações mensais, sem juros, o qual pode iniciar-se apenas no mês de novembro.

Os consumidores que se encontrem em situação de desemprego, ou de quebra de rendimentos do agregado familiar igual ou superior a 20% face aos rendimentos do mês anterior, podem cancelar o seu contrato de telecomunicações sem qualquer penalização. Em alternativa, e nas mesmas condições, podem solicitar a suspensão do contrato de telecomunicações, sem penalizações, retomando-o a 1 de outubro de 2020.

Serviços (Imagem: DR)

A DECO reforça que estes direitos terminarão no dia 30 de setembro de 2020.

Continuaremos a acompanhar o impacto social e económico desta pandemia e faremos tudo para salvaguardar e garantir a defesa dos direitos e legítimos interesses dos consumidores.

Para mais informações, a DECO – Delegação Regional do Minho encontra-se disponível na Avenida Batalhão Caçadores 9, Viana do Castelo, mediante agendamento obrigatório, através do 258 821 083 ou para o email deco.minho@deco.pt .

Por: DECO – Delegação Regional do Minho*.

Venda de máscaras sociais ajuda Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV)

Setembro 24, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

Empresa têxtil barcelense lança campanha «Proteja-se por uma boa causa!»

“Proteja-se por uma boa causa!” é o lema da mais recente campanha solidária desenvolvida pela Barata Garcia. Através da venda online de máscaras sociais reutilizáveis e tote bags, está a ajudar as vítimas de diferentes tipos de crimes, incluindo a violência doméstica.



Na compra daqueles produtos, 10% (sob o valor s/ IVA) reverte a favor da Associação Portuguesa de Apoio à Vítima (APAV).

O objetivo da empresa têxtil é “com um pequeno gesto, apoiar as pessoas mais fragilizadas, dando também resposta a um alerta da Organização Mundial de Saúde, que informou que em tempos de pandemia o número de casos de violência doméstica tem aumentado em toda a Europa”, refere em nota.

A coleção pode ser adquirida online através de (basta clicar):

https://www.springkode.com/manufacturer/barata-garcia-pt-pt/?lang=pt-pt&v=pt .

Foto: BG.

[Ndr: notícia atualizada a 25.09.2020, pelas 22h30]

Direitos excecionais e temporários dos serviços públicos essenciais findam a 30 de setembro

Setembro 23, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

A DECO alerta todos os consumidores para o término dos direitos excecionais e temporários relativos aos serviços essenciais no próximo dia 30 de setembro. Estas medidas foram publicadas perante o estado de pandemia provocado pela COVID-19 para apoiar todos os consumidores e garantir o seu acesso aos serviços públicos essenciais, como são o fornecimento de eletricidade, gás natural, água, e os serviços de telecomunicações.



A DECO relembra que o fornecimento de eletricidade, gás natural, água e os serviços de telecomunicações não podem ser cortados, ainda que por falta de pagamento das faturas, em caso de situação de desemprego, de quebra de rendimentos do agregado familiar igual ou superior a 20%, ou de infeção por COVID-19.

Para todas as faturas que estejam em atraso desde 20 de março, o consumidor poderá solicitar um plano de pagamentos em prestações mensais, sem juros, o qual pode iniciar-se apenas no mês de novembro.

Os consumidores que se encontrem em situação de desemprego, ou de quebra de rendimentos do agregado familiar igual ou superior a 20% face aos rendimentos do mês anterior, podem cancelar o seu contrato de telecomunicações sem qualquer penalização. Em alternativa, e nas mesmas condições, podem solicitar a suspensão do contrato de telecomunicações, sem penalizações, retomando-o a 1 de outubro de 2020.

A DECO reforça que estes direitos terminarão no dia 30 de setembro de 2020. Continuaremos a acompanhar o impacto social e económico desta pandemia na vida dos consumidores e tudo faremos para salvaguardar e garantir a defesa dos seus direitos e legítimos interesses.

Foto: DR.

Presidente do IPCA dá as boas-vindas à comunidade académica

Setembro 17, 2020 em Atualidade, Concelho, Educação, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Presidente do Instituto Politécnico do Cávado e do Ave (IPCA), Maria José Fernandes, emitiu um comunicado onde dá as boas-vindas à comunidade académica para o ano letivo 2020-2021, assegurando que o IPCA está a preparar, “de forma muito cuidada e planeada”, o arranque do ano letivo, tendo em conta todas as condicionantes e necessidades advindas do momento atual da pandemia COVID-19.



Leia, na íntegra, o referido comunicado:

«Cara comunidade académica,

O ano letivo 2020/2021 está prestes a começar!

Este será um ano letivo com novos desafios, marcado pelo regresso às aulas com normas e regras de segurança, num contexto que é ainda de grande preocupação pelo controlo e mitigação da pandemia da COVID-19! Os tempos que vivemos são complexos, à escala global, e de muita responsabilidade, exigindo de todos e de cada um de nós um papel determinante no cumprimento das normas e regras de segurança aprovadas. Mas o contexto é também de novas oportunidades que devemos ser capazes de explorar e agarrar no sentido de conseguirmos evoluir e melhorar no futuro. É este o lema que partilho para o novo ano letivo! Responsabilidade e oportunidade!

O IPCA está a preparar, de forma muito cuidada e planeada, o arranque do ano letivo em estreita articulação, quer com as estruturas locais de saúde pública, quer com a sua comunidade interna, no sentido ajustar o modelo de funcionamento das atividades letivas, de investigação e dos serviços administrativos, técnicos e de suporte aos alunos, aos desafios colocados pela evolução da pandemia COVID-19 e, desta forma, mitigar os riscos de alastramento da pandemia, protegendo os alunos e toda a sua comunidade académica. Estamos a trabalhar no sentido de criar as condições necessárias para o regresso em segurança dos nossos estudantes.

No âmbito do planeamento das atividades letivas e não letivas destaca-se a preferência pelo regime presencial como modelo de ensino e aprendizagem no ano letivo de 2020/2021, sendo este complementado com o regime híbrido e o regime não presencial como forma de reduzir o número de pessoas nas instalações do IPCA em respeito pelas regras de segurança e de distanciamento físico. O Despacho PR nº 88/2020 apresenta as normas orientadoras para o funcionamento do ano letivo 2020/2021.

Consideramos que o regime presencial assume uma dimensão essencial da educação superior, na medida em que promove a equidade entre estudantes em termos de participação e avaliação e proporciona a educação integral dos estudantes. Por outro lado, aproveitaremos a oportunidade do contexto global em que vivemos para estimular a aplicação de novas práticas de inovação pedagógica através da experimentação, trabalho autónomo e uso das tecnologias digitais no apoio aos processos de ensino e aprendizagem.

Decorrente das normas de higiene e segurança determinadas pelas autoridades de saúde competentes no regresso às aulas, o IPCA planeou o ano letivo com novas regras das quais se destacam o alargamento e desfasamento dos horários das atividades letivas, permitindo assegurar uma ocupação mais equilibrada dos espaços físicos e assegurar o distanciamento físico, a diminuição do tempo livre no campus para evitar partilha de espaços comuns, a definição de novos circuitos e regras de acesso aos espaços, tendo sido melhorada a comunicação visual e sinalética. Foram ainda atualizadas as regras e procedimentos de higienização e limpeza, sendo obrigatório o uso de máscara nos espaços interiores e recomendado o seu uso no exterior.

Maria José Fernandes – Presidente do IPCA (Foto: DR)

Paralelamente, foi realizado um forte investimento na melhoria dos recursos de apoio pedagógico nas salas de aula, nomeadamente, através da instalação de “smartboards” e sistemas de captura de som e vídeo que facilitem a realização das aulas no regime híbrido (em modo espelho). Está assegurada a formação aos docentes do IPCA para a utilização destas novas ferramentas. Este investimento foi impulsionado pelo contexto em que vivemos, mas é sem dúvida uma oportunidade de melhoria para o futuro.

O sucesso do IPCA no combate à pandemia no campus depende muito do comportamento global e individual da comunidade académica. Apelamos por isso a um comportamento cívico e responsável no cumprimento pelas normas e regras definidas, quer pelas autoridades de saúde, quer pelo IPCA, para que este ano letivo possa decorrer com normalidade e segurança.

Todos os documentos relevantes sobre o funcionamento do novo ano letivo e as normas e regras de higiene e segurança encontram-se divulgados na página do IPCA podendo ser consultados aqui:

– Despacho PR-88/2020 – define as normas orientadoras para o funcionamento do ano letivo 2020/2021;

– O Plano de Contingência Interno – revisto e atualizado em setembro de 2020;

– O plano operacional para o funcionamento das atividades letivas e não letivas.

Em articulação direta com as autoridades de saúde pública e órgãos internos do IPCA, e de forma a garantir uma rápida resolução de eventuais problemas que possam surgir em resultado da evolução desta pandemia, os documentos agora elaborados e aprovados serão ajustados e atualizados de forma contínua.

Funcionamento do ano letivo 2020/2021 – consulte aqui a informação.

Desejo a todos um excelente ano letivo!»

Fonte e foto: IPCA.

SONAE nega surto de COVID-19 no Continente Modelo de Barcelos

Setembro 17, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

Em nota de esclarecimento enviado às redações, a SONAE MC nega a existência de qualquer caso suspeito de COVID-19 no Continente Modelo de Barcelos. Salientando que este se encontra a funcionar normalmente.



Segue, na íntegra, a referida nota:

«NOTA DE ESCLARECIMENTO

A Sonae MC informa que não há qualquer tipo de caso suspeito de COVID-19 no Continente Modelo de Barcelos.

O Continente Modelo de Barcelos encontra-se a funcionar normalmente.

Mantemos a máxima confiança nos responsáveis das equipas para levar a cabo o plano de contingência traçado pela Sonae MC e assim protegermos os nossos colaboradores e clientes.

A nossa prioridade é continuarmos a #AlimentarPortugal»

Foto: DR.

Técnicos das IPSS’s e comunidade escolar recebem formação para combate à COVID-19

Setembro 16, 2020 em Atualidade, Concelho, Educação, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

Direções e técnicos de IPSS’S, pessoal docente, pessoal não docente, coordenadores escolares, diretores de agrupamentos e psicólogos foram o público-alvo destas formações



O Município de Barcelos promoveu, entre os dias 2 a 10 setembro, no Auditório dos Paços do Concelho, diversas ações de formação destinadas à comunidade escolar e às IPSS’s do concelho. As ações de formação destinadas às IPSS’s do concelho foram promovidas em articulação com a Segurança Social de Braga e a Delegação de Braga da Cruz Vermelha Portuguesa, enquanto as formações destinadas à comunidade escolar foram promovidas em articulação com a Unidade de Saúde Pública (ACES Cávado III).

A ação de formação dirigida às IPSS´s teve como principal objetivo capacitar as instituições para o ajustamento dos planos de contingência e medidas adicionais a tomar no âmbito do COVID-19, no sentido de garantir a proteção dos utentes, que na sua maioria são pessoas idosas e, por conseguinte, apresentam maior vulnerabilidade face à infeção por COVID-19.

No que concerne às ações de formação dirigidas à comunidade educativa, tiveram como principal objetivo, elucidar a mesma sobre as normas orientadoras propostas pela Direção Geral da Saúde, no que concerne ao arranque ao novo ano letivo, que conta com o regresso do ensino presencial em todos os ciclos de ensino. O plano de formação contou com a participação de cerca de 300 profissionais que obtiveram orientações muito importantes quanto à segurança e higiene em contexto escolar e não escolar, no âmbito da retoma das atividades letivas que estão a iniciar.

A referida formação pretendeu capacitar a comunidade escolar para a nova realidade imposta pela COVID-19, destacando-se temas como a desinfeção dos espaços, a correta utilização das máscaras, a reorganização e adequação dos espaços que vão receber os alunos, assim como conhecimento dos procedimentos a executar, de forma a isolar os riscos e evitar focos de contágio. A formação permitiu, ainda, a todos os agentes educativos, operacionalizar circuitos e métodos de higiene e segurança, mediante a realidade de cada espaço escolar.

A Vereadora da Educação e Ação Social do Município de Barcelos, Armandina Saleiro esteve presente nas ações de formação e aproveitou o momento para deixar “um profundo agradecimento a toda a comunidade educativa, que terá um papel muito importante neste momento tão delicado da nossa vida coletiva”, destacou a necessidade de “aumentar o conhecimento de como cuidar, no quotidiano em pandemia, de todas as pessoas que trabalham em instituições”, no sentido de se tentar mitigar os danos e efeitos desta pandemia.

Armandina Saleiro focou, ainda, a atenção para os cuidados de prevenção em termos gerais. “Vamos verificando que existe uma transmissão comunitária da COVID-19 e não é tanto o surto em instituições. Se essa transmissão poderá estar a ser feita por qualquer um de nós, devemos todos ter a exigência de cidadania responsável. Temos de saber cuidar de nós para saber cuidar dos outros. Se um de nós não cumprir ou proteger-se, arrisca a levar a infeção possivelmente para a família e aí alastra-se a infeção”, alertou.

“Estas ações de formação integram a estratégia da Câmara Municipal de Barcelos no âmbito das normas de desconfinamento gradual, designadamente nos espaços educativos que agora são reabertos”, conclui o Município.

Fonte e foto: CMB.

Eurodeputado José Manuel Fernandes garante antecipação de reforço orçamental para vacinas e estratégia contra COVID-19

Setembro 16, 2020 em Atualidade, Economia, Mundo, Política, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

São 6,2 mil milhões de euros que a União Europeia passa a dispor para financiar já a aquisição de vacinas contra o novo coronavírus e reforçar a estratégia dos Estados-Membros no combate à pandemia COVID-19.



A verba adicional foi conseguida na sessão plenária do Parlamento Europeu que está a decorrer em Bruxelas, através de procedimento legislativo urgente que contou com o aval do eurodeputado José Manuel Fernandes, como coordenador do PPE na Comissão dos Orçamentos. Isso permitiu uma votação direta em plenário, sem a apresentação de emendas por parte dos deputados.

“Queremos vacinas seguras, rápidas e acessíveis a todos os europeus. Com este reforço de verbas, a Comissão Europeia poderá, agora, celebrar acordos com as empresas farmacêuticas e adquirir antecipadamente vacinas para os cidadãos europeus”, sustenta José Manuel Fernandes.

José Manuel Fernandes (Foto: JMF)

O Parlamento Europeu aprovou o reforço orçamental de 6,2 mil milões de euros, dos quais 1.100 milhões são destinados a financiar a aquisição de vacinas contra a COVID-19 e 5.100 milhões são para reforçar a estratégia de combate à atual crise pandémica.

A Comissão Europeia poderá, agora, celebrar acordos com as empresas farmacêuticas que estão a produzir estas vacinas, tendo já feito procedimentos concursais para adquirir antecipadamente 300 milhões de doses, a que acresce a opção de aceder a mais 100 milhões de doses.

O Eurodeputado José Manuel Fernandes sublinha que “os cidadãos europeus não podem esperar mais. Precisamos de garantir as vacinas o mais rapidamente possível. Não podemos perder esta corrida contra o tempo. Tudo faremos para combater esta pandemia e cuidar da saúde e da economia na União Europeia”.

Fonte e fotos: JMF.

Situação de contingência impõe novos horários no comércio e serviços

Setembro 15, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Resolução do Conselho de Ministros n.º 70-A/2020, que declara a situação de contingência e que entro em vigor hoje, dia 15 de setembro, prevê que os estabelecimentos comerciais funcionem entre as 10h00 e as 23h00.



Porém, podem abrir antes das 10h00, os seguintes estabelecimentos: salões de cabeleireiro, barbeiros, institutos de beleza, restaurantes e similares, cafetarias, casas de chá e afins, escolas de condução e centros de inspeção técnica de veículos, bem como ginásios e academias.

Também há exceções no encerramento, podendo fechar para além das 23h00 os estabelecimentos de restauração e de serviço de refeições, ensino, culturais e desportivos, farmácias e locais de venda de medicamentos sem receita, consultórios e clínicas, atividades funerárias e aluguer de veículos, entre outros.

No Município de Barcelos, os estabelecimentos deverão adaptar a sua atividade e horário às condições previstas naquela Resolução.

Entre as restantes medidas restritivas agora impostas estão a proibição de venda de bebidas alcoólicas a partir das 20h00, exceto nos estabelecimentos de serviço de refeições; restrições de circulação em veículos com lotação superior a cinco lugares; regras de ocupação, permanência e distanciamento físico e regras de higiene; restrição do número de pessoas em eventos, celebrações e funerais, entre outros.

Pode consultar o documento da Resolução do Conselho de Ministros no site do Município, em  https://www.cm-barcelos.pt/2020/09/situacao-de-contingencia-impoe-novos-horarios-no-comercio-e-servicos/ .

Fonte: CMB.

Foto: DR.

Trabalhe menos, teletrabalhe mais

Setembro 13, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo, Opinião Por barcelosnahorabarcelosnahora
Alexandrino Ribeiro

A pandemia do COVID-19 provocou alterações profundas na economia e na sociedade em múltiplas vertentes. Em muitas delas podemos mesmo falar no Antes COVID e no Pós COVID, dada a elevada amplitude da mudança, como é exemplo, a área da gestão dos recursos humanos. Nesta área, merece realce a temática do teletrabalho que, se antes da pandemia era uma forma de trabalho muito residual, massificou-se a nível Mundial com a quarentena imposta pela pandemia. Esse recurso mais massivo ao teletrabalho foi mesmo fundamental para manter uma parte da economia Mundial em funcionamento, minorando os efeitos económicos negativos da quarentena e, simultaneamente, contendo uma maior disseminação do vírus.



Após anos de discussão não consensual sobre as vantagens do teletrabalho para o empregador e para o empregado, com muita relutância das partes em darem passos significativos nesse sentido, a quarentena tornou o recurso ao mesmo uma inevitabilidade em diversas profissões. Hoje parece já não existirem muitas dúvidas que o teletrabalho veio para ficar em várias áreas profissionais, existindo, porém, outras áreas em que, pela natureza das suas funções, tal não será muito plausível. Contudo, com o desconfinamento, não será expectável que o recurso ao teletrabalho seja efetuado por períodos temporais tão prolongados como os vividos durante a quarentena, mas sim, num regime em que se alterne trabalho presencial com teletrabalho.

Plataformas de trabalho online (Foto: DR)

A evolução tecnológica que se registou na última década foi um fator primordial para o sucesso do teletrabalho. Por outro lado, acredito que um dos efeitos da pandemia que atravessamos será o acelerar a evolução científica e tecnológica em diversas áreas, permitindo-nos atingir, em dois ou três anos, patamares de desenvolvimento que, normalmente, demorariam uma década.

Focando a análise nas vantagens e desvantagens do teletrabalho para o empregador, destacaria a poupança de custos com energia elétrica, água e espaço físico nos escritórios como as principais vantagens. Contudo, surgem as dificuldades de supervisão, os riscos de segurança e confidencialidade, assim como o enfraquecimento do espírito de equipa entre os colaboradores como principais desvantagens do teletrabalho para o empregador.

Também ao nível dos colaboradores é possível identificarmos vantagens e desvantagens do recurso ao teletrabalho. A poupança de custos e tempo com as deslocações de e para o local de trabalho e a possibilidade de se autocontrolar o ritmo de trabalho são apontadas como as principais vantagens. Por outro lado, a dificuldade em separar a vida profissional da vida pessoal, a falta de socialização, a maior dificuldade de progressão na carreira e o aumento dos custos com energia elétrica e água surgem como aspetos negativos do teletrabalho para os colaboradores.

Teletrabalho e família (Foto: DR)

A problemática do teletrabalho entronca ainda em dois potencias níveis de problemas. Um, relativo à elevada dificuldade de ser implementado em alguns setores de atividade, fruto do tipo de funções inerentes ao setor. Outro, mais ao nível da filosofia tradicional de gestão de recursos humanos, em virtude de algumas empresas e organismos públicos ainda não aceitarem a prática de uma gestão e acompanhamento de colaboradores e equipas sem controlo presencial, com enfoque nos resultados finais obtidos e não no horário de trabalho. É, assim, premente uma mudança de paradigma na gestão de recursos humanos, assim como o ajustamento na legislação laboral, nomeadamente no normativo específico ao teletrabalho, para se ultrapassar barreiras.

De notar ainda, que para o recurso ao teletrabalho funcionar de uma forma eficiente e eficaz devem estar reunidos alguns ingredientes. Entre eles, destacaria o nível das ferramentas de gestão, a evolução dos equipamentos informáticos e tecnológicos utilizados, o nível de formação dos colaboradores e o seu alinhamento com os objetivos e missão da organização. Nos casos em que se verificou a junção de todos estes ingredientes de uma forma equilibrada, o velho estigma de que o recurso ao teletrabalho diminui a produtividade caiu por terra, tendo até, não raras vezes, aumentado a produtividade. Uma ameaça transformada em oportunidade. O teletrabalho ficará, assim, para a história como mais uma notável capacidade de adaptação da sociedade, com ganhos ao nível económico e financeiro para um número alargado de organizações.

Imagem: BnH

Por: Alexandrino Ribeiro* (Professor no IPCA).

Futebol Popular ainda sem data para voltar

Setembro 4, 2020 em Atualidade, Concelho, Desporto, Mundo, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

Em comunicado lançado ontem à noite, dia 03 de setembro, a Associação de Futebol Popular de Barcelos, “face ao contexto atual e às orientações da DGS”, assim como ao regulamento da retoma da prática competitiva de futebol, futsal e futebol de praia pós-COVID-19, mesmo não estando o futebol popular “devidamente referido”, informou que “não estão reunidas as condições necessárias para o início das competições e que não se perspetiva uma melhoria nos próximos meses”, visto que, na ótica da Associação, as infraestruturas dos clubes não reúnem as condições exigidas, nomeadamente os balneários; considera não ser possível assegurar a não existência de público na generalidade dos campos; que seria necessário um grande investimento para a adaptação dos clubes e suas infraestruturas às novas orientações; e que não é possível garantir a organização do campeonato sem ser interrompido, numa fase em que se perspetiva um agravamento da situação epidemiológica.



Leia, na íntegra, o Comunicado:

«Face ao contexto atual e às orientações da DGS e ao regulamento “COVID-19 Para a Retoma da Prática Competitiva de Futebol, Futsal, e Futebol Praia”, elaborado pela Federação Portuguesa de Futebol, realizámos uma análise detalhada aos documentos e, apesar de verificar que o Futebol Popular não está devidamente referido, analisámos à nossa realidade e considerámos que:

– As Infraestruturas dos nossos associados não reúnem as condições exigidas nas orientações emitidas, nomeadamente os balneários;

– Não ser possível assegurar a não existência de público na generalidade dos campos desportivos;

– Ser necessário um investimento avultado para a adaptação dos clubes e das suas infraestruturas às novas orientações;

– Não ser possível garantir a organização do campeonato sem interrupções, numa fase em que se perspetiva um agravamento da situação epidemiológica.

Concluímos que não estão reunidas as condições necessárias para o início das competições e que não se perspetiva uma melhoria nos próximos meses.

A direção continuará a acompanhar a evolução e as futuras orientações, com o objetivo de realizar as diversas competições do Futebol Popular.

A Direção».

Foto: Márcio Fernandes.

1 2 3 25
Ir Para Cima