Tag archive

EUA

Dueto da Academia Rosália Ferreira representa Portugal no All Dance World, em Orlando (EUA)

Julho 4, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

A direção do All Dance World contactou a Academia Rosália Ferreira no sentido de informar os seus responsáveis de que uma coreografia apresentada por esta academia barcelense no Festival Norte Dança 2018 tinha sido apurada para representar Portugal na sua competição que acontecerá em Orlando (Flórida), nos Estados Unidos da América (EUA), entre 21 e 25 de novembro deste ano.



A coreografia em questão trata-se de um dueto constituído por Beatriz Silva e Bruna Maia, que competiu para o prémio de “Duetos Estilo Livre” com “Rule the World”, tendo arrecadado o 2º lugar, sendo que não foi atribuído o 1º. Tudo isto aconteceu na 20ª edição do Festival Norte Dança, que decorreu na EXPONOR (Matosinhos), entre 13 e 15 de abril últimos.

All Dance World Orlando 2018 é um evento organizado pela All Dance International (ADI), que se realizará na cidade da Flórida entre 21 e 25 de novembro deste ano. Esta é uma competição que premeia todas as formas de dança e o campeão mundial da ADI do ano. O seu “quartel-general” será o prestigiado Hotel Hilton Orlando Resort. Entre as formas de dança avaliadas estarão o ballet (reportório ou fragmento e criação inédita), o neoclássico, lyrical, dança contemporânea, jazz, teatro musical, tap dance, danças espanholas, danças étnicas, danças latinas, danças árabes, show e hip hop.



Já a Academia Rosália Ferreira – Núcleo Artístico e Cultural de Barcelos tem desenvolvido o seu trabalho como associação desde junho de 2016, baseando-se no trabalho desenvolvido nos últimos 12 anos pela, então, Academia de Dança Rosália Ferreira Unip., Lda, agora extinta.

Rosália Ferreira, diretora técnica e artística da Academia, referiu ao Barcelos na Hora que “foi uma grande surpresa, uma vez que sabíamos que seríamos automaticamente apurados para o All Dance Portugal do próximo mês de outubro, em Gondomar, no Porto, que se trata das eliminatórias para o All Dance World 2019, mas não sabíamos, de todo, da possibilidade de estarmos apurados já este ano para a grande final de 2018”.

Como seria de esperar, neste momento, são várias as sensações e sentimentos que estarão a sentir.  “Estamos imensamente orgulhosos deste resultado e é, sem dúvida, um mix de emoções, entre euforia, orgulho, felicidade, mas também de receio”, salientou. E receio porquê? “Realmente, é sem dúvida um imenso orgulho para nós podermos levar as cores do nosso país e da nossa cidade além-fronteiras, mas também existe uma realidade que, infelizmente, nos assusta, que são os custos”, ressalvou Rosália Ferreira.

Efetivamente, a questão financeira será sempre um aspeto muitíssimo importante a ter em conta pela Academia Rosália Ferreira. Afinal, terão que orçamentar viagens, estadias e demais custos. “Estando, de momento, ainda a fazer o levantamento real dos fundos necessários para este projeto, temos uma noção real do elevado custo que este possa ter e, infelizmente, também a noção real de que a nossa associação, por não usufruir, de momento, de qualquer tipo de apoio, seja por parte do Município ou de qualquer outra entidade pública ou privada, não tem a possibilidade de assegurar os custos para a realização deste sonho”, lamentou esta responsável.

Mas como se tem assistido, a dança em Barcelos tem “dado cartas” e isso deve-se, imenso, aos responsáveis das escolas/academias/estúdios/associações onde esta forma de expressão cultural de exprime e aprende, assim como aos bailarinos, atletas e suas famílias. Todos, em conjunto, têm mostrado uma enorme resiliência, paixão pela dança e recusa em “baixar os braços”. Rosália Ferreira e a sua Academia não são exceção. “Contudo, não vamos ‘baixar os braços’ e tentaremos angariar apoios, patrocinadores e todo o tipo de ajuda para podermos, orgulhosamente, representar o nosso País, a nossa cidade e a nossa Academia nesta grande competição internacional, direi até, intercontinental, que é o All Dance World Orlando 2018”, afirmou convicta.

Fotos: ARF.

 

Colégio La Salle traz coro dos EUA a Barcelos

Março 9, 2018 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora

No próximo dia 14 de março, quarta-feira, pelas 19h00, quem se deslocar à Igreja de Santo André de Barcelinhos poderá assistir à atuação de dois coros, numa organização do Colégio La Salle.



A noite será animada pelo Coro Infantil do La Salle (Barcelos), que tem Rosa Pereira como Diretora, e pelo coro convidado Totino Grace HS Concert Choir, vindo dos Estados Unidos da América e dirigido por Terry Voss e Suzanne Reyburn.

A entrada é gratuita mas como há lotação limitada, quem pretender assistir ao espetáculo deverá dirigir-se à receção do Colégio La Salle para levantar bilhetes.

 

O ano (que não foi) de Donald Trump

Dezembro 31, 2017 em Atualidade, Concelho, Mundo, Opinião, Política Por barcelosnahorabarcelosnahora
Raquel dos Santos Fernandes

Nos anos 20, incentivado pelo antissemitismo sofrido pelos judeus na Europa, o desejo de criar um Estado judaico ganhava cada vez mais força. Um forte movimento migratório judaico, alimentado por aspirações sionistas, chegava então ao território otomano da Palestina e logo se iniciou uma onda de resistência entre as comunidades locais. Quando o Império Otomano foi desintegrado, após a Primeira Guerra Mundial, a Liga das Nações mandatou o Reino Unido para administrar o território que, após a Segunda Guerra Mundial e depois do Holocausto, a 14 de maio de 1948, se tornaria Israel. No dia seguinte, Egito, Jordânia, Síria e Iraque invadiam o país.


Quando o presidente Trump declarou, oficialmente, Jerusalém como capital de Israel, não só pôs em causa décadas de diplomacia dos EUA, como ameaçou desencadear novas agitações no mundo muçulmano. Como em 1948, como em 1967 e como em 1973. Ainda antes da fundação do Estado de Israel, o conflito israelo-palestiniano já se havia tornado num problema regional, mas Trump parece não conhecer bem a dimensão deste conflito. Ou melhor, talvez Trump, por entre o seu véu megalómano, não se conheça a si mesmo.

Esta é a quarta vez que Trump inicia uma grande mudança que coloca a América em desacordo com um consenso internacional significativo. Claro que vários presidentes americanos assumiram posições que desafiaram o consenso global, mas a diferença é que estes sempre se aliaram a outras grandes potências antes de atuarem e, como resultado, a América foi capaz de liderar, criar impulso e alterar o comportamento internacional. Trump, ao contrário, atuou, sem antes criar essas alianças e o resultado foi a inexistência de uma medida persuasiva que tornasse, novamente, a América grande.

Não surpreendentemente, ninguém o seguiu e nada mudou. As palavras de Washington foram ignoradas, os EUA seguem sozinhos e outros Estados vão tomando as rédeas da liderança global: a China no Pacífico, a Rússia no Oriente Médio e o acordo de Paris decorre de acordo com o previsto, com todos os Estados, à exceção dos EUA, a assumirem uma política ambiental sustentável.

Trump, simplesmente, não foi levado a sério e a América é cada vez mais um alvo de ridicularização do que de admiração.

Muitos outros acontecimentos políticos marcaram o ano de 2017. Poderia ter-me debruçado sobre qualquer um deles, mas parece-me que terminar 2017 com a intuição que este não foi o ano de Donald Trump, poderá ser um bom prognóstico para 2018!

Por: Raquel dos Santos Fernandes*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Pré-venda do iPhone X esgotada, alta procura ou baixa produção?

Outubro 29, 2017 em Atualidade, Concelho, Cultura, Mundo Por barcelosnahorabarcelosnahora
Diogo Sendim Lourenço

A pré-venda do iPhone X acabou de começar e…bem, se estás a ler isto,  fica a saber que já é tarde demais para tentar reservar o teu iPhone X há algum tempo – pelo menos para o lançamento.



Isto porque, embora a pré-venda ainda esteja aberta para o público em 55 países diferentes, aqueles que tentarem conseguir uma unidade do dispositivo terão que esperar para depois de 3 de novembro — ou seja, para depois do lançamento do smartphone em si. Obviamente, a Apple nunca iria revelar quantas unidades estavam disponíveis, mas o prazo para a entrega já deixa claro que as unidades em stock para o lançamento foram esgotadas.

Para piorar, o tempo de espera previsto já atingiu números absurdos: em apenas duas horas depois da pré-venda começar, o prazo para a chegada dos aparelhos foi para 5 a 6 semanas, nos EUA, segundo o BGR. E parece que o mesmo está a acontecer no resto do mundo.

Alta expectativa, baixa disponibilidade!

Se isso se deve à enorme expectativa do público para o poderoso e inovador aparelho? Certamente – afinal, como muitos esperavam pelas fracas vendas do iPhone 8, o público preferiu esperar algumas semanas para ter acesso ao modelo mais poderoso. Tudo isto, no entanto, reforça os rumores dos problemas de produção do iPhone X, que resultou numa disponibilidade de poucas unidades nas primeiras semanas do smartphone nas lojas.

A boa notícia, por fim, é que a Apple pelo menos garantiu que todas as suas lojas terão unidades do iPhone X em stock no dia 3 de novembro. Mas também recomenda que os interessados cheguem cedo às lojas para conseguirem adquirir o dispositivo – o que indica uma disponibilidade um tanto limitada.

Por: Diogo Sendim Lourenço*.

(* A redação do artigo de opinião é única e exclusivamente da responsabilidade do/a autor/a)

Ir Para Cima