Tag archive

COVID-19

Aprovada iniciativa do PAN que recomenda ao Governo a valorização dos enfermeiros

Janeiro 17, 2021 em Atualidade, Política, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Parlamento aprovou, apenas com os votos contra do PS, um Projeto de Resolução do Grupo Parlamentar do PAN – Pessoas-Animais-Natureza que recomenda ao Governo que retome a negociação com as entidades representativas do setor dos Enfermeiros com vista à dar resposta às reivindicações destes profissionais.

Com esta aprovação, o Parlamento reconhece que é urgente que o Governo possa resolver os seguintes problemas identificados por esta classe, fundamental para a valorização e tratamento digno dos enfermeiros: 

1.  Ausência de valorização remuneratória na categoria de enfermeiro, com manutenção da mesma grelha salarial do Decreto Lei nº 122/2010, pelo que mantendo as atuais onze posições remunerações nenhum profissional chegará à última posição; 

2.   Apesar da consagração da carreira de enfermeiro especialista, limitou-se a sua ocupação a 25% dos postos de trabalho das instituições, o que não potencia o desenvolvimento profissional dos enfermeiros, nem valoriza o trabalho dos enfermeiros que entretanto tenham obtido o título de especialista, traduzindo-se inevitavelmente em maior insatisfação profissional;

3.   Com esta carreira foi reduzido em 50% o investimento das instituições com os enfermeiros especialistas e em 40% do investimento em enfermeiros com funções de gestão;

4.   Ao nível da transição da carreira, por imposição do artigo 104º da Lei 12A/2008 não se verificam ganhos salariais, condiciona-se a transição para a categoria de enfermeiro especialista ao recebimento do respetivo suplemento remuneratório e desvalorizam-se as funções de enfermeiro de chefia do ponto de vista profissional/remuneratório; 

5.  Na transição para a nova carreira de enfermagem, a forma como a contagem de pontos é feita traz injustiças pois torna-se um fator gerador de inversão de posicionamento remuneratórios.

De acordo com os dados da OCDE, Portugal é dos países com mais baixo rácio de enfermeiros/1000 habitantes. Enquanto a média dos países da OCDE se situa nos 9,3 enfermeiros/1000 habitantes, Portugal conta com 4,2 enfermeiros/1000 habitantes no Serviço Nacional de Saúde.

Para o PAN, “os enfermeiros são profissionais fundamentais e a sua contratação tem de ser vista como um investimento estrutural e como uma aposta na redução de custos em saúde a médio e longo prazo”. Para tal, é necessário apostar numa saúde mais preventiva, passando pela criação de melhores condições para os profissionais. Acresce que a gestão da saúde não tem contemplado todas as necessidades dos serviços, faltando equipamentos e materiais, mesmo fora de situações extraordinárias como a COVID-19. 

Fonte: PAN

Santa Casa da Misericórdia de Barcelos inicia hoje vacinação à COVID-19

Janeiro 5, 2021 em Atualidade, Concelho, Mundo, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

A Rede Nacional de Cuidados Continuados inicia hoje a vacinação contra a COVID-19.

Em Barcelos, a vacinação teve início pelas 13h00, na Unidade de Cuidados Continuados Integrados de Santo António, da Santa Casa local.

Vacinação Lar Santo André

Também durante o dia de hoje e até quinta-feira, será realizada a vacinação a utentes e colaboradores de diversos lares da instituição. 

D. Maria Alcinda Carvalho de 68 anos, uma das utentes do Lar Santo André, foi das primeiras utentes a ser vacinada e refere que, “a vacinação vai valer para andar mais a vontade, mas temos que manter os cuidados, lavar as mãos e usar a mascara”.

Lar Santo André

Sr. Manuel Nascimento de 93 anos também foi vacinado e deixou o seu testemunho, “a vacina é para o nosso bem, só posso estar bem disposto e dizer bem daqueles que tanto trabalham para alcançar aquilo que precisamos, as vacinas”.

Fonte|Foto: SCMB

O plano nacional de vacinação contra a covid-19 arrancou hoje no Hospital de São João

Dezembro 27, 2020 em Atualidade, Ciência, Mundo, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O plano nacional de vacinação contra a covid-19 arrancou hoje no Hospital de São João, no Porto, com o médico infecciologista António Sarmento a receber pelas mãos da enfermeira Isabel Ribeiro a primeira dose.

A primeira vacina foi administrada a António Sarmento sob o olhar da ministra Marta Temido e ao som de aplausos.

A administração aconteceu na zona K5 que, habitualmente, está reservada às consultas externas do Hospital de São João.

O diretor de serviços de doenças infecciosas, António Sarmento, de 65 anos, a trabalhar nesta unidade de saúde há 42, foi o primeiro vacinado.

Fonte e Foto: SNS

Barcelos entre os concelhos de risco extremamente elevado

Dezembro 26, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Governo, reunido em Conselho de Ministros no dia 17 de dezembro, reavaliou a situação epidemiológica de cada concelho, atualizou a lista dos concelhos de risco, Barcelos manteve o risco extremamente elevado em função de transmissão da Covid-19. Assim, foi decidido:

Para o período do Ano Novo:

Circulação entre concelhos:

Proibida entre as 00h00 de 31/12 e as 05h00 de 4/01.

Circulação na via pública:

Para todo o território continental:

No dia 31/12, proibida a partir das 23h00;

Nos dias 1, 2 e 3/01, proibida a partir das 13h00.

Horários de funcionamento em todo o território continental:

No dia 31/12, funcionamento dos restaurantes permitido até às 22h30.

Nos dias 1, 2 e 3/01, funcionamento dos restaurantes permitido até às 13h00, exceto para entregas ao domicílio.

Proibidas festas públicas ou abertas ao público.

Proibir ajuntamentos na via pública com mais de 6 pessoas.

O Governo reforça ainda o apelo para que se evite:

  • Juntar muita gente;
  • Estar muito tempo sem máscara;
  • Espaços fechados, pequenos e pouco arejados

Consulte aqui a lista de concelhos e nível de risco.

Fonte: GP

Foto: BnH

Medidas mais apertadas para a noite de passagem do Ano | Novo Estado de Emergência

Dezembro 18, 2020 em Atualidade, Mundo, Política, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Primeiro Ministro, António Costa, revelou ontem no Briefing do Conselho de Ministros, as medidas para a última noite do ano, como já tinha anunciado iria fazer um nova reavaliação das medidas durante o Estado de Emergência.

Temos que cortar totalmente as celebrações de Novo Ano, por isso a Liberdade de circulação será restrita a partir das 23:00 na noite 31 […] e dia 1, 2 e 3 a liberdade de circulação será restrita a partir das 13:00

António Costa apela ainda a todos os portugueses que o Natal seja celebrado com todo o cuidado, que ” o Natal seja um momento de partilha dos vossos afetos , mas não de partilha do vírus, entre todos nós”.

Foto: Governo de Portugal

O Turismo do Minho exige apoios urgentes e específicos a um setor que atravessa uma dura realidade de sobrevivência

Dezembro 13, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

A APROTURM – Associação dos Profissionais de Turismo do Minho, realizou em novembro um inquérito ao impacto da COVID-19 nas empresas turísticas Minhotas pós verão.

Este inquérito demonstra uma realidade setorial dura, destaca a capacidade de resiliência e persistência dos empresários turísticos Minhotos na luta pela manutenção das suas empresas e postos de trabalho, expressando a confiança de que a retoma da “normalidade” turística possa acontecer nos próximos 12 meses.

=

▪ Entre junho e setembro de 2020, 9 em cada 10 empresas mantiveram o normal funcionamento e indicaram quebras de faturação superiores a 80% relativamente ao período homólogo;

▪ 6 em cada 10 empresas não demonstram liquidez financeira de curto prazo e 1/3 destas pondera a extinção definitiva da empresa até final de 2020, colocando em risco, no mínimo, 127 postos de trabalho;

▪ 6 em cada 10 empresas recorreram a apoios financeiros no âmbito da COVID-19, contudo 4 em cada 5 empresários consideram os apoios financeiros existentes inadequados;

Os empresários reclamam apoios como:

  • empréstimos a fundo perdido;
  • isenções fiscais;
  • redução ou isenção temporária da TSU;
  • apoio às rendas;
  • alojamento temporário de idosos residentes em lares;
  • apoio à digitalização das empresas;
  • apoio a sócios gerentes;
  • isenção dos pagamentos por conta.
=

Para mais informações, visite www.aproturm.com.

Imagem: MB

Fonte: APROTURM

A pão e água ou morrer à fome

Dezembro 4, 2020 em Atualidade, Economia, Mundo, Opinião, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora
Diogo Dias Reis

Por estes dias, temos assistido a um espetáculo deprimente que nos chega pelos órgãos de comunicação social. Um movimento constituído por cidadãos, empresários, do nosso país, depois de terem convocado vários eventos em diversos locais de Portugal, resolveram entrar em greve de fome e acampar à porta da Assembleia da República.



Não obstante de quem possa ter razão, é meu entender que num momento excecional como o que estamos a viver, de pandemia mundial, com prejuízos socioeconómicos devastadores como não há memória, deva este movimento ser ouvido pelas entidades governamentais.

O jogo do empurra que temos assistido nos últimos dias é dispensável. Atravessamos uma crise de saúde pública, com uma pandemia a nível mundial que todos os dias aumenta, que vitima muitos dos nossos entes queridos. Que desde março, em Portugal, nos impede de viver com toda a legitimidade de liberdade que nos é devida, que nos impede de estar com a família, com os nossos amigos, de festejar aniversários, celebrar a nossa fé, marcar presença em eventos públicos, é, pois, por tudo isto, que entendo ser um gesto de humanidade, solidariedade e fraternidade que estes possam, e devam, ser chamados a audiência com as mais altas patentes da governação em Portugal.

A decisão de serem praticamente ignorados pelo Primeiro-ministro, António Costa, bem como pelo Ministro da Economia, Pedro Siza Vieira, não é, de todo, inocente e visa criar um sentimento de julgamento e de condenação na sociedade portuguesa. Criar uma espécie de cisão de “nós contra eles” e, assim, ao olhar dos portugueses, enfraquecer este movimento e, por conseguinte, os empresários que o compõem. O que seria, de todo, evitável num momento tão difícil como o que estamos a viver.

Se é verdade que, no passado, todos eles foram pró-ativos em encerrar os seus estabelecimentos, ainda antes das obrigatoriedades impostas pelo governo, não é menos verdade que foi isso, a par das medidas adotadas de forma quase generalizada pela população portuguesa, que evitou a sobrelotação do SNS (Serviço Nacional de Saúde) e, por isso, quase que se falava no “milagre” português.

Importa relembrar que este movimento, embora tenha como um dos rostos mais mediáticos, o Chef Ljubomir Stanisic, é composto por mais elementos. Alguns deles, empresários da noite, bares e discotecas, que estão impedidos, por lei, de abrir os seus estabelecimentos para a finalidade a que se destinam. Se no período após o Estado de Emergência, no vulgo desconfinamento, o setor da restauração pôde abrir a lotação reduzida e até às 23 horas e, mais tarde, até às 01 horas, o setor da noite não podia fazê-lo. Ainda assim, é de salutar e de agradecer a forma ágil e célere como muitos destes estabelecimentos se readaptaram por forma a servir refeições quando a sua finalidade é servir de palco às mais loucas noites do nosso país.

Não posso terminar, sem deixar, ainda, um último apontamento, e este refere-se aos apoios que o Estado diz que deu ou que vai dar a estes e outros setores. Sabemos que este governo é perentório em fazer anúncios. Sabemos, porque estamos desde março a ouvir falar da “bazuca” da União Europeia, das ajudas aos pequenos e médios empresários e do famoso lay-off. Convém também relembrar que uma parte do lay-off é assegurada por estes empresários, já para não falar de que, para terem acesso aos apoios do Estado, têm que assegurar, na sua totalidade, os postos de trabalho. Apoios estes, que, na sua maioria, ainda não chegaram ao bolso destes empresários.

É verdade que o Estado tem uma máquina burocrática muito pesada. Mas também é verdade que não há vontade de agilizar processos. Se fosse para favorecer algum amigo, sabemos bem que se aplicaria um ajuste-direto e estaria resolvido. Devemos todos ter na memória o famoso caso das golas antifumo.

Assim, temos uma crise de saúde pública, a maior crise económica e social e um estado que parece preferir que do movimento “a pão e água” passe ao movimento “morrer à fome”. O que não seria se esta greve de fome se passasse em 2012 com o Governo de Pedro Passos Coelho, de elitista a xenófobo, não faltaria o que lhe chamassem.

Num momento de crispação da sociedade portuguesa, de cansaço generalizado, a iniciar-se a época de maior harmonia para nós, católicos, mas também para a sociedade civil, reunir com este movimento é, antes de tudo, um gesto de humanismo.

Por: Diogo Dias Reis* (Vogal da Direção Política Nacional do Partido RIR – Reagir Incluir Reciclar).

Foto: Frame de vídeo (SIC NOTÍCIAS).

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do autor)

Estabelecimentos podem abrir às 9h00 no concelho de Barcelos

Dezembro 3, 2020 em Atualidade, Concelho, Economia, Política, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Município de Barcelos informa que a partir da meia-noite de 3 de dezembro, os estabelecimentos de comércio e serviços estão autorizados a abrir a partir das 09h00.



A medida obteve o parecer favorável da autoridade local de saúde e das forças de segurança, conforme previsto na lei, e tem subjacentes razões de saúde pública, procurando evitar a concentração de pessoas durante o reduzido período de funcionamento dos estabelecimentos, e as caraterísticas do tecido empresarial e comercial do concelho de Barcelos.

Os estabelecimentos devem manter todas as medidas de segurança destinadas a evitar a transmissão do vírus COVID-19, tendo em atenção a sua área de venda e a proteção dos funcionários e clientes.

Esta medida inscreve-se na regulamentação relativa à aplicação do estado de emergência, que confere ao Presidente da Câmara Municipal a competência para a fixação dos horários de funcionamento dos estabelecimentos da respetiva área territorial, e manter-se-á por tempo indeterminado, sem prejuízo da sua reavaliação caso se venha a justificar.

Fonte: CMB.

Foto: DR.

COVID-19: “Os Verdes” exigem medidas de reforço do SNS nos Concelhos de Elevado Risco

Novembro 29, 2020 em Atualidade, Mundo, Política, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

De Modo a Garantir a Vigilância e Controlo da Disseminação da Pandemia

A deputada Mariana Silva, do Grupo Parlamentar “Os Verdes”, entregou, na Assembleia da República, uma pergunta, questionando o Governo através do Ministério da Saúde, sobre as medidas que urgem ser tomadas para reforço do SNS e, em particular, das unidades de saúde pública para ser garantida a vigilância e controlo da disseminação da pandemia, principalmente nos concelhos de elevado risco situados, maioritariamente, a norte do país, onde estas unidades atravessam sérias dificuldades



Segue-se, na íntegra, a referida pergunta:

«A evolução do número de casos positivos, num momento em que se registam máximos de casos confirmados, adensa o número de acompanhamentos a pessoas infetadas e em isolamento por parte das autoridades de saúde que atuam no sentido de vigiar e controlar a disseminação na comunidade.

Este acompanhamento traduz-se em centenas de chamadas diárias e registos epidemiológicos, uma tarefa partilhada por delegados de saúde, médicos de família e enfermeiros que alteraram radicalmente o acompanhamento a outras áreas, estando muitos deles afetos exclusivamente à COVID-19.

Para os delegados de saúde, tal significa que outras funções ficaram praticamente suspensas, ou diminuídas, tais como, verificações e apoio aos lares, identificação e aplicação de medidas em empresas onde surgem casos de COVID-19, juntas médicas, vigilância de águas para consumo humano e estabelecimentos de restauração e bebidas, vistorias de projetos, vigilâncias epidemiológicas e sanitárias generalizadas, verificação das condições para que pessoas com limitações e motoristas de pesados possam conduzir, entre outras funções.

A falta de recursos humanos nas equipas de saúde pública, aliada à escassez de tempo em resultado da pressão imposta pela necessidade de manter a vigilância epidemiológica de milhares de casos de COVID-19, traduz-se, ainda, em atrasos significativos nos telefonemas realizados pelas autoridades de saúde aos infetados e aos contactos destes doentes positivos que se encontram em isolamento profilático.

Por conseguinte, há situações de infetados que são contactados 7 a 14 dias após iniciarem o isolamento. Consequentemente, os trabalhadores deparam-se com atrasos na emissão da declaração de isolamento profilático, para apresentar junto das entidades empregadoras, implicações no processamento salarial e adiamento do prazo para receção da remuneração da segurança social pelos dias em isolamento profilático.

A demora na obtenção de alta pelas autoridades de saúde, após cumprimento dos 14 dias de isolamento levou a que alguns trabalhadores regressassem ao trabalho sem a devida documentação, tendo havido falha no controlo dos sintomas e expostos terceiros a risco de contaminação.

A par dos concelhos limítrofes de Fafe, Vizela, Felgueiras, Lousada e Santo Tirso, Guimarães está entre os 10 concelhos com risco mais elevado e regista, à data de hoje, 1886 pessoas com COVID-19 por cada 100 000 habitantes.

O mesmo delegado de saúde afeto ao ACES Alto Ave – Guimarães, Vizela e Terras de Basto, tem a responsabilidade sobre os concelhos de Cabeceiras de Basto, Fafe e Vizela.

Os contactos da delegação de saúde tardam e dada a necessidade de obtenção de declarações comprovativas do isolamento profilático, algumas pessoas optaram por estabelecer ligação telefónica com a Unidade de Saúde Pública de Guimarães, instalada no Centro de Saúde de Urgezes, mas também por esta via não obtêm o atendimento necessário.

Anunciada em outubro pela Direção Geral de Saúde, a contratação de 150 enfermeiros, maioritariamente alunos de enfermagem, para reforçar as equipas de saúde pública na realização dos inquéritos epidemiológicos, não vêm reforçar efetivamente a capacidade de resposta do SNS, pois como reconheceu o Secretário de Estado e Adjunto da Saúde trata-se de inquéritos acionados pontualmente o que “não justificaria um vínculo”.

“Os Verdes” exigem esclarecimentos sobre as medidas que urgem ser tomadas para reforço do SNS e em particular das unidades de saúde pública para ser garantida a vigilância e controlo da disseminação da pandemia, em particular nos concelhos de elevado risco situados maioritariamente a norte do país, onde estas unidades atravessam sérias dificuldades.

Assim, ao abrigo das disposições constitucionais e regimentais aplicáveis, solicito a S. Exª O Presidente da Assembleia da República que remeta ao Governo a seguinte pergunta, para que o Ministério da Saúde possa prestar os seguintes esclarecimentos:

1. Quantos enfermeiros, dos 150 enfermeiros anunciados para o reforço nas unidades de saúde pública foram integrados nos ACES dos 10 concelhos de risco elevado?

1.1 – Qual a distribuição por estas unidades de saúde?

2. Qual o número médio de dias para estabelecimento do primeiro contacto pelas autoridades de saúde aos doentes COVID-19 em isolamento e contactos de casos positivos em isolamento profilático nos concelhos supramencionados?

3. O Ministério da Saúde confirma atrasos de 7 a 14 dias nas situações de acompanhamento, pelas autoridades de saúde, a infetados COVID-19 e de contactos em isolamento profilático?

4. O Governo tem conhecimento de falhas ou dificuldades no atendimento telefónico nas unidades de saúde pública? Continua a ser assegurado o serviço de atendimento telefónico nestas unidades para outras situações de saúde pública?

5. Qual o rácio de delegados de saúde e de coordenadores por número de habitantes designados nos ACES destes 10 concelhos?

6. O Ministério da Saúde pondera o reforço da contratação de administrativos clínicos, delegados de saúde, médicos e enfermeiros para responder às dificuldades enfrentadas pelas unidades de saúde pública e pelas unidades locais de saúde no combate à pandemia?»

Fonte: PEV.

Foto: DR.

Lionismo e diabetes

Novembro 29, 2020 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Saúde Por barcelosnahorabarcelosnahora

O Lionismo é um Movimento de Serviço Internacional, que está em mais de 200 países, com um leque de serviços amplo, desenvolvido através dos mais de 48 000 Clubes Lions no mundo, com ações que englobam a promoção da saúde na diabetes, na cegueira, no cancro infantil e em outras doenças que afligem a humanidade, a promoção da cultura, da saúde ambiental, o combate à fome, a prevenção da delinquência infantil e juvenil com programas orientados para essas idades, etc.



E, através da Fundação Lions Internacional, (LCIF), o movimento lionístico está sempre presente onde a catástrofe e a necessidade acontece como, atualmente, na pandemia do COVID-19.

Os clubes seguem os programas orientadores de Lions Internacional e da Governadoria do Distrito Lion a que pertencem, com ações de iniciativa própria, consoante as necessidades das comunidades em que assentam: organizam-se eventos de angariação de fundos, rastreios, colheitas de sangue, entrega de bolsas de estudo, bolsas de alimentação e outras, concursos literários, concursos de música, de fotografia, ações de apoio à velhice, e muitas outras.

O mês de novembro é dedicado à Diabetes, essa doença crónica que atinge 463 milhões de pessoas no mundo e se carateriza por demasiado açúcar (glicose) em circulação, consequência da não (ou pouca) produção de insulina pelo pâncreas, que não sendo diagnosticada atempadamente e controlada, pode provocar lesões graves no coração, nos olhos, nos rins, nos vasos sanguíneos, nos nervos, causando pouco a pouco a falência de todo o organismo.

O diabético precisa de aprender a manter a sua doença controlada. Dependerá disso o ter uma vida feliz, normal, ou uma vida de sofrimento. Ele deverá ser doente e médico no controlo da sua doença.

A Diabetes manifesta-se sob dois tipos: diabetes tipo1, que atinge especialmente jovens e crianças, mas pode atingir todas as idades. Os seus portadores terão de tomar, diariamente, a insulina, que o seu pâncreas não produz, e controlar a glicose em circulação; e a diabetes tipo 2, que atinge, preferencialmente, pessoas de meia-idade, mais ou menos obesas e sedentárias. Mas também, e cada vez mais (pensa-se que devido ao tipo de alimentação e à vida sedentária das crianças e jovens de hoje), jovens e crianças. Todavia, diagnosticada, seguindo disciplinadamente o tratamento e tendo uma alimentação saudável e exercício moderado, quer os diabéticos Tipo1, quer os do Tipo2 poderão levar uma vida ativa e feliz.

Durante o mês de novembro, cujo dia 14 é o Dia Mundial da Diabetes, os clubes Lions desenvolvem nas suas comunidades atividades decontrolo e promoção da saúde do diabético, com a organização de palestras sobre alimentação saudável, caminhadas, rastreios de glicose, colesterol, tensão arterial, índice de massa corporal, distribuição de panfletos alertando para as consequências de uma Diabetes descontrolada, etc.

E o Lions Clube de Barcelos, desde há anos, juntamente com os seus parceiros, organiza no dia 14 de novembro “As Jornadas da Saúde”, que englobam rastreios a esses valores diversos, importantes na saúde de todos nós, mas ainda mais na saúde do diabético.

Este ano foram adiadas, há dias, para quando o COVID-19 permitir a sua concretização.

Por: CL Jeracina Gonçalves*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade da autora)

Foto: DR.

1 2 3 28
Ir Para Cima